A hora de enfrentar a corrupção no Dnarc

Do Estadão
 
Abadía: ‘Para acabar com tráfico basta fechar o Denarc’
 
Denúncias de ligação com o tráfico de drogas são comuns no departamento da polícia paulista

16 de julho de 2013 | 12h37 Liz Batista

A prisão de sete policiais civis por envolvimento em um esquema de achaque a traficantes e vazamento de inquéritos em São Paulo traz novamente ao debate o abuso de poder, irregularidades e crimes cometidos por agentes do Departamento Estadual de Investigações sobre Narcóticos (Denarc).

Entre os escândalos recentes estão denúncias de corrupção e achaque a megatraficantes e a chefe do tráfico internacional.

Em setembro de 2007, semanas após ter sido preso em sua casa na  Aldeia da Serra, Barueri, na Grande São Paulo, o narcotraficante colombiano Juan Carlos Abadía denunciou os achaques cometidos por policiais do órgão ligado à Secretaria da Segurança Pública.
 

O Estado de S.Paulo, 17/8/2007

Em uma fita de vídeo encaminhada ao Ministério Público, o chefão do cartel do Norte do Vale revelava os esquemas de extorsão e dizia aos promotores do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) que “para acabar com tráfico de drogas em São Paulo, basta fechar o Denarc”. As investigações da Corregedoria da Polícia Civil de São Paulo apontaram que Abadía havia pago resgate de três de seus subordinados e da mulher de um deles, sequestrados e achacados por policiais de Diadema, do Departamento Estadual de Investigações sobre Narcóticos (Denarc) e do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), todos da polícia de São Paulo.

O Estado de S.Paulo, 01/9/2009

Leia também:  Chefe da Secon de Bolsonaro propõe transferir empresa para esposa

O caso do traficante Ramon Penagos, conhecido como El Negro, também veio à tona em 2009. O traficante  teria convencido policiais do Denarc de que era mineiro de Borda da Mata. Para ficar preso com a identidade  falsa de Manoel de Oliveira Ortiz, o bandido, procurado pela Interpol por traficar toneladas de cocaína, disse que pagou € 400 mil aos policiais. El Negro permaneceu incógnito até ser descoberto, naquele ano, por policiais do Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic).

O Estado de S.Paulo, 31/7/2009

Calcula-se que, entre subornos, propinas e resgates a associados, Abadía e El Negro tenham pago US$ 800 mil  aos agentes do departamento.

O achaque a traficantes não é prática nova dentro do organismo de segurança do Estado de São Paulo. Antes mesmo da criação do Denarc, em 1987, pelo então governador Orestes Quércia, a Corregedoria da Polícia apurava uma lista de denúncias de extorsões cometidas por policiais da Divisão de Entorpecentes.

O Estado de S.Paulo, 13/9/1978 e 31/8/1986

   


 

Leia outros casos de corrupção do Denarc publicados no Estado:

Policiais do Denarc são condenados por corrupção

Suspeita de corrupção afasta delegado do Denarc

 

 

 

6 comentários

  1. E não se sabe nada que tenha

    E não se sabe nada que tenha sido apurado. Simplesmente esperam a poeira baixar e o povo esquecer. Não se fica sabendo de uma ação de correição nessas policias; as militares são lá entre eles, nada sabemos, as civis, tampouco: tudo é sigiloso, tudo é mistério, e ass coisa continuam sempre iguais.

  2. Mas desde quando o Governador

    Mas desde quando o Governador Alckmin do PSDB enfrenta alguma coisa com a blindagem que tem na mídia?  Ora, ora. E o Prefeito se acredita em colaboração com o Governo Estadual vai dançar o miudinho!  Haddad, abra os olhos e convoque uma coletiva de imprensa imediatamente!

  3. e o pessoal da “repressão” ao

    e o pessoal da “repressão” ao tráfico vai perder uma boquinha dessas? E não é só em SP.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome