China tem como meta tirar 43 milhões da pobreza até 2020

Fotografia: Tian Dafang

Por Ana Cristina Campos

Da Agência Brasil

A China pretende erradicar a pobreza até 2020. De acordo com a Fundação para Alívio da Pobreza, vinculada ao Ministério de Assuntos Civis chinês, existem 43,35 milhões de pobres no país. Em 1978, início da política de reforma e abertura econômicas, eram 250 milhões nessa situação.

Na segunda potência econômica mundial, a pobreza está concentrada nas áreas rurais, em regiões montanhosas e remotas, com minorias étnicas ou atingidas por desastres naturais, como inundações e terremotos, em 22 províncias do Centro e do Oeste do país. A população rural chinesa corresponde a 44% dos mais de 1,3 bilhão de habitantes.

Segundo a Fundação para Alívio da Pobreza, o governo central chinês segue os parâmetros da Organização das Nações Unidas e considera pobre quem vive com menos de US$ 1 por dia, o que significa que está nesta situação quem tem uma renda per capita anual abaixo de 2,5 mil iuanes (cerca de R$ 1,25 mil).

Entre as políticas de redução da pobreza rural estão programas de apoio a cooperativas agrícolas e ao turismo rural, isenção de impostos para os trabalhadores rurais, ampliação da cobertura dos serviços médicos e da educação obrigatória gratuita e microfinanciamentos a juros baixos a domicílios pobres para melhorar a produtividade no campo.

O diretor do Departamento Internacional da Fundação para Alívio da Pobreza, Wu Peng, também cita que as políticas públicas incluem capacitação da mão de obra, construção de infraestrutura e reassentamento de quem vive em regiões com terras inférteis e de difícil acesso. Ele acrescentou que o governo mobiliza empresas privadas para ajudar no combate à pobreza.

Leia também:  Avanço neoliberal faz fome atingir 42,5 milhões de pessoas na América Latina e Caribe

Para Wu Peng, o objetivo de erradicar a pobreza até o final desta década é viável com os parâmetros atuais. A meta, segundo ele, é retirar desta situação em torno de 10 milhões de pessoas por ano. “Temos plena confiança de que vamos acabar com a pobreza até 2020. No ano passado, tiramos 14 milhões da pobreza”, disse. “Temos uma garantia institucional porque o governo central determinou ser um dever a redução da pobreza para os governos provinciais, municipais e distritais”.

Combate à pobreza

Dos 91 milhões de habitantes de Sichuan, província no sudoeste do país, 2,7 milhões são pobres, informou o vice-inspetor do Escritório de Redução da Pobreza do governo local, Zhang Haipeng. “Ao mesmo tempo em que tivemos um desenvolvimento econômico acelerado nos últimos anos, ainda temos uma tarefa muito árdua no trabalho de redução da pobreza”, disse.

O vice-inspetor ressaltou a necessidade da precisão nas políticas de redução da pobreza, em que são identificadas as causas com a subsequente implantação de medidas de apoio para cada caso. “Aplicamos diferentes políticas a diferentes pessoas e lares pois são diversas as causas da pobreza”, explicou.

Segundo Zhang, entre as medidas para retirar a população da pobreza figuram o desenvolvimento industrial para aumentar a geração de postos de trabalho e a ampliação da assistência médica. “De acordo com as estatísticas, a enfermidade é a causa da pobreza para 1 milhão de pessoas em Sichuan. Nosso objetivo é que possam ter acesso a serviços de saúde. Os gastos médicos não podem ultrapassar 10% da sua renda. O restante é coberto pelo governo”, disse.

Outro mecanismo são os subsídios a quem perdeu a capacidade de trabalho. De acordo com o funcionário, a província tem 1 milhão de habitantes nessa situação. Para esses casos, o governo paga 3,3 mil iuanes (cerca de R$ 1,65 mil) ao ano a cada pessoa. “Quem ganha menos que 3,3 mil iuanes é considerado pobre em Sichuan”, disse Zhang.

Leia também:  Mais de 50% dos microempreendedores estão inadimplentes no Brasil

Nos povoados de Nanshan e Yongtai, no distrito de Zhongjiang, em Sichuan, o trabalho de erradicação da pobreza é feito por meio do incentivo ao turismo rural e ao desenvolvimento da indústria agrícola, com produção de uvas, kiwis, gengibre e cogumelos.

O camponês Jin Shuguang, de 52 anos, nativo de Nanshan, conta que sempre cultivou flor de lótus cujas sementes são comestíveis e as folhas são usadas na produção de medicamentos tradicionais chineses. Ele diz que viu sua renda aumentar desde o ano passado quando passou a vender refeições, chá e raiz de lótus para turistas depois da melhora da infraestrutura na região que atraiu visitantes.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. So perguntando…

    Esses 43 milhoes de nouveux bourgeois chineses do governo comunista da China vao ser tao mal indoutrinados e tao iletrados como os 30 milhoes do Brasil de Lula???

    Vao ser tanto quando, mais, ou menos analfabetos que os eleitores de Trump?  (nos quais eu me incluo, isso eh outra historia…)

  2. Brasil

    A meta oposta do Brasil vai ser atingida antes:

    Inclusão da mesma quantidade de pessoas entre os pobres/miseráveis, fim do “bolsa família” e Lula preso.

    Vai sobrar mão de obra a troco de prato de comida. 

    -Pelo “menas” tiramos o PêTê e aquela mulherrrrrrrr!

  3. China já é a 1a. potência econômica mundial desde 2014.

    O segundo paŕagrafo fala em 2a. potência econômica. Seria se considerasse apenas o PIB nominal (US$ 18,6 tri x US$ 11,2 tri). Mas acho mais correto usar o PIB medido pelo Poder de Paridade de Compra (PPC), que compara melhor a riqueza das nações, ou seja mede a quantidade de bens e serviços produzidos, independentemente da diferença de preço em países diferentes (*).

    Dados do Banco Mundial (sob controle estadunidense):

    China PIB-PPC 2016: US$ 21,4 trilhões

    EUA PIB-PPC 2016: US$ 18,6 trilhões

    E olha que o Banco Mundial não incluiu no PIB da China nem Hong Kong (US$ 430 bilhões) nem Macau (US$ 63,7 bilhões), apurados e divulgados separadamente.

    (*) Significa que, se tudo que é produzido na China fosse vendido ao preço dos mesmos bens e serviços comercializado nos EUA o valor seria os US$ 21,4 trilhões.

  4. Olho na população rural!

    É interessante observar como na China um 44% da população corresponde à população rural e, mesmo assim, sem encher as cidades, a China consegue levar o progresso e desenvolvimento para dentro dela, com indústrias, consumo interno e muita ferrovia.

    No Brasil, fala-se de ao redor de 15% para a população rural, ou seja, 85% da população corre para as cidades, num fluxo de sucção para os shopping e para Disney.

    China planejada e com viés nacional desenvolve o seu país para dentro. A “Ponte para o Futuro” da China comunica para dentro do seu território. A “ponte” do Temer leva coxinha para Miami. 

  5. Na Dúvida, Ambas!

    Nassif: as hipóteses do governe tratar este caso da China são duas.

    Na primeira , o bando do Mordomo enviará Aluisin 1Mi com nota diplomática de protesto e repugnação por esta ocorrência, atentatória aos princípios nacionais dos banqueiros e do mercado. Onde iria parar a decência liberal tupiniquim com essas benesses aos descamisados? Um ato desta magnitude poderia sensibilizar parte significativa dos 7/10 dos ladrões do Congresso e leis cumunistas poderiam ser votadas à favor dos que servem para pavimentar a miséria da Povalha. A da Previdência seria uma delas. 

    Na segunda, uma missão, chefiada por Don Raton da Catalunha, composta pelo que de mais expressivo há no bando PSDB/DEM/PPS_PMDB+detritos_sólidos_da_Maré_baixa para tentar convencer os homens de Pequim, a exemplo do que se faz por aqui, que isto atrasa os ganhos pessoais dos poderosos e até ensinar umas técnicas de rapinagem com aval do Judiciário. Levariam o plano do Distritão, com videos de como roubar e continuar governando. O Carrasco de Diamantino daria aulas de Parlamentarismo gatúnico. E o Serviço de Inteligência demonstraria como controlar, se necessário lá, os da Caserna.

    Ah, não se pode esquecer que a grande mídia é fundamental para alcançar sucessos de qualquer das hipóteses. Se não der certo, corte imediato de relações em todos os níveis. 

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome