Oposição e movimentos sociais definem agenda conjunta de mobilizações para março

Em março, os dias 8, 14 e 18 estão marcados para a luta conjunta.

Jornal GGN – Sindicalistas, entidades do movimento social e partidos de oposição definiram uma agenda de mobilizações para março, com início no dia 8, Dia Internacional da Mulher. A pauta converge para a defesa das instituições e do Estado Democrático de Direito.

O mote do encontro foi unificar e ampliar as lutas de cada segmento, com todos reafirmando a disposição de reforçar os atos em lutas contra os ataques do governo Bolsonaro aos direitos sociais, além da importância de defesa das instituições e das liberdades democráticas.

Em março estão marcados três atos. A primeira, em 8 de março, Dia Internacional da Mulher; seguido dos protestos no dia 14, quando se completam dois anos do assassinato da vereadora Marielle Franco; culminando com o dia 18, definido como o dia nacional de lutas e paralisações em defesa dos serviços públicos, empregos, direitos e democracia.

Com presença de parlamentares e líderes dos partidos de oposição, a reunião contou com dirigentes de mais de 30 entidades, como as Centrais CUT, Força Sindical, CTB, Intersindical, CGTB, CSP-Conlutas, UGT, Pública, Confederações e Federações de trabalhadores no setor público, petroleiros, estudantes universitários e secundaristas, entre outras.

Com informações do Portal Vermelho

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Comunidade acadêmica da UFGD intensifica mobilizações contra ações autoritárias da gestão pro tempore

1 comentário

  1. Pra mim, o mistério continua: porque essas manifestações vão ocorrer somente agora, depois da reforma trabalhista e do desastre da reforma da previdência? Por favor, alguém me explique!!!!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome