Witzel ignora pedido de segurança da deputada Talíria, ameaçada de morte

Talíria sofre ameaças de morte desde que era vereadora em Niterói, na Região Metropolitana do Rio. Principalmente após a morte de Marielle Franco

Foto: Agência Câmara

Jornal GGN – Desde 2018, nas profundezas da internet, navegantes adeptos de discursos de extrema-direita têm conversado sobre um plano de ataque à deputada federal Talíria Petrone. Amiga de Marielle Franco, igualmente filiada do PSOL e militante de causas ligadas aos direitos humanos, Talíria recebe ameaças já com o conhecimento da Polícia Federal.

A Polícia Legislativa a acompanha quando está em Brasília, desde abril, quando  PF identificou as mensagens de ameaça. Para reforçar o entorno da parlamentar em suas passagens pelo Rio de Janeiro, Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, já enviou comunicados sobre a gravidade da situação a Wilson Witzel. Mas o governador de linha autoritária tem ignorado todos os apelos de proteção e escolta 24 horas.

Nesta quinta (27), a assessoria de Talíria informou que o primeiro ofício de Maia foi enviado em 23 de abril. “Diante do silêncio do governador, o presidente da Câmara Federal enviou novo ofício, reiterando a solicitação, no dia 10 de maio. A bancada do PSOl também enviou ofício ao governador pedindo para tratar do assunto. Mas, até o momento, não há qualquer resposta sobre a solicitação.”

O caso deveria, inclusive, estar sendo tratado com sigilo, mas “devido ao total descompromisso do governo com a segurança de uma parlamentar federal, resolvemos trazer a público para buscar uma solução pública.”

Talíria sofre ameaças de morte desde que era vereadora em Niterói, na Região Metropolitana do Rio. Principalmente após a morte de Marielle Franco.

Leia também:  "Gabinete do ódio" orientou Bolsonaro a fazer pronunciamento para polarizar nas redes

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Se essa moça for assassinada pode ter certeza de que Wilson Witzel será o mandante ou o facilitador. Em qualquer dos casos ele deverá responder pelo crime.

    2
    1
  2. E é exatamente por conta desse comportamento totalitarista que ele faz par a Bolsonaro e despenca em sua popularidade. Falta pouco para se tornar um potencial candidato a receber o prêmio do impeachment.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome