Julgamento de Lula: o Brasil precisa tremer, por Aldo Fornazieri

Julgamento de Lula: o Brasil precisa tremer

por Aldo Fornazieri

Em entrevista no Estadão (02/01/18), o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou que uma eventual condenação de Lula seria ruim para o país, para a memória. E acrescentou: “mas não acredito que a população vai tremer nas bases por causa disso. Não acho que o País vai tremer em função disso”. FHC manifestou uma sabedoria intrínseca às elites brasileiras de todos os tempos: façam elas o que quiserem com as instituições, com a democracia, com a república; dêem quantos golpes puderem dar, assaltem quantas vezes quiserem os cofres públicos, elas, as elites, sempre contam com a passividade do povo. Contam com a naturalização dessa passividade ideologicamente construída, que, de fato, foi recorrente nos momentos decisivos da nossa história.

Pois chegou a hora de fazer o Brasil tremer, de fazer o povo tremer, para dizer não à arrogância e ao arbítrio desmedido das elites. Não se trata de fazer nenhuma revolução, mas de restaurar e defender a democracia, vilipendiada por essas mesmas elites. No Brasil, ao contrário dos Estados Unidos, da França e de tantos outros países, não tivemos nenhuma revolução política democrática e nenhuma revolução social capazes de estabelecer os direitos, as regras sólidas do jogo democrático, a igualdade perante a lei, um senso reduzido de desigualdade, a justiça e o equilibro social e a dignidade dos cidadãos. Esse estado iníquo de coisas se prolongará pelos séculos vindouros se o povo não se erguer e subordinar as elites predatórias à sua soberania.

No Brasil, a vontade popular nunca foi soberana. Sempre foi usurpada pelas elites, acostumadas a saquear o tesouro público, privatizando-o, e a manter o povo na pobreza. Não por acaso, existem mais de 50 milhões de pobres e mais 114 milhões de remediados, totalizando 80% da população. Segundo o IBGE, metade da população brasileira tem renda menor que um salário mínimo. Em contrapartida, apenas seis pessoas concentram a metade da riqueza do País. Isto é aceitável? É este o País que queremos no século XXI? Isto não é causa de indignação e revoltas justas que precisam se traduzir em ação? Isto não é manifestação da impiedade e da crueldade dos ricos e poderosos?

Qualquer liberal autêntico dos séculos pregressos, desde John Locke, justificaria a rebelião contra este estado de coisas inaceitável. Se se quiser ser liberal que se seja, mas que não se seja golpista, corrupto, predatório, sonegador fiscal e sonegador de direitos e da democracia. Se se quiser ser de esquerda, que se seja, mas que não se seja uma esquerda de gabinete, dos aparelhos burocráticos, de pessoas aburguesadas que fazem parte do sistema de dominação que está aí. As esquerdas não podem ser o flanco esquerdo do neoliberalismo, a cereja do bolo dos grandes capitalistas globais, tomados pela falsa consciência ambientalista e social, enquanto continuam a produzir a destruição do planeta e a pobreza e a miséria das pessoas.

FHC diz ainda que se o julgamento terminar em condenação, tem que aceitar. Pois, não tem que aceitar. É mais do que a pessoa do Lula. É mais do que o líder Lula. Neste julgamento, não há provas e não há provas porque não há crime. O julgamento é puramente político, é um julgamento para decapitar as esperanças do povo, é um julgamento para condenar o próprio povo, é um julgamento para encarcerar a democracia. A condenação não pode ser aceita e o Brasil precisa tremer. Se Lula for condenado, que se formem comitês de defesa da democracia por todo o País e que não se aceite eleições ilegítimas.

O julgamento é um jogo de cartas marcadas. Não há imparcialidade e nem isenção. Portando, não há Justiça. O presidente do TRF-4 e alguns de seus assessores já manifestaram o seu pré-julgamento condenatório. Moro não poderia ter julgado Lula porque o caso do triplex nada tem a ver com a Petrobras como o próprio juiz reconhece. Portanto, Moro não é o juiz natural para julgar o caso. Há uma ilegalidade de origem em todo esse processo Trata-se de um conspiração política para levar o golpe até as últimas consequências, visando manter a exploração despudorada, a miséria do povo, a naturalização da passividade e a entrega da riquezas públicas a interesses privados e estrangeiros.

Se as lideranças políticas e sociais e os ativistas progressistas e democráticos não proclamarem e não convocarem o levante popular, as gerações das pessoas que vivem hoje, e que se dizem progressistas e de esquerda, merecerão que em suas lápides se inscreva: “Aqui jaz um covarde”. Seremos cobertos de opróbrio e de vergonha até o fim de nossas vidas, pois capitulamos sem lutar. Não mereceremos lembranças boas das gerações futuras e bem que mereceremos ser condenados a um esquecimento eterno. O que está em jogo, antes de tudo, é uma questão de dignidade pessoal e da dignidade do povo.

O direito à desobediência e à vingança

É preciso dizer ao povo que ele tem o direito de não aceitar um julgamento que é uma farsa porque aqueles que julgam não são juízes justos, mas golpistas, representantes das elites predatórias aquartelados nos tribunais. É preciso dizer que o próprio STF não tem moral porque rasgou a Constituição para proteger Aécio Neves e outros criminosos. É preciso dizer ao povo que ele tem o direito e o dever de não abrir as portas da misericórdia e do perdão para aqueles que sempre o fazem sofrer, para aqueles que lhes tiram o pão, o leite, o remédio, a moradia, a educação, o salário e a cultura. Para estes predadores não pode haver o dia do perdão, mas o dia da vingança.

É preciso dizer ao povo que ele tem o direito à vingança justa, pois a vingança pode ser o instrumento da justiça quando se vive sob a égide da injustiça. O oposto da justiça não é a vingança, como acredita a esquerda mi,mi mi, mas a injustiça. O povo tem direito de odiar. De odiar aqueles que o relegaram a uma vida indigna, cheia de misérias, de sofrimento, de dor, de falta de assistência e de oportunidades, enquanto esses exploradores se banqueteiam às custas do suor, do sangue e das aflições dos trabalhadores e dos pobres. Aqueles que vivem definhando e penando não podem amar aqueles que lhes tiram o alimento e os direitos para se regozijarem na riqueza e na luxo. Aqueles que pranteiam seus mortos, vítimas da violência, que são milhares, aqueles que padecem os sofrimentos dos seus doentes desassistidos, que são milhões, não podem amar os políticos que lhes negam segurança e atendimento, pois eles são criminosos que precisam ser castigados. O Brasil é o país que mais mata no mundo, mais do que os países em guerra. A miséria, o abandono, a desassistência, a falta de direitos, a exclusão e um Estado violento, predatório e injusto são fábricas da morte.

As universidades, as ONGs, os sindicatos, as igrejas e parte das esquerdas não podem continuar sendo instrumentos da difusão da ideologia da naturalização da passividade. Enquanto os pobres continuam sendo punidos por um Judiciário iníquo, pregam a impunidade de bandidos e celerados de colarinho branco. Pregam uma concórdia falsa, uma harmonia que nunca existiu, um amor pueril, ao gosto da ideologia dominante.

Essas elites que estão ai dominando, na política, no Judiciário, no alto funcionalismo público, nos tribunais, nos bancos, na indústria (claro que há exceções e todos esses lugares), estão a serviço de uma ideologia que quer perpetuar e naturalizar a tragédia e pobreza no Brasil. Eles têm os corações vis, dominados pelo egoísmo e pela cobiça. Tal como esse governo, esse Judiciário e esse Congresso, são despudorados. Os integrantes da congregação do golpe anuncia os seus crimes e suas violações em comunicados oficiais, sem rubor e sem que ninguém os molestem significativamente. Não temem a punição, pois diante de um sistema corrompido, somente o povo poderia puni-los. Enquanto o povo não for capaz de lhes impor medo, continuarão na sua soberba desenfreada e na senda de crimes sem punição.

Por isso, os líderes autênticos precisam chamar o povo a agir, a manifestar a sua ira em atos e aos gritos, pois o povo, no seu silêncio, está irado, mas desesperançado. A ira do povo é santa e por isso deve se transformar em potência e poder, pois só ela poderá plantar as árvores que produzirão os frutos da justiça, da igualdade, da dignidade e da liberdade. Não podemos aceitar a submissão e a passividade eternas, que foram ideologicamente construídas e naturalizadas como instrumentos de dominação de elites pervertidas. Fazer tremer o Brasil e não aceitar a condenação do Lula, não é só por Lula, é pelo povo, é pelo Brasil. Os ceifadores da esperança devem sentir medo de que chegue o dia em que pagarão pelos seus crimes nas mãos de um povo irado.

Aldo Fornazieri – Professor da Escola de Sociologia e Política (FESPSP).

 

44 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

edisilva

- 2018-01-12 13:10:45

Ou seja: diante da

Ou seja: diante da impossibilidade de defender a corja que está no poder, recorramos ao "tudo farinha do mesmo saco".

Hoje vejo muitos dos paneleiros e fãs da globo e cbf dizendo que nunca mais votarão. Fizeram a mesma coisa após a saída Collor. 

Caetano.

- 2018-01-10 12:46:55

É impressionante a alienação

É impressionante a alienação de certas pessoas, que vivem em um mundo paralelo. E muitas há, também, que julgam os outros baseados em seu próprio comportamento, sua própria régua. Devem pensar: recebendo algum dinheiro, eu enviaria determinado comentário ao blog do Nassif. De repente encontram um comentário que fariam, se fossem remuneradas. Qual a reação imediata? Achar que aquela pessoa também recebeu...

Brasil S.A.

- 2018-01-09 21:51:08

...o mercado não é uma

...o mercado não é uma entidade com vontade própria e intenções inconfessáveis, como muitos imaginam. É mais comparável a uma força da natureza

Na ciência o termo “entidade” não é para ser lido mesmo no sentido de um ser com vontade própria, mas de uma força. Enntendo isso sem problemas. O ponto que estou dizendo é que essa força não existe, pelo menos não no sentido amplo que os liberais querem acreditar que exista.

Como coloquei, sem regulação monopólios dominariam tudo e o mercado deixaria de ser livre (um monopólio age criando falsos desequilíbrios entre oferta e procura para maximizar seus lucros). Portanto chegamos a uma inconsistência fundamental do ideário liberal, pois se o mercado for completamente livre, ele convergiria para monopólios deixando de ser livre!

Logo, acreditar que o livre mercado é uma entidade que leva as pessoas a tomarem as melhores decisões para o aumento do progresso coletivo é sem nexo lógico ou respaldo histórico uma vez que o interesse individual ou de pequenos grupos tendem a conflitar com interesses coletivos (não só os monópilos são exemplo, outro problema é a poluição e danos provocados por uma empresa que podem causar mais prejuízo a sociedade do que a riqueza aparente por ela gerada).

Pedro ABBM

- 2018-01-09 17:05:59

Não existe uma relação causa-efeito

Se dois eventos ocorrem juntos, podemos afirmar que existe uma relação causa-efeito entre eles?

Não necessariamente. Eles podem ser parte de uma síndrome mais ampla. Os países pobres em geral tem alto índice de desigualdade social. Mas tanto pobreza quanto desigualdade são características de modos de produção com pouca tecnologia, que produzem pouco à custa de muito trabalho, e portanto agregam pouco valor à força de trabalho. Pobreza, desigualdade social e alta criminalidade geralmente ocorrem juntas. A desigualdade social fomenta o crime, assim como a falta de recursos da polícia, consequência da pobreza.

Não existe uma relação causa-efeito entre a riqueza de uns e a pobreza de outros. Se os ricos fossem menos ricos, os pobres não seriam menos pobres. Essa conclusão apressada decorre de uma interpretação simplória do conceito de riqueza, que é imaginada como algo pronto, acabado, tangível, finito, que não é produzido nem destruído, apenas repartido como uma pizza sobre uma bandeja, onde quem tira um pedaço grande para si deixa um pedaço pequeno para os outros. Riqueza não é o produto final acabado, mas a capacidade de produzi-lo, e está o tempo todo sendo produzida e destruída. E pode nem ter existência material, se não for um bem, mas um serviço.

A imprensa só deforma leitores onde há muitos leitores. No Brasil, o povão não lê editorial de jornal, mas sabe ler seu contracheque e o preço das mercadorias no mercado. Quemderrubou Dilma não foi a Globo, e sim a economia. A Globo vinha malhando o PT desde os idos do mensalão, e não adiantou nada, o PT seguiu vencendo eleições, porque naquele tempo a economiaia bem. Vocês elegeram a imprensa como a culpada por seus insucessos, e exageram enormemente o poder da Globo, que na verdade está há muito declinando. Afirmam que a solução é regulara a mídia. Cristina Kirshner fez isso na Argentina. Adiantou?

Pedro ABBM

- 2018-01-09 16:37:14

Respondendo

Deve existir regulação para evitar monopólios?

Sim, deve. Mas a imunida da monopóliso só acontece de fato em ambientes de muito livre mercado, com muitos concorrentes.

Em tempo: o mercado não é uma entidade com vontade própria e intenções inconfessáveis, como muitos imaginam. É mais comparável a uma força da natureza, como o clima. Os meteorologistas podem prever o clima, sempre com margem de erro, mas ninguém pode evitar que as tempestades e as estiagens aconteçam.

CARLOS BOSCO MARX

- 2018-01-09 15:19:18

Por favor, não somos tolos. A

Por favor, não somos tolos. A classe política abusou por muito tempo e furtou as empresas públicas. TODOS OS PARTIDOS estão envolvidos graças a esse esquema de presidencialismo de coalisão que tornou Brasilia um balcão de negócios. O sr. LULA assim como outros ex-presidentes tem muito a explicar.

Brasil S.A.

- 2018-01-09 14:09:20

Em um sistema de livre

Em um sistema de livre mercado, não importa que as cabeças pensantes sejam poucas ou pouco inteligentes: elas não decidem por conta própria, mas por exigência do mercado... O mercado é o Desejo Coletivo das massas, e quem se curva ao mercado, curva-se a este desejo coletivo.

Caro Pedro, o problema é que não existe prova de que a entidade “mercado” exista como tal. Essa idéia de uma entidade que independe da inteligência a nível consciente, individual ou de grupos, controlando os rumos da economia é pura abstração que não encontra prova alguma na realidade. Se perguntar de onde vem essa idéia, verá que ela foi pensada a séculos por uma pessoa para explicar uma relação econômica especifica (o equilíbrio de preços) num mundo muito mais simples que o atual...

As guerras e estratégicas geopolíticas, o crime e as máfias, os monopólios e interesses de grupos poderosos, tudo isso não existe no mundo ideal do livre mercado criado para explicar apenas o equilíbrio de preços numa praça qualquer e não os destinos da humanidade. Por outro lado e curiosamente essa crença serve muito bem a esses mesmos grupos que não se enquadram no mundo ideal para convencer que eles devem ficar livres para fazer o que bem entendem.

Responda a seguinte pergunta... Deve existir regulação para evitar monopólios?

Pedro ABBM

- 2018-01-09 11:36:51

O que ele quis dizer...

O que ele quis dizer foi que o custo material de se produzir poucos jatos executivos e iates para os ricos nem se compara ao custo de produzir milhares de carros popualres para os pobres. Então, se os pobres não têm carros populares, não é por culpa dos jatinhos dos ricos.

O alto valor dos jatinhos reflete seu alto custo de produção. Mas se as fábricas deixassem de fabricar jatinhos e passassem a fabricar carros populares com as mesmas instalações e mesmo insumos que dispõem, não faria muita diferença no final.

Pedro ABBM

- 2018-01-09 11:27:25

A diferença é o livre mercado

Em um sistema de livre mercado, não importa que as cabeças pensantes sejam poucas ou pouco inteligentes: elas não decidem por conta própria, mas por exigência do mercado. Os ricos, em geral, não produzem para os outros ricos, mas para as massas, que são consumidores muito mais numerosos. Fazer muitos ítens baratos para os pobres sempre deu mais lucro aos capitalistas do que fazer poucos ítens caros para os ricos. A Volkswagen é a dona da Rolls Royce, não é a Rolls Royce dona da Volkswagen, e a Fiat é dona da Ferrari, não é a Ferrari dona da Fiat.

O mercado é o Desejo Coletivo das massas, e quem se curva ao mercado, curva-se a este desejo coletivo.

Mauro Melchiades Doria

- 2018-01-09 11:05:41

Ex-presidente Fernando
Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso "mas não acredito que a população vai tremer nas bases por causa disso. Não acho que o País vai tremer em função disso". Mundo: condenar sem provas mostra que o Brasil não chegou nem mesmo ao iluminismo tratando-se pois de uma república de fósmeos.

Tony Damasceno

- 2018-01-09 03:18:56

"Bom Momento"
As malas e apartamentos cheios de grana viva não são do PT. São do Gedel, do representante do Temerário e de outros do PSDB e semelhantes. É é preciso botar pra fora esse dinheiro, devolvê-lo à Nação. Acho que se deve agir antes do julgamento. Depois, fica difícil fazer alguma coisa. Vamos sacudir está Nação e impedir que o Lula seja julgado. Por que não levam a julgamento os Aecinhos da vida, com fartos motivos para estarem presos? Comecemos já!!! Não podemos deixar para depois. AVANTE POPUPI!!!

Brasil S.A.

- 2018-01-09 02:51:21

Falo de jatos de 50 milhões

Falo de jatos de 50 milhões de dólares...

Entendo, vc fala de jatos que custam 50 milhões. E quantos jatos existem e o que isso custa. Vc sabe?

E quando quem não tem dinheiro nem para comprar arroz e feijão vai ter dinheiro para comprar carro "popular" de 30 mil reais?

Entendi, se as pessoas pobres não podem comprar o carro popular, meu argumento que demonstra ser mais importante a soma de custo material e não o valor monetário consumido por individuo é inválido para você e pronto.

É interessante que os campeões de venda hoje são as SUVs com valor mínimo de 80 mil reais e a coqueluche é o HRV da Honda a valor de 100 mil a versão mais básica.

Pois então, vamos fazer contas? Pergunto, quantos "SUVs" são comrpados por:

- 70% de pobres, 1% de ricos, 30% da classe média.

 

Ulisses s

- 2018-01-08 22:59:17

Que ferrari de um milhão?

Falo de jatos de 50 milhões de dólares, mais manutenção, hora de vôo entre 2 e 5 mil dólares, hangaragem em aeroportos e tripulção de vôo com salário entre 10 e 20 mil reais no mínimo para copiloto e piloto respectivamente. O mesmo vale para os iates.

https://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/os-jatos-que-seduziram-os-milionarios-brasileiros/

E quando quem não tem dinheiro nem para comprar arroz e feijão vai ter dinheiro para comprar carro "popular" de 30 mil reais?

O Brasil percentualmente ainda é um dos países com menor percentual de profissionais com curso supeerior no mundo e sabemos que trabalhadores de níveis escolares inferiores dificilmente tem condições de comprar automvel, grande parte comprada na era LUla e DIlma. Temos mais de 50 mil engenheiros desempregados só pela Farsa a jato, fora os programas de encentivo a engenharia civil como a do São Francisco, Minjha casa Minha Vida e ferrovias. Estes vão comprar agora é carrinho de fast food

http://www.diariodocentrodomundo.com.br/flavio-gomes-e-estarrecedor-que-o-setor-mais-pujante-da-economia-seja-venda-de-marmitas-na-rua/

É interessante que os campeões de venda hoje são as SUVs com valor mínimo de 80 mil reais e a coqueluche é o HRV da Honda a valor de 100 mil a versão mais básica.

Sérgio de Carvalho e Camargo.

- 2018-01-08 22:47:47

Total concordância.
Belas, contundentes e oportunas palavras. Levata-te nação brasileira.

Brasil S.A.

- 2018-01-08 21:50:23

Como explico? Simples. Basta

Como explico? Simples. Basta ir em qualquer marina ou aeroporto do país. O Brasil possui a segunda maior frota de aviões executicos e uma das maiores frotas de iates do planeta.

Agradeço ter feito seu comentário. Isto porque precisava de alguém se auto denunciar que entende concentração da riqueza e consumo de riqueza como a mesma coisa para validar minha afirmação sobre o senso comum das pessoas.

Bem, te faço uma pergunta... O que custa mais materialmente falando, 1 “Ferrari” de 1 milhão de dólares ou 100 carros populares de 10 mil dólares?

arkx

- 2018-01-08 18:39:09

Julgamento de Lula: o Brasil precisa tremer

em meu comentário citei:

- versículo do Evangelho de Lucas sobre o ódio, referenciado no presente artigo do Aldo Fornazieri;

- a necessidade indiscutível de se defender Lula;

- a importância do povo nas ruas, tb referenciado no presente artigo;

- a possibilidade de caos social;

- a ameaça real do fascismo, com um link sobre o aumento de apoio à pena de morte.

e a única coisa que mereceu sua réplica foi a crítica a Lula! e ainda assim sem qualquer discussão a respeito da crítica em si! como sempre, tentando desqualificar o autor.

cara, vc perderam completamente a noção...

vc faria muito melhor, aliás todos aqui, caso se dessem conta da súbita e sintomática presença de comentários de Direita aqui neste post. algo incomum no Blog do Nassif. então cabe indagar: por que logo neste post?

.

IOLANDA MARIA ORNELAS VAZ

- 2018-01-08 18:23:36

Jornal ggm
Concordo com vc, ALdo! Ele deve estar surdo e com os olhos vendados, para ter coragem de falar estas asneiras!

Ulisses s

- 2018-01-08 18:20:07

Como você explica, esses mais ricos detêm o controle

e não o consumo desta riqueza?

Como explico? Simples. Basta ir em qualquer marina ou aeroporto do país. O Brasil possui a segunda maior frota de aviões executicos e uma das maiores frotas de iates do planeta.

http://forbes.uol.com.br/lifestyle/2014/12/brasil-tem-segunda-maior-frota-de-aeronaves-executivas-mundo/

http://atarde.uol.com.br/muito/noticias/1750863-o-mercado-nautico-e-um-dos-melhores-do-mundo

E sem pagar um tusta de IPVA, imposto que qualquer mané paga pelo seu carro ponto 0 com menos de 20 anos de uso

Ao mesmo tempo, 50 milhões de brasileiros estão atualmente na linha de pobreza e sem bolsa família, com fome e sem dinheiro para comprar um kg de arroz. 

Tá explicado?

alexis

- 2018-01-08 18:07:00

Bom momento

Este é um bom momento para indicar as contas no exterior, as malas de dinheiro ou os apartamentos cheios de malas de dinheiro do PT. Se não souber, então utilize a sua propria mente e não se deixe manipular pela midia.

Ulisses s

- 2018-01-08 17:57:00

A defesa do velhaco

É o deboche. Afinal o que mais um mau-caráter tem a coragem de fazer? Você deve ser o pseudônimo de gentile.

Ulisses s

- 2018-01-08 17:47:18

Caro Sr Testicules

Vai lamber sabão e fazer borbolhas. Te garanto. É um ato mais útil que escrever caca aqui nesdte sítio. Errou o endereço do gentile?

Brasil S.A.

- 2018-01-08 17:22:26

Quando se diz que apenas seis

Quando se diz que apenas seis pessoas concentram a metade da riqueza do país, o que se quer dizer é que a soma dos ativos, empresas e imóveis que pertencem a essas seis pessoas corresponde a metade do produto interno bruto. Elas não consomem em suas pessoas físicas esse patrimônio, elas administram esses patrimônio.

Também noto que o senso comum presente nos intelectuais de esquerda é entender que a pobreza decorre do fato dos mais ricos estarem se apropriando da maior parte da riqueza. Como você explica, esses mais ricos detêm o controle e não o consumo dessa riqueza. Porém, o fato de poucos determinarem a administração dessa riqueza é o problema...

Uma analogia para facilmente entender o problema é lembrar que um macaco é um organismo mais adaptável e eficiente que um dinossauro porque tem um cérebro proporcionalmente maior. Ou seja, uma sociedade onde pouquíssimas cabeças decidem os movimentos da sociedade tem poucas chances de produzir as soluções mais eficientes. Ainda mais quando se lembra que essas poucas cabeças não são necessariamente as pessoas mais inteligentes da nação, mas muitas das vezes apenas herdeiros afortunados.

 

arkx

- 2018-01-08 17:03:15

Julgamento de Lula: o Brasil precisa tremer

-> Assim como Cristo, Zumbi, Guandhi, Mandela, Dorothy Stang e muitos outros

com toda a certeza!

apenas solicito permissão para convocar algumas outras santidades, todas reunidas em torno de SSS (Sua Santidade Suprema) São Lula:

São Roque Gonzales, Santo Afonso Rodrigues, São João de Castilho, Santa Paulina do Coração Agonizante de Jesus, Santo Antônio de Sant'Ana Galvão, São José de Anchieta e Santos André de Soreval.

.

vera lucia venturini

- 2018-01-08 16:44:11

Uiiiii! Quanta sofisticação

Uiiiii! Quanta sofisticação no raciocinio. A soldo de quem? Então a pobreza não tem a ver com concentração de riquezas, uso das riquezas do estado e privilégio dos ricos no Brasil. Deixa eu ver: com o golpe o Itaú emplacou o presidente do Banco Central, a Operação Zelotes livrou todos os banqueiros e o Lemann vai levar e Eletrobrás de graça.

Não é troll? Então assista o filme Joaquim que você entende. Ou leia o anexo e vê se você entende. 

A Noruega apresenta o maior índice de desenvolvimento humano (IDH) do mundo, estando em 0,955 em 2014 (o máximo é 1). O país lidera o ranking do IDH desde 2001 (O Brasil estava em 75º lugar, com IDH de 0,755 em 2014). Em 2009, a Noruega foi classificada pela ONU como o melhor país do mundo para se viver. Também foi indicado como o país mais pacífico do mundo em uma pesquisa realizada em 2007 pelo Índice Global da Paz. A renda per capita da Noruega, de US$ 76 mil (em poder de paridade de compra – ppp) era bem superior a renda per capita dos Estados Unidos de US$ 56 mil em 2015 (Brasil com renda de 15 mil dólares (em ppp) e Arábia Saudita com renda de US$ 53 mil no mesmo ano), segundo o FMI.

Sacou? Viu que a criminalidade diminui com o bem estar e o respeito à população? 

Mais uma informação:

Os jornalistas da Noruega têm um rigoroso código de conduta desde 1936, e um Conselho de Imprensa desde 1929. A eles responde a extraordinária malha de publicações — 209 jornais, dos quais 84 saem quatro ou mais vezes por semana, e 1.200 circulam pelo menos três vezes por ano, num total de 163 cidades.

Lá não tem Rede Globo que é dona da maior empresa previdenciaria do país e exige o fim da aposentadoria e a concentração da midia não se resume a 4 famílias defendendo a elite predadora da qual fazem parte. A populaçao é bem informada porque "a Noruega não tem lei de imprensa. A Constituição avaliza a liberdade desde 1814. É no Código Penal que se definem deveres e crimes da mídia. A lei proíbe a imprensa de insultar instituições oficiais e autoridades, invadir a privacidade dos cidadãos, discriminar pessoas por sexo, religião, cor, etc., e também de difamar alguém. Ainda que uma acusação seja verdadeira, o tribunal pode aceitar um processo de difamação se considerar que o meio de comunicação não teve um motivo “respeitável” para acusar o queixoso."

Entendeu porque aqui a imprensa deforma leitores como você e na Noruega não?  A sua deformação, pela concentração de midia, atinge uma grande parcela da população brasileira. Ai você e eles ficam desinformados, entendem tudo errado e se acomodam na ignorância.

JB Costa

- 2018-01-08 16:41:04

Observou o pseudônimo da

Observou o pseudônimo da figura, Vera? Roger Scruton, um conservador de respeito e com ideias interessantes, que certamente morreria de vergonha se soubesse que por aqui uma cambada de reacionários-direitosos o tomam como guru. 

vera lucia venturini

- 2018-01-08 16:29:34

Mais um troll? É o desemprego

Mais um troll? É o desemprego que está fazendo brotar troll pra todo lado? Fala aí. Qual o soldo do sub emprego?

JB Costa

- 2018-01-08 16:27:32

Não, não é tão simples assim,

Não, não é tão simples assim, é complicado prá (b)aralho. 

A que povo tu te referes? Será que tu achas que os que se vestiram de verde-amarelo e foram as ruas pedir o impeachment da presidente Dilma foi uma amostra representativa do eleitorado do PT? Esses mesmos que agora enfiaram as bandeiras, as panelas e os gritos de guerra naquele lugar frente aos descalabros da camarilha golpista? 

E estão silentes por que? Ora, porque a camarilha fez, e está fazendo, exatamente o que eles queriam que fizessem. Botando a conta, claro, nas costa do PT. 

Se tem um povo que foi enganado, certamente não foi esse, E o CQD vem logo a seguir, 

Sim, a ira santa é dos intelectuais, não do povo. Porque esse povo é exatamente o povão, os mais humildes, os "os invisíveis", os deserdados da sorte que hoje sofrem com as políticas de governos abonadas por aquele outro "´povo". Agora mesmo um bateu aqui na minha porta pedindo comida. Povo sem poder de mobilização e que hoje assegura, ou asseguraria, o retorno de Lula(PT) para mais um mandato.

"O povo não odeia os ricos". Ufa! Finalmente uma na mosca. O povo nem tempo tem para isso. Está jogado por aí tentando sobreviver. Agora, o inverso é verdadeiro: os ricos e seus êmulos, esse "povo" da espécie fascista, violenta e ignorante(apud Marilena Chauí), esses sim, odeiam os pobres. O CQD? Ora, assista os vídeos das manifestações. Se encontrares um pobre, um povão nelas, um ser do povo, prometo votar no Bolsonaro.

Se houve imprecisão matemática do professor Fornazieri, incidindo numa hipérbole no tocante à desproporção imoral de renda no país, em que isso muda a real natureza da mesma? E se ele tivesse escrito que 30% da renda nacional está concentrada nas mãos de 1%, a maior do Mundo, então estaríamos todos salvos?

Pulo teu "argumento" acerca de uma eventual distribuição do patrimônio das famílias ricas para o povão porque é de uma simploriedade, para não dizer estultice, galáctica.

Agora, o grand finale foi a admoestação ao articulista, "reles" professor universitário, pelo uso - que crime horroso! - de metonímia através da grave observação: "....quem mata não é o país, isso é uma figura de linguagem". Quem deve ter corrido risco de morte foi o professor. Morrer de rir ou de raiva com tanto besteirol. 

Fontes;

https://brasil.elpais.com/brasil/2017/12/13/internacional/1513193348_895757.html

 

vera lucia venturini

- 2018-01-08 16:18:45

Lamentável é você usar o

Lamentável é você usar o termo apedeuta. Certeza que estudou na Usp? Usa chapéu também?

layla

- 2018-01-08 14:54:24

Emergência Forense - Precedente Incabível

A decisão do trf4 completa o duplo grau. No exercício da competência recursal, stj (especial) e stf (extraordinária) estão impedidos de descer ao reexame de fatos e provas. A iminência de um precedente como este, anunciado inclusive há tempos, o que por si já é de pasmar, deveria ser percebida como verdadeira emergência forense por juristas em todo o Brasil. O foco, inevitavelmente, tem sido o Presidente Lula, que é o recorrente, mas a decisão de seu recurso valerá como precedente a fundamentar decisões criminais no Brasil inteiro. O impacto da entrada de um tal precedente na Justiça Criminal brasileira tende a ser calamitoso. Faculdades de Direito, seccionais da OAB etc precisam acordar, promover ciclos de debates, seminários e conferências em todas as unidades da Federação. O "aqui jaz um covarde", que merecerão certas lápides, em caso de juristas há de vir em letras góticas garrafais.

Roger Scruton

- 2018-01-08 14:51:42

Desserviço ou mau-caratismo?

É engraçado ver a verdadeira face do militante. O cinismo do autor do texto; quase tão deslavado quanto o daquele que ele defende com unhas e dentes. É incrível um militante petista ter a desfaçatez de falar em "assalto aos cofres públicos"... chega a embrulhar o estômago.

O pior de tudo isso é um cidadão dessa estirpe ser reitor de uma faculdade (na qual eu tive o desgosto de estudar!) e tenha em suas mãos o poder de alienar e formar legiões de militantes tão apedeutas quanto ele.

Não bastasse contaminar os centros acadêmicos com ideias nefastas disseminadas sob o véu do falso bom-mocismo, ainda encontra espaço na mídia!

Lamentável!

Pedro ABBM

- 2018-01-08 14:09:57

Esta ira não é do povo

O povo não está irado. O povo deu um crédito ao PT em 2014, viu que foi enganado, e largou de mão. Simples assim.

Esta "ira santa" não é do povo, mas dos intelectuais esquerdistas. Eles têm a ideia fixa de que são intérpretes dos anseios populares, e mostram até um certo estupor ao constatar que o povo não está nem aí para eles. O povo não odeia os ricos, pois sabe que não é pobre por culpa deles. Se os ricos fossem menos ricos, os pobres não seriam menos pobres, isso é uma percepção de quem está labutando pelo sustento desde cedo. Quando se diz que apenas seis pessoas concentram a metade da riqueza do país, o que se quer dizer é que a soma dos ativos, empresas e imóveis que pertencem a essas seis pessoas corresponde a metade do produto interno bruto. Elas não consomem em suas pessoas físicas esse patrimônio, elas administram esses patrimônio. Se, por hipótese, esse patrimônio fosse distribuído entre a população, as pessoas tampouco poderiam consumi-lo em suas pessoas físicas. Não poderiam coloca-lo debaixo do braço e ir à mercearia da esquina troca-lo por bens de consumo, como fazem com o salário que recebem no fim do mês. Elas apenas receberiam a incumbência de administrar esse patrimônio, incumbência que no momento está com aquelas seis pessoas.

O Brasil não é o país que mais mata no mundo, quem mata não é o país, isso é uma figura de linguagem. Quem mata são os bandidos, e o povo bem sabe disso, pois está na linha de tiro. É por isso que a aprovação à pena de morte tem crescido. No dia que vocês largarem os esquematismos intelectuais e participarem do dia a dia do povo, vão entender porque quem está revoltado não é o povo, e sim vocês.

Somebody

- 2018-01-08 13:38:40

Eu também ando curioso sobre

Eu também ando curioso sobre essa falta de reação da Dilma quando ela ainda estava no poder e no geral sobre a falta de reação concreta dos partidos de esquerda Brasileiros (dica para vocês, "notas de repúdio" não servem para nada quando vocês estão enfrentando criminosos).

O meu palpite é que o país está sob controle estrangeiro já faz vários anos e todo novo governante brasileiro assim que é empossado é apresentado para os verdadeiros chefes que por sua vez ditam o que o novo governante pode fazer ou não, e estes verdadeiros chefes também tiram o governante do poder quando querem.

Ulisses s

- 2018-01-08 13:28:51

Lula está colhendo o que semeou

Assim como Cristo, Zumbi, Guandhi, Mandela, Dorothy Stang e muitos outros que preferiram enfrentar quem tinha o poder e o dinheiro para o bem de seu povo que se venderem por trinta moedas. Coisa que a maioria dos mortais como eu e você nunca fazemos. Mas existem alguns canalhas que alem de não colocar a alto preservação em risco em prol do seu povo ainda debocham por inveja e ódio daqueles corajosos que o fizeram. Neste caso eu não me incluo nesta, mas você? 

Caetano.

- 2018-01-08 13:21:31

O revolucionário articulista

O revolucionário articulista quer destruir as instituições, que não acha merecedoras de crédito, para por o que em seu lugar? É assim que quer melhorar as condições do país? Chega desse lero-lero de conspiração de elite-Judiciário-imprensa, que só existe na cabeça de alguns fanáticos...

Anna'

- 2018-01-08 13:20:44

Oxalá no meio do Oceano a
Oxalá no meio do Oceano a ruptura já tenha ocorrido. Duvido triste, inconsolável. A grande onda chegará à praia como uma marola, com as "esquerdas" acomodando para não perderem os dedos. Ontem vi um post por aí que ressaltava a eficiência de Temer. É isso! Discurso não resolve; o Discurso está sob a tutela da mídia. Esse povo espoliado de que fala o autor, assiste JN e entende que o Governo é inatingível. O horror de todo dia, as bofetadas que levamos, o escárnio minam, dia a dia, a vontade de levantar a voz, pois demonstram, de forma cabal, que os intocáveis seguirão incólumes, ao passo que os "inconformados" encontrarão o longo e severo braço da justiça e a pressão social vinda do estado e do capital. Estou por um fio de esperança de que chegue o tempo de uma Bastilha para o Brasil. Somente algo inédito, impactante e radical poderá nos aproximar de resultados diferentes do que temos visto até aqui. Fio que não adensa: quem deveria cerrar fileiras com a causa está preocupado em como não ficar de fora do butim,tão logo dêem cabo da "colonização". Texto inspirador mas sem alcance. A ver.

João de Paiva

- 2018-01-08 12:35:03

O articulista estará na linha de frente?

Incitar, estimular, criticar tudo e todos de forma ácida é mamão-com-acúcar? Mas sujar as mãos e os pés de graxa, de poeira, suar a acamisa, enfrentar balas de borracha e de chumbo e pólvora, cassetetes, cães, bombas de gás lacrimogêneo e de efeito "moral", incendiárias, cavalaria, etc., ah, isso é bem mais difícl, não?

Até poucos eses atrás, Aldo Fornazieri e e outros, considerados "intelectuais esquerdistas", eram especialistas em criticar a Esquerda Política Organizada e Viável Eleitoralmente - simbolizada pelo PT, pelos petistas e por partidos e grupos aliados. Por vaidade e arrogância (típicas da chamada "esquerda festiva", simbolizada pelo PSOL e pelo PSTU), AF, WGS e outros sempre encontravam formas de encaixar, nos artigos e entrevistas, críticas o PT e aos petistas, para deleite dos veículos do PIG/PPG, aos quais AF, WGS e outros eram como 'arroz-de-festa'. AF, WGS e outros faziam isso para atrair holofotes e microfones do PIG/PPV e assim poderem divulgar artigos e trabalhos acadêmicos.

Mas diante da conscientização da maior parte da população, o filão explorado pelos "intelectuais esquerdistas" foi minguando. A trama golpista, que alguns chegaram a chamar de "sofisticada", é tosca demais e já foi completamente desmascarada. Vendo a a nau golpista e as ORCRIMs judiciárias, midiáticas e políticas completamente desnudadas e a deriva, não restou alternativa a esses "intelectuais", que agora se põem a incitar as massas pobres, excluídas, exploradas, desempregadas e vítimas dos abusos e violências praticadas pelas oligarquias escravocratas, plutocratas, cleptocratas, privatistas e entreguistas. A incitação ao confronto deveria ser antecedida por ações efetivas desses "intelectuais", os quais deveriam compor a linha de frente das manifestações.

Pergunto: de quantas manifestações contra o golpe de Estado e contra os golpistas participou AF? E WGS? 

Sim, precisams os nos indignar e partir apara a ação. Mas os acadêmicos também precisam sai da zona de confôrto e ir para o front.

JB Costa

- 2018-01-08 12:31:59

Se no passado ironizei ou

Se no passado ironizei ou depreciei agumas vezes  o estilo  "ira santa" do professor Aldo Fornazieri, hoje tenho que reconher indesejável qualquer tipo de condescendência retórica com o que estamos assistindo em nosso país. 

A depender do resultado desse julgamento, um holocausto político poderá acontecer. Não há apropriação inadequada do termo, muito menos desrespeito, posto que usado no seu sentido simbólico. Sacrificadas nas piras de fogo estarão as esperanças de um povo e a confiança no aparato de Justiça. 

Lula não é um intocável. Poderia e deveria ser processado julgado e preso independentemente da sua importância e proeminência no cenário político do país caso se comprovassem sem nenhuma sombra de dúvidas as denúncias contra ele. O que certamente não é o caso. Os processos. de estilo "kafkiano", afrontam a disposição lógica: primeiro a imputação de culpado e só depois a apresentação de provas que a corroborem. Se estas não aparecerem, resta apelar para delações induzidas ou mesmo forçadas temperadas com sofismas, falácias, apelos retóricos emocionais, ilações, raciocínios toscos, mas, e principalmente, com uma ambiência social hostil e ávida por vingança política.

O que temos na prática é um Judiciário se auto investindo informalmente de interventor "moral" do processo político, uma contrafação escandalosa da ordem institucional e um vetor - mais um - para agravar ainda mais a situação de crise. 

 

vera lucia venturini

- 2018-01-08 12:24:44

Esquece, Aldo. Nessa o

Esquece, Aldo. Nessa o desprezível FHC está certo. O Brasil não vai tremer. Vai ter mais gente irada no telão do Vem pra rua e do MBL do que em defesa de Lula.

A Inconfidência Mineira foi a revolução da nossa história. Marcelo Gomes, no filme Joaquim, resume brilhantemente o que foi a Inconfidência na cena do almoço da fazenda em que os revolucionários ricos estão reunidos em torno de uma mesa de banquete e a madame levanta as mãos para que a escrava tire os seus anéis enquanto o alferes pobre se atrapalha com os talheres e todos riem quando ele defende uma verdadeira revolução. 

Assistindo esse filme é impossível não fazer paralelos entre Joaquim/Lula, inconfidencia/junho de 2013. Esta aí a mesma estrutura judicial que protege Aécio e condena Lula, a elite promovendo os protestos/bois de piranha Rafael Braga-Lula, o  mesmo povo que diz que não vai se mexer porque pra mim tá bom, os mesmos pobres e negros sendo explorados. Mas não é só nosso povo que é complacente com a exploração. Até hoje me pergunto porque a presidente Dilma foi tão passiva com o assalto que se preparava contra o país. Maduro, Erdogan, Putin e agora Rohani no Irã colocaram o país acima da biografia. E Dilma? Ela não foi capaz de sequer fazer um pronunciamento explicando para o povo desinformado quem financiava os movimentos dos canalhas do MBL, Vem pra rua etc. Que o golpe era para o sistema financeiro roubar o país e destruir direitos. Até hoje me pergunto porque Dilma manteve José Eduardo Cardoso ministro da justiça avalizando o arbítrio da Policia Federal e Lava jato. E agora me pergunto porque os militares "não querem perceber" que há uma invasão em andamento no pais. Não é para defender as riquezas do país e o bem estar do povo que temos forças armadas?

No meu entorno numa cidade pequena do interior de São Paulo as pessoas demonizam mais o MST do que o Temer. Preferem os mocinhos do Psdb ao nordestino Lula. E encontro esse mesmo entorno no motorista do Uber em São Paulo que diz que no Brasil se faz plantação de bandido, e ele não estava falando da elite mas do pobre das esquinas de São Paulo, enquanto aceita passivamente o desemprego e o fim dos seus direitos trabalhistas e previdenciários. 

Ando de mal com meu povo, com sua insensibilidade com a pobreza e seu obstinado conformismo com a injustiça. Mas adoro o meu país e podem me chamar de ufanista. Pra mim é elogio.

Roberto Sidnei

- 2018-01-08 12:12:30

Obrigado Professor

tomei a liberdade de espelhar teu chamamento em meu blog com o link para esta pagina. Que 2018 seja o ano decisivo.

arkx

- 2018-01-08 12:01:18

Julgamento de Lula: o Brasil precisa tremer

Rio - Junho de 2013

"Se alguém vem a mim e não odeia seu pai, sua mãe, sua mulher, seus filhos, seus irmãos, suas irmãs e até a sua própria vida, não pode ser meu discípulo." 

Lucas, 14:26

- Lula está colhendo o que semeou. mesmo se a colheita unicamente a ele estivesse limitada, ainda assim seria nosso dever defendê-lo, pois a injustiça cometida contra um é injustiça cometida contra todos;

- a única coisa que todos eles temem é o povo nas ruas. tanto aqui quanto no Irã. tanto em Buenos Aires quanto em Paris. tanto a Direita quanto a Esquerda pelega. quando as massas se insurgem, ninguém mais controla o movimento;

- estamos todos sobre um vulcão. o país está em colapso. haverá uma explosão. ou será canalizada pela Esquerda, ou desembocará no fascismo.

Apoio de brasileiros à pena de morte bate recorde

.

Maria Luisa

- 2018-01-08 11:21:55

Precisamos nos levantar

Professor Aldo o seu artigo é didatico e direto. Merece ser repassado a um maior numero possivel de pessoas. A esquerda do mi mi mi ou não, precisa realmente se reorientar e rever seus projetos. Se o unico objetivo de um partido de esquerda é o poder pelo poder, ele não difere dos partidos de direita. No grave momento que vivemos precisamos lutar juntos para salvar o pouco que nos resta de uma democracia alquebranda e impedir que a miséria aumente ainda mais neste Pais e com ela toda sorte de violências. 

Jonas Carvalho

- 2018-01-08 11:05:00

JULGAMENTO DE LULA

Bravo Aldo Fornazieri !  É preciso dizer como voce diz, alto e bom som o que voce diz e a midia reacionaria do Brasil esconde do povo, as verdades de uma sociedade injusta que mantem 80% da populacao em situacao miserável e de sofrimentos e penúria causados pela dominacao egoísta e predatória dos mais ricos e oportunistas.  Quanto ao julgamento de Lula, está evidente que se trata de um processo político visando destruí-lo e impedir a oportunidade do povo  (aqueles 80%), de minorar seu sofrimento com um governo de redencao nacional (isto é de "nacao") votando em Lula. Que democracia é esta que nao aceita a opcao da povo ? Vamos às urnas livremente, com livre participacao de candidatos.  Se algum  candidato  cometeu crimes que o povo os julgue nas urnas ! Mas nao podemos aceitar a farsa de um julgamento forjado por interesses políticos e ideológicos. Que o povo julgue Lula pelos crimes que cometeu : um apartamento que nao é seu; um sitio que nao é seu, uma legitima nomeacao de ministro que lhe foi negada e criminalizada; um decreto que prorrogava um beneficio a quem ?  a exatamente àqueles empresários que se locupletaram com as desoneracoes em seu governo e apoiaram a deposicao inconstitucional de Dilma. O povo é o Juízo supremo . Que julgue Lula nas urnas, negando-lhe o voto. Mas que nao se cometa um crime contra a democracia impedindo-lhe de concorrer por causa de uma acusacao forjada, de um crime que nao é crime. Que o Brasil trema ante a prepotencia e a injustica da classe dominante e de um Judiciário covarde ! O brasileiro que quiser fazer historia e nao passar por ela como covarde, deve protestar contra este julgamento absurdo, esta farsa que se pretende consumar em Porto Alegre. Vamos protestar, por todos os cantos deste imenso Pais, contra esta suprema ignomínia.

Juliano Santos

- 2018-01-08 10:58:03

É isso aí. Estado de exceção

É isso aí. Estado de exceção não se combate como se as instuições estivessem funcionando. Não estão. Essas que supostamente representam a justiça não devem ser obedecidas.

Só serão pela força, e aí acabarão quaisquer veleidades de fingir ser o Brasil uma democracia. A ditadura ficará escancarada. Não podemos dar legitimidade à eleições fraudadas. O Fornazieri está certo

alexis

- 2018-01-08 10:53:34

Muito bom

Somente posso parabenizar ao autor deste post O Fornazieri foi objetivo e claro. Concordo plenamente com ele. O julgamento do Lula é injusto desde a sua origem, sem provas. Ainda, as sentencias são absurdas e apenas baseadas em comentário de delator, também sem prova alguma. Não ficará por isso mesmo.

Gostaria que a programação de protestos fosse simples em termos de “bandeiras”, objetiva e bem informada entre a população, em todas as cidades brasileiras. Acredito que as esquerdas e movimentos sindicais e sociais tenham tudo tão claro assim como Fornazieri aqui escreve. Por favor, organizem, programem nas cidades e informem o local (quem sabe na porta dos tribunais daquela corja golpista). Vamos reagir.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador