Forças Armadas rebatem Barroso, não confirmam segurança das urnas, mas negam atacar sistema eleitoral

Sem discordar da posição de Jair Bolsonaro sobre as urnas eletrônicas, as Forças Armadas negaram atacar o sistema eleitoral brasileiro

Jair Bolsonaro e os comandantes das Forças Armadas em 2021 – Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Sem discordar da posição de Jair Bolsonaro sobre as urnas eletrônicas, afirmando ter apresentado propostas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), as Forças Armadas negaram atacar o sistema eleitoral brasileiro.

Na noite deste domingo (24), o Ministério da Defesa considerou uma “ofensa grave” as declarações do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luis Roberto Barroso, de que as Forças Armadas foram orientadas pelo governo Bolsonaro a atuar contra a democracia.

Em seminário no qual palestrou em uma universidade alemã, neste final de semana, o ministro disse que os militares estavam sendo “orientados a atacar e desacreditar” as eleições 2022.

Em nota, a Defesa contra-atacou e disse que “afirmar que as Forças Armadas foram orientadas a atacar o sistema eleitoral, ainda mais sem a apresentação de qualquer prova ou evidência de quem orientou ou como isso aconteceu, é irresponsável e constitui-se em ofensa grave a essas Instituições Nacionais Permanentes do Estado Brasileiro.”

No seminário, Barroso criticou o governo de Jair Bolsonaro como “populismo autoritário”, lembrando de episódios como o desfile de tanques na Esplanada dos Ministérios e as frequentes declarações do próprio mandatário contra a veracidade das urnas eletrônicas.

Em todos os cenários de diversas pesquisas eleitorais para este ano, Bolsonaro perde a Presidência para Lula.

“Um desfile de tanques é um episódio com intenção intimidatória. Ataques totalmente infundados e fraudulentos ao processo eleitoral. Desde 1996 não tem nenhum episódio de fraude. Eleições totalmente limpas, seguras. E agora se vai pretender usar as Forças Armadas para atacar. Gentilmente convidadas para participar do processo, estão sendo orientadas para atacar o processo e tentar desacreditá-lo”, havia dito Barroso.

Ignorando os fatos, a Defesa, contudo, negou que os episódios tanto dos militares, quanto do próprio presidente, são de ataques ao sistema eleitoral.
A nota assinada pelo novo ministro da Defesa, o general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, contudo, não contraria as manifestações de Jair Bolsonaro e relata que as Forças Armadas participaram, no ano passado, de uma fiscalização das urnas, a convite do próprio ministro Barroso, à época então presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Sem contrariar as declarações de Bolsonaro contra a segurança das urnas eletrônicas, a nota afirma que os militares “apresentaram propostas colaborativas, plausíveis e exequíveis, no âmbito da Comissão de Transparência das Eleições (CTE) e calcadas em acurado estudo técnico realizado por uma equipe de especialistas, para aprimorar a segurança e a transparência do sistema eleitoral, o que ora encontra-se em apreciação naquela Comissão”.

“As eleições são questão de soberania e segurança nacional, portanto, do interesse de todos”, continuou, novamente sem garantir a credibilidade do processo eleitoral brasileiro.

Ao final da manifestação, as Forças Armadas disseram deter “ampla confiança da sociedade”, com “prestígio” que “não é algo momentâneo ou recente, ele advém da indissolúvel relação de confiança com o Povo brasileiro, construída junto com a própria formação do Brasil”.

6 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Jicxjo

- 2022-04-25 23:04:19

Milico bom é milico calado, recolhido no quartel. Desde quando esses gorilas entendem alguma coisa de Direito? Leem zapices e arrotam Constituição.

+almeida

- 2022-04-25 17:41:02

É o morde e assopra de quem tem paixão pelo poder e pelas mordomias que ele oferece, sem se importarem o sacrifício que a classe trabalhadora faz para pagar os impostos que sustenta as instituições federais. Quando que as forças que sustentam esse governo destruidor e incompetente terão coragem de renunciar aos encantos que lhes ofertados e tomar uma atitude patriótica e soberana contra essa coligação golpista que tenta destruir o estado de direito e acabar com a democracia, sob os olhares contemplativos dos verdadeiros militares brasileiros que não se envolvem e permanecem calados diante das ruinas da sociedade brasileira causada pelo desastre desse desgoverno que caminha para o fascismo.

Marcelo.j Patrícia ia esquecendo

- 2022-04-25 12:02:06

Barroso é aquele democrata q limitou a renda das pessoas na saúde de Minas e membro do nosso judiciário q é contra a melhoria de vida da sua gente,SEMPRE APLICANDO MULTAS E RESTRIÇÕES NAS GREVES ,A FAVOR DOS GRANDES EMPRESÁRIOS e limitando umas migalhas a mais no bolso do trabalhador p comprar aos menos uns pãezinhos a tarde ,curioso ser esse o grande DEMOCRATA.

Marcelo.j Olá Patrícia

- 2022-04-25 11:51:51

MUITO CURIOSO LOGO O BARROSO VIRANDO GRANDE DEMOCRATA E FAZENDO TABELINHA COM OS MILITARES PELA DEMOCRACIA,CONCORDO,DEVEMOS DEFENDER A DEMOCRACIA DO GUEDES SENÃO A ECONOMIA NÃO VAI BOMBAR !!!

Vladimir

- 2022-04-25 10:38:25

Essa gente ainda vai lançar muita fumaça até as eleições. O povo que vê o preço do arroz,do feijão,do óleo,do leite,dos combustíveis,da condução,do aluguel e tantos outros dispararem não precisa de fumaça e saberá colocar para fora essa escumalha incrustada no governo e em nossas forças armadas.

Fábio de Oliveira Ribeiro

- 2022-04-25 10:18:12

Os comandantes do Exército, Marinha e FAB querem "supervisionar" as eleições, mas eles não conseguem nem mesmo cuidar dos caminhões, barcos e aviões que os oficiais vagabundos utilizam para transportar cocaína e maconha por todo território nacional.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador