newsletter

protesto

O perfil de três lideranças que mobilizam os protestos anti-PT e pela deposição de Dilma

Jornal GGN - Rogerio Chequer, Marcelo Reis e Sergio Zorovich. A edição de O Estado de S. Paulo deste domingo (14) traz um perfil das três figuras que têm mobilizado protestos anti-PT e pela deposição da presidente Dilma Rousseff (PT), em São Paulo.

Para o Estadão, Marcelo Reis (imagem ao centro), que apareceu ao lado de Lobão nas últimas semanas, é o mais "radical". A aversão ao PT é tamanha que ele não encosta em qualquer objeto de cor vermelha. Hoje, o adminitrador chama atenção com sua página no Facebook, o Revoltados ONLINE. Nela, ele pede contribuições financeiras para desempenhar seu papel de opositor ao atual governo. Reis contou que só em novembro passado gastou R$ 40 mil em atos contra Dilma.

O moderado, o radical e o interventor

Do Estadão

Um empresário, um administrador e um oficial da reserva da Marinha são a nova face dos protestos contra o governo e o PT

Rogerio Chequer

Empresário de 46 anos

'Não somos a favor, agora, de impeachment'

"Deixe muito claro que nós somos totalmente contra a intervenção militar", pediu Rogerio Chequer, empresário de 46 anos, ao Estado. Ele é um dos criadores do Movimento Vem Pra Rua, que lidera parte dos protestos anti-Dilma Rousseff que foram às ruas nos últimos meses. Segundo Chequer, o grupo não defende o impeachment da presidente. Mas afirma que a opinião sobre o tema ainda "pode mudar".

Leia mais »

Média: 1.9 (18 votos)

O cachimbo da paz de Aécio, Lobão e dos Revoltados Online

Senador convocou, em vídeo, uma manifestação no último sábado (6) contra o governo atual, mas viajou com a família

Jornal GGN - Após ter sido criticado por faltar ao protesto na Avenida Paulista que ele mesmo ajudou a convocar para o último sábado (6), o senador Aécio Neves (PSDB), candidato derrotado na última eleição presidencial, justificou-se para o cantor Lobão, que também colaborou com a passeata que reuniu algumas centenas de pessoas insatisfeitas com o governo e a reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT).

Em vídeo, Aécio fez um longo discurso sobre a corrupção nos anos de administração do PT no Planato, citando, principalmente o caso Petrobras. No sábado, o senador eleitor José Serra (PSDB) juntou-se aos manifestantes, mas a presença de Aécio foi cobrada até mesmo por Lobão.

Essa semana, o músico foi ao Congresso Nacional para, entre outras coisas, acompanhar o final da votação do PLN 36/14 - projeto que que permite ao governo reajustar a meta fiscal deste ano. Ao encontrar com Aécio nos corredores, Lobão ouviu a desculpa do senador: “Aquele negócio do sábado lá, me pediram para dar uma força, mas eu não estava programado para ir", contou o tucano.

Leia mais »

Média: 2.1 (8 votos)

Fila para exame de próstata é confundida com protesto

Enviado por Miguel A. E. Corgosinho

Do Metrópole

Só se vê na Bahia! Fila para exame de próstata é confundida com protesto

Só se vê na Bahia! Fila para exame de próstata é confundida com protestoFoto: Reprodução/Evandro Veiga/Correio*

Na manhã desta sexta-feira (7), uma guarnição da 18ª CPM (Periperi) foi chamada por moradores da Rua da Ressurreição, em Alto de Coutos, para conter uma manifestação promovida por um grupo de cerca de mil homens. Ao chegar no local, em frente à paróquia da região, a surpresa: tudo não passava de uma fila de marmanjos que se preparavam para serem atendidos no segundo dia da Ação de Saúde do Homem, promovida pela Fundação José Silveira. A iniciativa é  inspirada no Novembro Azul, mês em que se realizam campanhas que promovem exames preventivos do câncer de próstata, com os exames de toque, glicemia, e ultrassom. Só se vê na Bahia!

Leia mais »

Média: 4 (4 votos)

Aécio chama protesto por corrupção, mas omite suspeita contra a mineira Copasa

Jornal GGN - Fazendo uso das redes sociais nesta sexta-feira (5), o senador Aécio Neves convocou uma manifestação para o sábado (6), que sairá do MASP, na Avenida Paulista (SP), às 15h, contra a corrupção que "aconteceu e vem acontecendo no Brasil".

Aécio disse que é preciso expressar nas ruas, de maneira "pacífica", a indignação das pessoas com os esquemas de corrupção revelados pela Polícia Federal na Operação Lava Jato. "Já dizíamos que o escândalo da Petrobras era o maior caso de corrupção do Brasil, mas a coisa não para de crescer, e agora já estamos sabendo que não era apenas na Petrobras", disse o senador derrotado na disputa presidencial por Dilma Rousseff (PT).

Aécio se referiu, indiretamente, a uma lista apreendida pela Polícia Federal na casa do doleiro e delator do esquema na Petrobras, Alberto Youssef. Segundo a corporação, Youssef intermediava contratos para várias empresas com o poder público.

Leia mais »

Média: 5 (10 votos)

A responsabilidade do PSDB em pedir auditoria da eleição

 
Responsabilidade democrática é como chá de erva-cidreira: não faz mal, só faz bem. Acalma o coração, limpa o estômago e dá um gostinho de frescor na boca. 
 
O PSDB tem o direito de pedir a auditoria da eleição, é claro. Se tiver suspeitas concretas, tem mesmo o dever. Ainda assim, até para exercer direitos é preciso responsabilidade. Num clima como o que vivemos, é preciso responsabilidade em dobro. O pedido deveria vir lasterado por indícios e evidências sólidos. Parece não ser o caso.
 
Faze-lo com base na suspeita das redes e no que se diz por aí, é de lascar. É não conhecer a rede e desconsiderar a fragilidade histórica da democracia, no Brasil; é se deixar levar pela pior demagogia, pela fantasia; é tangenciar o perigo, animar os espíritos retrógrados. E negar o próprio senso democrático e a história de vários líderes históricos que deram vida a esse partido. E, paradoxalmente, ao se desmoralizar, dar força para o outro lado. 
 
O PSDB tem o direito de fazer oposição, uma oposição melhor e até mais aguerrida do que a que fez até aqui. Tem mesmo o dever de fazê-lo. Mas, espera-se mais dos tucanos do que um jus sperneandi de diretório acadêmico do CCC.
 
Seria muito bom que Aécio Neves, no alto de seus votos e da presidência do PSDB, viesse a público e desqualificasse iniciativas suspeitas e discursos tortos que pedem a volta de militares e coisas do gênero. "Bolivarianismo", se houver, não deve ser combatido com "lacerdismo".
Média: 4.4 (10 votos)

É preciso deixar as manifestações mais claras

Enviado por Assis Ribeiro

A dura tarefa de se opor ao que está dando certo

por Ladislau Dowbor

 
Oposição nos traz a ideia de resistência, de buscar travar um processo que consideramos errado ou nocivo. Os seringueiros se opuseram ao desmatamento, buscavam bloquear as máquinas. É uma guerra dura contra interesses dominantes, mas pelo menos as coisas são claras. Bastante mais complicado é se posicionar quando se trata não de reverter tendências, mas de acelerar e aprofundar o processo. De certa maneira, trata-se de empurrar esse imenso paquiderme chamado governo, carcomido por interesses de grandes grupos agarrados por todas as partes, para que avance mais e melhor. A grande realidade, o elefante na sala, para ficarmos nos paquidermes, é que as políticas adotadas nos últimos anos no Brasil estão dando certo. Mas poderiam dar muito mais.
 
Isso gera sem dúvida problemas grandes para a direita, a que quer reverter os processos, pois não pode dizer a que vem: os programas sociais, o avanço da repartição do produto, os programas para os segmentos mais pobre da sociedade e semelhantes só são atacáveis por quem queira fazer um suicídio eleitoral. Sobra a improbidade administrativa, esse eterno cavalo de batalha que é a corrupção (que soberba lição de ética nos deram Jânio Quadros com a “vassourinha”, os militares no poder ou o caçador de marajás de Alagoas), ou a frágil proclamação de maior eficiência para fazer o mesmo. A direita, para travar os avanços, apela para elevados sentimentos de ética, o que pode gerar confusão, mas não constrói alternativas.
Média: 5 (6 votos)

Marcha em Detroit contra os cortes de água por inadimplência

Jornal GGN - Os moradores da cidade de Detrot (Michigan, Estados Unidos), também estão sofrendo com problemas de falta de água. O fornecimento já foi cortado em milhares de residências e está previsto para outras tantas. A medida é uma resposta do Departamento de Água e Esgoto da cidade para enfrentar a inadimplência. Moradores marcharam contra os cortes.

Enviado por Miriam L

Do Common Dream, via Carta Maior

Milhares marcham em Detroit contra os cortes de água

Por Sarah Lazare

Moradores suspeitam que os cortes fazem parte de um plano de gentrificação e ONU considera a falta de abastecimento uma grave violação aos direitos humanos

Na tarde desta sexta-feira, milhares de pessoas compareceram a um protesto em Detroit, onde demandavam a proibição dos cortes de água massivos que têm, segundo os manifestantes, deflagrado um problema de saúde pública na cidade.

Dezenas de sindicatos e organizações americanas e internacionais apoiaram a marcha, que protestou em favor da religação imediata da água de milhares de residências onde o fornecimento já foi cortado e o cancelamento dos milhares de cortes previstos. “Quanto mais atenção pudermos atrair para essa questão, mais poderemos aliviar esta crise que não deveria estar acontecendo,” foi o que declarou ao Common Dreams Shea Howell, do grupo Detroiters Resisting Emergency Management.

O Departamento de Água e Esgoto de Detroit (DWSD) anunciou no mês passado a implantação de um plano para aumentar os cortes de água nas casas que estejam devendo mais de 3000 dólares. Quase a metade de todas as residências estão com contas atrasadas — uma situação que tende a piorar, visto os contínuos aumentos nas contas de água e o corte nos benefícios públicos.

Leia mais »

Média: 5 (1 voto)

Em Brasília, grupo organiza protesto por maior participação política

Nesta segunda-feira (23), grupos prometem ir às ruas na capital do país para pedir uma maior participação política. O protesto, chamado evento Copa pra quem?, ocorre no dia em que Brasília recebe o jogo do Brasil e Camarões com a expectativa de lotar os 70 mil lugares do Estádio Nacional Brasília Mané Garrincha. Convocado pelo Facebook, 2,4 mil confirmaram presença na manifestação.

"Os olhos do mundo estarão sobre nós", diz o integrante do Comitê Popular da Copa-DF, Thiago Ávila. A manifestação será por participação política e pela construção do poder popular. "O poder popular fica restrito a conselhos, a conferências e a orçamentos participativos, que são consultivos, não têm poder para deliberar políticas públicas", explica Ávila. Segundo ele, é necessário que a população tenha o poder de decidir a implementação de ações e não apenas dar opinião sobre elas.

Uma maior participação popular na tomada de decisões foi uma das reivindicações dasmanifestações de junho do ano passado, que não chegou a ser atendida, de acordo com o grupo.

Leia mais »

Média: 2 (10 votos)

Número de protestos em cartórios aumenta 10% em São Paulo

Jornal GGN - Os tabeliães de protesto da capital de São Paulo receberam 68.595 protestos de títulos em maio de 2014, o que representou uma alta de 10,6% em relação a abril (61.987) e 5,3% na comparação com o mesmo mês do ano passado. A informação é do Instituto de Estudos de Protesto de Títulos.

Segundo o balanço da entidade, divulgado esta semana, foram apresentados também no mês de maio 198.458 títulos contra 191.866 em abril e 195.128 em março. Os cancelamentos também aumentaram: 21.304 títulos contra 20.583 em abril e 18.633 em março. Leia mais »

Sem votos

Movimentos sociais pedem que Barbosa "cumpra a lei" no caso do mensalão

Jornal GGN - A decisão de Joaquim Barbosa de atropelar uma jurisprudência de 1999 e revogar a autorização de trabalho externo de figuras condenadas no julgamento da Ação Penal 470, mais conhecida como mensalão, foi a gota d'água para movimentos sociais que assistem de longe aos passos do presidente do Supremo Tribunal Federal. Um protesto marcado para a próxima quinta-feira (29) pelo Movimento dos Sem Terra (MST), em Brasília, promete cobrar que o ministro "cumpra a lei" e devolva ou conceda o direito aos apenados. Entre eles, o ex-ministro-chefe da Casa Civil de Lula, José Dirceu (PT).

“Os movimentos sociais finalmente viraram reacionários. Vamos fazer uma manifestação para que se cumpra a lei”, ironizou João Pedro Stédile, uma das lideranças do MST, no início da semana, quando anunciou a manifestação. “Faremos uma manifestação para que o imperador Joaquim Barbosa respeite as leis da Constituição Brasileira", completou.

Nesta quinta (22), a Comissão Brasileira Justiça e Paz, organismo vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), soltou nota sobre a execução da Ação Penal 470. Para a Comissão, decisões neste caso "têm suscitado críticas e preocupações na sociedade civil em geral e na comunidade jurídica em particular. A nota evidencia os problemas levantados pela Pastoral Carcerária, por decisões judiciais que levam a "condenações sem provas" e "negam a letra da lei" com "interpretações jurídicas absurdas", o que foi notado no julgamento do mensalão.

Leia mais »

Média: 5 (15 votos)

Movimentos sociais marcam protesto contra Joaquim Barbosa

Sugerido por Gilson AS

De O Tijolaço

Stédile: Movimentos sociais farão protesto dia 29/05 contra Joaquim Barbosa

A liderança mais conhecida do Movimento dos Sem Terra (MST), José Pedro Stédile, um dos palestrantes neste sábado no Encontro Nacional de Blogueiros, anunciou que diversos movimentos sociais acertaram, na última sexta-feira, a realização de uma caminhada até a sede do STF em Brasília, no dia 29 de maio, para protestar contra a decisão de Joaquim Barbosa de proibir o trabalho externo de José Dirceu.

Ele convocou a todos a participarem da manifestação.

“Os movimentos sociais finalmente viraram reacionários, nós vamos fazer uma manifestação para que se cumpra a lei”, ironizou Stédile.

Leia mais »

Média: 4.7 (12 votos)

Moradores de favelas promovem Copa Popular como protesto contra remoções no Rio

Com objetivo de denunciar as remoções que ocorrem devido a obras para a Copa do Mundo e as Olimpíadas de 2016, moradores de favelas iniciaram hoje (27) a disputa da Copa Popular. A competição reúne times formados nas próprias comunidades ou por representantes da classe trabalhadora, incluindo vendedores ambulantes. A organização do evento, que começou na Favela Dona Marta, em Botafogo, zona sul do Rio, é do Comitê Popular da Copa e das Olimpíadas.

De acordo com o integrante da entidade Renato Cosentino, mais de 20 mil famílias tiveram que abandonar suas casas, desde 2009, para dar lugar aos projetos esportivos ligados à Copa e às Olimpíadas.

“Fizemos a primeira Copa Popular em 2013, com os atingidos pelas remoções, no dia da estreia da Copa das Confederações. A deste ano está sendo realizada em diversas etapas, em várias regiões da cidade. Não só com os removidos, mas também com outros grupos, como a Frente Nacional dos Torcedores, que questiona a elitização dos estádios, e o Movimento Unido dos Camelôs, que estão tendo o seu direito ao trabalho violado na preparação da cidade para a Copa e as Olimpíadas.”

Leia mais »

Média: 2.7 (11 votos)

Força Sindical projeta uma greve por semana até a Copa

Jornal GGN – A Força Sindical, entidade até há pouco tempo encabeçada pelo deputado federal Paulinho da Força (ex-PDT, hoje no Solidariedade e no arco de alianças do PSDB), pretende mobilizar categorias de trabalhadores para promover uma paralisação por semana até a Copa do Mundo.

Uma reunião realizada em São Paulo na semana passada, com lideranças de diversos setores, estabeleceu um calendário que tem como marco inicial o dia 1º de maio. A expectativa é de que metalúrgicos, trabalhadores da indústria alimentícia e da construção civil iniciem a operação "braços cruzados" neste dia.

Leia mais »

Média: 1.3 (13 votos)

Na contramão da Copa, Folha lança "protestômetro" em 10 cidades

Enviado por Dani

Do Brasil 247

A 60 dias da Copa, Folha lança o "protestômetro"
 

A exatos dois meses da Copa de 2014, a Folha de S. Paulo, jornal comandado por Otávio Frias Filho, lança uma ferramenta em seu site batizada de "protestômetro" (leia mais aqui). O objetivo declarado é levar aos leitores informações sobre manifestações em diversos pontos do País.

Neste fim de semana, em entrevista às páginas amarelas da revista Veja, o sociólogo Mauro Paulino afirmou que as eleições de 2014 serão imprevisíveis e destacou dois pontos relevantes: o fator Copa e a possibilidade de repetição de grandes protestos, como os ocorridos em junho do ano passado.

Leia mais »

Média: 3.7 (3 votos)

Governo Dilma não é mais unanimidade entre centrais sindicais

Sugerido por Alfeu

Da Rede Brasil Atual

Centrais cobram mais atenção do governo e já olham para 2015
 

Quando cinco centrais sindicais se reuniram em 2010, no estádio do Pacaembu, em São Paulo, o país mostrava bom desempenho na economia, o que seria confirmado com o anúncio do maior Produto Interno Bruto (PIB) em 25 anos, recorde na criação de empregos com carteira assinada e reduzidas taxas de desemprego.

Naquele momento, as entidades aprovaram uma pauta, chamada de agenda trabalhista, para ser entregue aos então candidatos ao Palácio do Planalto. Quatro anos depois, as centrais têm avaliações diferentes do cenário econômico e político, mas coincidem ao afirmar, externa ou reservadamente, que faltou articulação ao governo Dilma Rousseff. Os sindicalistas reclamam que o Executivo ouviu pouco os representantes dos trabalhadores. Com a economia em ritmo mais lento – mas não tão ruim quanto querem fazer crer alguns comentaristas –, e candidaturas de oposição tentando crescer, a postura das entidades sindicais mudou.

Leia mais »

Média: 2.3 (6 votos)