No aniversário da Rádio Vermelho *

Por Urariano Mota

Antes uma breve historinha, cuja graça única é ser verdadeira. Quando não havia web, no Brasil a gente falava para muito longe somente nos microfones da Rádio Jornal, em Pernambuco. Explico: em seu início, a Rádio Jornal, era anunciada, nos intervalos, por um locutor de voz empostada e cavernosa: “Pernambuco Falando para o Mundo”.  Mas a coisa não era assim mais um delírio de grandeza, folclórico, cômico, da província do Recife. Não. A Rádio Jornal, de fato, começou com transmissores potentes em ondas curtas e médias, que alcançavam todo o mundo. Na época, ela era a mais moderna estação de rádio do Brasil.

É claro,  não escapamos da gozação de José Vasconcellos, um comediante na época de grande fama, que numa de suas piadas contava que o pernambucano era muito modesto. Tanto, que na rádio dizia que falava para o Muuuuundo.

Mas o ridículo era outro e Zé Vasconcellos não sabia. Ou seja, todos os equipamentos da Rádio Jornal  foram importados da Inglaterra, fornecidos pela Marconi´s Wireless Telegraph Company e os transmissores eram operados por dois engenheiros, um da própria empresa e outro da BBC de Londres. Esses tiveram contrato assinado por três anos para o treinamento de pessoal no Brasil. Um documento da época dizia: “No sistema utilizado pela Rádio Jornal do Commercio, de Pernambuco, nenhuma interferência é possível, nem mesmo a dos relâmpagos, raios, centelhas de bondes que perturbam as emissões de broadcasting”. Nem mesmo de raios.

Para provar que era séria, olhem só a maior piada que José Vasconcelos não conhecia: desde o primeiro dia de funcionamento, uma conhecida locutora canadense, a Dra. Janet Slater Swaton, falava com sotaque britânico o “Pernambuco speaking to the world”, enquanto apresentava o programa “Brazil Calling”, para um público a milhas de distância. O sucesso internacional era comprovado por centenas de cartas recebidas de outros países.  Imagino que a doutora Janet era esperta e acionava o seu fã-clube.  

Hoje, para nosso bem, falamos para o mundo de outra maneira. Pela internet, ou mais precisamente, se falamos em áudio, em som da fala livre no Brasil, aqui pela Rádio Vermelho. O que aumenta, e  muito, a nossa responsabilidade.

Sempre considerei que o primeiro grande mandamento de uma intervenção  no rádio, de qualquer programa no rádio, era tratar o ouvinte com respeito, o que vale dizer: ter a consciência de que além do microfone há pessoas inteligentes, há humanos, enfim, que dividem conosco aquele momento. O segundo mandamento, portanto, é perder toda e qualquer atitude professoral, porque o privilégio que usamos naquele instante é circunstancial, e mais experiência possui o público do que sonha nossa vã imaginação.

Ainda que fale para milhões de pessoas, o locutor se dirige a um só ouvinte. Como um João Gilberto da fala.

É claro que o locutor, naquele segundo terrível em que antes se acendia uma luz vermelha no estúdio, e agora, quando o estúdio lá em São Paulo avisa para o Recife “gravando”, é claro que esse último aviso nos  deixa na condição dos condenados à cadeira elétrica no momento em que nos assentamos para cumprir a sentença e um carrasco anuncia, “no ar”, é claro que o locutor, se possível,  se não tem qualquer prática de fala improvisada,  como eu, deve ser ajudado por um texto. Então as palavras têm que ser as mais simples, de domínio público; se for imprescindível uma estranha ao léxico popular, que se esclareça de imediato o seu sentido.

As palavras podem e devem ser repetidas, sempre que o sentido de ritmo e de compreensão exigir, sempre que forem insubstituíveis no seu significado e na sua força.

E mais importante, o que me parece um autêntico salto de gato. Devemos ter uma ideia construída desde a primeira fala até o ponto final. Em um crescendo para um tempo breve.

Comecei no rádio com um programa aos sábados, dirigido por Carminha Pereira, ilustre diretora da Rádio Capibaribe. Ali, junto a Rui Sarinho, Marco Albertime  Mariana Arraes, fizemos depois o Viramundo. Um programa de notícias. Nele, certa vez Augusto Lucena, o prefeito do Recife,  quando Mariana Arraes lhe perguntou em voz suave o que eu havia escrito antes: “o Doutor Augusto Lucena, quando foi a Lisboa, levou intérprete?”. O mais augusto burgomestre do Recife, explodiu e gritou “eu não sou imbecil”. Mas isso depois de quase 1 minuto da pergunta, como a considerar se havia mesmo ouvido o que ouvira.  

Mas nada se compara à experiência que temos tido na Rádio Vermelho, em primeiro lugar pela liberdade de pensamento que desfrutamos. Em segundo, pelo público de militantes que a Rádio possui a partir das páginas do site do Vermelho. Em terceiro, pela repercussão em tuítes e Face. E por último, enfim, pela universalidade e abrangência de temas, que alcançam pessoas de esquerda e democratas de todos os partidos. Que fala enfim a toda pessoa de coração e decência que ambicione a liberdade e a crítica.    

Em 25de outubro de 2013, falei aqui na Rádio Vermelho: “A liberdade de expressão é como oxigênio, sem a qual não há criação. Ela é liberdade política, sem a qual a vida deixa de existir”.  É o que temos recebido até hoje neste espaço.

*Na Rádio Vermelho http://www.vermelho.org.br/noticia/265113-35

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

7 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Urariano Mota

- 2015-06-07 09:14:31

Grato, Lenita

Forte abraço. 

Urariano Mota

- 2015-06-07 02:22:01

Amigo Luiz de Almeida

Salve! Quem tem Luiz tem luz. Muito obrigado. Abração.

Luiz de Almeida

- 2015-06-06 14:44:40

Urariano Mota

Dileto Amigo Urariano,

Tenho o maior orgulho de dizer aos meus amigos daqui que tenho um Amigo Pernambucano, escritor dos melhores. E tenho outro grande amigo, o Frederico Jimeralto, este que postou teu artigo, que após degusta-lo, senti a necessidade de escrever esta postagem. Sabe outra?: Uso teu livro: SOLEDAD NO RECIFE quando das minhas palestras sobre o período da ditadura. Mas, o objeto desta postagem é o teu maravilhoso artigo sobre a Rádio Vermelho. E Você, como sempre, adiciona nos teus artigos "pérolas", como essa da Mariana Arraes: (...):  “o Doutor Augusto Lucena, quando foi a Lisboa, levou intérprete?”. Como gostaria de ter ouvido isso na ocasião. Como dizem por aqui: "Rachei o bico de tanto rir". Amigo, grande abraço e: "ESTEJA E SEJA E FIQUE FELIZ!". (Luiz de Almeida)

lenita

- 2015-06-06 01:38:23

Parabéns

Parabens à Radio Vermelho ! E Parabéns ao Urariano por lembrar . Excelente história.

Urariano Mota

- 2015-06-05 19:34:59

Salve, Hélio Jorge Cordeiro

Mundo pequeno mesmo. Não tive a sorte de conhecer o seu irmão, Mas a Capibatibre era, de longe, a rádio mais bonita de Pernambuco, com um sítio onde pontificava uma arara, linda. Ela, a emissora, continua a ser a verdadeira escola de rádio no Recife. 

Aproveito e corrijo mais uma falha: onde se lê "O mais augusto burgomestre do Recife, explodiu e gritou", leia-se por favor: "O mais augusto burgomestre do Recife explodiu e gritou". Essa vírgula entre sujeito e predicado é mais cruel que a pergunta para Augusto Lucena. E era verdade: ele foi a Portugal com intérprete.

Hélio Jorge Cordeiro

- 2015-06-05 19:13:20

Quem bom saber que eras contemporaneo de meu irmão

Maravilha, Urariano! O bom foi saber que tu fostes conteporaneo de meu irmão na Radio Capibaribe, com Carminha! Meu irmão, Humberto Cordeiro Jr., junto com Rômulo Uchôa, tinham dois programas, um de humor e outros de poesias. Além é claro de uma radio-novela, escrita por meu pai e meu irmão, dirigidas por Rômulo Uchôa: "O Homem Gato". Meu irmão foi tambem pareceiro de Carminha numa musica, creio que uma ciranda concorrendo a algum festival regional nos anos 70. Bom, maravilha seu artigo, como sempre!

Urariano Mota

- 2015-06-05 16:34:18

Correção

Onde escrevi "Marco Albertime", leia-se por favor "Marco Albertim". Peço desculpa pelo involutário erro. 

Marco Albertim foi  brilhante jornalista e escritor , de contos que honram a literatura brasileira. Ele faleceu em 10 de abril deste ano. Um de seus contos pode ser lido aqui

http://www.vermelho.org.br/tvvermelho/noticia.php?id_secao=11&id_noticia=156720

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador