STF determina abertura de inquérito contra Bolsonaro por associação falsa entre vacina e HIV

Decisão do ministro Alexandre de Moraes contraria a PGR e atende a pedido feito por parlamentares da CPI da Covid

Reprodução/Facebook Jair Bolsonaro (21/10)

do Brasil de Fato

STF determina abertura de inquérito contra Bolsonaro por associação falsa entre vacina e HIV

por Cristiane Sampaio

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta sexta-feira (3) a abertura de um inquérito contra o presidente Jair Bolsonaro (PL) por associação mentirosa entre a vacina contra a covid-19 e o vírus do HIV.

O conteúdo falso foi veiculado pelo chefe do Executivo em 21 de outubro, durante uma transmissão virtual em que ele chegou a mencionar uma suposta notícia de que moradores do Reino Unido que teriam tomando o imunizante estariam desenvolvendo a síndrome. A informação não procede e os estudos científicos indicam alto grau de segurança das vacinas.

A iniciativa que provocou a decisão de Moraes partiu da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, que pediu providências à Corte diante de declarações mentirosas de Bolsonaro a respeito da pandemia.

Os parlamentares haviam apontado que as manifestações do presidente minimizaram os riscos da crise sanitária, impulsionaram a adesão a tratamentos sem comprovação científica, colocaram a segurança das vacinas em xeque no imaginário da população e deram capilaridade a uma série de desinformações relacionadas à covid.

Diante da conduta de Bolsonaro, o ministro Alexandre de Moraes afirmou que não restam dúvidas de que a postura do presidente se insere em um contexto de disseminação de informações fraudulentas sobre a vacinação contra a covid-19.

No documento que determinou a abertura do inquérito, o magistrado criticou a atuação do procurador-geral da República, Augusto Aras, chefe do Ministério Público Federal (MPF), que vinha fazendo uma apuração interna sobre o caso, porque a investigação surgiu a partir de uma notícia-crime enviada à Corte.

Moraes argumentou que o caso exige um inquérito nos moldes formais e com o monitoramento do STF para a averiguação dos detalhes, como a forma de condução das investigações, diligências, etc.

A Petição 10.007, protocolada pela CPI, também solicitava a suspensão do acesso do presidente da República às redes sociais, mas Alexandre de Moraes ainda não fez deliberações a esse respeito. Ele solicitou um parecer da PGR sobre o assunto dentro de 15 dias.

Edição: Vinícius Segalla

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

AMBAR

- 2021-12-04 17:56:48

Mais uma perfumaria que não fede e não cheira. O ministro, ao mesmo tempo em que faz um "oi" pro bolsonaro, vai ter que concluir forçosamente que o nobre mandatário apenas foi pândego e ignorante, e que não teve a intenção de "influenciar o seu público" Affff!!!! Quero ver quando, e se o Xandão vai "pegar no breu" contra o bolsonaro.

Fábio de Oliveira Ribeiro

- 2021-12-04 15:09:25

Bolsonaro não agiu sozinho. Ele cumpriu o programa econômico do presidente do BC (maximizar mortes para garantir o crescimento econômico) e foi ajudado pelo PGR e pelo AGU. Esse Inquérito é seletivo, ilegal e injusto. https://www.linkedin.com/posts/f%C3%A1bio-de-oliveira-ribeiro-272376155_incidente-activity-6872863617209950208-vwiS

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador