Dados reais: Revista Veja vende menos da metade do que informa

Reprodução da divulgação da revista Veja ao mercado publicitário
 
Jornal GGN – Após o anúncio do fechamento de dez revistas, a editora Abril informou que concentrará a manutenção das publicações que somam maior audiência, entre elas a Veja. Desde então, vem aumentando a suspeita de que o número de tiragens da carro chefe da editora estava sendo inflado. 
 
O GGN foi atrás dos dados reais e revela que, ao contrário da histórica informação dada pela marca de que mantinha o patamar de 1 milhão de exemplares, a Veja alcança desde o início do ano menos da metade dessa distribuição: tem uma média de 435 mil tiragens da revista impressa.
 
Os números de mais de 1 milhão vêm sendo inflados desde que a leitura da revista passou a dominar o meio digital. Publicamente, logo após o anúncio do fechamento das edições, a Abril afirmou em nota oficial que as principais revistas somavam “5,2 milhões de circulação”.
 
“A empresa passará a concentrar seus recursos humanos e técnicos em suas marcas líderes: Veja, Veja São Paulo, Exame, Quatro Rodas, Claudia, Saúde, Superinteressante, Viagem e Turismo, Você S/A, Guia do Estudante, Capricho, MdeMulher, VIP e Placar. Marcas que somam audiência qualificada de 125 milhões de visitantes únicos por mês e 5,2 milhões de circulação nas versões impressa e digital por mês, além de centenas de eventos”, era o anúncio.
 
Sob o slogan de que “a VEJA continua sendo a maior, a mais influente e a mais prestigiada revista brasileira”, o site destinado à transparência das revistas da editora maquia ainda mais os dados: “São grandes os números que acompanham a marca. São 862 mil exemplares em circulação toda semana, sendo a maior entre as semanais de informação do Brasil e a segunda maior no mundo”.
 
A fonte utilizada é o IVC (Instituto Verificador de Comunicação), já acusado por jornalistas da prática de manipulação das auditorias de divulgação da Veja. Ainda em 2013, Paulo Nogueira acusava que a editora fazia um “esforço épico, e caríssimo” para “sustentar a carteira de assinantes da Veja na casa de 1 milhão”. “A real carteira, hoje, deve estar entre 100 000 e 200 000 exemplares”, acrescentou, à época [leia aqui].
 
No próprio Mídia Kit da Veja, destinado a resumir o cenário da revista ao mercado publicitário, a revista insiste em manipular os dados atuais. Note que a data dos supostos “exemplares” é de março deste ano:
 
 
E junto com estes dados, os veículos destinados a trazer informações sobre o mercado de comunicação e imprensa, como Meio & Mensagem e Portal Imprensa apenas reproduzem as comunicações positivas de que a tiragem da Veja aumentou no digital [leia aqui e aqui].
 

 
 
A REALIDADE DE VEJA
 
Mas para além da visão geral que a página “PubliAbril” traz, com a manipulação das tiragens, informando como base o IVC de Julho do último ano e outras métricas de acessos online, como o Google Analytics e seguidores das redes sociais, é possível verificar que a editora mistura os leitores digitais ao impresso para inflar os dados.
 
Os tais “exemplares” ou “circulação” consideram não só a revista impressa, como também o portal online. Somando os dois, as assinaturas atingiriam 799.591 no mês de junho de 2018: 
 
 
Entretanto, quando selecionada a circulação da revista Veja em papel, os números são outros. O último dado que consta é de maio deste ano, quando a Veja obteve 452.310 assinaturas e 41.097 de revistas avulsas, que são as vendidas pelas bancas, somando um total de 493.407 tiragens impressas.
 
 
E o mês foi considerado relativamente bom se comparado à média deste ano, que ainda é pior. Os cálculos são de que de janeiro de 2018 até maio de 2018, foram vendidas 435.526 revistas Veja impressas, com apenas 408 mil assinantes e 27 mil compradas avulsas.
 
 
A circulação da revista na região Norte é a mais baixa, com 14.720. No posto de segunda pior venda está o Centro Oeste, com 43.978 tiragens. No Nordeste são 62.186 impressões compradas. E os melhores resultados estão no Sul, com 73.149 e no Sudeste, com a quantia mais significativa, de 299.310.
 
 
 
 

27 comentários

  1. Fiz um comentário, tempos

    Fiz um comentário, tempos atrás, informando que junto de revista de bairro, entregavam dois exemplares da Veja. Quer dizer, estavam ou ainda estão distribuindo aquela desgraça gratuitamente. A conta dos que pagam por aquele lixo deve ser bem menor.

  2. Filtre apenas pelo estados governados pelo PSDB

    Sugiro que faça um filtro e pegue apenas os Estados governados pelo PSDB e depois compare com os dados oficiais de assinaturas da Veja dos governos Estaduais.

    Aqui seguem alguns dados do site: http://namarianews.blogspot.com/2014/11/sem-medo-de-ser-feliz-governo-paulista.html

    5.449 assinaturas da Revista Veja 15/0355/09/054  20/mai/2009 1.167.175,805.200 assinaturas da Revista Veja 15/00547/10/04  29/mai/2010 1.202.968,005.200 assinaturas da Revista Veja 15/00626/11/04  3/ago/2011 1.203.280,005.200 assinaturas da Revista Veja 15/01773/12/04  18/out/2012 669.240,004.263 assinaturas da Revista Veja  15/00275/13/04  14/jun/2013 669.240,004.263 assinaturas da Revista Veja 15/00201/14/04  6/mai/2014 1.208.134,20 Os dados estão desatualizados mas dá para se ter uma idéia da realidade da revista Veja.  -A CIRCULAÇÃO É DE 500 MIL EXEMPLARES E APENAS EM SÃO PAULO TEMOS 5 MIL ASSINATURAS DO GOVERNO DO PSDB POR ANO.  Se contablizarmos as assinaturas todos os governos Estaduais, prefeituras e até do governo Federal… a realidade vai ficar bem amarga para a Editora Abril.  EU CHUTARIA QUE MAIS DE 50% DAS ASSINATURAS DA VEJA SÃO DE GOVERNOS “AMIGOS”. -Alguém tem que fazer essa conta… qual site foi usado para saber a circulação da Veja por Estado???É só cruzar os dados com os “Diários Oficiais”, eles estão endereçados no site “NamariaNews”. Imagine a manchete: “40% DAS ASSINATURAS DA VEJA SÃO DE GOVERNOS DO PSDB”.   

  3. Mentira, foi tudo mentira…

    Uma pergunta: a manipulação de tais dados, quando utilizados para o abiscoitamento do dinheiro público da propaganda governamental, não configura o crime de “falsidade ideológica”, “improbidade administrativa” ou outras milongas mais?

    Algum bravo procurador da república, cruzadista contra a corrupção, bem que poderia levantar essa lebre para “passar o Brasil a limpo” (rs).

    Taí, se eu fosse alguém dentro do PT entrava com uma ação pública contra o grupo abril, tomando por base essa apurada e precisa matéria da Patricia Faermann.

    Delenda est golpista!

    No mais, tadinhos dos oligarcas falidos:

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=BKy2KGZK1Io%5D

  4. Ninguém lê….
    No prédio do
    Ninguém lê….

    No prédio do meu irmão um cidadão recebe o panfleto e distribui entre os vizinhos, e ninguém quer……….vai morrer gordo…e vai pro inferno, que é o lugar dessa gente antipovo….

  5. E pode ter manipulação do digital também

    Os clientes de telefonia da Vivo dos planos controle possuem acesso a um aplicativo GoRead que te permite ler várias versões online de revistas, dentre as quais a veja.

    Porém isso já está incluso no valor do plano, e eu jamais baixei qualquer versão desta revista, ou seja, é possível que eles me considerem a mim e a todos os assinantes de plano controle como assinantes da óia também.

  6. Devolução do $$$ furtado

    No ano que vem, o novo governo deveria solicitar o ressarcimento dos gastos com publicidade na Veja, proporcionais à real circulação. Publicidade do governo federal e também da Caixa, Banco do Brasil etc.

    Foi comprado 1 milhão de exemplares e foi entregue menos da metade.

    Isso é um tipo de corrupção ? Ou não ?

     

  7. Tiragem

    Em um Pais de 207 milhões de habitantes uma tiragem de menos de um milhão é pouco para se dizer “formdor de opinião” e ter de fato relevância. A Veja é irrelevante ha muito tempo, mas bem tentaram manter as aparências. Mas como diz o ditado popular “um dia a casa cai”.

  8. Falando sério

    Dos nem tantos exemplares assim que a revista vende, quantos se referem a assinaturas feitas por órgãos públicos (nem vou acrescentar “dirigidos por tucanos e quejandos), sem licitação?

  9. Boa parte desses “assinantes”

    Boa parte desses “assinantes” nao na verdade contratos do governo com a editora, milhares de assinaturas pra orgaos do governo, sem falar nos contratos milionários de anúncios.. Dinheiro seu e meu pagando por essa imprensa marrom. Corte esses contratos e essa revista não tem mais como sobreviver.

  10. Enfim, é um lodaçal de falsidade. Mentiu até que faliu

    Mente aos anunciantes. Mente ao leitor. Mente aos funcionários. Mente ao IVC. Mente ao mercado

  11. bom post.

    Já que envolveu dinheiro publico mal utilizado, desviado, poderiam pedir uma investigação.

    Pode ser na PF, PGR, Farsa a jato, CPI (congresso),

    Claro que isso não vai acontecer, o problema do Brasil é o Lula, como bem sabemos.

     

  12. O ivc parece tão crível

    O ivc parece tão crível quanto o ibope da redo globosta. Como a (perce)veja venderia tanto assim se a oferecem em qualquer negociata e – mesmo assim – ninguém a quer.

    Contam-se nos dedos hoje em dia os lugares em que exempares daquilo é encontrado.

    E, é só conversar com (ainda) assinantes, para terem noção da dificuldade existente no cancelamento da mesma.

    Sem contar as assinaturas que vencem, que não são renovadas, e que continuam mandando a revista, aparentemente, sem qualquer controle.

  13. Até os consultórios de

    Até os consultórios de médicos e dentistas estão abandonando a VEJA. Pelo menos nos que frequento observo que os exemplares são antigos. 

    É certo que a parte da dêbacle pode ser debitada às mudanças estruturais profundas induzidas pelas novas tecnologias. Entretanto, o próprio jornalismo praticado por ela e suas congêneres também está com prazo vencido de tão manjado. 

     

    • circulação veja

      Acredito que a VEJA remetia “gratuitamente” exemplares para médicos e dentistas para “inflar” os numeros de impressão e DEFORMAR opiniões.

  14. Sejamos sinceros
    Só imbecis completos ou aqueles que precisam satisfazer carências psicológicas diversas, ainda lêem esse lixo. Precisamos ainda considerar as milhares de revistas que são distribuídas gratuitamente só pra aumentar estatísticas. Conheço várias pessoas que cancelaram assinatura e continuam recebendo essa porcaria.

    • predio onde meu filho é sindico

      Faz mais de 10 anos que o predio onde meu filho é sindico não renova a asssinatura, mas até hoje os numeros vem regularmente. Outro dia vi o n umero na recepção e comentei com meu filho. Ele disse que nem avisando eles sustendem o envio.

      Por isso digo, veja é panfleto, eles ganham mais com o objetivo do divulgado do que propriamente com a venda de exemplares. Se eles distribuissem gratuitamente seriam mais honestos.

  15. :: * * * * 04:13 * * * * .:.

    :: * * * * 04:13 * * * * .:. Ouvindo As Vozes do Bra♥♥S♥♥il e postando: Poesia contra a distopia (Distopia = Ideia ou descrição de um país ou de uma sociedade imaginários (!??!!!????) em que tudo está organizado de uma forma opressiva, assustadora ou totalitária, por oposição à utopia.)…

     A cantoria para o candidato de Lula
    Por Edson Nunes Oliveira, Em um comentário no Youtube da TV GGN

    Eu voto num cambito
    Num jegue, num passarinho
    Num burro, num porco espinho
    Numa cabra ou num cabrito
    Em alguém “fei” ou bonito
    Num rato, peba, ou preá
    Voto num lobo guará
    Quer Moro goste ou não goste
    Eu voto até num poste
    Se Luiz Inácio mandar

    Não adianta revista
    Nem manchete de jornal
    Mercado, nem capital
    Nem banqueiro nem rentista,
    Que saiba antagonista
    Não adianta algemar
    Nem prender, nem difamar
    Nem colocá-lo em berlinda
    Voto boneco de Olinda
    Se Luiz Inácio mandar.

