O PT esconde Dilma? Por que?, por Gilberto Maringoni

Ela não integra sua direção, não é chamada para atividades públicas e não é interlocutora de Lula na prisão. Isso tudo, apesar de ter sido eleita por dois mandatos para o principal cargo do país.

O PT esconde Dilma? Por que?

por Gilberto Maringoni

É no mínimo curioso o tratamento dispensado pelo PT à ex-presidenta Dilma Rousseff. Até hoje, três anos após o impeachment, o partido se recusa a avaliar seriamente o que foi a opção recessiva e o estelionato eleitoral de seu governo. Tais escolhas estão na raiz da gravíssima crise institucional e econômica em que vivemos.

Apesar de não tocar no assunto, o PT a relega a um ostracismo deliberado. Ela não integra sua direção, não é chamada para atividades públicas e não é interlocutora de Lula na prisão. Isso tudo, apesar de ter sido eleita por dois mandatos para o principal cargo do país.

Tacitamente, o PT atribui a ela e somente a ela a mediocridade de sua primeira gestão e o desastre da segunda. Parece que decisões vitais para o destino de mais de 200 milhões de pessoas numa sociedade complexa como a brasileira foram tomadas por uma única pessoa.

No entanto, quando se percebe a conduta dos governadores petistas Camilo Santana (CE) e Rui Costa (BA), em seus perigosos flertes com a direita e o neoliberalismo, constata-se que o Caminho de Dilma não foi uma exceção. Rui Costa, além de exaltar a política de extermínio da PM baiana, corta o diálogo com servidores em greve, adota política privatista e defende – de forma malandra – a cobrança de mensalidades em Universidades públicas.

O PT tem o direito de fazer o que bem entende e de ir para onde sua direção determinar. Poderia apenas ser mais claro sobre a posição que pretende ocupar no espectro político brasileiro.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora