Revista GGN

Assine

A moção de repúdio da OAB contra Barbosa

Sugerido por amarula

Do Brasil 247

 
O documento aprovado por todos os conselheiros federais da Ordem dos Advogados do Brasil, presidida por Marcus Vinícius Furtado Coelho, é ainda mais grave do que uma moção de repúdio a Joaquim Barbosa; a OAB, que liderou movimentos históricos, como o impeachment do ex-presidente Fernando Collor, cobra do Conselho Nacional de Justiça uma investigação sobre a conduta do presidente do Supremo Tribunal Federal; estopim da crise foi a decisão de Barbosa de substituir o juiz responsável pela execução das penas dos condenados na Ação Penal 470; saiu Ademar Vasconcelos, entrou Bruno Ribeiro, filho de um dirigente do PSDB no Distrito Federal; decisão responde a uma cobrança feita, nesta tarde, no 247, pelo criminalista e ex-presidente da entidade José Roberto Batochio

247 - Acaba de ser aprovada, por unanimidade, pela Ordem dos Advogados do Brasil, uma decisão que ainda é ainda mais grave do que uma simples moção de repúdio ao presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa. A OAB irá cobrar do Conselho Nacional de Justiça uma investigação sobre a troca do juiz responsável pela execução das penas do chamado "mensalão".

Após pressões de Joaquim Barbosa, repudiadas por juristas e advogados, o juiz titular da Vara de Execuções Penais, Ademar Vasconcelos, foi substituído por Bruno Ribeiro, filho de um dirigente do PSDB do Distrito Federal. A decisão fere direitos da magistratura e também dos réus.

A decisão causou espanto na magistratura. "Eu espero que não esteja havendo politização, porque não vamos permitir a quebra de um princípio fundamental, que é uma garantia do cidadão, do juiz natural, independentemente de quem seja o réu", afirmou João Ricardo dos Santos Costa, presidente eleito da Associação dos Magistrados do Brasil. Segundo o jurista Claudio Lembo, já existem razões objetivas para o impeachment de Joaquim Barbosa. Os juristas Dalmo de Abreu Dallari e Celso Bandeira de Mello publicaram um manifesto em que defendem uma reação do Supremo Tribunal Federal, para que a corte não se torne refém de seu presidente.

A OAB agiu em resposta a uma cobrança pública feita no início desta tarde por um ex-presidente da entidade, José Roberto Batochio, em reportagem publicada no 247.  "Se alguém pode trocar um juiz, porque acha que este será mais rigoroso com os réus, deveria também ser facultado aos réus o direito de escolher o juiz pelo qual querem ser julgados", disse Batochio.

Pela primeira vez na história, o Conselho Nacional de Justiça receberá um pedido de investigação contra um ato de seu próprio presidente, uma vez que Joaquim Barbosa, como chefe do STF, acumula também o comando do CNJ.

Leia abaixo a nota:

Salvador (BA) - O Conselho Pleno da OAB aprovou por aclamação o envio pela diretoria da entidade, de ofício requerendo a análise do Conselho nacional de Justiça (CNJ), sobre a regularidade da substituição de magistrado da Vara de Execuções Criminais. A decisão do Pleno foi motivada pela recente substituição do juiz responsável pela execução das penas da AP 470.

Leia, abaixo, reportagem anterior sobre a cobrança feita por José Roberto Batochio:

BATOCHIO: "SILÊNCIO DA OAB JÁ FOI ALÉM DO RAZOÁVEL"

Ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, o criminalista José Roberto Batochio cobra uma postura mais firme do atual presidente da entidade, Marcus Vinícius Furtado Coelho, em relação aos abusos cometidos pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, e faz até uma piada: "se o chefe do Poder Judiciário pode escolher um juiz fora dos parâmetros legais porque acha que ele será mais rigoroso do que o juiz natural, deveria ser dado aos réus o direito de também escolher o juiz pelo qual querem ser julgados"; Batochio aponta "heterodoxia" no caso e critica a postura da OAB; polêmica recente diz respeito à escolha feita por Barbosa do juiz Bruno Ribeiro para tocar as prisões da Ação Penal 470

25 DE NOVEMBRO DE 2013 ÀS 14:34

247 - O criminalista José Roberto Batochio, ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, cobra da própria OAB uma atitude mais firme diante dos desmandos do presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa. Segundo ele, o sistema judiciário brasileiro tem dado exemplos recorrentes de "heterodoxia" na Ação Penal 470. Batochio afirma ainda que "o silêncio da OAB já foi além do razoável".

A polêmica mais recente diz respeito à determinação feita por Joaquim Barbosa para que o juiz da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal, Ademar Vasconcelos, que conduzia as prisões da Ação Penal 470, fosse substituído por Bruno Ribeiro, filho de um dirigente do PSDB do Distrito Federal. Em relação ao caso, Batochio faz até uma piada. "Se alguém pode trocar um juiz, porque acha que este será mais rigoroso com os réus, deveria também ser facultado aos réus o direito de escolher o juiz pelo qual querem ser julgados", afirma.

A decisão, segundo Batochio, desrespeita a magistratura como um todo, uma vez que os juízes têm vários direitos assegurados, e também a defesa – uma vez que todo réu tem direito ao chamado juiz natural.

Não custa lembrar que Barbosa tentou minar a atuação de Ademar Vasconcelos antes mesmo das prisões, uma vez que, dez dias atrás, já havia mandado as ordens de prisão para Bruno Ribeiro, que estava de férias – e não para o juiz natural.

 

Média: 5 (3 votos)
23 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Homb
Homb

era esperado

Deste jeito, o Barbosa vai ficar confuso. E tem razão, pois a AP 470 é um fragmento de processo maior, o que torna a coisa tão exdruxula quanto um cientista que encontra a cabeça da cobra e acha que é o bicho inteiro. Era esperado que um processo esquartejado como este viabilizasse o surgimento de soluções judiciais absurdas, compensatórias do erro original..

Então, precisamos é anular este processo e recomeçar tudo de novo, lá onde a encruzilhada surgiu, desta vez mostrando a rede completa, histórica e nacional, coordenada por grupos econômicos e financeiros e executada pelos seus peões. 

 

Seu voto: Nenhum

Pode ser jogo cena ok..mas é

Pode ser jogo cena ok..mas é assim  , hora de começar  a desnudar  el rei   "Joaquim Demostenes Barbosa".

Engraçado que até racistas classicos e diários tão expondo a " cara de pau"  e taxando qualquer   atitude

contra as aventuras do  "Napoleão como preconceituosas,  em dias de Net..ai não dá i não pode  , como 

dizia outro  nobre da casta " FHC.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de edward
edward

Na verdade, o arbítrio

Na verdade, o arbítrio substituiu integralmente o cumprimento da lei pelo Judiciário.

É o fim!

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Orlando
Orlando

Marcus vinicius Furtado já foi réu

 

.....Um dos candidatos à presidência da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) nacional, Marcus Vinicius Furtado Coêlho, é réu em processo por improbidade no Piauí.

Ele é acusado de ter recebido R$ 42,3 mil do município de Antonio Almeida (a 400 km de Teresina) sem ter prestado os serviços correspondentes.

O advogado chegou a ter os bens bloqueados, medida que foi revertida na segunda instância da Justiça......

 

http://www1.folha.uol.com.br/poder/1219562-candidato-a-oab-e-reu-em-processo-de-improbidade-no-piaui.shtml

E o jeitinho brasileiro de fazer racismo continua.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

O projeto de poder de Joaquim Barbosa

O projeto de poder de Joaquim Barbosa*

Quem duvida que, nos dias de hoje, a pretensão política do Ministro Joaquim Barbosa consista em ser Presidente do Brasil?

Acredito que ninguém.

Nessa situação, a primeira pergunta que me vem a mente é, quando  teria surgido tal desejo (ou melhor pretensão).

Acredito que, num primeiro momento, desde sua trajetória sofrida, até chegar a Procurador da República, doutor em direito, seu maior desejo, seu ápice, com certeza era chegar a Ministro do Supremo Tribunal Federal .

Eis que, por um destes desígnios  da sorte, foi alçado a tal condição relativamente cedo e, com ela, encheu-se de todo o prazer oriundo da realização maior de sua vida.

Mas, depois de curto período, para  seu temperamento unitário (totalitário?),  tal status logo se tornou fonte de insatisfação.

E  isso se deu por um singelo motivo, tratava-se de um entre onze ministros,  um colegiado, algumas vezes alinhado com suas idéias, outras, desdenhando até mesmo de sua competência técnica  ou pessoal (reação, repto imediato - eu não sou um de seus capangas).

Foi quando surgiu a  oportunidade para fugir deste lugar não tão digno.

A relatoria de uma ação penal, com um imenso potencial  midiático, na qual  alguns dos réus eram justamente dirigentes do partido que estava no poder.

Tendo nas mãos este outro presente do destino, a partir de então, dedicou-se a construir um projeto para alcançar o poder.

A partir deste momento, a AP 470, deixou de ser uma ação penal, mas  um instrumento para alcançar seus objetivos.

E desde então, todos seus atos convergiram para tal desiderato.

Cada palavra, cada gesto, tinha um endereço, tinha um significado previamente definido.

Como primeira jogada, usou de um artifício antigo, que desde priscas  eras, era  utilizado por velhas raposas da política.

Em outras palavras, imputou aos adversários a tentativa de impor ao país um autoritário  projeto de poder e, nessa mentira,  estava levando a cabo seu próprio e inconfessável projeto de poder.

Assim convolou-se  o primeiro ato da farsa, a  primeira falsa acusação – a de que o PT tinha  um projeto de poder, mediante  vias tortuosas  de compra de políticos para votarem projetos de seu interesse – algo nunca comprovado.

Mas, agindo desta forma, ninguém pensou, neste momento, que o que estava sendo efetivamente  engendrado, na realidade,era  um outro Projeto de Poder, o Dele.

E, suprema astúcia.

Quem, naquele instante,  poderia desconfiar das intenções do condutor da ação penal, de um dos guardiões da  Constituição. 

Ninguém desconfiou.

E assim, ato após ato, dia após dia cresceu nesta idéia, e perseverou no intento.

Não importava que não houvesse provas, não importava que a inocência de alguns réus fosse flagrante.

Nada disso importava, era preciso desconstruir seu adversário, era preciso pintá-lo com cores pesadas, sujas,  desonestas, e, sempre , ao  lado, oferecer seu braço forte, seguro, limpo .

Para isso, pessoas foram destruídas, leis foram distorcidas, princípios foram desprezados, tudo isso em nome de um projeto solitário de poder.

Desta forma, desenvolveu seu projeto sem amarras,  aliou seus interesses aos interesses dos adversários deste governo,  sem que se perquirisse a ética, a honestidade, apenas ódio e fria ambição pelo poder.

Tornou-se, cada vez mais,  franco representante da oposição, claramente  substituindo  este setor político despersonalizado, que  alegremente se atirou, sem nenhum pudor pela subserviência, pela  verdade, pela dignidade, a este jogo, apenas para tentar destruir um partido político adversário que tem amplo apoio junto ao povo.

Foi este o objetivo o tempo todo.

É este o objetivo agora.

As atuais decisões autoritárias do Ministro Joaquim Barbosa, que chegaram a limites intoleráveis, tem como objetivo impelir  alguém a pedir seu impeachment, para então, sob os holofotes de uma mídia aparelhada pelo poder econômico, usar de toda a sua retórica para acusar os “corruptos “ de tentarem injustamente atingi-lo.

Por isso, atentem aos fatos.

Não caiam na armadilha.

Os sinais são claros.

Alguém, no entanto, pode perguntar, mas  então, não devemos fazer nada?

Por certo que não.

O que se impõe não é o impeachment de Joaquim Barbosa, que é o que ele quer, mas sim o seu simples afastamento da condição de responsável pelo andamento da AP 470, motivos para tal decisão não faltam, podem ser  enumerados “as pilhas”, de tão numerosos - a suspeição se impõe por si só, perante os últimos acontecimentos.

Retirem os holofotes, e o teatro, ou o circo dos horrores, como preferirem,   terminará suas sessões de tortura e, concomitantemente, restará afastado um nefasto projeto de poder.

Jose Saramago já deu a dica.

Se podes olhar, vê, se podes ver, repara.

 E impeça o desenrolar desta farsa.

 

*Parte de uma biografia não autorizada - um exercício de ficção

PS: Pela Teoria do Dominio do Fato, concretizada a candadatura, restaria claro que desde o início do julgamento da AP 470, o Relator já tinha em mente tal projeto de poder.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Porque não cassa a carteira dele então?

Porque não cassa a carteira dele então?

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de DanielQuireza
DanielQuireza

Jogo de cena da OAB. Ja

Jogo de cena da OAB.

Ja cansei de dizer aqui que o CNJ não tem prerrogativa de investigar o STF.

A OAB deveria apresentar a queixa ao Senado, que é a entidade adequada.

É óbvio que eles sabem disso muito melhor que todos nós aqui, mas não fazem provavelmente porque o objetivo é mesmo não dar em nada.

Seu voto: Nenhum (4 votos)

Bingo. O impeachment de Collor

"A Câmara dos Deputados, por sua vez, criou uma comissão especial para dar parecer sobre a denúncia por crime de responsabilidade oferecida pelos então presidentes da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), Barbosa Lima Sobrinho, e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Marcelo Lavenère. "

http://www.oab.org.br/noticia/24570/processo-de-impeachment-de-collor-fa...

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de Rodrigo Negrão
Rodrigo Negrão

Bom, como advogado eu recebi

Bom, como advogado eu recebi a moção de repudio em meu e-mail, e ela NÃO FOI direcionada ao Ministro J Barbosa.

A moção é no sentido de que o CNJ deve avaliar se o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL cometeu algum tipo de ilegalidade ao transferir o Juíz DE UMA PARA UMA OUTRA  DAS DEZENAS DE VARAS DE EXECUÇÃO PENAL DO DISTRITO FEDERAL.

Evidente que o nenhum Ministro do STF tem competência constitucional para invandir a esfera de Administração dos Tribunais de Justiça.

Os advogados em geral repudiam a transferência de Juízes mediante ordem dos Tribunais, exatamente para preservar princípios maiores e evitar que Juízes sejam alvo de perseguição pelo fato de terem determinada opinião. Isso garante a legitimidade do Judiciário.

O assunto é tratado como se o Juiz Substituido estivesse FORNECENDO ALGUMA VANTAGENS AO PRESOS DO PT E ISSO NÃO É VERDADE, MUITO AO CONTRÁRIO.

De início ele se negou a assumir as execuções sob a alegação de que não tinha nada com isso e que ficaria muito exposto.

Depois, o Juiz transferido deixou o Genoino agonizar na cadeia sob a alegação de que ele não tinha nada e estava só nervoso com a prisão.

No dia seguinte ligou ao Presidente do STF e disse que o caso era grave.

A situação é que a omissão do Juiz colocou em risco a vida de um condenado

A notícia do referido site, além de confusa, é mentirosa e falsa.

A OAB como instituição não tem motivos para apresentar nota de repúdio em relação a um Ministro por sua condução no processo. A OAB como instituição não tem, não pode e não deve ter solidariedade alguma em relação ao xororo de condenados.

Alias, a OAB como intituição preservará a legitimidade da Justiça Brasileira e das decisões da Corte Maior, divergindo das decisões somente os seus inscritos, enquanto pessoas ou advogados.

O PT quer solidariedade na marra.

Alias, vou encaminhar a OAB a matéria e pedir que sejam tomadas medidas, eis que a OAB não apresentou nota de repúdio a  DETERMINA PESSOA E SIM A DETERMINADO FATO que se originou por ato da Presidência do TJ/DF.

A notícia denigre a imagem a da OAB como instituição ao fazer entender que tomou partido no assunto.

Seu voto: Nenhum

Rodrigo

Quando você "encaminhar a OAB a matéria e pedir que sejam tomadas medidas, eis que a OAB não apresentou nota de repúdio a  DETERMINA PESSOA E SIM A DETERMINADO FATO", como você diz que fará, não esqueça de dar a sua versão (seu comentário acima) sobre os acontecimentos, quem sabe assim o mundo jurídico passa a acreditar na legalidade dos atos de Barbosa.

Seu voto: Nenhum (3 votos)

Rodrigo, todo o processo começa do início

O que fez a OAB?

Pediu que se apurasse a regularidade da substituição do magistrado.  É o início. Apenas o início.

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de Rodrigo Negrão
Rodrigo Negrão

Assis, como homen inteligente

Assis, como homen inteligente que é, não confunda os leitores do blog.

A OAB como instituição não tem qualquer interesse em saber o que os seus inscritos acham sobre os processos nos quais eles atuam.

A OAB deve agir, enquanto instituição, somente nos casos específicos onde seus inscritos tem tolhido o seu direito de exercer amplamante a profissão.

Cobrando, enquanto instituição de interesse público, a investigação dos crimes que envolvem dinheiro público, como foi feito no caso do mensalão e como esta sendo feito no caso trensalão e como é feito na maioria das situações que tais a estas.

Interpondo as ações em defesa da constitucionalidade das leis, por competência que lhe foi dada pela própria Constituição.

Como orgão de controle de classe dos advogados, a OAB questiona o mérito das decisões tão somente quanto é parte no feito, ou mesmo quando seus incritos sofrem perseguições relacionadas a livre atuação.

Não consta que quaisquer dos advogados tenha peticionado alegando a intervenção da OAB por ter havido cerceamento ao livre exercício da profissão junto a Corte Suprema.

Não consta que nem o próprio José Dirceu, enquanto advogado, muito embora não atuante, tenha pleiteado tal intervenção.

A OAB não pode, não deve e não irá contestar o mérito decisório da Corte Suprema.

Isso agora é matéria sópara fofocas e  conversas da carochinha, como esa tentativa doente em  transformar os condenados em herois, e os que o condenaram em vilão.

O Brasil conhece bem essa história e ela não terminou bem

Seu voto: Nenhum

Errado, Rodrigo

A OAB tem grande responsabilidade pelo respeito à legalidade do país. Sabe o que diz o ex-presidente da OAB Roberto Bartochio? Está escrito aí no texto da matéria. Você sabe que o presidente da AMB, João Ricardo dos Santos Costa, criticou a decisão tomada por Joaquim Barbosa de afastar o juiz de execuções penais de Brasília, chegando a afirmar
“Pelo menos na Constituição que eu tenho aqui em casa não diz que o presidente do Supremo pode trocar juiz, em qualquer momento, num canetaço”.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

E mais, Rodrigo

ESTATUTO DA ADVOCACIA E DA OAB
Lei nº 8.906, de 04 de julho de 1994

Art. 44. A Ordem dos Advogados do Brasil – OAB, serviço público, dotada de personalidade jurídica e forma federativa, tem por finalidade:
I – defender a Constituição, a ordem jurídica do Estado democrático de direito, os direitos humanos, a justiça social, e pugnar pela boa aplicação das leis, pela rápida administração da justiça e pelo aperfeiçoamento da cultura e das instituições jurídicas;

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de Rodrigo Negrão
Rodrigo Negrão

Agora você achou o ponto. O

Agora você achou o ponto.

O Battochio falou como advogado criminalista o e a sua opinião é a de um advogado da area criminal que atua em defesa dos interesses de diversas pessoas da alta casta da sociedade, tal como os condenados.

 Trata-se de opinião pessoal personalissíma, porém, sua opinião nem de longe pode ser confundida com a da a OAB como instituição, nem a dele, nem a minha, muito  menos a do Wadhi nao sei o que do RJ.

A defesa da constituição feita pela OAB é manifestada em suas ações diretas de inconstitucionalidade ou de constitucionalidade. O compromisso como Estado Democrático de direito, com a boa aplicação das leis vai além, eis que tem cadeira cativa no CNJ.

A opinião das Associações evidentemente são corporativas e dizem respeito a proteção de um magistrado, que diga-se, FOI EXPOSTO PELO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DF  e não pelo Supremo que não tem poderes para isso. Porém, o ódio das associações é explicado pela forma desrespeitosa que o Ministro os tratou em uma reunião que discutia a criação de novos TRF´s.

O que deve ser entendido que a OAB, enquanto Instituição, não vai se envolver em um julgamento que foi realizado na forma como a Constituição Federal prevê.

A discussão é somente SOBRE O MÉRITO DA DECISÃO. O mérito foi decidido por quem a Constituição previa, que é o STF. Por isso, a ordem democrática constitucional e o estado de direito foram inteiramente respeitados.

Agora o MÉRITO DA DECISÃO pode ser discutido, uns acham certo, outros errados.

O ditado diz que cabeça de Juiz é igual fundo de gaiola, só tem merd...

Os juizes erram ou acertam, é seu direito questionar.

Evidente que a OAB, enquanto insitituição, poderia requerer que legislativo acabe com o Foro Privilegiado e delegue o julgamento ao STJ. Porém, seria exdruxulo pedir anteriromente aos Parlamentares que realize tal mudança, até porque os condenados sempre foram a favor do Foro.

Porém, após as incongruências e discussões oriundas da suposta ausência de um duplo grau de jusridição, que o Parlamento se manifeste.

E a OAB ? Ah, a OAB já proporcionou que os advogados, somados todos os réus, recebessem mais de 50 milhões de honorários de todos os réus.

 

 

 

Seu voto: Nenhum

Abrindo o olho

A Globo, a OAB e até políticos da oposição querendo linchar ao Barbosa?

Se Barbosa continuar o STF estará obrigado a agir com o mesmo rigor com a tucanada de Minas. Eles não sairão na foto com a mão no alto e empunhada, mas assegurando o Green Card e o cartão da conta em Miami, oferecendo delação premiada contra todo quanto é grão tucano. Se Barbosa sair, o STF (supremo tucanato federal) poderá afinar as penas, arrumando tudo para ser apenas caixa 2. Com isso, as penas do PT reduzem-se para punições brandas para, em seguida, com a “mesma vara” (rs, rs, rs), em forma rápida e sem linchamento de mídia, aplicar essa mesmas penas para os tucanos, antes que abram o bico.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

O brasileiro é punido quando...

...deixa de cumprir e fere as normas legais.

Todo o mundo jurídico já apontou o não cumprimento de leis por parte do ministro Barbosa.

Quando chegará a punição do ministro?

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Punição?

Acho que nunca!!


Se as solicitações estão sendo feitas no CNJ que é presidido pelo Paladino de Paracatu, dadas a truculência e autoritarismo já vistos, não vai dar em nada!!

Seu voto: Nenhum (1 voto)

"Não tenho prova cabal contra Dirceu - mas vou condená-

Mais um

Volto a repetir: "A sociedade do direito está "surpresa" com os termos do julgamento da AP 470. Juristas ilustres de todas as vertentes, como, por exemplo, Yves Gandra Martins, já se manifestaram sobre muitas das irregularidades e ilegalidades cometidas neste julgamento. Livros estão sendo lançados, compilações de renomados acadêmicos em prelo, filmes sendo realizados. A sociedade civil já percebeu muitos dos absurdos e a grande imprensa já começou a apontar alguns dos desvios. O STF ficará só.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

"A sociedade do direito está "surpresa""..

Não Assis, ninguem foi surpreso, todo o mundo do direito adorou o linchamento dos petistas que eles todos (não encontrei até hoje um operador do direito que tenha ficado incomodado) odeiam os petistas, um odio de classe bem típico do "Ancien Regime " do século XIX.

O que está acontecendo agora é que acordaram para o fato que "pau que dá em Chico, dá em Francisco" e aí ninguem quer ver os amigos de clube, happy hour e festas de casamento da alta sociedade ser levados para nenhuma cadeia.

São muito chiques, so topam pagar multas, se possivel irrisórias.

Só isso.

É pura hipocrisia de todos os envolvidos.

Seu voto: Nenhum (4 votos)

também acho que o Assis está

também acho que o Assis está muito otimista. O STF não está só, talvez Barbosa fique. Mas mesmo assim, poderá sair revoltado com a 'proteção à corruptos" e ser o fator que levará a eleiçao ao segundo turno, já que a Marina está se reduzindo ao que é.

O pig está preocupado com os excessos do JB porque já estao ficando caricuturais. Essa de substituir o outro juiz por um tucano extrapolou. O pig quer manter a ficção da "nova era em que corruptos poderosos são presos". Até as Velinhas de Taubaté do Faceburro estão começando a desconfiar que isso possa ser sim perseguição aos petistas por pura vendeta. Daqui a pouco vão ter que botar um tucano na gaiola para provar que é verdade.

PS: Eu não me contento com um Azeredo não. Por Dirceu e Genoino, tem que ser o Serra e no mínimo o Jeressaiti 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Juliano Santos

Lionel, sim e não

Mesmo que estivessem adorando a condenação, os comentários sobre a extrapolação de normas jurídicas, a não observação de princípíos universais e o excesso de apenação;  a insegurança jurídica que traria foi, e continua sendo, a tona em qualquer roda de juristas. Todos os advogados dos réus são grandes referenciais no mundo do direito.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Sim, mas

a hipocrisia é que os doutores só estão preocupados agora que os petistas estão na cadeia...

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.