Biden enfrentará “anarquia da desinformação” na imprensa e redes sociais de ultradireita

Articulistas americanos questionam se Biden pode usar agência governamental para reinar sobre as fake news em meios de massa

Jornal GGN – Joe Biden toma posse nesta quarta (20) e tem, entre outros inúmeros desafios, o de enfrentar setores ultraconservadores da mídia norte-americana que se entregou ao desespero de propagar fake news durante a pandemia e após a derrota de Donald Trump, na tentativa de ganhar a audiência dos grupos extremistas que se articulam sobretudo nas redes sociais.

Segundo artigo publicado por Lúcia Guimarães, na Folha de S. Paulo, “articulistas americanos passaram a perguntar se Biden pode e deve usar a FCC para reinar sobre a anarquia da desinformação que se tornou tão danosa à democracia.”

A Fox, que ataca presidentes democratas há 24 anos, é produto de decisões de Ronald Reagan, o ícone conservador, cujo assessor de mídia, Roger Aisles, tornou-se o diretor fundador da Fox News e inventou o estilo combativo de jornalismo de cabo nos EUA.

A FCC (Comissão Federal de Comunicações) relaxou o controle sobre o conteúdo de estações de rádio e emissores de TV ainda nos anos 1980. A decisão do governo Ronald Reagan fez nascer a primeira safra de talk shows com forte tendência ultradireitista. Quando a Fox News foi criada, 24 anos atrás, o “estilo combativo de jornalismo de cabo nos EUA” já tinha solo fértil para crescer por causa desse papel fraco da FCC.

Biden, que toma posse com 35% dos americanos convencidos de que ele não é o presidente eleito dos Estados Unidos, pouco pode fazer, pelas leis atuais, em relação ao conteúdo propagado em meios de massa. “A FCC não concede licenças de canais de cabo. Quem decide distribuir os canais são as grandes operadoras, como AT&T, Comcast, Charter, Dish Network e Verizon.” E essas empresas atuam com interesse em conquistar o público, mesmo aquele que acredita e difunde fake news.

O artigo narra ainda como o dono da Fox News, Rupert Murdoch, investiu nesse modelo de opinião sobre o jornalismo durante a eleição, apesar de considerar Donald Trump um imbecil. A postura ocorreu depois do canal perder 20% de sua audiência para pequenas emissoras que surgiram na esteira dos movimentos de ultradireita.

A Fox então dobrou a aposta e, agora, alguns de seus âncoras falsificam sem pudor os fatos sobre a invasão no Capitólio, incitada por Trump, e repetem que a eleição de Biden é questionável por uma suposta fraude eleitoral.

“Nenhum presidente na história moderna americana chega à Casa Branca com um desafio tão extraordinário do ecossistema da mídia conservadora ou extremista quanto Joe Biden”, diz.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora