Protótipo de respirador criado na UFSC é aprovado em testes no Hospital Sírio-Libanês

O equipamento é de baixo custo, com peças nacionais, e servirá para suporte à vida em UTIs, não apenas para casos de emergência

Protótipo de ventilador pulmonar criado na UFSC. | Foto: Divulgação / UFSC

do Notícias da UFSC

Protótipo de ventilador pulmonar criado na UFSC é aprovado em testes no Hospital Sírio-Libanês

por Eduardo Correia, da Fapeu

Depois de aprovado em testes de bancada e em experimentos com animais no Hospital de Clínicas, de Porto Alegre (RS), o protótipo de ventilador pulmonar criado pelo professor Saulo Güths, do Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), também superou os ensaios com simulação de condições humanas realizados no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. O professor agora acelera a busca por uma empresa habilitada junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a produção do aparelho.

O projeto conta com apoio da Fundação de Amparo e Extensão Universitária (Fapeu), inclusive com aporte de recursos pelo Núcleo de Análise Gerencial e Fiscal (Nagefi), área da Fapeu que presta serviços de assessoria, consultoria tributária, auditoria fiscal por meio de uma equipe técnica própria e de consultores associados. “A Fapeu é importante pois, além de gerenciar um projeto semelhante que foi um suporte para o desenvolvimento atual, está auxiliando na realização destes atuais ensaios”, observa o professor.

Reunião

Os testes no Hospital Sírio-Libanês foram realizados no final da semana passada. “No modo Volume Controlado, que é o principal no caso da Covid-19, quando o paciente está sedado, tiramos nota 10. Em um dos modos assistidos, da fase de recuperação, quando a sedação é reduzida, detectamos a necessidade de um pequeno ajuste, mas apenas de software e que já estamos solucionando”, relatou o professor.

Leia também:  Bolsonaro omitiu encontro com futuro chefe da PF do Rio

Na ida a São Paulo, o professor Saulo também reuniu-se com representantes de uma empresa paulista, que está avaliando a possibilidade de fabricação em série do aparelho. “Mas, paralelamente, estamos em contato com outras empresas para tentar colocar em produção o mais rápido possível”, contou Güths. A empresa interessada precisa ter habilitação nível 3 da Anvisa, que permite a fabricação de aparelhos para tratamentos de alto risco.

Baixo custo

O equipamento é de baixo custo, com peças nacionais, e servirá para suporte à vida em UTIs, não apenas para casos de emergência. “O objetivo é ter um equipamento que consiga competir com os de R$ 170 mil que estão comercializando nesse momento. Necessitamos ainda alguns ajustes, o que pode resultar num valor um pouco maior que o almejado inicialmente, que era R$ 1 mil, R$ 1,5 mil. Mas mesmo assim terá um custo imensamente menor que os similares encontrados hoje”, compara o professor. “É claro que entrando uma empresa com fins comerciais, ela também vai colocar a questão de, não só o lucro, mas a responsabilidade, assistência, impostos, tudo isso faz aumentar o valor, mas não vai chegar aos pés de um valor atual de mercado, sem dúvida nenhuma”, acrescenta o docente.

A criação do protótipo começou em março na casa do professor, com ajuda do filho Eduardo Larsen Güths, aluno de Engenharia Mecânica da UFSC. Em abril, o equipamento foi levado ao Hospital de Clínicas para o teste de bancada. “Como fomos bem, no dia seguinte fizemos teste em animal, em uma ovelha. E fomos aprovados. A equipe do hospital ficou bastante animada com os resultados”, lembra o professor. Além do filho, o pesquisador ainda contou com a ajuda de outras pessoas, como o professor do IFSC, Marcelo Vandressen, que passou algumas dicas e um sensor, e de Carlos Moura, dono de uma oficina mecânica que repassou um bico injetor.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Não entendo qual o motivo por qual a ANVISA demora tanto para certificar os protótipos de respiradores produzidos por grupos brasileiros, principalmente instituições de ensino estatais. Ao mesmo tempo, estão entrando a preços astronômicos aparelhos chinese de qualidade duvidosa. Um mutirão de certificação permitiria contratar empresas nacionais com tecnologia adequada, atualmente com capacidade ociosa, e alta produção. Até a WEG, tradicional empresa catarinense de alta tecnologia se ofereceu para produzir, e até agora não recebeu encomendas. E alguns dos protótipos podem ser reproduzidos até em oficinas domésticas, a partir do zero ou adaptando CPAPs.

  2. Meus parabens pela iniciativa e que ela não fique somente no respirador. Que este mesmo modelo de desenvolvimento seja utilizado para os demais equipamentos de uma uti, para que possamos ter UTI em todos os municípios Brasileiros.
    Ao resto da familia academica Brasileira fica o desafio: o que mais podemos fazer pela sociedade civil Brasileira?

  3. O professor Saulo Güths é um exemplo para todos nós!!

    Excelente profissional.

    Tem enorme habilidade em transformar
    ideias em modelos, modelos em projetos, projetos em protótipos.

    Mostra de forma inequívoca, mais uma vez, a importância dos investimentos em ciência e tecnologia. Temos excelentes professores e técnicos, falta a perenidade nos investimentos nas universidades.

    Que consiga do governo e empresas o apoio necessário para salvar vidas.
    E que seu laboratório seja apoiado pelos excelentes resultados.

    Parabéns professor!!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome