TCU dá conselhos a equipe de Guedes e Bolsonaro sobre privatizações

Ministro da Economia quer concluir o governo Bolsonaro com quase todo o país privatizado, sobrando apenas Petrobras, Banco do Brasil e Caixa, ainda com a pretensão de estarem enxutos

Foto: Sergio Moraes/Reuters

Jornal GGN – Ministros e técnicos do Tribunal de Contas da União (TCU) têm mantido reuniões e encontros com ministros e assessores do governo de Jair Bolsonaro e recomendando estratégias para as privatizações que pretende o novo mandatário.

Entre elas, foi passado o conselho de iniciar as privatizações pelas empresas menos polêmicas. A informação é da coluna de Tales Faria, no Uol, que divulgou que durante uma reunião com o grupo de trabalho do TCU, os técnicos do órgão avisaram que “não adianta ir com muita sede ao pote”.

O novo mandatário promete, junto ao seu ministro da Economia, Paulo Guedes, privatizar o maior número possível de empresas estatais. A medida, contudo, assusta desde opositores do governo, que defendem a estatização e proteção nacional de empresas estratégicas para o país, como analistas e economistas.

Por isso, a estratégia é modificar empresas consideradas “mais simples” e que a privatização seria mais “imediata”. É o caso da a Lotex, a Casa da Moeda, a Valec (Engenharia e construção de Ferrovias) e a Empresa de Planejamento e Logística (EPL).

A Lotex, por exemplo, já tem leilão marcado para o dia 26 de março, pelo BNDES. A segunda listada já foi uma medida introduzida pelo ex-presidente Michel Temer e receberá uma maior atenção pela equipe econômica de Bolsonaro para acelerar.

Apesar do “conselho” dado pelos ministros e assessores do TCU, Paulo Guedes quer também introduzir a privatização de pelo menos uma estatal de grande porte, ainda este ano, para sinalizar aos investidores, sobretudo de fora do país, que a gestão está disposta à mudança radical no quadro de empresas brasileiras.

Entre as grandes, a equipe de Guedes quer apressar o caso da Eletrobras, que pode trazer uma receita de R$ 12,2 bilhões para a União, em troca de perder a autonomia da empresa mista de energia.

Leia também:  Coaf nega investigação contra Glenn Greenwald, diz Conjur

Além dela, outras menores somadas às concessões na área de infraestrutura são previstas pelo ministro da Economia para totalizar US$ 20 bilhões com as privatizações à União, segundo os cálculos do governo.

O governo Bolsonaro quer finalizar seu governo com somente Petrobras, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal como as únicas estatais em todo o país, prevendo ainda um impacto de diminuição nestas empresas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Um Raciocinio puramente ideológico:
    A Lotex é provavelmente uma empresa extremamente rentável, tal que uma parte do que é arrecadado tem diferentes destinos, entre eles saude, educação etc… Em que vamos ganhar com esta privatização, a não ser dar de presente algo extremamente lucrativo para meia duzia de figuras já poderosas. E podemos seguir a análise , pois as privatizações vão ocorrer apenas com empresas lucrativas e que portanto não contribuem para o deficit. O que vai ocorrer é algo como um taxista que vende seu carro para pagar a dívida. Um raciocinio idiota e imbecil, que sob a egide da ideologia neo liberal, esconde os interesses de meia duzia

    • Incrível como se colocam como “donos/proprietários” das Estatais. O papel de eleitos (vale lembrar que são mandatos com início e fim) o foram para administrarem, fazerem gestões, não “se livrarem” dos ativos que pertencem ao Estado, não ao Governo. Mais incrível é como pensam em um Estado com CNPJ, como se o Lucro fosse a meta maior. Empresas Estatais possuem, claro, deveres e ações da alçada social e de gerarem e impulsionarem desenvolvimento em várias cadeias, que as privadas obviamente não possuem. As que geram, o fazem como ação secundária e decorrente de interesses de lucros sempre elevados, o que não é errado, para elas, pois elas possuem “proprietários”. A longo prazo, estas privatizações (das estratégicas e lucrativas) irão gerar total dependência e elevarão ainda mais a concentração de renda no país. Até isenções tributárias eles concedem às “candidatas” à compras, oras, concedam isenções tributárias às estatais antes, valendo destacar que Estatal não tem caixa 2, algo comum na esfera privada.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome