Benefício de Prestação Continuada tem maior fila de espera no INSS

Tempo de espera por uma resposta à solicitação chega a 195 dias; pedidos acumularam após transformação digital

Foto: Reprodução

Jornal GGN – Os brasileiros chegam a aguardar seis meses e meio por uma resposta do INSS sobre seu benefício. Enquanto isso, eles não recebem um centavo de assistência pública – o dinheiro só é pago após a liberação do governo, com juros e correção monetária.

Os benefícios assistenciais para idosos e pessoas com deficiência de baixa renda (o BPC – Benefício de Prestação Continuada) tem o maior período de espera, com uma média de 195 dias.

O volume de pedidos transbordou desde 2018, quando o órgão passou por um processo de transformação digital que acabou com a necessidade de agendamento para ingressar com o pedido do benefício.

Porém, o governo não conseguiu atender à demanda: até o primeiro semestre de 2019, apenas 2,7 mil dentre 23 mil servidores trabalhavam na análise dos pedidos, que oscilaram entre 700 mil e 1 milhão por mês no período. E a herança acumulada ficou, mesmo com a atual gestão tendo triplicado a mão de obra durante o segundo semestre.

Em julho do ano passado, os pedidos acumulados chegaram a 2,4 milhões. No início deste ano, o volume de solicitações caiu a 1,9 milhão, mas mais de dois terços deles seguem sem resposta há mais de 45 dias, que é o prazo legal para o INSS dizer se o benefício será ou não concedido.

Segundo informações do jornal O Estado de São Paulo, o governo deve resolver o problema em seis meses – entre abril e setembro de 2020, quando espera colocar 7 mil militares da reserva que pretende contratar para funções administrativas e liberar os profissionais do INSS para realização das análises.

Entretanto, a resolução sobre a decisão de colocar militares no INSS ainda está em debate. O Ministério Público solicitou ao TCU (Tribunal de Contas da União) que a contratação seja suspensa, uma vez que a contratação não pode ser direcionada apenas aos militares de reserva – em um sinal de clara reserva de mercado a esse segmento.

Leia também:  Governo Bolsonaro esconde remuneração de militares da reserva e aposentados

Ao mesmo tempo, os militares da reserva não são funcionários públicos aposentados, e eles precisam estar à disposição para atender eventuais necessidades das Forças Armadas, e não da sociedade civil.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Ser democrático, dar poder ao povo, ser popular p virou sinônimo de ditador, tirano ou político sem pudor que apela a medidas populares, descendo ou não à raiz da questão . Se o discurso é apenas eleitoreiro, se tem como mote a ocasião e a conveniência ou se dá respostas ao que povo necessita, curto ou longo prazo, eis o rotulo: populista do mesmo saco, embora a direita aprle esse discurso na hora do voto, sem ser questionada pela grande mídia anti-popular que vaticina tempos celestiais ao acabar com direitos trabalhistas, aposentadorias e implementar políticas de privatização que detonam com tudo que pode beneficiar o povo, o que é popular. Entre o discurso e a práxis, nivelados, quem engana o povo com promessas e mentiras e quem faz efetivamente pelo povo. Coisa feia…
    Chique é a popularidade midiatica, ser anti-popular, segregar, pregar que a máquina social gasta muito e a iniciativa privada levará ao paraíso. Máquina que engorda juízes, militares, promotores, OFs, sobre os quais não dá nenhum pio. Populistas são Vargas, com a carteira de trabalho, Jango, com a reforma agrária, Brizola,
    com educação em tempo integral, Lula, com Minha Casa, Minha Vida, Prouni, Fies, Ciência Sem Fronteiras, Bolsa Família, et… E Bolsonaro, arminha, da crueldade secular…
    Então o endosso caro RD: “Qualquer governo que tome medidas efetivas para diminuir a desigualdade, respeitar direitos cidadãos, preservar a liberdade de expressão e conviver com associações político-partidárias de qualquer ideário, logo recebe estigma negativo, vindos de um histórico patrimonialista, escravagista e de valor meritocrático exclusivo dos ricos”, e
    batuco nos botões um samba antigoacomo uma crônica de um adoniran, amigo, dos “novos” tempos:

    “Depois de promessas e juras de leite e mel….”

    Salve, Rui

  2. Ser democrático, dar poder ao povo, ser popular p virou sinônimo de ditador, tirano ou político sem pudor que apela a medidas populares, descendo ou não à raiz da questão . Se o discurso é apenas eleitoreiro, se tem como mote a ocasião e a conveniência ou se dá respostas ao que povo necessita, curto ou longo prazo, eis o rotulo: populista do mesmo saco, embora a direita aprle esse discurso na hora do voto, sem ser questionada pela grande mídia anti-popular que vaticina tempos celestiais ao acabar com direitos trabalhistas, aposentadorias e implementar políticas de privatização que detonam com tudo que pode beneficiar o povo, o que é popular. Entre o discurso e a práxis, nivelados, quem engana o povo com promessas e mentiras e quem faz efetivamente pelo povo. Coisa feia…
    Chique é a popularidade midiatica, ser anti-popular, segregar, pregar que a máquina social gasta muito e a iniciativa privada levará ao paraíso. Máquina que engorda juízes, militares, promotores, OFs, sobre os quais não dá nenhum pio. Populistas são Vargas, com a carteira de trabalho, Jango, com a reforma agrária, Brizola,
    com educação em tempo integral, Lula, com Minha Casa, Minha Vida, Prouni, Fies, Ciência Sem Fronteiras, Bolsa Família, et… E Bolsonaro, arminha, da crueldade secular…
    Então o endosso caro RD: “Qualquer governo que tome medidas efetivas para diminuir a desigualdade, respeitar direitos cidadãos, preservar a liberdade de expressão e conviver com associações político-partidárias de qualquer ideário, logo recebe estigma negativo, vindos de um histórico patrimonialista, escravagista e de valor meritocrático exclusivo dos ricos”, e
    batuco nos botões um samba antigoacomo uma crônica de um adoniran, amigo, dos “novos” tempos:

    “Depois de promessas e juras de leite e mel….”

    Salve, Rui

  3. O Brasil caiu nas mãos do regime miliciano e por isso esta sendo desmontado para virar propriedade da familicia Bolsonaro, com o STF e tudo junto.
    Bom Jair se Acostumando kkk

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome