Coronavírus: No ritmo atual, Teich vai concluir os testes que prometeu em 2037

Para Humberto Costa, médico e senador pelo PT, "falta transparência e informação técnica: onde o governo vai comprar esses testes?"

Jornal GGN – Nelson Teich assumiu o Ministério da Saúde dobrando o volume de testes contra coronavírus para os entes federados. Ele prometeu mais de 46 milhões de itens, mas sem dizer como ou onde compará os insumos e quando isso será feito. Se seguir no ritmo atual – o Brasil tem feito 300 mil testes ao mês – Teich só vai alcançar a meta de testar 25% da população brasileira em 2037. É o que afirma o senador e médico Humberto Costa (PT).

“No ritmo atual, o governo levaria 17 anos para testar os 25% da população como Teich propõe”, calculou o senador de Pernambuco. Para ele, “falta transparência e informação técnica: onde o governo vai comprar esses testes? De onde surgiu essa meta de 46 milhões e que insumos serão usados se forem produzidos no Brasil?”

O ex-ministro da Saúde e deputado Alexandre Padilha (PT-SP), infectologista com especialização pela USP, também colocou em dúvida a capacidade técnica de Teich cumprir com a promessa. “Essa meta de 46 milhões é 10 vezes superior ao que os Estados Unidos fizeram até agora – pouco mais de 4 milhões de testes”, comparou.

“Ou o novo ministro da Saúde não conhece nada do que está se fazendo no mundo e no Brasil para o enfrentamento do Covid-19, ou ele está adotando a tática de espalhar fake news com números falsos e superestimados”, disse.

A título de comparação, a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou o envio de mais 30 milhões de testes de coronavírus a países que solicitarem, mas isso só seria concluído no prazo de 4 meses.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) tem capacidade de produzir, no Brasil, 11 milhões de testes, mas que serão entregues somente em setembro.

Com informações da assessoria do PT

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora