Ricardo Rao, indigenista que escrachou presidente da Funai em Madri, denuncia “exoneração ilegal”

Para o indigenista, Marcelo Xavier "destruiu e alijou a Funai através de assédio laboral e tirando verbas" do trabalho em campo

Ricardo Rao já foi jornalista, advogado, funcionário do IBGE e acumulava cerca de 10 anos como indigenista da Funai – atualmente refugiado na Europa – quando chamou atenção da imprensa e das redes sociais, na semana passada, em mais um episódio vexatório para o governo Bolsonaro na comunidade internacional.

Rao escrachou o atual presidente da Funai, Marcelo Xavier, durante a 15ª edição da Assembleia Geral da FILAC, em Madri, na Espanha. Xavier foi chamado de “miliciano”, “bandido”, “responsável” pelo assassinato brutal do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips, no Vale do Javari. Constrangido, Xavier deixou o evento.

O que aconteceu após o escracho? Rao conta nesta entrevista exclusiva à TVGGN, gravada na sexta-feira, 22 de julho de 2022. Na conversa, o indigenista fala de sua relação com Bruno Pereira, sobre a exoneração “ilegal” que sofreu na Funai após deixar o Brasil por conta de ameaças de morte recebidas no exercício de suas funções; também conta como conseguiu entrar na reunião da FILAC e por que disparou palavras duras contra Xavier. “Era o mínimo que eu podia fazer. Eu dirigi palavras contra ele. Contra o Bruno, eles dirigiram tiros de espingarda.”

Rao explicou o desmonte na Funai e como Marcelo Xavier – um nome ligado ao agronegócio – foi parar na presidência da instituição, hoje vítima da “foice” de Jair Bolsonaro. Para ele, Xavier “destruiu e alijou a Funai através de assédio laboral muito grande e tirando verbas” que custeavam o trabalho em campo.

Rao é bastante crítico dos governos Dilma e Temer. Para ele, os antecessores de Bolsonaro “aparelharam a Funai” usando a entidade como cabide de empregos para seus “cabos eleitorais”. Mas a eleição de Bolsonaro piorou a situação, pois os cargos passaram a ser ocupados por figuras escolhidas a dedo para minar os direitos dos povos indígenas e abrir caminho para garimpo, pesca e extração de madeira ilegal.

O indigenista relatou o trabalho que tem feito em Roma, em uma ação que visa imputar a Bolsonaro responsabilidade pela morte de cidadãos italianos durante a pandemia de Covid-19.

Ele agora aguarda a mudança de governo após as eleições e a desarticulação do crime organizado em terras indígenas para retornar ao Brasil. Ele deixou o País em 2019, após receber ameaças de morte. Em 2020, foi exonerado da Funai em uma manobra que considera “ilegal” e da qual pretende recorrer.

Assista a entrevista completa abaixo.

Publicada originalmente em 26 de julho de 2022

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador