Movimentos confirmam ato contra aumento de passagem em SP

Protestos acontecem na próxima quinta-feira (11), liderados pelo Movimento Passe Livre (MPL) após prefeito João Dória anunciar aumento de tarifa para R$ 4
 
Manifestação em 2016, Foto da Mídia Ninja
 
 
 
Tucano João Doria confirmou aumento dos preços do transporte público a partir do próximo domingo (7)
 
Por Júlia Dolce
Brasil de Fato 
 
O primeiro ato contra o aumento da tarifa do transporte público em São Paulo (SP), organizado pelo Movimento Passe Livre (MPL), acontecerá na próxima quinta-feira (11). A informação do aumento foi vazada no mês de dezembro e confirmada pelo prefeito João Doria (PSDB) na quinta-feira (4). Já no próximo domingo (7), a tarifa passa de R$3,80 para R$4,00.
 
Em 2017, o valor unitário das passagens ficou congelado em R$3,80, mas houve restrições na gratuidade de transportes públicos, além de aumentos no valor da integração entre ônibus e metrô e na modalidade do bilhete mensal. Para o MPL, o aumento de 20 centavos neste ano pode voltar a suscitar grandes protestos. Em 2013, o movimento organizou os protestos que se tornaram conhecidos como Jornadas de Junho, e levaram ao recuo do aumento em decisão conjunta tomada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) e pelo prefeito Fernando Haddad (PT).
 
 
De acordo com Diego Soares Thiago, integrante do MBL, a mobilização popular contra o aumento da tarifa é essencial para barrar outros retrocessos. 
 
“O que a gente percebe todos os anos é que se o aumento da tarifa não for barrado, haverá um incentivo aos outros ataques a quem é mais pobre. Se você faz uma grande mobilização no começo do ano contra o aumento da tarifa, o governo fica intimidado. Se não houver uma mobilização grande, a gente acredita que a direita continuará acentuando os ataques aos direitos”, afirmou.
 
Soares destaca ainda que, diante da conjuntura política atual, as mobilizações contra a tarifa podem influenciar os debates das eleições presidenciais deste ano.
 
“Nossa expectativa é fazer algo grande, principalmente porque é ano de eleição e a chance de revogar o aumento pode colocar o transporte público em debate, em evidência”, disse.
 
O evento da mobilização no Facebook destaca os impactos negativos do aumento para a população, já afetada pela crise econômica e pelo crescimento do desemprego, que fechou em 12% no último trimestre de 2017. “Enquanto o governador e o prefeito se importam somente com o lucro dos seus amigos empresários, a cada vez que a tarifa sobe, aumenta o número de pessoas excluídas do transporte coletivo”, diz a descrição do evento.
 
Para o urbanista Paolo Colosso, integrante do coletivo BRCidades, que também participa da organização do ato, o aumento dos valores das passagens pode ser a ação que faltava para mobilizar as pessoas contra as políticas do governo Doria.
 
“Não sabemos qual e quando vai ser o estopim, mas as regressões por mobilidade podem levar a isso, com certeza. O que a gente consegue perceber é que Doria vem cortando 40% dos investimentos de faixa e ônibus, cortou o passe livre estudantil, o investimento em ciclovias, e por outro lado, aumentou a velocidade dos automóveis. Ele mostra que o horizonte de cidade que tem é de prioridade ao automóvel, um modelo que sabemos que é inviável e irracional”, disse.
 
Em entrevista exclusiva à Rádio Eldorado, realizada ontem (4), Doria afirmou que não teme a possibilidade de grandes protestos. A concentração do primeiro ato está marcada para as 17h do dia 11, em frente ao Teatro Municipal, na zona central de São Paulo.  
 
Edição: Vanessa Martina Silva

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

7 comentários

  1. Se eu ainda tivesse esperança… depositaria nisso…

    Dessa vez será diferente… a mídia e o Estado vão massacrar essa manifestação… 

    A outra foi uma farsa, transformaram os 20 centavos de Alckmin no impeachment de Dilma… agora transformarão os 20 centavos de Dória em “APENAS 20 CENTAVOS”.

  2. MBL…?
    De acordo com Diego Soares Thiago, integrante do MBL, a mobilização popular contra o aumento da tarifa é essencial para barrar outros retrocessos.

  3. movimentos….

    O que é mais inacreditável neste país, é que a Ditadura do Regime Militar criou um Estado Absolutista e Escravagista que não foi extinto nem com a implantação de Constituição dita Cidadã, nem com uma pseudo-redemocratização, que só se mostrou farsante. O conluio entre os mais Altos Cargos do Poder Público, tanto no Executivo, como Legislativo e Judiciário, com Empresas de Ônibus no RJ foram revelados. E revelados toda a corrupção, defesa de interesses menores e privados contra a população, na manutenção de monopólios e tarifas extorsivas deste serviço público. Mostrado foi que cerca de 80% dos valores de tarifas de ônibus, nada mais são que extorsões contra a sociedade, que são repassadas para o Poder Público mancomunado e beneficiado de forma criminosa com tal exploração. E estas tarifas de ônibus são basicamente identicas por todo o país. Inclusive em SP. Na cidade de São Paulo com mais um agravante. Fora saber dos preços extorsivos e da lavagem de dinheiro histótica que é produzida pelos mandatários políticos na formulação dos preços do transporte público, ainda tem na capital, o uso de dinheiro público para subsidios em mais de 2 bilhões de reais (R$ 2.000.000.000,00). Desta forma, este monopólio da extorsão contra a miséeria brasileira não acabará nunca !!!! Quando surgiram as ‘Lotações’ em SP, Transporte Público feito por Motoristas Particulares das Periferias, os preços baixaram em até 1/3. E mesmo assim muito lucrativo para tais Profissionais. E o serviço, rapidez e conforto, eram muito melhor que o Transporte Público. Mas então o Poder Público atacou com todo tipo de violência, baixaria e perseguições, na intenção de manter o seu feudo. Legislações, multas, taxas, tarifas, encarceramento, perseguição policial surgiram do dia para a noite. Agora tais serviços da nossas ‘Masmorras Medievais’ estão sofrendo a concorrência de Aplicativos. Moradores de periferias paupérrimas, favelados, classes C e D, estão podendo se locomover pela cidade, em transporte sofisticado, confortável, luxuoso, a qualquer hora, da porta da suas casas até a porta do seu destino, com tarifas e preços módicos. Extremanente melhores que serviços de transporte público oferecidos no conluio com o Estado. As soluções são muiot simples e saltam à vista de qualquer um. Só existe um entrave para as soluções neste país. Senhores Feudais das Capitanias Hereditárias, Ditadores, Criminosos, impedindo a concorrência, o fim do monopólio ou seja impedindo a Liberdade. Liberdade não é o primeiro item de uma Constituição Cidadã? O Brasil é de muito, mas muito, mas muito, mas muito mesmo explicação.     

  4. “Doria afirmou que não teme a

    “Doria afirmou que não teme a possibilidade de grandes protestos.” 

    Claro que não teme !!! MPL sempre foi parça do PSDB !!!!

  5. “Doria afirmou que não teme a

    “Doria afirmou que não teme a possibilidade de grandes protestos.” 

    Claro que não teme !!! MPL sempre foi parça do PSDB !!!!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome