O balanço do 15 de Maio e os preparativos para novo ato

Foram mais de 3 milhões de pessoas, em 240 cidades do Brasil e em todos os estados do país, protestando contra os cortes na Educação, e prometem mais no 30 de Maio

Rio de Janeiro, RJ. Foto: Pedro Rocha / Fotografia Pela Democracia

Jornal GGN – O Brasil parou no último 15 de Maio, no que ficou conhecido como o Tsunami da Educação. Foram mais de 3 milhões de pessoas, em 240 cidades do Brasil e em todos os estados do país, protestando contra os cortes determinados nas Universidades e instituições de ensino superior.

Movimentos sociais, estudantes, professores, sindicatos já se preparam para o segundo ato, marcado para o dia 30 de maio, reunindo as reivindicações dos estudantes e professores, mas também contra outras pautas da agenda de Jair Bolsonaro, como a Reforma da Previdência, contra as privatizações e o cenário de crise econômica, a redução dos direitos trabalhistas.

Os Jornalistas Livres produziram um vídeo com um balanço das imagens que marcaram o dia 15 de maio na história do país:

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. tres milhões de corações com fé no movimento….
    ao som de milton nascimento, é bem melhor…..
    espero renovadas esperanças para dia 30….

  2. Emendas parlamentares: grana à disposição de cada deputado federal e cada senador para beneficiar suas bases eleitorais. O total dessas verbas, em 2015, era de 7,5 bilhões de reais. Crise. Bolsonaro elevou esse total para 14,850 bilhões (para negociar a aprovação da reforma previdenciária). Nada estava previsto no Orçamento da União para 2019. Precisava tirar essa exorbitância de algum ministério. Uni-duni-tê… Tira da educação, que é coisa supérflua neste governo. Políticos, os grandes beneficiários, não têm interesse em discutir esse assunto.

  3. Não poderá é perder o foco. Se reivindicar muitas coisas, acaba confundindo a todos. Tem que ter pautas claras e poucas. Em 2013 só foi os 0,10 da passagem, simples de entender. Uma sugestão seriam: 1- suspensão dos cortes; 2- demissão do ministro da educação; 3-pedido de desculpa do presidente aos professores e alunos.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome