Pico do coronavírus no Brasil ocorre nesta semana, diz estudo

Se o cenário atual fosse congelado, a pandemia poderia começar a arrefecer no final de julho. Porém, flexibilização e mais testes alteram as projeções

(Andre Coelho/Bloomberg/Getty Images)

Jornal GGN – Pesquisadores a Coppe/UFRJ, Marinha do Brasil e Universidade de Bordeaux, na França, estimam que o pico da pandemia de coronavírus no Brasil deve ocorrer nesta terceira semana de maio.

Pelo estudo, a crise deve se estabilizar no fim de julho, com os casos positivos chegando ao patamar dos 370 mil. Considerando as subnotificações, o número pode chegar a 1 milhão.

O estudo foi encomendado pelo Estadão, e leva em consideração o cenário atual de isolamento e medidas adotadas até aqui contra o coronavírus.

Porém, os pesquisadores advertem que a tendência é de flexibilização da quarentena e aumento da testagem, criando fatores que alteram as projeções e adiam a estabilização da crise.

“Se tivéssemos o cenário de hoje congelado, chegaríamos ao dia 150 da pandemia, em 18 de julho, com 368 mil casos”, disseram ao jornal.

Os pesquisadores não fizeram projeções do número de mortes. Mas considerando a mortalidade atual, de 6,7%, em média, isso levaria a um total de 25 mil mortes até o fim de julho.

O Brasil tem hoje 261 mil casos de coronavírus e mais de 17,3 mil vítimas fatais. É o quarto país mais afetado em termos de casos confirmados, atrás apenas dos EUA, Russia e Espanha, que tem 278 mil casos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  A vida pregressa de Moro: GGN investiga a trajetória do ex-juiz com ajuda de leitores

3 comentários

  1. Estudo furado e inutil.
    Para este estudo estar certo precisariamos de ter uma media de 1500 por dia nos próximos 70 dias.
    Como estamos com uma média maior que esta em uma semana já teremos batido esta meta. Ai só um milagre para que os próximos 63 dias tenhamos 0 casos novos por dia.
    O estudo não vale o papel em que foi registrado.

    • Exato. E como se falar em 25.000 mortes até o final de julho se já estamos com algo em torno de 17.000 óbitos OFICIAIS e por esses dias devemos ficar com algo em torno de mil???

      Que “estudo” é esse?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome