A democracia brasileira está morta, por Fernando Horta

O exército não é uma instituição que cultive qualquer traço de democracia. Pelo contrário, é uma instituição autoritária, brutal, elitista e – agora sabemos – totalmente mal formada em termos cognitivos.

Foto Pedro Ladeira - Folhapress

A democracia brasileira está morta

por Fernando Horta

A informação é de que o General Braga Neto é o novo “acting president” do Brasil. Primeiro, esta figura jurídica não existe. Vivemos num presidencialismo e o poder do executivo está a cargo do presidente e do vice que foram sufragados. Segundo, que a figura de um “acting president” (presidente em exercício) subverte o pouco que existia das instituições, fecha o autoritarismo neo-militar no Brasil e consolida o sucesso do método das “aproximações sucessivas” que parece ser tudo o que os militares aprendem na academia.

Não era preciso qualquer doutorado para se saber que a figura nefasta e inepta de Bolsonaro não teria qualquer possibilidade de governar o país. A aposta das elites é que ele seria tutorado por uma tríade forte composta por Guedes, Moro e Mourão (ou Heleno). Todo o resto era desimportante e poderia ser deixado de lado para que Bolsonaro oferecesse os cargos a palhaços e palhaças com única função de entretenimento.

Desde o início o plano era esse. Ocorre que os idealizadores deste plano esqueceram que Bolsonaro havia sido expulso do exército exatamente por ser incapaz de obedecer regras e cumprir minimamente funções que lhe eram dadas. Os anos como deputado, ao invés de lhe darem algum senso de realidade, serviram apenas para que ele se convencesse de que era inteligente, sagaz e capaz liderar o país na limpeza contra o comunismo. Basicamente, ele se convenceu de que era um novo e melhorado Mussolini, mesmo sem saber nada do líder italiano.

Também não entenderam, os que apoiaram a derrocada do Brasil, que Guedes era conhecido no meio economicamente como uma pessoa tecnicamente fraquíssima e com sérios problemas éticos. Que Moro sempre foi incapaz juridicamente e só pode fazer o estrago que fez as instituições brasileiras porque o nosso judiciário tem cerca de 19 mil juízes que são ungidos à infalibilidade e onipotência a partir de um mísero concurso público, podendo, parar o país, empresas, prender ou soltar ao seu bel prazer. Especialmente se tiverem amigos e cúmplices nas instâncias superiores. Este foi o papel do TRF4. Moro não tinha qualquer legitimidade técnica na lava a jato. A operação foi um exemplo de violência institucional politicamente orquestrada que será estudada por anos e modelos de contenção e punição serão desenvolvidos.

Leia também:  Rivaldo Venâncio: Nosso gargalo está mais no acesso à rede de assistência do que na falta de testes

Sobre a presença da “ala militar” no governo há um sério problema. O exército não é uma instituição que cultive qualquer traço de democracia. Pelo contrário, é uma instituição autoritária, brutal, elitista e – agora sabemos – totalmente mal formada em termos cognitivos. Todo general é o fruto mais bem acabado do trabalho institucional e quando um general diz que “o negro é malandro” ou o “índio indolente” vemos que a instituição não foi capaz de ensinar o mínimo de civilidade àqueles que deveriam ser o espelho vivo do trabalho institucional. Precisamos reformular toda formação do nosso exército ou ficaremos tomando golpes e mais golpes pelos próximos séculos. A “linha da Sourbonne” do exército atual foi afastada por Bolsonaro com a queda do general Santos Cruz. Indiscutivelmente é o general com maior capacidade cognitiva e compreensão social de todos os que infestam o poder executivo. A sua saída já representava a guinada à caserna e seus toques de “sentido” e “descansar” a tentar comandar a população.

Agora, em uma medida que já vinha sendo pedido pela mídia e setores ricos do Brasil, Bolsonaro é afastado do poder sem pompa nem circunstância. O General Braga Neto – aquele que estava no comando quando do fuzilamento do músico negro Evaldo dos Santos Rosa e sua família no Rio de Janeiro – assume o comando do Brasil “durante a crise”. Jornais internacionais já dão conta do “golpe” no Brasil e autoridades de outros países já foram comunicadas do “resguardo” de Bolsonaro e quem efetivamente agora dá as ordens.

Os que pensam esta solução, de novo, cometem alguns graves erros.

O primeiro erro é acreditar que Mourão, Heleno e outros vão aceitar este golpe e se conformar. A presidência brasileira é um ativo muito cobiçado e com o capitão fora da linha de comando efetiva e figurando como uma “rainha da Inglaterra”, teremos o mesmo ódio que Costa e Silva sentiu de Castelo Branco em 1964 de volta no país. Pelo lado de fora, o exército parece uma instituição disciplinada e sólida. Por dentro, é uma “casa da mãe joana” com fuxicos, traições, canalhices e disputas políticas sujas e baixas. A diferença é que todos se vestem quase iguais e não denunciam os absurdos de que são vítimas ou fazem parte.

Leia também:  Hoje visto como inimigo, Alexandre de Moraes já foi elogiado por Bolsonaro

O segundo erro é acreditar que o processo democrático é tão somente um mecanismo de escolha de quem vai ser presidente. Se democracia é apenas isto, pode-se manter Bolsonaro como marionete a acenar para as pessoas e ofender nas redes sociais e deixar “para os adultos” as decisões do país. Ocorre que democracia não é só isto. Há um dístico em qualquer democracia: representação e participação. E o primeiro ponto aqui é chave. Quem votou no capitão fascista é porque se sentia REPRESENTADO por ele. E este sentimento é tão forte que até o exército será moído pelos fascistas numa relação complexa mas que já foi mapeada na história. As primeiras oposições a Hitler e Mussolini vieram dos exércitos alemão e italiano. E o fascismo subverteu o exército com a facilidade com que acabou com a direita liberal e moderada naqueles países. O PSDB já deixou de existir. O fascismo fagocitou os eleitores de Aécio, Serra e Alckmin. Fará o mesmo com os soldados de papel-machê verde-oliva. É só uma questão de tempo.

Há ainda que se considerar os elementos desestabilizantes como os evangélicos neopentecostais e a sanha dos charlatões por poder. Será difícil acomodar Malafaias, Felicianos e outros em sua cruzada pelo poder. E mesmo que Olavo de Carvalho venha a “falecer” subitamente (como era costume em ditaduras nos seus primeiros momentos) há um sentido de “participação ativa” no fascismo brasileiro que ainda precisaria ser domado pelo próprio Bolsonaro para solidificar o regime. Sem o líder, estes “radicais livres” não poderão ser contidos.

Leia também:  Brasil, o fim. Por Rui Daher

Em pouco tempo o “capitão” será “convidado a se retirar” do governo. O termo é muito conhecido na caserna. Ele mostra a tentativa das bestas-fera armadas e fardadas de serem polidas e educadas o suficiente para serem aceitas pelas elites endinheiradas. Bolsonaro, ungido por uma facada controversa, será colocado no panteão dos heróis da pátria e vai “cair para cima” no novo planejamento do poder no Brasil. A questão é que um fascista santificado é ainda mais forte e quem está pensando nesta solução não tem conhecimento suficiente para saber que está criando um monstro ainda mais perigoso.

Tudo isto, acontecendo em meio à pandemia do coronavírus, à fome e violência urbana que surgirão em função da desorganização econômica mundial e num momento em que temos uma liderança mundial perversa. Noutros tempos os países poderosos e ricos se tornaram “lideranças benevolentes” procurando manter ordem, vida e contratos capitalistas que lhes permitissem manter o domínio por décadas vindouras. Foi assim com a Inglaterra no século XIX e com os EUA depois da segunda guerra. Agora, Trump é totalmente incapaz de compreender a função dos EUA no mundo e já se colocou em rota de guerra com a Venezuela e em atos de pirataria moderna, roubando equipamentos e mantimentos destinados à França, Alemanha e Brasil. “America first” de Trump é real e é uma pena que Bolsonaro tenha também batido continência à bandeira americana e colocado o Brasil de quatro para os EUA. Agora, diferentemente de 1964 é Bolsonaro – e não o exército – que é aliado dos EUA. Um golpe contra o fascista tem que levar em conta a oposição norte-americana.

Fique em casa. Mantenha-se vivo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

11 comentários

  1. Humor na Crise (precisa abrir esta editoria para amenizar)
    – O humorista mineiro Gustavo Mendes que faz imitação de Dilma Roussef, fez o vídeo em seu canal (BOLSONARO É O ÚNICO QUE ESTÁ CERTO NO MUNDO! “AFIRMA, DILMÃE) onde o presidente brasileiro, ao contrário do Papa e de outros governantes é o único certo na avaliação do coronavírus. Tá certo que este lhe custou o governo, mas… tá certo.

    https://www.youtube.com/watch?v=eP94kryYHVw

    Tem também a crítica à enrolação sobre os R$ 600,00
    PAGUE LOGO ESSA P*RRA, BOLSONARO! EXIGE, DILMA!
    https://www.youtube.com/watch?v=S2zlISifArU

    • Democracia? Quanto tivemos Democracia? Estávamos construindo isto até 1930, num rebento dos mais promissores da História da Humanidade, com igualdade, fraternidade e miscigenação que foi destruído por Golpe Civil Militar Esquerdopata Fascista da sandice de um Ditador Caudilho. Estadunienses votam de forma facultativa em cédula de papel em urnas de papelão pelo Candidato a Candidato. Aqui, os Donos de Partidos entregarão seus Nomes de forma impositiva e ditatorial. Escolham o menos pior. Aceitem a “lavagem” da Estrutura Política Brasileira. É melhor que passar fome. É a tal Democracia Brasileira.Democracia?!! Pobre país rico. Mas de muito fácil explicação.

  2. Acho que o fator mais importante da Elite militar, que odeia Bolsonaro e vice-versa, é saber como seria a reação da guarda pretoriana de Bolsonaro, as pms dos estados. Não é impossível que chegue-se ao ponto de haver um embate entre Forças Armadas e PMs. Pra mim é claro que Bolsonaro não será tirado do poder sem causar caos e derramar sangue.

  3. “…para serem aceitas pelas elites endinheiradas.”

    Um dia os doutores vao acordar para o fato de que as tais elites endinheiradas e os boçalnaros sao feitos do mesmissimo material. Jabuti não sobe em arvore. Ilusões sobre as escaramuças no campo da direita, sobre as disputas pela “cabeça de chapa”, distraem demais a esquerda partidária e grande parte dos cientistas e analistas políticos.

  4. Lúcido! Tão lúcido que eu lembrei que morcego não faz xixi de cabeça para baixo, ele se ajeita e faz. Que pena que o Brasil não é um morcego sensato. Vamos mijar na cara. E fazíamos piada com português parecer engraçada. Nós somos a piada. Grato pela sua ótima observação Fernando Horta.
    O Brasil é dos bancos.

  5. “Ave VerdeSauvas, morituri te salutant”, Paródia.

    Nassif: aos poucos vai se revelando a Fera política e desgraça dessa Nação. Os VerdeSauvas, na quase totalidade dos últimos 130 anos, vêm fustigando a Nação, desgraçando o Povo, delapidando as riquezas naturais e econômicas. Aqui e ali um deles se dá conta dos desvios de finalidade institucional e logo aparece um “incidente” para tirá-lo do caminho. Incapazes, como bem demonstra o artigo, de administrar, politica, econômica e socialmente, o Brasil por meios racionais usam a DemocraciaDaBaioneta para governar, tendo a bala como sua razão. Não são todos, mais, lamentavelmente, o que temos é um balaio de frutas onde a maioria podre compromete a minoria saudável e útil. Alias, o poeta Antônio Nobre já havia vaticinado — “Pobre dos Lusíadas, tão abandonado. Antes fosse prá soldado, antes fosse pro Brasil”.

  6. O TRAGÉDIA que se anuncia tem o poder de afastar o risco de uma ditadura.

    Primeiro que a continuar o atual desgoverno, sobrará pouca coisa para se administrar e/ou governar.
    Estaremos diante uma terra complemente arrasada. com milhões de mortos e feridos, e as fileiras das forças não serão poupadas, muito pelo contrário, já que serão em algum momento nas primeiras fileiras de combate ao novo coronavírus, com ou sem o governo eleito em 2018,
    Não mutias vidas e empresas estão em risco, como o próprio capitalismo.
    O neoliberalismo já está derrotado, e espero que que permaneça nos trevas, por um prazo infinitamente maior do que ficou após a crise de 2008.

    Quanto mais tempo passar para membros das forças serem chamadas para dar sua contribuição, uma das sua principais funções, será o recolhimento dos corpos abatidos pelos coronavírus.

    O tempo urge!
    O quanto antes precisamos levantar os hospitais de campanha, a desinfecção dos lugares públicos, e os testes em massa.

    O mais provável é enorme dor da contagem dos mortos, unirá a população em torno do comum, que bem afastará o risco das tentações permanentes que estão presentes nos quartéis.

    Estamos todos em risco, e quanto mais demorar este desgoverno, maior será dor de perder um ente querido, a ser vivida por todos.

  7. Entre militares malucos, políticos corruptos, evangélicos ensandecidos, bozoloides raivosos e golpistas de plantão, eu e minha família vamos sobrevivendo. Só não sei até quando.
    Sou agnóstico, mas numa hora como esta… Peço que Deus nos ajude.

  8. E não é de agora mas desde o golpe de 64 embora PT e Lula ajudaram a manter o circo ou faz de conta ou engana bobo aliando-se as elites, CIA, militares, mercado, bolsa, Fiesp, etc., no golpe contra Collor para trair Brizola presidente em seguida mantendo rumo neoliberal sociopata de FHC e do PSDB a gosto dos coronéis do mercado sempre…Afastaram militares apenas da fachada do regime mas com os mesmo de sempre ou globo e mídias amestradas de sempre, militares, CIA, mercado, bolsa, Fiesp e igrejas e partidos todos destes trinta anos sustentando o circo…

  9. A democracia brasileira está em ponto morto desde 2016 ( se é que um dia ela de fato existiu). Penso que os caminhos que se abrem com esse afastamento de Bolsonaro, terão um apoio global. Nem Trump, ou mesmo “deep state” norte-americano, vão apoiar Bolsonaro. Essa perspectiva de que Bolsonaro vai ganhar um poder fascista, como Hitler conquistou na Alemanha dos anos 1930, é fantasiosa. Não está ancorada na realidade. Bolsonaro não líder de nada e não terá apoio das elites, coisa que Hitler e Mussolini tiveram para chegarem ao poder de forma absoluta. O Exército pode assumir de forma definitiva e instaurar uma nova “ditadura” que será totalmente diferente de 1964. Mas, pensando na geopolítica mundial, o que se desenha é um Estado de Exceção global, a ser devidamente estruturado a partir da crise pandêmica, como disse Agamben. Bolsonaro e Trump são personagens insignificantes dentro desse processo. Ambos não vão se sustentar em seus governos. Ninguém os quer. E quando digo ninguém, estou falando da elite financeira global que dita os ritmos do jogo. Esses texto não faz sentido. Bolsonaro jamais será um novo Hitler ou Mussolini. Não existem condições reais e materiais para que isso ocorra.

  10. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome