Wassef diz que abrigou Queiroz em sua casa por “questão humanitária”

    "Porque é uma pessoa que está abandonada, uma pessoa sem recursos financeiros, com problemas de saúde e que o local era perto", justificou o amigo da família Bolsonaro

    Fabrício Queiroz, ex-assessor e ex-motorista do senador Flavio Bolsonaro é preso em Atibaia, São Paulo - Foto: Policia Civil

    Jornal GGN – O ex-advogado do senador Flávio Bolsonaro e amigo do presidente, Frederick Wassef, disse que abrigou Fabrício Queiroz em sua casa por “questão humanitária”.

    “Porque é uma pessoa que está abandonada, uma pessoa sem recursos financeiros, com problemas de saúde e que o local era perto”, assim justificou Wassef sobre ter mantido Queiroz por cerca de um ano em seu sítio em Atibaia, no interior de São Paulo.

    A declaração do ex-advogado do filho do presidente e amigo de Jair Bolsonaro foi dada em entrevista ao SBT, nesta terça-feira (23). Queiroz, que é acusado no esquema da “rachadinha” do gabinete do Flávio Bolsonaro, quando ele era deputado na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio) foi preso na propriedade de Wassef na última quinta-feira (18).

    “O que eu tenho para dizer é o seguinte: jamais escondi Fabrício Queiroz. Ele estar lá (no imóvel de Atibaia) não é nenhum crime, nenhum ilícito, não é obstrução de justiça. Não há nenhuma irregularidade”, defendeu o advogado.

    Frederick Wassef havia também dito em entrevista à CNN Brasil que abrigou Queiroz “algumas vezes” em seu sítio em Atibaia, porque ele estava fazendo um tratamento urológico na Santa Casa de Bragança Paulista, próximo de Atibaia.

     

    Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

    Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

    Apoie agora

    3 comentários

    1. É a Rachel Sheherazade fazendo escola entre os Bolsominions:

      “E aos defensores dos direitos humanos que se apiedaram do milicianozinho Rachid, eu lanço uma campanha: faça um favor ao Brasil, adote um bandido”.

      O Wasseff adotou um bandido.

    2. Como pode um $ujeito que movimentado quase 2 milhões de reais em um período (de tempo) relativamente curto não ter recursos financeiros?

      Isso significa que o dinheiro movimentado não era dele. Se não era dele, era de quem esse cascai?

      “O que eu tenho para dizer é o seguinte: jamais escondi Fabrício Queiroz. Ele estar lá (no imóvel de Atibaia) não é nenhum crime, nenhum ilícito, não é obstrução de justiça. Não há nenhuma irregularidade. (Foi) também uma questão humanitária. Porque (é) uma pessoa que está abandonada, uma pessoa sem recursos financeiros, com problemas de saúde e que o local era PERTO”.

      “Eu sou um cara de negócios, eu faço dinheiro, compro, revendo, compro, revendo, compro carro, revendo carro, sempre fui assim, gosto muito de comprar carro de seguradora, na minha época lá atrás, comprava um carrinho, mandava arrumar, revendia, tenho uma segurança”.

    3. O Frederico Vacef tem que decidir uma versão oficial para o abrigo que concedeu ao queiroz.
      Se ele é caridoso como diz, por que não admiti-lo?
      Se ele é um advogado capaz de hospedar um cliente necessitado em seu escritório por mais de um ano, pagando-lhe todas as despesas, ele é mais que um advogado, é um amigo, e amizade é uma coisa muito linda.
      Isso não é crime.
      O problema do vacef é que ele é tão mentiroso que se perda na narrativa.
      Talvez por isso ele esteja com tanto medo. Ele, enquanto advogado, deve aproveitar a sua carteirinha (enquanto a oab não cassa) para visitar o queiroz sem passar por revista e se despedir dele, porque logo mais o queiroz “tá subindo”.

    Deixe uma mensagem

    Por favor digite seu comentário
    Por favor digite seu nome