    .:. ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ * * * * * * * * * * * * * ♥ ♥ ♥ ♥ * * * *
    Por uma verdadeira e justa Ley de Medios Já pra antonti (anteontem. Eu muito avisei…) ! ! ! ! Lul(inh)a Paz e Amor (mas sem contemporizações indevidas, ou seja : SEM VASELINA) 2018 neles/as (que já PERDERAM, tomaram DE QUATRO nas 4 mais recentes eleições presidenciais no BraSil) ! ! ! ! !
    * * * * ♥ ♥ ♥ ♥ * * * * * * * * * * * * * ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

  16. Empurrãozinho para o abismo

    Uma informação dessas quando a Abril está de pires na mão é como dar um empurrãozinho a quem está na beira do abismo.

    O Nassif está fazendo o que o Lula deveria ter feito com a Globo (de pires na mão) em 2002. E Lula tinha a chance de dar, não um empurrãozinho, mas um empurrãozão. Cortaria o mal pela raiz, bem no início de seu governo – poderia até estatizar a Globo e mandar os marinhos aos EUA que os pariu.

    Ô Lula e PT, deixa esse negócio de republicanismo de lado e aprendam com Maquiavel!

  17. É o fim

    Fraudes, mentiras, manipulações, enfim, não é à toa que a Abril acabou! De qualquer forma sua história empresarial revela uma rotina implacável nas empresas brasileiras familiares. Ou seja, a primeira geração cria e desenvolve o negócio, a segunda mantém o funcionamento e a terceira sempre acaba por destrui-lo como ocorre agora. É uma sina bem Made in Brazil. 

  18. É o fim

    Fraudes, mentiras, manipulações, enfim, não é à toa que a Abril acabou! De qualquer forma sua história empresarial revela uma rotina implacável nas empresas brasileiras familiares. Ou seja, a primeira geração cria e desenvolve o negócio, a segunda mantém o funcionamento e a terceira sempre acaba por destrui-lo como ocorre agora. É uma sina bem Made in Brazil. 

  19. Revista Veja

    Os herdeiros e os editores que sucederam Roberto Civita  não tiveram qualquer escrúpulo em trair os ideais e objetvos que ele – criador e fundador – definiu para Veja. Esta traição, certamente motivada por dinheiro, revoltou  milhares de assinantes, inclusive eu. Depois de assinar Veja e Exame por mais de uma década, decidi cancelar as duas sssinaturas antes mesmo dos seus respectivos vencimentos. Hoje, além de não assinante, trabalho incessantemente contra Veja, como de resto faço com todos os órgãos de imprensa que por abrir mão do jornalismo isento, sério e responsável trairam o público leitor e telespectador. Dirigentes e editores tidos com competentes esqueceram-se de algo fundamental: o mercado pune!

  20. Fui assinante de Veja por mais de 30 anos. A revista que circula, hoje, não é a mesma do período de sua fundação. É uma revista totalmente tendenciosa, sem nenhum compromisso com um jornalismo informativo e isento. É claramente partidária. O Sr. Roberto Civita deve estar se revirando no túmulo, pelo fim que tomou uma das melhores revistas de informação que já aportou por aqui. Conheço inúmeros assinantes que enveredaram pelo mesmo caminho. Colhe-se o que se planta. Como Veja, cancelei, há mais de 15 anos, minhas assinaturas de Exame e Superinteressante.

  21. Os dados de assinatura são inflados tb de outra forma, mandando revistas a quem não paga. Eu recebi a revista nos últimos dois anos sem pagar. sabe-se lá quantos destes “assinantes” realmente pagam. E pior, quem paga por estas revistas não pagas? Dinheiro de alguém que tem interesse nas mentiras divulgadas, óbvio.

  22. Os dados de assinatura são inflados tb de outra forma, mandando revistas a quem não paga.
    Eu recebia a revista nos últimos dois anos sem pagar. sabe-se lá quantos destes “assinantes” realmente pagam. E pior, quem paga por estas revistas não pagas? Dinheiro de alguém que tem interesse nas mentiras divulgadas, óbvio.

  23. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome