Quanta destruição uma só pessoa consegue causar na Amazônia?

Novo ritmo de desmatamento e queimadas imposto pelo governo Bolsonaro jogará 4,7 gigatoneladas de carbono na atmosfera por ano, o equivalente à emissão dos Estados Unidos

Grande área queimada na cidade de Candeiras do Jamari no Estado de Rondônia. | Victor Moriyama - Greenpeace

do Instituto Socioambiental – ISA

Quanta destruição uma só pessoa consegue causar na Amazônia?

por Antonio Oviedo

O efeito dos incêndios florestais nas emissões de carbono é um dos ciclos de retroalimentação climáticos mais temidos. A floresta deixa de armazenar carbono para virar fonte. Mais incêndios significam mais aquecimento que, por sua vez, significa mais incêndios. Na Amazônia, um período de incêndios florestais como estamos observando em 2019 pode eliminar por completo os ganhos de emissão conquistados em períodos anteriores de implementação efetiva de políticas ambientais como, por exemplo, as duas primeiras fases do Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal (PPCDAm), entre 2004 e 2012, que reduziram o desmatamento na Amazônia em 83%. Temporadas de incêndios florestais como essa soam como se o Brasil estivesse zombando da abordagem do desenvolvimento sustentável, onde a redução de emissões se insere. E a situação da política ambiental no país promete ficar pior.

A Amazônia legal, que já sofreu em 2010 uma “seca centenária”, registrou em 2017 e 2018, 199 mil e 90 mil, respectivamente, focos de incêndios conforme os dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). E até agosto de 2019, já foram registrados outros 53 mil focos de incêndios.

Hoje, a floresta amazônica fica com um quarto de todo o carbono absorvido por ano pelas florestas do planeta. Em 2018, o presidente Bolsonaro prometeu abrir a floresta amazônica para um modelo de pilhagem dos recursos naturais, ou seja, para o desmatamento. Quanto estrago uma só pessoa consegue causar para a Amazônia? Um estudo de cientistas brasileiros (ISA e UFMG) estimou que entre 2019 a 2022 esse desmatamento liberaria o equivalente a 19 gigatoneladas de carbono (média de 4,7 gigatoneladas ao ano). No ano passado, os Estados Unidos emitiram cerca de cinco gigatoneladas. Isso significa que a política do governo Bolsonaro, sozinho, acrescenta anualmente um Estados Unidos, com todos os seus aviões, automóveis e usinas a carvão. A China emitiu em 2018 nove gigatoneladas de carbono. Isso significa que a política ambiental de Bolsonaro acrescenta uma meia China ao problema do aquecimento global.

Leia também:  Versão Mickey Mouse da macroeconomia fiscal, por Paulo Nogueira Batista Jr.

O governo Bolsonaro imprime um discurso com citações levianas, ilações, acusações sem fatos, que não responde por sua responsabilidade sobre a implementação de uma política ambiental no país. Os incêndios florestais são um reflexo desse discurso e estímulo ao desmatamento e ocupação irracional do território. Tudo isso aliado com o relaxamento completo da fiscalização ambiental. O presidente Bolsonaro e seu Ministro Ricardo Salles atacam os países que demonstram interesse em colaborar para a proteção da Amazônia, reclamando o direito deste governo de desmatar a Amazônia. Uma eterna tentativa de encontrar um culpado que eles, mas que ao final resulta em investimentos de remediação do governo federal na ordem de 38,5 milhões de reais para apagar os incêndios que eles próprios acenderam o primeiro palito de fósforo.

Um outro estudo recente, também de pesquisadores brasileiros, mostrou que as terras indígenas da Amazônia perderam somente 1,2% da sua cobertura florestal. As populações indígenas usam o fogo como prática de manejo dos seus roçados, mas o sistema de uso tradicional e abandono das áreas promove a regeneração e manutenção da floresta. Por outro lado, as áreas do entorno desses territórios, ao sofrerem com o desmatamento e os incêndios florestais apresentam uma capacidade de regeneração muito menor, aumentando essa perda para 20% do entorno entre 2 a 10km das terras indígenas. Ao invés de atacar as terras indígenas, o governo federal deveria aprender com os povos indígenas sobre como aproveitar dos recursos da Amazônia por centenas de anos, e não por quatro ou mais.

Leia também:  Diplomacia científica pode salvar a Amazônia, por Gustavo Macedo e Andrea Garcia

É urgente ensinar ao Bolsonaro que a manutenção da floresta amazônica pode fornecer trilhões de reais anuais, indefinidamente. Somente nas áreas protegidas, os valores para fins de regulação das chuvas podem alcançar R$ 4,6 bilhões anuais. A provisão de materiais e alimentos, somente considerando as unidades de conservação de uso sustentável, podem alcançar R$ 1,9 bilhões anuais. Com base nesses valores, os rendimentos relacionados com a redução do desmatamento e as emissões de carbono para todas as áreas protegidas pode atingir R$ 2,9 trilhões anuais.

O resultado da destruição da Amazônia que estamos assistindo é pior, muito pior do que você imagina. O ritmo acelerado do desmatamento atribuído a ausência de uma política ambiental do governo Bolsonaro não é um mito. O presidente não é um mito, mas uma expressão real de uma agenda da destruição.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. ISA. Uma das ONG’s Bilionárias que se sustentam de dinheiro público brasileiro mais verbas internacionais para garantir seus interesses. Outra é FMA, que assinou contrato de 175 milhões de reais com o Governo do Estado de São Paulo, para atestar que as águas do Rio Tiête estão a cada dia melhor. Afirma que a mancha de poluição oriunda da Capital Paulista até diminui em época de chuvas. Narizes paulistas e paulistanos atestam que sim. Mas também por 175 milhões, quem não atestaria, não é mesmo? Visitem PIRAPORA DO BOM JESUS nesta época de poucas chuvas. É uma experiência inesquecível !!!! Quanto às ONG’s e seus Lucros Fabulosos (mesmo sem fins lucrativos. Sabemos) estão defendendo seu Nicho de Mercado. Agora, as Forças ditas de Esquerda e Progressistas insistirem neste discurso anticapitalista, antipatriótico, antinacionalista, intervencionista, colonialista, contra empregos, cidadania e famílias brasileiras na busca de sustento e sobrevivência… e buscar apoio? Uma vez Aloprados…..

  2. “autocritica do judiciário”? tá de sacanagem né, não tem ninguém analfabeto ali não, o que falta é paredão mesmo. Continuo não vendo por aqui no GGN o ponto central do golpe que é o uso de fakenews como arma de massa (inclui aí as 5 famílias de midia brasileira), seja no golpe da dilma, seja nas eleiçoes de 2018, este instrumento também serviu na eleiçoes do Macri na argentina e está na NETflix como documentário chamado PRIVACIDADE hackeada. Se este tema não for exaustivamente debatido nos sites progressistas, vamos ver tudo de novo nas eleioes de 2020. por favor acordem!!!!!!!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome