Para José Genoíno, Brasil carece de projeto estratégico de futuro

Em entrevista exclusiva, ex-deputado federal e ex-presidente do PT ressalta desafio para a esquerda e o papel da Defesa Nacional

José Genoíno, ex-deputado federal e ex-presidente nacional do PT. Foto: Reprodução/Memorial da Resistência

O grande desafio para a esquerda no Brasil é a construção de um projeto de país democrático e popular, que também rompa com a base do modelo de acúmulo financeiro, privatizações e o modelo de inserção global.

“Se a gente não enfrentar esses gargalos, nós vamos caminhar por dentro de uma ordem que está em crise”, disse José Genoino, ex-deputado federal e ex-presidente do PT, em entrevista exclusiva aos jornalistas Luis Nassif e Marcelo Auler na TV GGN 20 horas nesta quarta-feira (13/04).

Na visão do ex-deputado, o problema do Brasil é que até agora não se construiu um projeto estratégico de futuro que viesse a incluir fatores como industrialização, acesso à tecnologia e a questão da soberania nacional como autonomia.

Segundo Genoíno, esse programa também inclui “a recuperação do papel do Estado, para garantir direito e cidadania, e recuperação do papel de uma relação diferente da classe dominante com o Estado”.

“Esse sistema capitalista, ele se monopolizou, foi hegemonizado pela financeirização e, a partir da crise de 2008, essa financeirização capturou os fundos públicos, investiu pesado nas privatizações, capturou as commodities”, diz Genoíno, apontando ainda a reestruturação gerada pela mudança na relação capital e trabalho, dando o pontapé nacional para o processo de destruição do país.

Defesa Nacional é política pública

Dentro do centro político atual, Genoíno afirma que as Forças Armadas estão cumprindo um “triste papel”.

“O que é Defesa: Defesa Nacional é política pública. Defesa Nacional é diminuir vulnerabilidades do país”, diz o ex-deputado. “Como é que você fala em vulnerabilidades – olha bem, mais de 661 mil mortes por covid, olha a vulnerabilidade”.

Genoíno ressalta que Defesa Nacional também representa uma boa relação com a vizinhança, uma vez que toda defesa geopolítica do mundo pressupõe boa vizinhança com os países vizinhos – “no caso, a Unasul, América do Sul. E aqui, nós fizemos exatamente o contrário”.

O ex-presidente do PT pontua que o conceito de Defesa Nacional também pressupõe o acesso a tecnologias estratégicas (cibernética e aeroespacial, por exemplo) e a subordinação do aparato militar ao poder civil.

“Essa história de que militar entende de Defesa, é quem vai cuidar de defesa, isso é um equívoco”, afirma Genoino. “Militar tem que ser dirigido pelo poder político civil. Pelas instituições de poder civil, pela Presidência da República, pela relação correta com a Academia, com os centros de pesquisa”

“No Brasil, se criou um modelo de autonomia corporativa das Forças Armadas. Criou-se a ideia da tutela militar que é o poder moderador do artigo 142 da Constituição, que vem desde a Constituição Republicana”, diz Genoino.

“E os militares se colocam acima de tudo e de todos – olha só os escândalos que estão vindo à tona com Viagra, com remédio, com farda, com essa questão da covid. Isso não tem nada a ver com Defesa”, afirma o ex-deputado federal.

Veja mais sobre o tema na entrevista exclusiva com José Genoino, na íntegra da TV GGN 20 horas. Clique abaixo e confira!

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Paulo Dantas

- 2022-04-14 15:05:31

Quando vejo este Projetos Estratégicos só consigo me lembrar dos planos infalivéis do Cebolinha , com a devida vênia ..

Marcelo.j Tatiane não me censure

- 2022-04-14 11:45:09

MEU PRESIDENTE,O PT GOVERNOU E NÃO VI ABORTOS A CADA ESQUINA, SÓ SE FORAM FEITOS NOS SINDICATOS,KKK,AO CONTRÁRIO VI IGREJAS CRESCEREM ENORMEMENTE OU SEJA OS "INIMIGOS ANTIABORTOS"!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador