Fábio Rizental presta homenagem a guitarristas brasileiros em novo trabalho, por Carlos Motta

Ele homenageia alguns dos mais destacados músicos populares do país: Toninho Horta, Pepeu Gomes e Ricardo Silveira.

Fábio Rizental presta homenagem a guitarristas brasileiros em novo trabalho

por Carlos Motta

O guitarrista carioca Fabio Rizental está com novo trabalho audiovisual, dedicado aos guitarristas brasileiros. “Guitarras do Brasil – Ao vivo”, gravado em outubro de 2020 homenageia alguns dos mais destacados  músicos populares do país: Toninho Horta, Pepeu Gomes e Ricardo Silveira. As faixas, todas instrumentais, estarão disponíveis no Spotify, e os vídeos, no canal do artista no YouTube.

“Minha proposta é preservar a memória da geração de músicos contemporâneos, esses nossos craques da guitarra que fizeram sucesso nos anos 1970 e 1980, trazendo os trabalhos deles para o público jovem. Essa geração tem de saber quem foram esses caras”, diz Rizental.

No repertório de “Guitarras do Brasil – Ao vivo”, estão músicas compostas e/ou gravadas pelos três guitarristas. Reverenciando Toninho Horta, Fabio regravou “Idolatrada” e “Fé Cega, Faca Amolada” que ele já havia registrado no CD “Noites de Minas”, um tributo a Milton Nascimento. As gravações originais dessas duas canções contam com a sofisticada guitarra de Horta.

Já Pepeu Gomes foi homenageado com “Malacaxeta”, que conserva a temperadíssima pegada baiana. E das composições de Ricardo Silveira, Fabio pinçou “Bom de Tocar”, um exemplar do jazz fusion.

“Apesar dessas músicas não serem minhas, imprimi minha marca. Estão com a minha pegada de tocar a guitarra, minha forma de tocar, minha identidade, minha personalidade”, destaca Rizental. “Mesmo quando não mexo no arranjo, caso de ‘Malacaxeta’, eu faço um improviso”, acrescenta.

Além dessas canções, Fabio Rizental escolheu também obras próprias, de CDs anteriores, como “Boninha”, “Metal Cigano” e  “Pássaro Dourado”, que ele lançou ano passado com produção de Kassim.

Nascido no Rio de Janeiro, berço do samba e da bossa nova, Fabio Rizental transpira na guitarra as inspirações motivadas pelas obras de Tom Jobim, Milton Nascimento, Chico Buarque e de nomes do jazz, como Thelonious Monk, Duke Ellington e Chick Corea, acrescentando, de forma original, pitadas do rock de feras como Jeff Beck e Eric Clapton.

Formado em harmonia funcional pela Musiarte, no Rio de Janeiro, e em improvisação pela Berklee College of Music, em Boston (EUA) – maior faculdade independente de música do mundo –, Fabio Rizental iniciou sua carreira na década de 1980. Participou das bandas Hangar 18 e Malabaristas e se apresentou ao lado de grandes artistas, como Wagner Tiso, Jane Duboc, Cris Delanno, Alma Thomas, Rosana, Rosemary e Nico Rezende.

Em 2013, Rizental lançou o primeiro trabalho da sua carreira solo, e tocou no Rock in Rio, repetindo a dose na edição do festival em Lisboa, no ano seguinte. Foi, aliás, o único guitarrista a se apresentar solo nessas edições dos dois festivais. Ainda em 2013, foi entrevistado pela revista Guitar Player Brasil.

O guitarrista lançou, em 2017, seu segundo álbum: “Noites de Minas”, em que emprestou sua técnica e seus toques da melhor fusion latina para o cancioneiro de Milton Nascimento e da turma do Clube da Esquina.

Ouça:

Assista:

https://www.youtube.com/user/fabiorizental

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora