Bolsonaro e racismo na pandemia, por Jessé Souza

Bolsonaro é o representante e líder do lixo branco brasileiro. No Brasil, no entanto, isso não inclui apenas pessoas de pele branca: numerosos negros também se identificam com o populista

Brasil: racismo na pandemia

Por Jessé Souza

Jair Bolsonaro é provavelmente o único chefe de estado no mundo que ainda nega os perigos do vírus corona. Embora medidas restritivas tenham sido tomadas em qualquer outro lugar, o presidente brasileiro aparentemente continua sentindo a necessidade de brincar com a pandemia, que ele minimizou como um “pequeno resfriado”. Ele até faz propaganda massiva contra a quarentena e inicia pessoalmente comícios contra o fechamento de lojas. Ele também diz que pessoas idosas e cronicamente doentes que morrerão de Covid-19 morreriam de qualquer maneira, e a morte de alguns milhares de pessoas não deve parar a economia.

Durante esse período, Bolsonaro prova mais uma vez sua incapacidade quase patológica de desenvolver qualquer tipo de empatia. Ele aprendeu com o ex-conselheiro chefe de Donald Trump, Steve Bannon, e o aprendiz de seu feiticeiro brasileiro, o jornalista conservador e teórico da conspiração Olavo de Carvalho, que ele e seus filhos são considerados “gurus intelectuais” de que as emoções humanas mais fortes são ódio e ressentimento. E a ascensão de Bolsonaro mostra que aqueles que têm acesso a um “estilingue de notícias falsas” como o WhatsApp e têm dinheiro suficiente podem manter seu eleitorado feliz, simplesmente manipulando o ódio sem precisar oferecer nada a eles. Afinal, o Congresso brasileiro, o Supremo Tribunal Federal e os governadores de todos os estados se opuseram ao presidente. O filho de Bolsonaro, Eduardo, um congressista, afirmou recentemente que o vírus fazia parte de uma estratégia chinesa para governar o mundo. A China, maior parceiro comercial e investidor do Brasil, respondeu oficialmente ao notar que o MP estava aparentemente infectado com um vírus no cérebro. Alguns dias antes, o Ministro da Educação do Brasil havia desencadeado uma crise diplomática entre os dois países, espalhando propaganda racista contra a China no Twitter.

Nesse contexto, os generais do governo – a maioria dos ministérios são liderados pelos militares – sob o comando do atual presidente General Braga Neto de fato assumiram a liderança do executivo e rebaixaram parcialmente Bolsonaro a uma figura puramente decorativa. Por isso, inicialmente o impediram de demitir o ministro da Saúde, o médico Luiz Henrique Mandetta. Ao contrário das diretrizes de Bolsonaro para lidar com a crise, este seguiu as recomendações da Organização Mundial da Saúde e pediu um caminho difícil contra a propagação da pandemia – que era muito popular entre a população. Mas no final, Bolsonaro prevaleceu.

Bolsonaro está perdendo popularidade, especialmente na classe média mais instruída – pelo menos isso é resultado de pesquisas e também pode ser visto em protestos noturnos nas áreas residenciais afluentes, onde as pessoas nos chamados panelaçosbatendo panelas e frigideiras fora de suas casas. O que é muito mais notável, no entanto, é a popularidade não prejudicada do presidente: Bolsonaro tem apoio estável de cerca de um terço do eleitorado, especialmente entre os membros das igrejas evangélicas nas classes mais pobres. Isso lhe permite avançar sua agenda neoliberal. No entanto, é particularmente dramático que Bolsonaro incentive seus seguidores mais leais a agir de forma tão irresponsável quanto ele, mas como explicar esse grau de loucura coletiva?

Leia também:  Os (prováveis) impactos das eleições norte-americanas para a América Latina, por Lívia Peres Milani

O líder da “escória branca”

Bolsonaro é principalmente o representante e líder do lixo branco brasileiro. No Brasil, no entanto, isso não inclui apenas pessoas de pele branca: numerosos negros também se identificam com o populista de extrema direita e negam que haja racismo no Brasil. Os membros do Lixo Branco se sentem em desvantagem em comparação com a classe média branca estabelecida e apóiam a cruzada de Bolsonaro contra a ciência, a pesquisa e a arte a partir desse sentimento. Como o “conhecimento” como capital cultural – a base para os privilégios da classe média alta – é intuitivamente percebido do ponto de vista da “escória branca” como a razão de sua falta de privilégios, esse grupo permanece quase incondicionalmente atrás da cruzada obscurantista do presidente. Ao mesmo tempo, ela compensa seu sentimento de inferioridade através do ódio e da violência contra os pobres e negros, que ainda são mais baixos na hierarquia social, e suprimindo qualquer forma de sua cultura. Essa opressão é realizada com extrema brutalidade: adolescentes negros das favelas, em particular, são mortos pela polícia aos milhares todos os anos.

Nessa lógica, a perspectiva de uma catástrofe de saúde nos bairros pobres – em que as famílias vivem em condições extremamente apertadas e principalmente sob condições higiênicas miseráveis ​​- parece ser uma promessa para certos grupos. O aviso de que o coronavírus matará muitos idosos e pobres nas favelas é música para os ouvidos dos seguidores radicais de Bolsonaro. Espera-se que a morte de muitos idosos possa reduzir o déficit no sistema de pensões. Ao mesmo tempo, as milícias usam o caos nas favelas para seu modelo de negócios semelhante à máfia. Toda morte de um jovem negro que não pode mais se tornar um “criminoso” é cinicamente comemorada como um “expurgo ético”.

Bolsonaro até adia a ajuda de emergência recentemente aprovada pelo Congresso para os mais pobres no valor de 600 reais (bons 100 euros) por mês, por um período de três meses, devido a obstáculos burocráticos. Obviamente, ele visa criar o caos que justificaria uma resposta armada da milícia e do exército, bem como o fechamento de instituições políticas – seja através da disseminação incontrolável do Covid-19 ou pelo agravamento da pobreza nas camadas mais pobres da população . Um golpe envolvendo militares, milícias e igrejas evangélicas poderia salvar o presidente atingido. Como ele e sua família estão expostos a inúmeras alegações de corrupção e até assassinato – os traços do assassinato da vereadora Marielle Franco, por exemplo, estão cada vez mais apontando na direção de Bolsonaro. No momento, no entanto, sua queda ou pelo menos o fim de sua popularidade como resultado da crise do Covid 19 não são de todo excluídos.

Leia também:  Coronavírus: Pelo menos 1.422.951 mortes foram registradas no mundo

A regra do racismo

Mas a popularidade de Bolsonaro aparentemente ainda é grande o suficiente – e ele deve isso ao menos ao racismo subliminar no país, que forma a base ideológica de seu poder. Como o racismo no Brasil não pode ser vivido abertamente – desde a década de 1930, houve uma “população de raça mista” que remonta ao sociólogo Gilberto Freyre e ao ex-presidente brasileiro Getúlio Vargas, que administrou o país entre 1930 e 1945 e de 1950 a 1950 Governado em 1954 – hoje é praticado pela porta dos fundos, por assim dizer. Uma maneira é reinterpretar o efeito racista em uma “luta contra a corrupção”.

É exatamente o que é mostrado na Operação “lava-jato”, como foram batizadas as investigações de corrupção em torno da petroleira semi-pública Petrobras. O objetivo principal da investigação é destruir politicamente o Partido dos Trabalhadores (PT) e seu líder popular Luiz Inácio “Lula” da Silva – apoiado pela imprensa e, como ficou conhecido no ano passado, também com a ajuda de processos legais manipulados . A imprensa brasileira e internacional elogiou o processo “lava-jato” como o maior golpe contra a corrupção na história do país. De fato, serviu a elite política e a classe média branca como justificativa para o racismo contra os pobres. Por último mas não menos importante, que durante seu reinado entre 2003 e 2016, o PT havia facilitado o acesso de universidades a pessoas pobres e negros – seu eleitorado principal -, aumentando o número total de estudantes de três para oito milhões. Muitos da classe média, portanto, viram seu privilégio educacional em perigo. Ao difamar o PT como corrupto – ou pelo menos suspeito de corrupção – seus oponentes não apenas conseguiram corromper a soberania da maioria dos brasileiros, mas também justificaram um golpe de Estado – o impeachment da então presidente Dilma Rousseff.

No entanto, o fator decisivo para o sucesso de Bolsonaro foi o ressurgimento de um racismo “popular” no Brasil, com a ajuda de que quebrou a solidariedade de classe que o PT havia construído desde 2002 entre os mais pobres. Esse racismo se manifesta nas classes menos favorecidas ao contrastar “pobres honestos” com “pobres delinqüentes”. O delinqüente é um “criminoso”, como um pequeno traficante ou uma prostituta – pessoas que geralmente têm pouca escolha a não ser ganhar dinheiro dessa maneira, e que são sempre pobres e, na maioria, negras. Até homossexuais de qualquer sexo são marcados como “delinqüentes”. Bolsonaro assim conseguiu

O poder das milícias

No entanto, há outro fator em que Bolsonaro baseia seu poder: as milícias. Muitas pessoas da população do Lixo Branco, como Bolsonaro, pertencem aos escalões inferiores das forças armadas ou da força policial organizada militarmente, a “Polícia Militar”. Um grande número deles também serve as chamadas milícias. Estes são os verdadeiros governantes e garantidores da ordem no país. E os policiais ativos nas milícias são o apoio armado mais importante a Bolsonaro. No entanto, o principal negócio da milícia é o tráfico de drogas e o contrabando de armas. Mas eles também exploram os mais pobres com serviços muito caros: do gás de cozinha ao acesso à televisão, à água e à eletricidade. Nada funciona sem a mediação das milícias – e quem fica no caminho é assassinado. A milícia se vende como um “prestador de serviços públicos” que elimina crimes e, assim, mantém a comunidade “limpa”. Bolsonaro e sua família não apenas seguram as mãos protetoras dos oficiais da milícia, mas também os contam entre seus parceiros políticos e amigos. A proximidade entre os dois é mostrada por um incidente ocorrido em junho do ano passado, quando a polícia espanhola confiscou quase 40 kg de cocaína – de um soldado da delegação Bolsonaros quando ele parou em Sevilha a caminho da cúpula do G20 em Osaka, Japão. Bolsonaro e sua família não apenas seguram as mãos protetoras dos oficiais da milícia, mas também os contam entre seus parceiros políticos e amigos. A proximidade entre os dois é mostrada por um incidente ocorrido em junho do ano passado, quando a polícia espanhola confiscou quase 40 kg de cocaína – de um soldado da delegação Bolsonaros quando ele parou em Sevilha a caminho da cúpula do G20 em Osaka, Japão. Bolsonaro e sua família não apenas seguram as mãos protetoras dos oficiais da milícia, mas também os contam entre seus parceiros políticos e amigos. A proximidade entre os dois é mostrada por um incidente ocorrido em junho do ano passado, quando a polícia espanhola confiscou quase 40 kg de cocaína – de um soldado da delegação Bolsonaros quando ele parou em Sevilha a caminho da cúpula do G20 em Osaka, Japão.

O incidente não diminuiu o poder de Bolsonaro e, mesmo na crise da coroa, sua rede de poderes ainda parece estar praticamente intacta. Por último, mas não menos importante, as igrejas evangélicas também pertencem a ela. Eles lavam o dinheiro das atividades ilegais das milícias, por exemplo, usando-os para financiar eleições e, assim, expandem ainda mais sua influência. Ainda há muito a sugerir que esse sistema sobreviverá por enquanto, apesar do tratamento negligente de Bolsonaro com a pandemia de coroa.

Leia também:  Estelionato eleitoral e o engodo da retomada da economia, por Emilio Chernavsky

Tradução do português: Michael Kegler

Nota: “escória branca”. O termo foi cunhado no sul dos Estados Unidos e descreve pejorativamente os membros das classes baixas brancas.

Recomendado:

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Bem, não tenho muita certeza se o white trash norte-americano é uma analogia adequada ou uma similaridade de empréstimo. Ainda encontro um outro grupo, constituído por pessoas que, dentro de fatores como antiguidade, educação formal precária mas o suficiente para se diferenciar de outros grupos com educação mais precária (sim, mais ou menos precária, no Brasil, faz diferença), relações de submissão e privilégio dentro de empresas (e mesmo dentro do Estado, como servidores, desculpem), numa ética pública acinzentada, mas “equilibrada” por valores (mais ou menos hipócritas) em relação às famílias e às pessoas próximas (no Estado, faz toda a diferença dizer se você é amigo de alguém ou funcionário do Estado. bem como as práticas que disto deriva).
    Neste grupo, é possível também encontrar pessoas que apreciam as artes, mas de forma estereotipada e abraçam clara e abertamente valores que eles consideram (há um elemento de fantasia que se refere mais à inferioridade dos indivíduos do que sobre o comportamento e práticas concretas do grupo que tentam copiar) ser dos grupos acima deles (simplesmente não vou ao museu, eu exibo ostensivamente aos demais que vou ao museu). A crítica social é contraditória e fragmentária; capaz de criticar a esfera do capital, mas é incapaz de aceitar que a Starbucks que tanto aprecia age contra os trabalhadores e a sindicalização dos funcionários. Assim, descobrimos que a crítica social é apenas mais uma faceta da esfera da educação e da cultura como ostentação, cuja crítica é subentendida, mas normalizada no desejo de status e diferenciação social.
    Forma um grupo “limítrofe”: reconhece que há algum problema na estrutura social, mas participam dela de modo decisivo. Havendo sangue nas mãos, reforçam seus laços com as classes dominantes. A cisão da consciência é grotesca: é capaz de votar à esquerda e ter no dia a dia, nas questões públicas, comportamentos à direita. Falar das contradições é tocar num tabu de grupo; tocar nisto é trair o grupo. As relações são pessoais, até mesmo na esfera pública. São ordeiros e obedientes, tanto quanto foi Eichmann; é possível analisar qualquer coisa, mas aceitam ordens criminosas.
    São capazes de cobrar que um sindicato de classe aja em nome deles, ao mesmo tempo que o rejeita. Tanto quanto um banco parasita a produção de riqueza real de um país, este grupo parasita as relações sociais e políticas: os outros que “deem a cara pra bater”, pois, se eles tiverem algum êxito, eu também terei.

  2. Sim, acredito que bozo e séquito, todos simplistas e com alto grau de insanidade, imaginam que um “desbaste” nos idosos ajudaria o sistema de pensões, preservados, é claro, os militares, hala vista que fora do regime suas pensões se manteriam.
    Ante esta possibilidade, imagino uma solucao simples: Se provada morte por Covid, as familias do aposentado civil não estariam sujeitas às novas regras de pensão por morte, valeria o sistema previdenciário anterior à “deforma”.
    Afinal, não valem regras excepcionais para seguros?
    Congresso e STF, a bola quica em suas tribunas.
    E sintam-se apoiados na defesa do povo. A “Gavioes da Fiel” já iniciou a resistência aos fascistas, que, como ficou comprovado com sua corrida de mais um ato antidemocrático programado ante uma pequena resistência, mostraram que sao apenas um bando de ratos.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome