Clipping do dia

As matérias para serem lidas e comentadas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Embora "balão de ensaio", embaixada para Eduardo Bolsonaro já mobiliza governistas

15 comentários

  1. “Não é tarefa do juiz combater o crime”

    https://www.dw.com/pt-br/n%C3%A3o-%C3%A9-tarefa-do-juiz-combater-o-crime/a-49224555

    “Valores éticos de conduta na magistratura variam entre os países? Quais seriam os pontos em comum?

    Minha resposta tem de diferenciar dois planos, um mais individual, outro mais institucional. No plano individual, isto é, do comportamento de um juiz diante das partes em seu processo, parece-me que a ideia básica que acabo de delinear nas respostas anteriores é universal. O entendimento de quando esses limites se encontrem ultrapassados. Para ser bastante concreto: a boa prática (nem sempre seguida) na Alemanha é de o juiz registrar nos autos todos os contatos ocorridos entre ele e o Ministério Público para que a defesa possa saber da existência desses contatos. No plano mais institucional, isto é, relativo à magistratura como um todo, a situação brasileira é, a meu ver, muito preocupante. Nossos juízes tornaram-se celebridades, primeira página de jornal. Eles julgam para a televisão e dão entrevistas sobre processos que ainda não julgaram, negociam “pactos” com os outros poderes, fingem ser legislador, criando crimes por analogia (afirmando que ter determinada preferência sexual é ser de outra raça), e ser polícia/ministério público, instaurando inquérito para investigar alegadas ofensas ao Tribunal. Alguns mesmo se reportam ao clamor popular. A venerável ideia do juiz que fala apenas através de suas sentenças, que é muito presente na Alemanha, se perdeu, e o mau exemplo vem, infelizmente, de cima. Na Alemanha, ninguém sabe o nome – muito menos conhece o semblante – de nenhum dos ministros do Tribunal Constitucional Federal.”

    • Ao prender o Lula antes do trânsito em julgado da sentença penal condenatória,, a República de Curitiba aplicou uma lei que ainda está para ser aprovada no Pacote Anti-Crime do $érgio Moro.

  2. Estadão: A Lava Jato caminha para reproduzir a Mãos Limpas, em relação ao seu final – na Itália, o combate à corrupção na década de 1990 teve seus resultados remediados por uma dura reação do sistema político e pela queda de apoio público?

    Carlos Fernando: O caminho é outro, por conhecermos a experiência das Mãos Limpas, quais são as armadilhas que são colocadas no caminho de uma grande investigação. Percebemos e reagimos sempre. Toda vez que (políticos) tentaram uma modificação igual como foi a (lei) salva ladre (que concedia anistia aos presos), na Itália, fomos abertamente à imprensa e falamos: olha população, está acontecendo isso. Porque o político só entende a pressão da população.

    $érgio Moro – Talvez vcs devessem amanhã editar uma nota esclarecendo as contradições do depoimento com o resto das provas ou com o depoimento anterior dele, por que a Defesa já fez o showzinho dela

    Carlos Fernando $antos Lima – Podemos fazer. Vou conversar com o pessoal. Não estarei aqui amanhã. Mas o mais importante foi frustrar a ideia de que ele conseguiria transformar tudo em uma perseguição sua [de Moro]”.

    Carlos Fernando $antos Lima – Será que não dá para arranjar uma entrevista com alguém da Globo em Recife amanhã sobre a audiência de hoje?”.

    Assessor – Possível é, só não sei se vale a pena. E todos os jornalistas que estão aqui e já pediram entrevista?

    Outro Assessor – “Vcs nunca deram entrevista sobre audiência…vai servir pra defesa bater…mais uma vez…”.

    Depois desse diálogo, Carlos Fernando encaminhou em uma mensagem privada para Deltan copiando a conversa que teve minutos antes com Moro.

    Deltan passou, então, a comentar a sugestão feita pelo ex-juiz. “Então temos que avaliar os seguintes pontos: 1) trazer conforto para o juízo e assumir o protagonismo para deixá-lo mais protegido e tirar ele um pouco do foco; 2) contrabalancear o show da defesa”, afirmou o procurador.

    “Esses seriam porquês para avaliarmos, pq ng tem certeza. O ‘o quê’ seria: apontar as contradições do depoimento. E o formato, concordo, teria que ser uma nota, para proteger e diminuir riscos. O JN vai explorar isso amanhã ainda. Se for para fazer, teríamos que trabalhar intensamente nisso durante o dia para soltar até lá por 16h”, acrescentou Deltan.

    Logo depois, ele foi ao grupo “Análise de clipping”, dos assessores de imprensa da instituição, pedir que fosse monitorada a repercussão do depoimento de Lula, “em especial verificando se está sendo positiva ou negativa e se a mídia está explorando as contradições e evasivas”.

    Um assessor, que também não foi identificado pelo site, disse ao procurador que eventual manifestação para “contrabalancear as manifestações da defesa”, como Deltan sugeriu, poderia ser “um tiro no pé”.

    “Na minha visão é emitir opinião sobre o caso sem ele ter conclusão…e abrir brecha pra dizer que tão querendo influenciar juiz. Papel deles vai ser levar pro campo político. Imprensa sabe disso. E já sabe que vcs não falam de audiências geralmente. Mudar a postura vai levantar a bola pra outros questionamentos. Pq resolveram falar agora? Pq era o ex-presidente? E voltar o discurso de perseguição…é o que a defesa fez, faz…pq não tem como rebater a acusação. Acusação utilizar da mesma estratégia pode ser um tiro no pé”, escreveu o assessor de imprensa.

    Em meio à discussão, Deltan escreveu a Moro. Além de cumprimentá-lo pela condução do depoimento, informou que a emissão da nota estava sendo estudada: “Caro parabéns por ter mantido controle da audiência de modo sereno e respeitoso. Estamos avaliando eventual manifestação. A GN [GloboNews] acabou de mostrar uma série de contradições e evasivas. Vamos acompanhar”.

    Moro, então, afirmou: “Blz. Tb tenho minhas dúvidas dá pertinência de manifestação, mas eh de se pensar pelas sutilezas envolvidas”.

    Formaliza a APOCRIFIA, então, Dallagnol.

  3. In Moro we don’t trust. Talkey?

    “Eu não sei das particularidades da vida do Moro. Eu não frequento a casa dele. Ele não frequenta a minha casa por questão até de local onde moram nossas famílias. Mas, mesmo assim, meu pai dizia para mim: Confie 100% só em mim e minha mãe.

    Todo mundo pode ser [demitido]. Muita gente se surpreendeu com a saída do general Santos Cruz. Isso pode acontecer. Muitas vezes, a separação de um casal você se surpreende: ‘Mas viviam tão bem!’. Mas a gente nunca sabe qual a razão daquilo. E é bom não saber. Que cada um seja feliz da sua maneira”. – Bolsonaro

  4. Moro vai fugir do pais?

    *Estressado, Moro inventou uma agenda nos Estados Unidos*

    Depois de falar ao Senado sobre as conversas vazadas de integrantes da Lava-Jato, na quarta-feira, o ministro Sergio Moro parte para um giro pelos Estados Unidos. Ele viaja no sábado e fica lá até o dia 27, com uma comitiva, para fazer uma visita a instituições em El Paso, Texas, na fronteira com o México, e em Washington

  5. Uma reportagem publicada recentemente pelo The New York Times revelou que, em 2018, a Google faturou um montante assombroso US$ 4,6 bilhões com o Google News.

    Esse valor é impressionante por três motivos: primeiro, porque esse valor é uma estimativa conservadora de quanto o Google arrecadou, e diversos analistas acreditam que o número real é bem maior; segundo, porque há anos existe uma narrativa de que o jornalismo está em declínio e que trabalhar com notícias não dá dinheiro; e terceiro, porque para conseguir essa receita o Google não precisou escrever uma única matéria jornalística, e todo esse dinheiro foi feito em cima de publicações de veículos de imprensa que não possuem nenhuma ligação com a empresa.

    https://www.msn.com/pt-br/noticias/ciencia-e-tecnologia/reportagem-revela-que-google-lucrou-mais-com-not%C3%ADcias-do-que-toda-a-imprensa/ar-AACMdsk

  6. Pesquisa da UFSCar busca dessalinização da água de forma mais barata e eficiente

    https://saocarlosemrede.com.br/pesquisa-da-ufscar-busca-dessalinizacao-da-agua-de-forma-mais-barata-e-eficiente/

    Isto é importante inclusive porque:
    Quase 50 municípios de Goiás enfrentam risco de desabastecimento de água
    Entre eles, há oito vizinhos do DF e três que são destinos muito procurados por turistas brasilienses

    https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2019/06/17/interna_cidadesdf,763436/quase-50-municipios-de-goias-enfrentam-risco-de-desabastecimento.shtml

  7. um dos graduados no governo atual é o proprietário da maior locadora de carros do país. Certamente não é culpado do que ocorre, mas faturando com a precarização das rendas das famílias, desemprego em alta, usufrui da baixa financeira para lucrar e é entusiasta de vender tudo o que for do estado. Vejamos o que está acontecendo com alguns afiliados aos serviços de aplicativos de transportes que resolvem alugar carros:

    Aluguel vira opção em aplicativos, mas força jornada de 14 horas
    Motoristas de app desembolsam, em média, R$ 400 por semana pelos veículos das locadoras

    Joaquim José Alves, 39, morador do bairro Granja de Freitas, na região Leste de Belo Horizonte, chegou a rodar 48 horas seguidas para conseguir adiantar os R$ 450 semanais devidos pelo aluguel de um Fiat Uno. “Saí numa sexta-feira, às 7h30, e só parei às 7h30 do domingo, quando dormi no volante e bati o carro em Pedro Leopoldo”, lembra ele. Na ocasião, ocorrida há pouco mais de um mês, ninguém se feriu, mas Alves ficou com uma franquia para pagar de R$ 6.000 por causa da batida.

    https://www.otempo.com.br/economia/aluguel-vira-op%C3%A7%C3%A3o-em-aplicativos-mas-for%C3%A7a-jornada-de-14-horas-1.2197100

  8. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome