Carlos Ghosn está proibido de deixar o Líbano

Decisão foi tomada após interrogatório de executivo pela Procuradoria-Geral do país

Foto: Reprodução

Jornal GGN – A Justiça do Líbano proibiu o executivo Carlos Ghosn de sair do país. A decisão foi tomada nesta quinta-feira (09), após interrogatório realizado pela Procuradoria-Geral libanesa por conta de uma ordem de prisão da Interpol.

Segundo informações do jornal Folha de São Paulo, a Procuradoria-Geral do Líbano também solicitou ao Japão um dossiê a respeito do processo movido contra o ex-presidente da Renault-Nissan, acusado de desfalque financeiro.

Ghosn vai permanecer proibido de viajar até que os procuradores libaneses recebam o processo judicial japonês. Após o recebimento dos documentos é que será decidido se o executivo deverá ou não responder judicialmente no Líbano.

Detentor das nacionalidades libanesa, francesa e brasileira, o executivo é alvo de quatro acusações no Japão, sendo duas por sonegação e duas por abuso de confiança agravado.

Na última quarta-feira (08/01), Ghosn disse ser vítima de um “golpe” orquestrado, e que está determinado a “lavar sua honra”. O pronunciamento foi feito em Beirute, em sua primeira aparição pública desde que fugiu do Japão.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

3 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Marvado

- 2020-01-11 14:22:49

Prezado Alfredo Machado, porque você acha que a diplomacia brasileira deveria tomar as dores desse milionário, que juntou uma incontável fortuna no exterior, e nem de perto se pode atribuir a ele a condição de "injustiçado"... faça-me o favor! Dê uma passadinha aqui o Paraguai e conte (tente) o numero de brasileiros abandonados a propria sorte....

- 2020-01-10 12:39:48

Como já comentei anteriormente, e o Itamaraty, não deveria agir como qualquer país, isto é, oferecer condições de apoio para um brasileiro? Ou será que só serve para pagar o salário daquela turma toda, os aluguéis impressionantemente caros $$ para embaixadores no exterior e outras despesas nunca devidamente explicadas? USA que tanto amo rsrsrs nunca deixará um americano à deriva, haja vista o caso dos dois pilotos do Legacy, ou seja, o brasilsil parece ter imenso orgulho em ser país sem vergonha, quando o assunto é a defesa de um dos seus. Carlos Ghosn, considerado um extra-classe por qualquer empresário de grande porte, deveria ficar onde está, porque aqui ele se tornará presa fácil do ernesto e do chefe miliciano, e logo será devidamente arremessado para o Japão. Não é possível acreditar no país do carnaval.

claudio marcos

- 2020-01-10 08:29:42

Para ele é ótimo pois se deixar o Líbano a Interpol bota a mão em cima dele.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador