O dono do Bahamas é a melhor tradução desses tempos de homens de bem

A melhor síntese desses dias conturbados é Oscar Maroni, dono do Bahamas Hotel Club, o puteiro mais festejado de São Paulo. Na porta do Clube, colocou as fotos de Sérgio Moro e Carmen Lúcia. E, pelas redes sociais, o vídeo oferecendo cerveja de graça se Lula fosse preso, e uma semana de graça se fosse executado na prisão.

Um cafajeste exemplar, o estereótipo perfeito do cafetão do bem, arrotando álcool, fedendo suor, coçando o saco, mas sabendo, agora, que está do lado dos homens de bem. Ele está do mesmo lado  do Ministro Barroso, do juiz Sérgio Moro, da notável Carmen Lúcia, do bravo procurador que pediu a antecipação da prisão de Lula para combater o espírito de onipotência do condenado.

Mostrando-se um rufião agradecido, Maroni aunciou prêmios variados aos diversos protagonistas do espetáculo. Ao Sérgio Moro, “pela tua competência como juiz, acabou de ganhar um vale ingresso vitalício em Bahamas Hotel Club”.

Para a Polícia Federal, “pela tua coragem e dignidade no cumprimento da função”, cinco ingressos para quando vierem a São Paulo. Os bravos integrantes do Ministério Público também poderão sortear cinco ingressos grátis.

Profundo conhecedor dos procedimentos, Maroni explica que “reparem que escrevi o nome destas instituições com letras maiúsculas, pois são brasileiros que merecem destaque pela sua dignidade e eficiência da condução da profissão”. E, para encerrar, o brado de patriotismo: “Estou orgulhoso novamente de ser brasileiro”.

Todos estamos. Graças à Lava Jato, os nostálgicos de Brasil conseguem reencontrar um Brasil ancestral que parecia enterrado, a raiva rompante dos bandeirantes executando os gentios, dos jagunços executando os inimigos dos coronéis, do feitor chicoteando os escravos, dos inquisidores queimando quem não professasse a fé cristã, do corpo de Tiradentes, queimado e salgado.

Todas as épocas do Brasil em uma síntese inesquecível.

Leia também:  Paulo Marinho tenta recuperar antigo celular de Bebianno

O modo como pessoas aparentemente pacíficas, de repente, passaram a fazer eco ao ódio, lembrava em tudo os cristãos novos que, nos reizados, batiam bumbo com toda força nas festas dos Reis, para que não despertassem suspeitas sobre a nova fé abraçada. Olha eu aqui, também estou desejando a morte do Lula, pareciam dizer a seus chefes, aos vizinhos, à Justiça, aos donos de jornais. Não quero ficar de fora, também sei arrotar ódio e bater nos mais fracos.

Não houve nenhum tipo de clemência, nenhuma concessão. O cercado de 15 m2, que receberá Lula na PF de Curitiba, passou a ser tratado como a sala do Estado Maior. Dois dias a mais de liberdade, seriam um privilégio inominável. O fato de Moro dar a opção de Lula se apresentar, um ato benigno de quem tem a força.

Foi o mesmo clima da AP 470, na qual até a discussão de meros embargos de infringência assumiram o caráter das votações definitivas. Ao inimigo não se pode conceder nada, nem os direitos básicos .

Qual a diferença de Moroni e de âncoras de jornais babando ódio incompreensível, contra um adversário caído? Nenhuma. Por trás, o mesmo sentimento irracional de selvageria de uma Klu KLux Klan, das brigadas fascistas. Um homem que teve a sua casa invadida, a sua cama revirada, suas conversas grampeadas, seus filhos processados, que viu sua mulher morta pela perseguição inclemente movida contra sua família. Tudo isso depois do maior feito humanista de qualquer governante, em qualquer tempo: tirar 40 milhões de pessoas da miséria absoluta. E o único momento de indignação era quando repórteres, na linha de frente, sofriam alguma represália de manifestantes.

Leia também:  Em outro vídeo, Bolsonaro admite interferência para se proteger

O que leva esse pessoal a babar sangue, atiçar a turba, acender a pira até o instante final? Talvez o medo do tempo, de serem superados pelos jovens que chegam ao mercado de trabalho. Receio de serem alvos das idiossincrasias dos donos de veículos. Ou seria apenas o prazer sádico de bater, bater, bater em quem está caído, descontando nele todas as frustrações e ódios de uma vida.

E, depois, como bons cidadãos, celebrar a vitória no Bahamas Hotel Club, ao lado de seu sonho de consumo e de cidadão: Oscar Maroni, o cafetão do bem.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

92 comentários

  1. O dono do puteiro arrota

    O dono do puteiro arrota falsa felicidade em cima da desgraça alheia. Mas quando vier a ressaca, este e outros rufiões de bem ainda vão ter uma baita dor de cabeça. Descobrirão que, graças a eles, o Brasil broxou.

  2. Cadê a foto do juizeco e da

    Cadê a foto do juizeco e da juizeca na frente do puteiro desse fdp? Apesar de que achei bem apropriado, bem que poderia ser o STF ali atrås daqueles carrancas.

  3. Se, além dos acontecimentos

    Se, além dos acontecimentos do massacre à figura do Lula nesses últimos três dias, juntarmos o fato desse cafetão do bem ter estampado as fotos do juizeco de piso e o da benta carneira (vampira brasileira), na entrada do puteiro, veremos a tradução perfeita da letra da música do Cazuza “O tempo não Pára”. É isso aí, nosso país é uma tragédia permanente. Nem Kafka conseguiria escrever um roteiro assim.  

  4. Se, além dos acontecimentos

    Se, além dos acontecimentos do massacre à figura do Lula nesses últimos três dias, juntarmos o fato desse cafetão do bem ter estampado as fotos do juizeco de piso e o da benta carneira (vampira brasileira), na entrada do puteiro, veremos a tradução perfeita da letra da música do Cazuza “O tempo não Pára”. É isso aí, nosso país é uma tragédia permanente. Nem Kafka conseguiria escrever um roteiro assim.  

  5. O grande lupanar chamado Brasil.
    Um juizeco de primeira instãncia e sua, na prática, subordinada são as atrações principais são as “atrações” principais do principal lupanar da capital “coxinha” do Brasil. A foto deveria estar na capa de todos os sites progressistas do Brasil. É o retrato de um país em decomposição.

    Viver no grande lupanar chamado Brasil não causa vergonha na elite brasileira e sua fantoche, a fração fascista da camada média da sociedade

    Repercussão extremamente negativa no mundo civilizado? Não estão nem aí. Para eles. o importante é o dinheiro.

    Apenas o morro descendo “montado nos ferros” poderá salvar este país.

  6. “Transformam o país inteiro num puteiro.”

    O cafetão colocando a foto do xerife juizeco e da ministra mortícia decorando a fachada de seu prostíbulo, é bem significativa. 

    Imaginem esta postagem estampada na imprensa internacional.

    Como já cantou Cazuza, estes fascistas

    “Transformam o país inteiro num puteiro.

    Pois assim se ganha mais dinheiro”. 

     

     

  7. Ele e o Bolsonaro se merecem…

    Eu tenho 4 netos, senão iria torcer pela eleição do Bolsonaro, pra ver se este País explodiria de uma vez por todas.

    É uma agonia a espera do futuro que parecia ter chegado e foi golpeado.

    Tudo se resume a uma questão de crenças. Há aqueles que acreditaram na narrativa midiática e vêem no Lula o ladrão comunista. Putz, conseguiram enfiar nas cabeças de muitos a ideia de que o Lula é comunista…

    A nossa crença, em oposição a essa, é na inocência do Lula. E pra quem acredita nisso é doloroso ver o que tá acontecendo.

    A entrega de nossas estatais, das riquezas minerais, da nossa água, da nossa força de trabalho…

    Desculpem o desabafo, abraços a todos…

    • Golpistas de outras bandas

      E vc se acha quem ou o que? Vc e os 50 MM que idolatram essa coisa asquerosa são golpistas de onde? Lá de cima? Moras aqui ou lá? Se aqui, volta pra lá. Ou limpa a boca e escova a dentadura para pronunciar nosso patronimio. Cuidado carcará, inveja mata. 

       

  8. Nassif, a imagem desse cara

    Nassif, a imagem desse cara comemorando a prisão do Lula tem um efeito semelhante à do Vampiro da Tuituti.. é devastador.. os caras reduziram a comemoração tamanho o constrangimento e a conscientização que ela proporcionou..

  9. Até no aviao
    O Eduardo Cunha quando foi preso foi de jatinho executivo.
    Já o Lula em um monomotor.
    Até nisso a luta de classes se apresenta.

  10. O DONO DO PUTEIRO”
    REALMENTE… UM RETRATO FIEL DO SISTEMA QUE HOJE IMPERA NESTE PAÍS SEM NAÇÃO! A PROSTITUIÇÃO DO CARÁTER, DA ECONOMIA, DO JUDICIÁRIO E DE POLÍTICA! SEM FALAR NA MÍDIA MANIPULADORA E DOS QUE SE ENRIQUECEM SOBRE O TRABALHO DOS OUTROS…”RENTISTAS, POR EXEMPLO”!

  11. Esta é a “justissa”. da vênus platinada ao eros decaído

    Que bom que a partir de segunda, a corrupção, a hipocrisia, o ódio ao seu conterrâneo estarão estirpados do Brasil. Segunda sim, pois hoje é noite para as orgias e domingo tem missa de purificação.

  12. JUDICADURA GRAN PUTEIRO BRASIL – Hoje, 7/4/2018 – Bebida grátis

    JUDICADURA GRAN PUTEIRO BRASIL
    Hoje, 7/4/2018 – Grande comemoração – Bebida grátis

     

     

    “Transformam um país inteiro num puteiro
    Pois assim se ganha mais dinheiro” (Cazuza)

  13. Cafetão

    Será que não tem alguem ai em sao paulo , para  fazer um serviço pra humanidade e mandar esse cara visitar o capeta.

  14. Hoje o lixo de nossa

    Hoje o lixo de nossa sociedade comemora a prisão de LULA. Esse maldito em especial é a cópia do que virou o Brasil na mão de um judiciário tendencioso repleto de mercenários, que tem entre os seus contatos, os números de donos de emissoras de TVs e jormais.

     

     

  15. Engraçado é que exploração da

    Engraçado é que exploração da prostituição é crime.

    Por que a justiça fecha os olhos pra esse cara?

    • O tal do domínio do fato

      Ele diz só tem um hotel com um bar. Falta-lhe o domínio do fato, ou seja, que o seu hotel é um prostíbulo. São Paulo inteira sabe, mas ele não. 

    • Canalha dos canalhas

      Há muitos canalhas nesse processo. Maroni, Merval são dois deles. Porém, se tivesse que escolher o CANALHA DOS CANALHAS certamente escolheria JOSIAS DE SOUZA da Folha. Além de canalha ele é um psicopata tamanha a virulência e covardia com que ataca Lula.

  16. O dono do Bahamas é a melhor tradução desses tempos

    “Dissemos que o golpe não passaria e passou. Dissemos que a condenação de Lula não ocorreria e ocorreu. Dissemos que o TRF da 4ª Região não ousaria confrontar as massas coonestando a condenação partidária de Moro e ousou. Pensávamos que o STJ daria um freio de arrumação e não deu.”

    Eugênio Aragão – atual Ministro constitucional da Justiça – 08/03/2017

    depois disseram que Lula não seria preso. e se for preso, consistirá apenas num show midiático e será libertado após pouco tempo.

    agora Lula está preso. e escrevem cartas de agradecimento

    continuam apostando tudo nas Eleições de 2018, mas se elas acontecerem será como farsa.

    disseram que o povo não saía às ruas. e o povo se ofereceu como escudo humano à frente do Sindicato de Metalúrgicos, em São Bernardo.

    disseram que o problema era a Globo. mas a Globo não foi capaz de derrubar Temer e muitomenos de impedir 4 vitórias sucessivas do PT.

    não é sem motivo que o Alzheimer tornou-se uma patologia epidêmica em nossa época. progressivamente o que era comportamento disfuncional se cristaliza numa grave doença. e a doença é a última e desesperada tentativa do corpo em se auto-curar.

    enquanto o Lulismo persiste em acertar o prognóstico daquilo que não tem qualquer probabilidade de ocorrer, aqui postamos desde 17/05/2015:

    confesso: não tenho esperança. os cegos falam de uma saída. vejo. após os erros terem sido usados como última companhia, à nossa frente senta-se o Nada.

    de fato, um conhecido cafetão que coloca a imagem de Moro e Carmen Lúcia na fachada de seu puteiro de luxo na capital do fascismo à la Brasil, São Paulo, é a melhor tradução de um tempo em que o Brasil virou um prostíbulo no qual todos nós somos os estuprados da vez.

    que a prisão de Lula ao menos sirva para se libertarem de todas as ilusões. só que não…

    p.s.:

    bem lembrado! vamos ver agora como Boulos vai explicar mais uma capitulação voluntária de Lula aos militantes do MTST, que o acompanharam até o Sindicato dos Metalúrgicos disposto a resistir “pelo tempo que for necessário”. breve, não?

    .

     

    .

    • Vai Arkx. Lidera as massas.

      Vai Arkx. Lidera as massas. Voce venceu. Assuma o controle e faça a revolução.Tudo está consumado. lidere a revolução.

    • Companheiro Arkx,

      Meus respeitos.

      Olha, a hipocrisia continua a ser o esporte nacional preferido.

      Maroni é a expressão conjugada do macho brasileiro, eu diria até, do macho médio ocidental.

      Boa parte dos que aqui reclamam de seus “antecedentes”, já visitou a casa das “primas”, seja como iniciação sexual, seja como ritual de passagem (as despedidas de solteiro), seja para levar os rebentos, enfim, para todo e qualquer motivo.

      Quando não assim, iniciavam-se sexualmente nas modernas senzalas, os quartinhos da empregada.

      Somos os campeões em violência doméstica, atacamos homossexuais pelas ruas,celebramos o “bandido bom é bandido morto” desde que nascemos, e ainda temos a coragem de apontar o dedo para quem quer que seja?

      Então.

      Olhe o trecho do texto do editor que separei para nossa degustação:

      “(…)Todos estamos. Graças à Lava Jato, os nostálgicos de Brasil conseguem reencontrar um Brasil ancestral que parecia enterrado, a raiva rompante dos bandeirantes executando os gentios, dos jagunços executando os inimigos dos coronéis, do feitor chicoteando os escravos, dos inquisidores queimando quem não professasse a fé cristã, do corpo de Tiradentes, queimado e salgado.(…)”

      Será que alguém com um pouco mais de capacidade cognitiva imagina que “reecontramos” agora esse Brasil sombrio?

      Me aponte aí, camarada Arkx, quando é que nos “civilizamos”?

      Deixamos de matar pretos e pobres em algum intervalo?

      Quando é que deixamos de ter raiva dos pobres? Quando é que os “bandeirantes” deixaram de agir, ou os jagunços?

      Antes de Tirandentes teve Zumbi, coitado, que até hoje tem seu feriado questionado, enquanto o alferes branco foi devidamente apropriado pelo panteão nacional.

      Depois teve João Cândido, o Almirante Negro, e tantos outros anônimos, sumidos e desaparecidos.

      Mas nossa memória só pranteia os herois permitidos, e os vilões também, afinal, Maroni é um cafetão que precisa ser escorraçado, quem sabe para expiar as NOSSAS culpas?

      Nossa traiçoeira memória só lembra dos “bandeirantes” e “jagunços”, talvez para esquecer que nossas avenidas chiques e shoppings estejam abarrotadas versões hi-tech e engravatadas das milícias das elites, ou das uniformizadas e enlatadas dentro dos caveirões, prontas para atirar antes de perguntar.

      Houve (mesmo em Lula e Dilma) alguma abordagem de política criminal ou proposta de enfrentamento do Judiciário que alterasse o tratamento dedicado a zezés perrelas e aos zés ninguéns?

      A principal tragédia disso tudo não é o que está acontecendo (uma breve olhada nos fluxos e refluxos do capitalismo mostraria o que estaria por vir), mas sim a total falta de consciência de que nós NUNCA chegamos nem perto de uma “civilização”.

      Os soluços de inclusão pelo consumo, a repartição precária das migalhas do Estado aos mais pobres (que já foram de grande valia), NUNCA foram acompanhados da luta necessária pelo controle da narrativa, da prevenção a criação de seum senso egoístico de classe, mostrando a cada um que as melhorias não decorriam de “méritos”, mas de escolhas políticas de Estado!

      Aqui faço mea culpa.

      Também sonhei que conforto (mínimo que foi) econômico traduzisse solidariedade política de classe.

      Que idiota fomos.

      E continuamos a ser, pelo jeito.

      Maroni, Dona Jacutinga, Bataclãns, nosso imaginário é povoado e celebra a exploração com romantismo, ou com “cordialidade”.

      E o diabo são sempre os outros!

      • O dono do Bahamas é a melhor tradução desses tempos

        Neander,

        talvez nunca tenha sido tão necessário conversar quanto agora. e talvez nunca tenha sido tão difícil, muito embora toda a parafernália de meios de comunicação disponíveis.

        do meu ponto de vista, o dia de ontem foi uma das mais duras derrotas política que já tivemos no Brasil, pelo menos no decorrer de minha vida.

        poderia citar outras: o segundo turno das eleições de 1989, todos os acordos políticos em torno do impeachment de Collor, o Plano Real e a vitória de FHC em 1994.

        sem falar a reeleição de FHC em 1998, asfixiando ainda mais nossas vidas, inclusive a minha em particular.

        não é uma derrota apenas para a Esquerda. é uma derrota de vida. principalmente para uma geração se tornando tecnicamente idosa.

        é o tipo do acontecimento político que deveria fazer com que cada um de nós passasse a limpo sua vida, fazendo um implacável acerto de contas consigo mesmo.

        ao invés disto, vejo mais uma vez uma grande parte das pessoas mergulhadas em óbvias auto-ilusões, numa profunda negação da realidade, num clima até de certo furor, como se houvesse sido alguma vitória. trata-se da euforia que indica a entrada num estado de depressão.

        quando após o meio-dia de sexta (06/04), ficou claro que Lula não se entregaria conforme o determinado, cheguei a pensar em ir para São Bernardo.

        mas sabendo como toca a banda, a voz da prudência me aconselhou a esperar o alvorecer do dia seguinte, quando ficariam mais claras as reais pretensões de Lula em resistir.

        de madrugada, tanto as notícias quanto o pio do gavião me desvelaram um cenário de que Lula se entregaria após a missa, no decorrer da tarde de sábado.

        óbvio que eu jamais esperava uma resistência heróica do tipo “até a última gota de sangue”. mas quando se decide resistir, é preciso esgotar as possibilidades e recursos antes de recuar. esta é uma decisão difícil cujos riscos e responsabilidades são enormes. não apenas para você como pata todos que compartilham da mesma luta.

        aliás, Lula até começou muito bem a abordar este tema, quando em seu discurso – que para mim ficou entre o testamento e o obituário – reportou-se as greves de 1979 e 1980. mas logo enveredou pela tangente e não deu prosseguimento, o que foi lamentável pois o caminho era mesmo usar como exemplo estas duas greves, situando tanto a necessidade de resistência quanto seus limites.

        as consequências desta derrota serão gigantescas e de difícil superação.

        -> Me aponte aí, camarada Arkx, quando é que nos “civilizamos”?

        você tem toda razão. sempre estivemos na barbárie. num permanente genocídio dos pobres, dos negros, dos índios…

        possivelmente uma das maiores tarefas da Esquerda, neste seu imperioso processo de reconstrução, seja declarar em alto e bom som: a Ditadura de 1964 nunca acabou. perdura no entulho autoritário que jamais foi removido.

        -> Também sonhei que conforto (mínimo que foi) econômico traduzisse solidariedade política de classe.

        esta também é toda uma outra discussão necessária.

        perdoe-me, mas passei a manhã num delicado resgate de um cavalo bem velhinho (já tá quase morrendo de velho) aqui do sítio. ele caiu num valo e não conseguia sair. para retirá-lo tem que ser com muito cuidado e aos poucos. acabamos há pouco, com sucesso. veremos agora se ele consegue se recuperar. como se vê, a vida continua. ou não…

        grande abraço

        .

  17. Homens de bem
    Oscar Maroni é literalmente a cara da elite brasileira e o sonho de consumo da classe média protofascista.

    É branco, empreendedor, bem sucedido, rico, meritocrático, iletrado, fascista e amoral. A cara do 1%. Dizem que é temente a Deus e jejua em secreto, pq ninguém é de ferro.

    As fotos de Moro, representando a Justiça, e Lúcia, a Constituição Federal, sei lá… Nunca na história desse país viu-se um puteiro tão bem decorado.

    A cada um segundo suas obras é que fala, certo?

  18. “Bahamas Hotel Club, o

    “Bahamas Hotel Club, o puteiro mais festejado de São Paulo. Na porta do Clube, colocou as fotos de Sérgio Moro e Carmen Lúcia. “

    Os dois meritíssimos( gente, não confundam com aquela outra palavra, pode dar processo) foram triunfalmente entronizados no panteon dos “santinhos de prostíbulo”.

    Muito antigamente nos puteiros, as moças, talvez tão religiosas como a nossa suprema presidente, colocavam nas paredes quadros com a imagem de santos católicos, inclusive, algumas com lâmpadas que davam uma luminosidade especial. Esta característica dos antigos lupanares fazia que, em algunas debates, quando se queria acusar  alguém de ser omisso sem perder a santidade, dizia-se que fulano era um “santinho de prostíbulo”.

    Mas, ao contrário dos verdadeiros santos canonizados pela igreja que trazem um conforto espiritual aos infortúnios da dificílima , mas chamada por alguns de vida fáci,os dois santificados pelo papa da cafetinagem paulistana, só trazem impotência e desesperança.

    São representantes perfeitos da putaria jurídica que vigora nesses tempos de estado de exceção.

  19. Pornocracia

    Nassif, só uma correção. Não se trata de adversário caído não, muito pelo contrário. 

    O ódio dessa escória aumenta proporcionalmente à exponencial  vitalidade progressista de Lula e da resistência civilizada ao arbítrio. 

    Que o dono de boate se identifique com os togados incompetentes é o retrato do que todos eles representam e do tipo de país que almejam – dizer ejaculam seria muito escroto? 

    Num país em que o ministro-usurpador da educação se aconselha com ex ator pornô que substitui sua virilidade fálica pela verborragia cínica na internet, e em que a Globélica manda em ministros do stf e generais do exército, Sodoma e Gomorra devem estar se revirando nas crateras arqueológicas de constrangimento pela superação na pornocracia. 

     

    Aproveitando o ensejo, alguém pensou em enviar oficialmente aos endereços eletrônicos de referidas (pornô)otoridades tantos regalos? Como ainda não inventaram o auxílio-motel, o auxílio-balada, o auxílio-puteiro, o auxílio-esbórnia, o auxílio-de-programa (ou inventaram?), o auxílio-procriação (para os falsos-cristãos jejueiros que só devem fazer sexo para multiplicação), o auxílio-“barcodoamor (“com stf, com tudo”), o auxílio-catuaba, quem sabe as otoridades reconhecidas por “perito” em sacanagem  estejam precisando dessa ajudinha de custo, afinal, o salário deles é tão baixo e está há tanto tempo sem reajuste (digo isso para os que furam o teto, imagino que devam existir honest@s que se recusam às mordomias e sofram injustiças), que deve ter afetado a libido, o que pode explicar tanto ódio e fisionomia cansada. 

    Indicação de entrevistados para qualquer dos programas de nome “night”/náite (ô falta de criatividade; será inspiração em nome de boate?): o cafetão coxinha e o procurador dolonhol: quanta figurinha pra trocar em como cafetinar mulheres, programas de habitação, processos judiciais, cargos públicos, e ainda se apresentarem como a cara do brasileiro orgulhoso… Mais uma imagem que devemos aos seminais da elite nacional, sermos vistos pelo mundo como baderna e os que viajam, tratados como bordel ambulante em potencial. 

     

    “O fruto espúrio reluz / à subsombra desumana dos linchadores / 

    A mais triste nação / na época mais podre / compõe-se de possíveis / grupos de linchadores” (letra de “O cu do mundo”). 

     

    Não estranha que Caetano Veloso tenha sido alvo dos neofascistas…

     

    O CU DO MUNDO – Caetano Veloso

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=hUMQblsyfXE%5D

    https://www.youtube.com/watch?v=hUMQblsyfXE

     

    Sampa/SP, 08/04/2018 – 00:29

  20. “Só a morte calará nossas bocas”

    “Só a morte calará nossas bocas”

    Pelo teor do  texto do cafetão, ele oferece  boquete 0800 aos magistrados e magistradas que condenaram Lula….não é somente a Globo que dá prêmios-propinas…

    Assistindo aos videos desse personagem,  me lembrei do filme Barrabás(https://horia.com.br/blog/jose-carlos-lima/barrabas-1961-anthony-quinn-e-uma-analise-acurada-da-fe-e-do-ceticismo-atraves-do-famoso-personagem-biblic) comemorando, também num puteiro parecido com o Bahamas,  a libertação dele Barrabás no lugar de Cristo…por coincidênia, o cafetão era réu em processo e foi liberado dias atrás….

    Incrível a semelhança entre arte e realidade neste caso….sugiro ao  Wilson Ferreira, especialista em bombas semióticas estudar este caso…

    O cafetão

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=KZEEI9i0gwk%5D

  21. A homenagem que o Marrone
    A homenagem que o Marrone prestou ao Moro e a Carmem Lúcia não agradou . Principalmente porque ele está humilhando uma mulher nua na frente das fotos.
    Tentei postar essa foto não Face não conseguir.Eles te bloqueiam e fazem várias perguntas. Parecem que estão apagando todas as fotos no banco de dados .

    Também ! A foto do Lula que vai ficar para a história e ele cercado por uma multidão. Foto tirada de um drone por um jovem de 18 anos.

    A foto dos principais algozes do Lula , foram colocadas num puteiro. Bela e justa homenagem .
    Agora já era, ficarão lembrados na historia com foto no puteiro

  22. Enquanto isso o povo defende
    Enquanto isso o povo defende Lula e tenta impedir que ele se entregue àqueles que o odeiam

    https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=1826423204045752&id=229151370439618

    Interessante registro do momento em que o povo tenta impedir que Lula saia da sede do sindicato num carro para entregar-se aos seus carrascos….tenho a impressão de que neste momento a intuição disse que Lula, a sós numa solitária, seria presa fácil para os seus algozes… o povo sabe do grau de maldade e ma fé dos capitães do mato que atuam nas Instituições convertidas em verdadeiras organizações criminosas….o povo sabe o que é guerra bacteriológica no café ou na carne preparada para desencadear desde uma simples diarreia a patologias mais graves…o povo sabe que os EUA não deixam vivos os lideres abatidos em guerras, convencionais ou hibridas, de conquista de colônias a abastecerem o Império com o saque das riquezas do território conquistado: o povo sabe do que são capazes os mercenários a serviço de interesses que não os dele povo que, numa situação limite, tenta impedir a saida de Lula como se este fosse, e era, um dos seus…
    Que fique para a história o registro deste momento ímpar.
    Em tempo: se o juiz de piso tivesse algum interesse em proteger a vida de Lula o teria enviado para o presidio onde se encontram os demais presos da Lava Jato e não para uma solitária de 15m2, onde ele Lula ficará em total isolamento e nas mãos de quem mesmo
    ?????

  23. Faltou o retrato de alguém

    Faltou o retrato de alguém aí. Como esqueceram o retrato do Gen. Villas Boas?? Isso é grave. Mas ainda dá tempo de corrigir. Fora isso, ele retratou o pessoal certo no lugar certo, não tenham dúvidas. O magnetismo humano, ao contrário do magnetismo dos metais, OS IGUAIS SE ATRAEM. E “VIVA A SURUBACRACIA” fudendo com “ESSA PORRA”.

  24. Serviços do Bahamas
    Senhores defensores da prisão do Lula. Se vossos duscursos alinham-se em defesa da moralidade pelo princípio da recondução do povo a servir os seus clientes (senhorio), patrões (empresários), realmente, veja a que ponto os senhores se posicionam na política. Não somos uma não irmanada. Somos divididos e os discursos expressam a classe social. Expressam as posições assumidas entre os merecedores dessa premiação. A cabeça do Lula servida numa bandeja e festejada pelos frequentadores do famoso putero. De que lado os senhores estão posicionados?

  25. Serviços do Bahamas
    Senhores defensores da prisão do Lula. Se vossos duscursos alinham-se em defesa da moralidade pelo princípio da recondução do povo a servir os seus clientes (senhorio), patrões (empresários), realmente, veja a que ponto os senhores se posicionam na política. Não somos uma não irmanada. Somos divididos e os discursos expressam a classe social. Expressam as posições assumidas entre os merecedores dessa premiação. A cabeça do Lula servida numa bandeja e festejada pelos frequentadores do famoso putero. De que lado os senhores estão posicionados?

  26. Lula, uma força da natureza!

    Não é uma citação literal, mas Freud dizia que a psicanálise seria derrotada pela religião. E é isso de fato que nós vemos nos dias atuais. Até porque os psicanalistas da linha freudiana cobram uma fortuna por um tratamento que geralmente se prolonga por anos a fio. 

    Na religião, os fiés pagam o dízimo, mas são enganados de maneira muito mais prazeirosa. Mas a religião também não resolve os problemas dos indivíduos na medida em que a humanidade nunca foi tão hipócrita, tão cínica e canalha como nos tempos atuais “de paz”. E basta o cidadão evangélico (“cidadão de bem”) ter uma oportunidade de colocar o pescoço um pouquinho acima da mediocridade reinante para ele liberar toda a sua fúria assassina, até porque esta é uma oportunidade de ouro para ele se  destacar um pouco da manada a qual intelectualmente pertence, e se locupletar (enriquecimento material). Hitler entendia isso muito bem e estimulava como ninguém a desconfiança, a traição e a discórdia entre seus auxiliares mais diretos com o objetivo de se manter informado e bem assistido, e sobreviver.

    Alguns desses Dallagnois (“cidadãos evangélios de bem”) são capazes de atos de crueldades impensáveis, e se comprazem, da mesma forma que o rufião da boate Bahamas, com a desgraça da figura mais GENEROSA, mais CAPAZ e mais SONHADORA já nascida nos grotões desse imenso e maravilhoso país chamado Brasil. E eu comparo Lula à figura de Jesus Cristo, sob o ponto de vista de amor ao próximo, por ter absoluta certeza de que Lula é também um filho predileto de Deus. Para os crentes, não há outra explicação para tanto despreendimento. 

    E, na hora de se entregar ao seu calvário, um pedido quase que de socorro: “os meus filhos legítimos também estão sendo crucificados, estão sendo perseguidos, estão sendo esmagados. Não se preocupem comigo, mas eles precisam de ajuda”. 

    Você conhece alguém mais digno?

  27. Moroni representa o último baile da Ilha Fiscal da Rep. Curitiba

    É delicioso ver Sergio Moro e Carmem Lucia sendo carregados nos braços de gente desse naipe. Nada expressa melhor o tipo de consagração que obtiveram no exercício de suas respectivas funções. 

    Mas Moroni é o estertor em uma sucessão de figuras nefastas que tiveram inicio há 15 anos , promovidas pelos barões da mídia a fim de criar um clima de linchamento , como a propaganda nazista contra os judeus. Entre essas figuras , alguns já eram veteranos e apenas ajustaram o discurso ,  como Noblat , Augusto Nunes , José Neumane, Boris Casoy , Alexandre Garcia , Eliane Catanhede , Merval Pereira , Miriam Leitão.

    Outros foram criados para os novos tempos de combate , Reinaldo Azevedo , Diogo Mainardi . E atrás , no momento do vale tudo final , abriram as porteiras para o que encontraram de mais abjeto : Alexandre Frota , MBL , Rodrigo Constantino , Joice Hasselman , Lobão , Carioca do Pânico , asseclas de Olavo de Carvalho e uma penca de canais no youtube dedicados exclusivamente a linchar Lula todos os dias – não se sabe financiados por quem . 

    Na homenagem de Moroni faltou incluir Janot e Gilmar Mendes , duas peças fundamentais  na barafunda institucional em que o país foi jogado e não sabe como vai sair. 

    Sim , Gilmar Mendes. Votou contra a prisão imediata de Lula , sem dúvida , então abrandou um pouco a indignação pelas coisas que fez no passado recente.  Mas mudou de rumo no meio do caminho , depois que viu naufragar seu projeto de conduzir a corja à qual protege de volta ao poder.

    As coisas correm o risco de piorar muito com Bolsonaro a caminho .  Penso que daqui pra frente seja um processo irreversível e e impossível de impedir seu curso até o final , com todos os seus inimagináveis desdobramentos , até atingir seu doloroso esgotamento – tal qual o golpe de 64 –  em que mais uma vez custará tão caro à população , e como sempre o preço a ser pago por cada um é inversamente proporcional à sua condição social.  

  28. Para quem é mistico …..

    e acredita em numerologia , astrologia , leitura de cartas , tá aí uma boa evidência da grafologia dos nomes no destino das pessoas : 

    MORO –  MORONI 

    estude bem quando for escolher um nome para seu filho ! Consulte um grafologista.

  29. O nome correto desse cafetão

    O nome correto desse cafetão eh MARONI, É MARONI 

    nao, mOroni.

    tchau, querido…

  30. O grande Nassif foi coerente

    O grande Nassif foi coerente em suas análises, ao longo do golpe, que agora alcançou seu primeiro grande objetivo: prender o único líder popular do Brasil. A corja fascista está bem representada na figura do cafetão. Mas o grande puteiro do Brasil é e continuará sendo o SFT, cujos juízes usaram a constituição como  camisinha para fo##r com a nação.   

  31. Lobo(re)conhece lobo pelo cheiro.Pura vocação

    Vai Maroni, cavalgue as VACAS !!!! Legitimidade você tem  – é proprietário de puteiro -, então eleve os seus Ídolos… issso mesmo,  com foto, com tudo…. porque o Jucá está contigo ! ! De poder judiciário, ou de “justiça” brasileira, o proprietário do puteiro demosntra entender sem nem precisar do powerpoint do Delaghnol !  Lobo (re)conhece os seus semelhamtes só pelo cheiro ! 

    O que os une é a  miséria humana presente na essência de suas almas, se é que essa gentalha  tem qualquer resquício de humanidade, decência, dignidade e honradez.  O seu outro nome é IMUNDICE ! Maroni é o exemplo acabado do discípulo das VACAS e das suas TETAS, ou se preferir – É A VOZ DA VACA PROFANA , AQUELA VESTIDA DE PRETO,  QUE É PROFANA POR PURA VOCAÇÃO ! 

  32. Os iguais se reconhecem

    Colocar a foto de dois títeres da mais suja canalhice institucional que o Brasil já viu, na porta de um lupanar reflete bem a igualdade entre essas instituições: puteiro, stf, pf, mpf e judiciário são a mesma coisa!!!

    O cafetão reconheceu logo os iguais, e com eles se identificou!!!

     

  33. Faltou photoshop no retrato

    Faltou photoshop no retrato da Carminha. Em se tratando do produto que é oferecido nesse estabelecimento, espanta a freguesia. Nem na Vila Mimosa ficaria bem.

    Mas na verdade se o país inteiro se transformou num puteiro, onde as “profissionais do sexo” são lindas e baratas para quem paga em dollar e Euro, sem dúvida Carminha assumiu com sofreguidão o papel de cafetina. 

  34. prefiro me atentar ao legado Lula

    Comentar sobre dono de puterio, entre outros só faz multiplicar a balbúrdia institucional brasileira, deixando-os menos pequenos. Por ora, prefiro atentar ao legado Lula.

    A consternação nacional por causa da prisão de Lula deve-se observada também pela não mais cometimento dos erros do passado, tipo: mensalão, manutenência da velha política, familia residindo em Moema, promessas de campanha … esse mesmo modelo burguês em execução desde o Pós-Vargas. 

    A maior contribuição que Lula fez a este país foi incutir na mente do brasileiro pobre a espectativa de qualidade de vida, pois por si só as massas levariam longas décadas para tanta compreensão. Essa idéia fatalmente indiguinou a estabelecida burguesia que sempre foram os reais formadores de opinião. 

    Mas o que levou Lula a baixar a guarda e ter se esquecido das perseguições sofridas pela ditadura militar nos anos 70 e na eleições presidenciais de 89?

    Por que o PT insisti em lançar Luiz Marinho como candidato ao crucial governo de São Paulo, visto que ele faz parte do esquerdismo que os paulistas são aversos?

    Até quando insistir no Lula candidato, visto que não há saída clássica tipo o Código Napoleônico para as esquerdas nas eleições 2018, haja vista o mamão que foi apear Dilma da presidência e a condenação dele, ambos sem provas criminais.

      

  35. bahamas

    Talvez uma grande jogada de marketing oa do senhor Baroni. Frequentam seu estabelecimento comercial apenas a  elite endinheirada. Quem não tem berço, nem entra. Para agradar seus pretensos iguais – afinal vive deles – se (in)dignou a promover gratuidade, objetivando aumentar a sua clientela. Sobrevivendo do manipulação da mulher, para não dizer do trabalho escravo, este energúmeno – inteligentemente – ganhor notoriedade.  E VIVA A HONESTIDADE! 

     

  36. Assassinato

    O fato de haver  uma clara apologia ao crime não só denota a que ponto o fascismo ultrapassa a lei,  como nos faz olhar para o passado, desde o suicído de Getúlio: Jango, Jucelino e Tancredo  morreram em circusntâncias misterioras, da mesma forma que Herzog.  Já vimos o que aconteceu com Lula no interior do Paraná, e Ideologicamente, em Curitiba,  isso não é diferente. Levando em conta o absurdo a que chegamos, ter acontecido tudo o que achávamos que era impossível,  com a permissividade e participação do sistema policial e judiciário brasileiro, nã se pode descartar a  hipótese de que Lula  corre sérios riscos na carceragem em Curitiba. 

  37. ???????

    O fato de haver  uma clara apologia ao crime não só denota a que ponto o fascismo ultrapassou o estado de direito  como nos faz olhar para o passado, desde o suicído de Getúlio: Jango, Jucelino e Tancredo  morreram em circusntâncias misterioras, da mesma forma que Herzog.  Já vimos o que aconteceu com Lula no interior do Paraná.E em curitiba, é ideologicamente diferente? Levando em conta o absurdo a que chegamos, ter acontecido tudo o que achávamos que era impossível,  com a permissividade e participação do sistema policial e judiciário brasileiro no golpe que se aprofund, nã se pode descartar a  hipótese de que Lula corra sérios riscos na carceragem em Curitiba. 

  38. Rosa Weber, a que faz que não

    Rosa Weber, a que faz que não vai, mas acaba fono 

    Barrosão, o pavão

    Carmem Lúcia, a aecista e temerista

    Fux, mata no peito

    Fachin, mas que é facão

    Todos nomeados por Lula e Dilma, todos muito republicanos nos cálculos do PT, todos, como disse Gilkmar Mendes, “basistas”, todos lascacaram com o Lula.

     

    Que desastre!

     

     

     

     

     

     

  39. República de Salò

    Esse acontecimento me fez lembrar do filme “Salò ou os 120 dias de Sodoma”, do Pasolini, em que aparecem as orgias fascistas. O personagem principal, o cafetão, até parece o Mussolini.

  40. República de Salò

    Esse acontecimento me fez lembrar do filme “Salò ou os 120 dias de Sodoma”, do Pasolini, em que aparecem as orgias fascistas. O personagem principal, o cafetão, até parece o Mussolini.

  41. Homem de bem humilhando uma de suas funcionárias:

    Não poderia haver lugar mais apropriado para essa justa homenagem.

  42. Homem de bem humilhando uma de suas funcionárias:

    Não poderia haver lugar mais apropriado para essa justa homenagem.

  43. O caso Lula revela a recidiva

    O caso Lula revela a recidiva de uma doença gravíssima no corpo social brasileiro. Chamemos as coisas por seus nomes: trata-se do gozo perverso na prerrogativa de dispor do outro como objeto, como escravo. Sem limites.

    Lula tem a origem e os traços dos subalternos típicos no Brasil. “Paraíba” (termo empregável para qualquer nordestino) é gíria que designa trabalhador braçal disponível para uso e abuso em trabalhos insalubres, pesados e mal pagos.

    Não devemos esquecer: fomos o último país ocidental a abolir a escravidão.

    Nossas elites resistiram muito a abandonar o gozo em dispor do outro como objeto, na condição extrema de escravo, para adotar formas de produção mais lucrativas e mais racionais. A história do Barão de Mauá é um contra-exemplo bastante ilustrativo neste ponto.

    O gozo perverso do escravista, aliás, não se restringe às elites. Recorde-se que, nos tempos da escravidão, até escravos podiam ter escravos. E alguns tinham. Não deviam ser menos cruéis com seus cativos que seus donos eram com eles.

    Isso pode ajudar a explicar o enigmático fenômeno dos “pobres de direita”. E, mais ainda, o dos “ex-pobres de direita”. Seriam herdeiros espirituais da Casa Grande, mesmo não sendo herdeiros materiais da mesma.

    O mito legitimador da “meritocracia” pode racionalizar o gozo escravista. Permite a um “winner” afirmar seu “direito” de tratar o subalterno como objeto de uso, abuso e descarte – sem limites, nem inibições.

    Domingo, Lula foi preso – num processo que, segundo o N. York Times, não seria levado a sério pelo Judiciário de nenhum país civilizado deste mundo (grife-se a palavra “civilizado”!).

    Em comemoração a esse magno evento, um cafetão paulista promoveu uma orgia em seu bordel. Ofereceu prêmios a quem matasse Lula na cadeia. Realizou uma “performance” num palco, sob os olhares extasiados dos presentes, humilhando publicamente uma mulher nua, “empregada” do seu estabelecimento. Graças a moralistas sem moral como Carmem Lúcia e Sérgio Moro – cujas fotos estavam expostas no cenário, como patronos do espetáculo – é assim que os herdeiros da Casa Grande reafirmam que podem, querem e vão tratar os subalternos: como se tratam as putas. Como objetos de uso, abuso e esculacho. Não é por outro motivo que chamam os petistas de “vagabundos” – “vagabundas” é outra designação para “putas”.

    O orgasmo coletivo semimaníaco que saudou a prisão de Lula encontrou nessa cena digna de Genet e do Marquês de Sade sua expressão mais crua, mais ostensiva – e mais sintomática.

    Depois do golpeachment – Cazuza foi profético – transformou-se o país inteiro num puteiro, ou em algo mais próximo disso do que antes. A prisão de Lula representou um “esforço a mais”, um passo a mais nesse sentido.

    Nos dois últimos anos, efetivamente, alguns estão ganhando muito dinheiro – em “temerosas” transações. Mas não a esmagadora maioria dos que se regozijaram com a prisão de Lula. Esses estão, hoje, mais pobres que nos tempos de governos petistas.

    Por que parecem tão conformados com o colapso da economia, a baixa nos seus negócios, sob o desgoverno golpista? Talvez por estarem obtendo um outro tipo de ganho. Lula preso significa a promessa de retorno aos “bons tempos”, quando se podia esculachar impunemente os subalternos – tratá-los como o dono do bordel paulista fez com a “sua” puta.

    Aquela performance do cafetão foi a mostração didática do que está em jogo, hoje, no Brasil. Foi a leitura dramatizada da verdadeira carta de intenções dos herdeiros, materiais e espirituais, da nossa Casa Grande.

    A Rede Globo não teria conseguido suscitar tanto ódio, de tantos brasileiros, a quem deixou o governo com 85% de aprovação, se não tivesse reativado algo latente; algo que estivesse, apenas, esperando a melhor oportunidade para irromper. O câncer do gozo escravista voltou, e com força total. Esperemos que, desta vez, não leve o Brasil ao cemitério da civilização.

  44. A prerrogativa de tratar o outro como objeto…

    A prerrogativa de tratar o outro como objeto não se expressa apenas no exercício aberto da crueldade. Posso tomar o outro como objeto de caridade, benemerência, amor e tesão. O problema é quando não admito  que o outro seja também sujeito de desejo, tanto quanto eu, e esteja no mesmo plano de humanidade que eu. Quando não suporto que o outro possa dizer do seu desejo em seu próprio nome, com sua própria voz.
    Quem contrata uma puta espera que ela se deixe tomar como objeto sem expressar seu próprio desejo. O cafetão das Bahamas, em sua performance grotesca, fez questão de tapar a boca da puta que ele escrachava. Pode ser uma excelente metáfora do “devido” lugar onde certa “elite do atraso” quer manter os subalternos representados por Lula. Lembram-se da iconografia da Escrava Anastácia? Quem não sabe do que se trata, recomendo buscar no Google.

  45. Senha para liberar a barbárie

    A fotografia do altar erguido ao juiz Sérgio Moro e a ministra Carmem Lúcia em uma casa de prostituição, com o dono de uma boate de luxo mostrando a genitália desnuda de uma das suas contratadas enquanto lhe tapa a boca, chama atenção por sua constelação de signos.

    Vestido de preso/torturador/irmão metralha, Oscar Maroni, o dono da boate Bahamas Club, comemora a prisão de Lula distribuindo cerveja grátis para três mil pessoas, cumprindo uma promessa alardeada pelas redes como as do MBL. O que diz a imagem, que evoca tanto a iconografia da prisão de Abu Ghraib quanto uma cena de Salò ou os 120 dias de Sodoma, de Pier Paolo Pasolini – ou ainda cenas de tortura da deep web -, é exatamente essa libido diante da sujeição do outro: voltamos ao comando!

    Podemos infringir nosso poder aos corpos: das mulheres, das minorias, podemos comandar o espetáculo politicamente incorreto, porque vencemos. Como nos estupros pós-guerra, como nas cenas de torturas da ditadura militar. Poder, sexualidade e assujeitamento. Uma multidão de homens brancos que cultua Bolsonaros, armas e assujeitementos de todo tipo. Eu gozo com o teu sofrimento, eis a trip regressivo-vingativa travestida de “justiça”, moralidade e combate à corrupção em que estamos.

    De Ivana Bentes. https://revistacult.uol.com.br/home/lula-justica-e-vinganca-quando-a-prisao-e-um-voo/

  46. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome