#VazaJato: por onde vem, para onde pode ir?

O escândalo da #VazaJato, envolvendo judiciário, MP, mídia – enfim, setores das elites nacional e internacional -, traz aspectos inéditos para a correlação de forças nestes tempos ditos “da informação”. Informar há muito não é apenas informar, é parte de estratégia de guerra, de desestabilização, tomada e perpetuação no poder. Houve tempo em que essa estratégia podia ser manipulada com o ocultamento da informação – como quando no golpe civil-militar de 1964 -, uma vez que a mídia corporativa e o estado detinham quase que integralmente a capacidade de comunicação de massa, fazendo com que as forças populares ficassem em desvantagem na contestação da verdade oficial e na construção de uma contranarrativa, por conta de seu tempo de difusão da reação mais lento. Não raro isso era trabalho para uma geração. Em tempos de internet, a força desse oligopólio diminui, sem necessariamente acabar – e sem necessariamente isso implicar em democratização. Ainda assim, a internet não tem mais permitido um controle do que é divulgado e do que é escondido, forçando outras estratégias de manipulação diante da exibição (ainda que apenas em potência) de tudo a todos. A extrema direita soube se aproveitar dos novos meios de comunicação e capturar suas possibilidades – com a complacência dos liberais esclarecidos do Vale do Silício, que não perdem dinheiro em nome de convicções políticas -, ao se aproveitar da avalanche de informações vindas de todos os lados para jogar com fake news e propôr a leitura da realidade em termos estritamente de convicções, sem provas – como dito pela própria Lava Jato, afim ao espírito do tempo, e não do espírito das leis -, sem se fiar em dados concretos da realidade – a tal da “pós verdade”.
Glenn Greenwald e o The Intercept Brasil se mostram permeados pelo espírito de nosso tempo – a guerra híbrida, destacada por Piero Leiner, da UFSCar -, e sabem que jornalismo hoje não é apenas o mostrar, mas também como fazê-lo – ou então acaba como o Panama Papers, que foram divulgados, mas morreu rápido (até porque a grande mídia detinha o controle da narrativa e uma coisa é investigar, outra é se comprometer). O tempo da reportagem do The Intercept também foi extremamente oportuno: a reportagem despontou quando há uma onda virando contra o governo – não precisou ser ele a inaugurá-la. Tal onda é bem sintetizada nas três manifestações de rua no país ocorridas no mês de maio, duas contra e uma a favor do governo.
Se recordarmos as manifestações contra a Dilma, a direita sempre fazia a primeira manifestação – insuflada e inflamada por Globo e Moro/Lava Jato -, e a esquerda organizava uma em reação. Era uma disputa pela demonstração de força, em que a direita era evidentemente mais forte, e a esquerda tentava mostrar que não estava morta. Chama primeiro quem está mais forte: uma demonstração em resposta ao adversário (inimigo, no caso fascista) é mais fácil de mobilizar. Assim como se em 2015, 2016 a esquerda chamasse primeiro a manifestação, certamente seria muito menor e convidaria a uma reação que evidenciaria a força da direita, o mesmo ocorre agora, com sinais trocados: a esquerda chama manifestação, e diante do seu sucesso, os neofascistas chamam a sua, para mostrar que tem força, ainda que não tanto quanto (dia 26 não conseguiu sequer superar a do dia 30 de maio, e foi muito inferior à do dia 15). Além do descontentamento das ruas, uma vez que a promessa de paraíso imediato na Terra não se fez, o governo acumula dificuldade em lidar com o legislativo e desagrada aliados de primeira ordem. A revelação do The Intercept é uma pequena bomba nesse desarranjo. Vai forçar uma nova forma de tentar reordenar as forças de direita, porém não se sabe como isso se dará e quanto tempo resistirá.
Greenwald avisou que por enquanto foi apenas o começo, e o chumbo grosso ainda está por vir. Ele tem o controle da narrativa, conhecimento do espírito do tempo, paciência, e a direita batendo cabeça como quem entra numa roda de mosh/poga acidentalmente, temendo (ou talvez sabendo) o que o jornalista tem em mãos.
Os trechos soltos no domingo (09/06) são graves e serviriam para reforçar certas convicções, uma vez que apenas ressaltariam o que era evidente. Ao imitar o método de Moro e da Lava Jato, a VazaJato põe os críticos da República fascista de Curitiba em vantagem: não apenas temos convicção como temos provas. Porém, ao invés de negarem a veracidade dos diálogos, forçando um lance que a comprovasse, Moro disse que não havia nada de errado nos diálogos, enquanto Dallagnol esperneou sobre a pretensa ilegalidade do jornalista (do jornalismo?). O que seria um primeiro passo se tornou logo vários. Impressionante o grau de desespero e despreparo lavajatista (lembra a República de Salò de Mussolini, em 1943-45), porque não se tratou de um lance totalmente inesperado, visto que há duas semanas foi plantada a notícia de que o celular de Moro teria sido hackeado. Dois problemas dessa defesa preventiva: ao que tudo indica, as conversas vieram do Telegram do Dallagnol; segundo que Moro não conseguiu manter o discurso: ou hackearam o celular há duas semanas ou as conversas são antigas e por isso ele não as tem mais. Lógica porém é algo que não vale na pós-verdade.
As tentativas de reação estão na base de tentativa e erro. Negar a relevância e mudar o foco para o roubo das conversas e sua divulgação “ilegal” foi a tática primeira. Criar fake news para serem espalhadas como sendo parte dos diálogos entre Moro e Dallagnol, para depois deslegitimar tudo como invenção foi a segunda tentativa – em vão, porque a origem do material é bem específico e, portanto, na dúvida, basta ir até o Intercept ver o que é falso, o que não é. Forçou novamente a história do hacker, tentando estimular um sentimento de medo e de vulnerabilidade, como a sugerir que qualquer um pode ser alvo de hacker, e melhor então fechar com Moro. A estratégia parecia não estar dando certo, a ponto de Moro ter dito que parte foi inventada para prejudicá-lo, depois tentar nova estratégia, de bancar o que disse e relevar, dizendo que foi um “deslize”, até voltar, novamente para a história do “hacker criminoso” e do “não lembro, não gosto, logo foi inventado”. A única estratégia mantida, e que tem tido algum respaldo, ao menos nas hostes neofascistas, é a de que isso tudo é uma reação dos corruptos por ele combater a corrupção.
E foi essa que o The Intercept começou a minar na quarta (12/06), com o “teaser” de Demori a Reinaldo Azevedo, se aproveitando do espírito do tempo, afim a teorias conspiratórias. O trecho do #InFuxWeTrust não insinua nada, mas deixa as portas escancaradas para as teorias conspiratórias soltas para virem com força. Não por acaso, na mesma noite eu já recebia textos “juntando os pontos” com o “com supremo com tudo”, de Jucá; e a morte de Teori Zavascki. Estratégia usada à exaustão pela Rede Globo durante o impeachment, e que pode fazer com que muitos apoiadores convictos da Lava Jato tenham um “insight próprio genial” de que algo de errado havia em Curitiba, e nisso baixar a guarda para o que mais virá.
Outro ponto interessante é como acusados e acuados estão tentando se organizar. Mesmo antes de ser anunciada, a Globo sabia que seria alvo próximo, e logo cerrou fileiras em defesa de Moro. Contudo, o governo Bolsonaro não cansou de dizer que “a Globo mente” e isso, além de dificultar a concatenação de ideias dos seus seguidores – incapazes de ir além do binário “bem x mal” -, também força a Globo a defender um governo que tem tirado suas verbas e favorecido a rival, se conseguir salvar Moro, atacará outros flancos do governo – caso salve Moro e caso Bolsonaro não aceite um acordo. Se Moro naufragar, Globo estará em grande risco e deve defender qualquer solução drástica que garanta seu poder – a ver como andam seus contatos externos. Parte da grande mídia, um pouco menos unha e carne com Moro e Lava Jato, talvez sem “batom na cueca” (para usar a mesma expressão dos doutores do Ministério Público), já tratou de pedir a cabeça do ministro – que se sair agora tem uma remota chance de se tornar o mártir da luta contra a corrupção para a porção fascista mais extremista, ainda que a cada revelação do The Intercept ele se complique mais e não há sinais que sua queda estancará as revelações.
O exército bolsonarista apoia Moro – na verdade repudia o PT e Lula, e na lógica binária destes tempos qualquer vitória de Lula é encarada como derrota total de Moro -, e está disposto a bancar o ministro e o capitão, como indica o general Heleno. Porém, a demissão do general Santos Cruz pode sinalizar algo mais que uma desavença com os filhos do presidente e Olavo de Carvalho. Mourão está ao lado, só observando e fazendo pose de democrata, provavelmente se articulando dentro das forças armadas. O exército teme sair queimado do governo Bolsonaro – já tinha esse risco sem escândalo, com o MoroGate fica ainda mais na berlinda – e perder a reputação que ganhou ficando quieto por trinta anos – ademais, a depender do tamanho dos equívocos que o exército se meter, pode fazer voltar à tona a verdade sobre os porões da ditadura que ele tenta esconder e negar que existe, apesar dos elogios do presidente.
Gilmar Mendes é figura ambígua nesse imbróglio. Convertido em garantista – ele que já defendeu a cassação do registro do PT -, talvez por ter percebido que o monstro que ele ajudou a criar fugiu do controle e agora lhe morde os calcanhares, aparentemente peita o exército e a mídia ao dizer que as conversas vazadas anulariam a sentença de Lula. Pode ser também mais lenha numa saída “heterodoxa”, de um fechamento do regime, de modo a evitar a soltura de Lula ao mesmo tempo que acaba com a Lava Jato e garante o grande acordo das elites de rapina do país, com supremo, com tudo.
O PSDB se afunda cada vez mais. Doria Jr segue aparecendo ao lado de Bolsonaro, e FHC, que foi um dos primeiros lumiares do partido a defender Moro diante da VazaJato, ganhou de presente de aniversário a comprovação da amizade e admiração de Moro-não-podemos-melindrar e Dallagnol-dar-a-impressão-de-imparcialidade. Quem pode herdar o discurso neofascista-neoliberal é João Amoêdo, o empreendedor que nunca empreendeu de fato (versão 2.0 do João trabalhador?), suas credenciais de nunca ter roubado dinheiro público (sic), uma verdadeira virgem com 20 anos de bordel, e sua defesa de pautas ultra conservadoras nos costumes e estado social zero.
Ao que tudo indica, se os primórdios da Lava Jato prometiam uma ruptura política, ferindo eleitoralmente de morte as esquerdas, em especial o PT – as eleições de 2016 seriam o primeiro sinal -, o erro na dosagem já havia enfraquecido a operação e reanimado o PT, a ponto de exigir um golpe menos branco e mais aberto em 2018, para evitar a vitória seja de Lula, seja de Haddad. A VazaJato, por seu turno, sinaliza a possibilidade de outra ruptura, porém do outro lado do espectro político, ou então uma ruptura aberta com a ordem democrática e o sepultamento definitivo do estado de direito – não por acaso, Greenwald passou a dividir o material recebido com outros jornalistas, de modo a forçar um escancarar da censura geral, sem possibilidade de individualizá-la a um “veículo estrangeiro”, caso Moro e os neofascistas endureçam a perseguição ao veículo.

Parte da força narrativa da VazaJato é jogar na mesma moeda moralista da Lava Jato, uma vez que escancara a corrupção do judiciário (e logo mais teremos da mídia também). Infelizmente segue um discurso despolitizador. Ao The Intercept Brasil não cabe cobrar esse passo além – ao que tudo indica, eles escolheram seus alvos (a farsa da Lava Jato), tem suas metas (além da República de Curitiba e da Globo, não me surpreenderia em breve artilharia para cima do TRF4), e tem suas armas, que são limitadas -, cabe, sim, aos partidos políticos e seus quadros, movimentos sociais e demais forças progressistas: é urgente, a partir dessa narrativa, politizar o debate – quebrando, em especial, com essa ideia herdada do cristianismo de pureza nas ações sociais – e não se restringir a essa camada frágil do moralismo, facilmente capturável pela extrema direita. A esquerda não pode nem ir apenas a reboque nem errar na avaliação do que se passa e das alternativas que se insinuam. Vivemos tempos difíceis, porém a VazaJato abre possibilidades de mudanças significativas, se bem aproveitada – ou pode se tornar uma nova “jornadas de junho de 2013”.

 

12-19 de junho de 2019

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora