Revista GGN

Assine

Para Stiglitz, Nobel de Economia, sonho americano é um mito

Sugerido por Sérgio T.

Do Terra

Nobel de Economia diz que "sonho americano" é um mito

Progresso dos cidadãos nos EUA depende dos estudos custeados por seus pais, diz Stiglitz

O economista americano Joseph Stiglitz, ganhador do Prêmio Nobel em 2001, afirmou ontem, terça-feira, durante uma palestra no 7º Fórum Mundial de Cidades, que os Estados devem desempenhar o papel que lhes corresponde no planejamento das cidades ao considerar que o sonho americano, modelo que deixa as urbes nas mãos dos mercados, é um mito.

"O Estado tem que desempenhar um papel importante. O que me preocupa é que nos últimos 20 anos perdemos esse equilíbrio entre o papel do Estado e o do mercado", disse Stiglitz durante a palestra no fórum que acontece na cidade de Medellín, na Colômbia.

Para o economista, as cidades americanas de Detroit e Gary - lugar onde nasceu - são urbes "que fracassaram porque os governos não fizeram o que tinham que fazer" e as consequências da desindustrialização, de automóveis e aço respectivamente, as condenaram. "Os mercados não tratam bem a reestruturação urbanística", disse.

Além disso, questionou o sonho americano, que chamou de "mito", já que o progresso dos cidadãos nos Estados Unidos depende dos estudos custeados por seus pais, enquanto na Europa, com modelos considerados "mais rígidos", a educação é universal.

Stiglitz contrapôs o modelo dessas cidades americanas com a asiática Cingapura, "onde o Estado teve um papel fundamental em seu desenvolvimento"; a inglesa Manchester, reconvertida em polo musical, cultural e estudantil após sua desindustrialização; e a própria Medellín.

"Em muitos países querem copiar o modelo americano e eu quero chamar a atenção sobre isso: tenham cuidado com o que desejam, os EUA alcançaram o maior nível de desigualdade de todos os países desenvolvidos", disse Stiglitz, que atribuiu esse fenômeno a decisões políticas e não só a "forças econômicas".

Durante a manhã de ontem, em entrevista coletiva, Stiglitz alertou sobre as consequências para a Colômbia da assinatura de um Tratado de Livre-Comércio (TLC) com seu país: estes acordos "são elaborados para o interesse dos Estados Unidos e a favor de outros países avançados", disse o economista.

"Se seguimos as regras do jogo dos EUA terminamos com seus resultados negativos", acrescentou o economista. Além disso, Stiglitz pediu que o setor público pensasse nos pobres na hora de planejar a remodelação das cidades ou de construir novas urbes porque "o Produto Interno Bruto (PIB) não é uma boa medida do bem-estar".

"São os pobres que sofrem com uma cidade mal planejada: os pobres sofrem com os transportes ruins, com a falta de parques públicos e de habitação", disse. O Prêmio Nobel foi um dos convidados principais do 7º Fórum Mundial de Cidades de Medellín, que tem como objetivo buscar soluções para diminuir a crescente desigualdade nas cidades dos cinco continentes e reverter essa tendência para a promoção de um desenvolvimento mais igualitário.

 

 EFE

 

"No Brasil o governo focou na educação, na alimentação, na pobreza e é muito surpreendente como essas políticas provaram ser adequadas", disse Joseph Stiglitz, prêmio Nobel de Economia

Média: 4.6 (10 votos)
8 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de wendel
wendel

Seremos macaquitos..............

"Em muitos países querem copiar o modelo americano e eu quero chamar a atenção sobre isso: tenham cuidado com o que desejam, os EUA alcançaram o maior nível de desigualdade de todos os países desenvolvidos", ( Professor Joseph Stiglitz,)

Pena que nossa classe média, idiota e arrogante, não tenha ainda atentado para este detalhe, e vivem a copiar os modismos do Tio Sam! É só ir a Barra e Recreio para nos sentirmos em Miami ou Florida, com a maioria das lojas e condominios com nomes em inglês! O engraçado,  é que lendo uma reportagem sobre se os moradores conheciam o significado dos nomes de seus condominios, os mesmos informaram não conhecerem!

É hilário, para não dizer trágico!!!

Seus otários, continuem copiando, e depois criticam os argentinos por nos chamarem de macaquitos!!!!!

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Paulo F.
Paulo F.

Outro Nobel Phelps detona a casa própria

Do Diário de Notícias de LisboaEdmund PhelpsNobel da Economia recusa ter casa própria

por Texto da Lusa, publicado por Lina Santos Hoje

O vencedor do prémio Nobel da Economia em 2006, Edmund PhelpsO vencedor do prémio Nobel da Economia em 2006, Edmund Phelps

Aos 80 anos de idade, o Nobel de Economia Edmund Phelps continua a viver num apartamento alugado, não por falta de dinheiro ou de crédito, mas por acreditar que "o culto da propriedade de uma casa" prejudica a inovação.

"Queremos pessoas prontas a partir no dia seguinte para ingressar numa indústria ou encontrar algures um novo emprego", disse Edmund Phelps à agência noticiosa oficial chinesa Xinhua, numa entrevista difundida na terça-feira.

Segundo o economista, que está a participar no Forum Boao para a Ásia, o culto da propriedade de uma casa tende a "congelar as pessoas em posições fixas e irreversiveis", o que "não favorece a inovação".

Na China, mais do que "um culto", a propriedade de uma casa é um requisito essencial para um homem encontrar uma noiva e casar. E como há mais vinte milhões de homens do que mulheres, os pais dão sempre uma preciosa ajuda.

Edmund Phelps encontra-se na China para participar no Forum Boao para a Ásia, que decorre até quinta-feira na ilha de Hainan, no sul do país, com chefes de governo de oito países (Austrália, China, Coreia do Sul, Kazaquistao, Laos, Namíbia, Paquistão e Timor-Leste).

Na entrevista à Xinhua, Edmund Phelps disse que a China "tem grande potencial para se tornar um país inovador", mas salientou que "a inovação requer tambem valorizar o individualismo, a vitalidade, a curiosidade e a experimentação".

Em muitas sociedades, incluindo China e Estados Unidos da América, ter casa própria é considerado uma garantia de segurança, refere a Xinhua.

Para Phelps, no entanto, isso "entrava a mobilidade laboral" e, além disso, "o sentir-se seguro pode ser indesejável para dar forma a uma sociedade altamente inovadora".

Edmund Phelps, nascido em 1933, é professor de Economia Política na Universidade de Columbia, onde dirige um "Centro sobre Capitalismo e Sociedade".

O Prémio Nobel da Economia, no valor de 10 milhões de coroas suecas (1,16 milhões de euros), foi-lhe atribuido em 2006.

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de C. Acácio
C. Acácio

Stiglitz , para o Pig , o

Stiglitz , para o Pig , o novo Super Herói , o Homem Invisível ...

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Ihh, mais um

Ihh, mais um "antiamenricano", rsrs.

Gunnar Myrdal também falava do "credo" americano.

Seu voto: Nenhum (3 votos)

PJ não VOTA!

O Jornalismo acabou e a eleição não tem fim!

imagem de ArthurTaguti
ArthurTaguti

Perfeito. O Professor fala

Perfeito. O Professor fala com conhecimento de causa. O seu livro, The price of inequality, é um clássico para entender como o governo estadunidense, desde Reagan, desmantelou as políticas de bem-estar do New Deal/Pós-Guerra, aumentando sobremaneira a desigualdade social e dando aos EEUU o título de nação mais iníqua do mundo desenvolvido.

O irônico é que Stiglitz, Professor da Columbia University, não acredita no lasseiz-fare, no mercado como panaceia de todos os males, assim como o fazem todos os phd's brasileiros que voltam das universidades estadunidenses.

Os abismos sociais mais profundos, segundo Stiglitz, decorrem de opções políticas e não de "desigualdades naturais entre os seres humanos". E uma sociedade dividida, no caso, tem consequências econômicas profundas, como a queda da produtividade da mão-de-obra, o desperdício de recursos, o entrave a criatividade e a inovação, assim como mina a administração da justiça e o próprio processo democrático.

No mais, bate constantemente num ponto central de qualquer sociedade mais justa, e que no Brasil é totalmente negligenciado: a tributação. Não existe sociedade igualitária sem tributar de forma contundente a renda e o patrimônio dos ricos. Qualquer debate em torno da desigualdade precisa abranger esta questão, que aqui no nosso país é um assunto praticamente proibido.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

O artigo demonstra como o

O artigo demonstra como o Estado aceitou a alcunha de leviatã...

e cedeu para o mercado...

 e passou a ser dominado por este.

E é muito mais grave do que o Joseph Stiglitz diz:

"O Estado tem que desempenhar um papel importante. O que me preocupa é que nos últimos 20 anos perdemos esse equilíbrio entre o papel do Estado e o do mercado"

Não se trata apenas de perda de equilíbrio, se trata de submissão mesmo.

Dá para se entender as manifestações pelo mundo e a repressão do Estado.

Mais uma vez, tal como na década de 60...

População X sistema.

 

Seu voto: Nenhum (7 votos)

Lula para Nobel de economia,

Lula para Nobel de economia, já:

"No Brasil o governo focou na educação, na alimentação, na pobreza e é muito surpreendente como essas políticas provaram ser adequadas", disse Joseph Stiglitz, prêmio Nobel de Economia"

Seu voto: Nenhum (10 votos)
imagem de Roberto Monteiro
Roberto Monteiro

Se o bobama ganhou o da paz,

porque não o Lula ganhar o de economia?

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de Roque
Roque

Assis, é a proposição mais

Assis,

é a proposição mais lógica e sensata do meomento. Valeu! LULA merece ser Nobel.

Seu voto: Nenhum (4 votos)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.