China usa coronavírus para nacionalizar montadora americana

A China atraiu um empresário americano com a oportunidade de ajudar a construir uma empresa automobilística de ponta no maior mercado automobilístico do mundo

Da Fox Business

A China atraiu um empresário americano com a oportunidade de ajudar a construir uma empresa automobilística de ponta no maior mercado automobilístico do mundo, então aproveitou a incerteza lançada pela COVID-19 para roubar sua propriedade intelectual, diz o empresário.

Steve Saleen, fundador do fabricante de carros esportivos de alto desempenho especializado Saleen Automotive, e seu sócio Charles Wang, um imigrante chinês e ex-advogado de um escritório de advocacia de Nova York, foram abordados no final de 2015 sobre a formação de uma joint venture com a cidade de Rugao para fabricar automóveis.

O negócio “ofereceu, penso, do meu ponto de vista, uma grande oportunidade de ajudar a construir uma empresa global”, disse Saleen à FOX Business.

O acordo que foi alcançado exige que Saleen contribua com sua marca e marcas registradas, projetos para três veículos de engenharia e experiência, know-how e tecnologia na fabricação de automóveis, disse ele. Essas contribuições foram avaliadas em $ 800 milhões.

Wang, que ajudou a estruturar o negócio, seria o diretor executivo da empresa.

Por seus esforços, Saleen, Wang e seus parceiros receberiam dois terços da propriedade da empresa recém-formada, chamada Jiangsu Saleen Automotive Technologies.

O governo da cidade de Rugao, que detinha o terço restante, foi responsável por fornecer $ 500 milhões de capital e $ 600 milhões em empréstimos subsidiados ao longo de três anos para financiar as operações e construir uma fábrica. Rugao, localizada na costa leste da China na província de Jiangsu, fica a cerca de 200 quilômetros ao norte de Xangai.

“Parecia muito para nós, então concordamos com eles”, disse Wang, acrescentando que sua experiência lhe permitiu estabelecer a governança corporativa e os estatutos da empresa de acordo com a lei chinesa.

No início de 2020, tudo estava indo de acordo com o planejado. O produto inicial, um SUV, estava em certificação e o quadro de funcionários havia aumentado de três para quase 1.000. A fábrica, armada com 470 robôs de última geração, estava pronta para a produção.

Leia também:  Coluna Econômica: a explosão do comércio com a China e a falta de estratégia brasileira

Então a pandemia de COVID-19 aconteceu.

Com Saleen e Wang presos nos Estados Unidos devido à paralisação dos voos para a China, o governo de Rugao aproveitou a oportunidade para “nacionalizar a empresa”, de acordo com Saleen.

Em 29 de junho, a cidade enviou seis carros de polícia com sirenes tocando e vans cheias de forças de segurança privada para invadir a fábrica e os escritórios de Jiangsu Saleen.

As forças ordenaram que os funcionários saíssem e desligassem a água e a eletricidade, quando alguns se recusaram a fazê-lo. Executivos, que eram cidadãos chineses, foram forçados a renunciar ou enfrentar as consequências do governo de Rugao, Saleen disse à FOX Business. Os demais funcionários foram desligados.

Dois funcionários, Frank Sterzer, um cidadão alemão que era vice-presidente de manufatura, e Grace Yin Xu, uma cidadã chinesa encarregada de assuntos corporativos, foram detidos.

Embora Sterzer tenha sido libertado seis horas depois ao contatar a embaixada alemã com um celular que não foi confiscado, Yin Xu foi detida por um mês depois de se recusar a corroborar as alegações do governo local de que Wang havia tentado desviar dinheiro.

As autoridades de Rugao também alegaram que a tecnologia de Saleen não tinha valor e informações falsas foram fornecidas para garantir uma avaliação mais alta, disse ele à FOX Business.

Sem o conhecimento de Saleen, os funcionários haviam anteriormente protocolado 510 patentes para as propriedades intelectuais que ele desenvolveu – 120 das quais já foram concedidas, incluindo seu compressor de assinatura. Muitos dos arquivos nem mesmo listavam Saleen como o inventor.

O acionista que representava a participação de um terço da cidade realizou uma reunião ilegal do conselho e removeu Saleen e Wang dos diretores da empresa, deixando os acionistas estrangeiros sem representação, disse ele. De acordo com a legislação societária chinesa, uma reunião do conselho não pode ser realizada sem um quorum de 51% dos acionistas.

Leia também:  Por ser investigado, Bolsonaro deve depor pessoalmente, decide Celso de Mello

O governo Rugao não comentou quando foi contactado pela FOX Business. Os esforços para obter comentários do Ministério de Relações Exteriores da China, localizado em Pequim, não tiveram sucesso, e um porta-voz do Departamento de Comércio dos Estados Unidos não respondeu a um pedido da FOX Business.

Embora as chances de uma resolução no continente sejam mínimas, Saleen e Wang têm uma via de arbitragem em Hong Kong. O advogado deles na região administrativa especial disse que há uma boa chance de eles ganharem o caso, mas se o caso será exeqüível é “um grande ponto de interrogação”, de acordo com Wang.

A ironia é que, enquanto a empresa de Saleen estava sendo adquirida, os Estados Unidos e a China davam os toques finais em um acordo comercial de primeira fase que o presidente Trump vinha pressionando desde que assumiu o cargo.

O acordo inicial incluía promessas de Pequim de impedir o roubo de propriedade intelectual, e uma segunda fase – agora no limbo com o aumento das tensões entre os dois países – deveria aprimorar esses compromissos.

Se acontecer, apesar das críticas de Trump ao tratamento da China ao COVID-19, uma doença altamente contagiosa observada pela primeira vez no país no ano passado, e sua repressão às liberdades civis em Hong Kong, Saleen tem algumas idéias do que deve incluir.

Ele diz que as empresas chinesas que infringem a propriedade intelectual devem ser bloqueadas nos mercados de capitais dos EUA, avaliações de ativos por empresas chinesas que operam nos EUA devem ser proibidas e que entidades e indivíduos devem ser responsabilizados por qualquer violação de propriedade intelectual, tanto civil como criminal.

Leia também:  Deutsche Bank prevê chegada de 'desordem' global por "guerra fria" entre EUA e China

Ele também acredita que os carros chineses devem ser impedidos de entrar no mercado americano, a menos que façam parte de uma joint venture com uma empresa americana.

Saleen, que se preocupa que seja “tarde demais” para ele e seus sócios, acha que sua experiência serve de alerta para quem está pensando em fazer negócios na China.

“Se pode acontecer comigo, pode literalmente acontecer com qualquer um”, disse Saleen. “Se isso não estivesse acontecendo em tempo real, você pensaria que era realmente um filme de Hollywood.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

10 comentários

  1. Disputa geo-política, busca de desculpa para atacar a China pelos seus sucessos, como com o 5G.
    Certamente a versão chinesa dos fatos é outra, o pessoal puxa a brasa para debaixo de sua sardinha, sempre. Quem está certo? Precisaria apurar para não fcar acreditando em bobagens. Mas vale também dar uma olhada nas “fichas corridas” de ambos os lados. De uma coisa tenho certeza: não há santos nessas histórias.

    11
  2. Muitos falam que o governo do PT deveria industrializar o país. Mas vejam bem, isso exigiria esse tipo de jogada político-mercadológica que a China (o todos os que se industrializaram) fez. Por exemplo, na crise de 2008, o governo Lula perdeu a chance de nacionalizar a falida GM, assim como em 2002 deveria estatizar a falida Globo e não lhe emprestar dinheiro para que ela desse o golpe no PT depois.
    Não havia, no PT, um projeto político para industrializar o país, o que implicaria em muitos passos para além da fachada da moralidade liberal e do repubicanismo ingênuo, tais como:
    – Uma intervenção severa no alto funcionalismo público, particularmente no STF, Altas posições no judiciário, PF e PGR;
    – Uma limpeza ideológica nas forças armadas, aposentando os generais 5a colunas e substituindo-os por nacionalistas progressistas;
    – Pressão publicitária na grande mídia e, eventualmente, estatização de empresas falimentares;
    – Investimento estatal fortíssimo em empresas de alta tecnologia, estatais ou mistas;
    – Absorção e roubo de tecnologias avançadas;
    – Fundação de um serviço secreto eficiente em apoio da espionagem industrial e da defesa contra as reações dos países desenvolvidos (principalmente os EUA) que não aceitariam um Brasil industrial
    – Disputar a América Latina e a África como zonas de influência e mercados cativos contra as outras nações industriais
    – Eventualmente, o desenvolvimento de uma bomba atômica e mísseis capaez de lançá-la (se a pressão dos EUA for demais, só com uma bomba eles dão refresco)

    PAra fazer a omelete do Brasil industrializado seria preciso quebrar ovos e comprar brigas oméricas com o Primeiro mundo, como a Rússia e a China. O PT nunca propôs nem pensou nisto. E será que valeria a pena se desenvolver assim, jogando sujo e submetendo países mais fracos, com nossos vizinhos e a África?

    9
    1
  3. O blog deveria verificar se a notícia é verdadeira antes de publicá-la, sobretudo em se tratando de notícia veiculada por americanos.

  4. Historinha mal contada… um dos sócios é um advogado chinês, que atua em Nova York, antro de pilantras golpistas… Por que tentam levar a ação “por arbitragem” para Hong Kong ? Tá cheirando a picaretagem da grossa, como aquela urdida contra a Petrobrás pela CIA/DoJ/USA Inc.-FARSA JATO…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome