Coronavírus: A necessária relatividade do argentino Alberto Fernández

Há questões centrais que o presidente não menciona ao apresentar informações sobre coronavírus e que tornam tendencioso o que é dito sobre elas

Do blog Príncipe Madhouse

Alberto Fernández tem razão, o isolamento social preventivo e obrigatório serviu para impedir a disseminação massiva de cidadãos.

Alberto Fernández está certo, é necessário continuar com essa política, com as exceções previstas para certas atividades e áreas do país, para garantir que o que foi alcançado até agora não se perca imediatamente.

Alberto Fernández está certo, o que foi alcançado é o produto das ações de toda a sociedade, não é apenas o que o governo fez, e é por isso que o apelo à responsabilidade do cidadão de manter o que foi alcançado é interessante.

Mas o presidente foi parcial na maneira como apresentou as informações, e isso pode ser contraproducente para os interesses que ele expressa com suas palavras.

Ao longo de seu discurso, de maneira gráfica e didática, ele tentou localizar a situação argentina em relação à de outros países, mas, como essas informações foram declaradas, elas podem ser mal compreendidas.

As informações fornecidas eram parciais e, quando fornecidas com números absolutos e não relativos, podem levar a confusões desnecessárias.

Talvez o presidente tenha recorrido a essa ferramenta para não alarmar o povo, mas o público está mais alarmado ao saber que o presidente não é franco em suas palavras com a dureza dos dados.

Vamos dar alguns exemplos.

O presidente exibiu este filme para comparar a realidade das pessoas infectadas em nosso país em comparação com outros quatro países do mundo. Dado que são alguns dos países que levamos para nossa própria investigação da evolução da pandemia, isso nos permite avaliar as informações fornecidas pelo Presidente.

AF1

Há duas questões centrais que o Presidente não mencionou ao apresentar essas informações e que tornam tendencioso o que é dito sobre elas.

O primeiro deles é exibido na imagem, mas não é reproduzido em palavras, e tem a ver com o dia da infecção no país em questão.

A Argentina alcançou 1975 infecções no dia 39, tomando o dia 1 como o diagnosticado pelo paciente 0, e como os outros países foram analisados ​​no dia 39? O Brasil tinha 10.360 infectados, a Itália 9.172, a Espanha 1.695 e os Estados Unidos apenas 70 , então o gráfico correto que o Presidente deveria ter exibido era o seguinte:

AF2

Onde se vê que a curva da Argentina é a mais controlada e que não teve picos, mostrando claramente o resultado do isolamento, desde Espanha e Estados Unidos, que com os mesmos dias de infecção estavam abaixo do nosso país, com corrida dos dias em que seus indicadores foram disparados, o que é um exemplo a ser evitado e uma das razões pelas quais a política oficial é mantida.

A segunda questão é o uso de números absolutos, que enganam o ouvinte, uma vez que não ser levado em um contexto preciso faz com que pareça uma realidade distante do real.

Consequentemente, as informações devem ser analisadas de maneira relativa e relacional, ou seja, qual a porcentagem da população infectada, após o mesmo número de dias de infecção em cada país analisado?

AF3

Seguindo essa análise, a realidade argentina não é boa, base mais que vigorosa para continuar com o isolamento, pois possui um tipo de contágio por gotejamento, diferentemente dos casos americanos e europeus, que eram muito mais espasmódicos, o controle da taxa de contágio torna possível iniciar ações que, se não estiverem sob controle, tornariam praticamente inútil qualquer política governamental.

É possível arriscar que o presidente não tenha exibido esses gráficos para não alarmar o público, a quem ele tentou convencer com sua palavra, mas vendo o que aconteceu no dia seguinte à sua mensagem, fica claro que as palavras não são suficientes. Mais pessoas foram vistas na rua do que qualquer outro dia de isolamento e, curiosamente, coincide que ontem foi o dia em que a maioria das infecções foi registrada, embora não tenha nada a ver com a circulação de pessoas ontem. Foi apenas uma coincidência.

Algo semelhante ocorre com aqueles que morreram do COVID-19.

É verdade que, como disse o ministro Ginés Gonzáles García, “Parece que existe uma alta taxa de mortalidade, mas à medida que os testes aumentam e o número de casos aumenta, especialmente em uma patologia que em muitos casos nem sequer é percebe a pessoa que é portadora, porque ela não consegue desenvolver a doença … Há uma coisa que nunca pára de contar, que é a morte, você nunca sabe completamente qual é o número de portadoras doentes e na medida em que Como esse número de pacientes que são portadores aumenta, essa taxa diminui bastante ‘, no entanto, a única maneira de estabelecer estatísticas comparáveis ​​é apelar para informações oficiais e, nesse caso, se as análises que confirmam a doença são escassas, isso não invalida a veracidade da doença. informação. Mas você sempre precisa comparar valores compatíveis.

A esse respeito, o Presidente Fernández exibiu o seguinte filme:

AF4

Onde são reproduzidos os erros conceituais que já consignamos na imagem do número de pacientes.

Em primeiro lugar, o mesmo número de dias decorridos desde o início da infecção deve ser considerado e, nesse caso, a Argentina acumulou 82 mortes em 39 dias, enquanto no mesmo período o Brasil adicionou 486, Itália 631, Espanha 35 e Estados Unidos. só 1.

O filme que o presidente deveria ter exibido era o seguinte:

AF5

E também, como no caso dos infectados, o recurso a números absolutos distorce a realidade, pois, embora todas as mortes valham e todas as mortes sejam prejudicadas, em termos estatísticos, proporcionalmente não é o mesmo que uma morte, se considerada como universo a população de um país ou cidade.

O filme que o presidente deveria ter mostrado é o que relaciona o número de mortos ao número total de infectados, a fim de estabelecer uma taxa de mortalidade por COVID-19, e os valores, para serem comparáveis, devem considerar o mesmo tempo decorrido, isto é, para o caso em análise, 39 dias do paciente 0.

Considerando isso, a Argentina tem uma taxa de mortalidade de 4,2%, o Brasil de 4,3%, a Itália de 5,0%, a Espanha de 2,1% e os Estados Unidos de 1,4%.

O gráfico é o seguinte:

AF6

Uma dicotomia é então proposta, uma vez que após a nomeação do ministro González García, para que essa taxa diminua, o número de infectados deve aumentar, pois ‘há uma coisa que nunca para de contar, que é o morto’, e se o número de infectados aumenta e a imagem que o presidente mostrou perde toda a validade. O que fazer então?

Em nossa opinião, diga a verdade. É necessário tentar saber da maneira mais precisa quantos infectados existem, em que fase da infecção eles estão, para serem tratados adequadamente.

Como pode ser visto, as mesmas conclusões alcançadas pelo Presidente da República, embora exibam a dureza da realidade e respeitem o rigor científico que o gerenciamento de dados deve ter.

Nada é absoluto, tudo é relativo e, para analisar os dados, o contexto em que esses dados estão envolvidos deve ser considerado. Sem esse relacionamento, os dados, por si só, perdem valor. Neste texto, contextualizamos adequadamente as informações de que o Presidente não tem conhecimento, mas que escolheu apresentar de maneira distorcida.

O presidente apresentou as informações de maneira absoluta, fingindo ser conclusivo a partir de seu relato, embora, se esses mesmos números fossem apresentados de maneira relativa, fossem mais fortes, embora também mais alarmantes.

A relatividade do presidente Alberto Fernández era necessária para que tudo fosse muito mais conclusivo.

Os discursos são interpretados, os números comentados são discutidos, os números apresentados da maneira correspondente, servem para agir corretamente, você pode discutir o que fazer, mas não há debate possível sobre os números.

A verdade é sempre preferível, mesmo que doa. É sempre preferível fazer as coisas bem do que cair nos erros metodológicos que o Presidente Fernández cometeu. Você não pode comparar peras com maçãs, você precisa comparar peras com peras e maçãs com maçãs.

Da mesma forma, além dos números sintonizados apresentados pelo Presidente Alberto Fernández ou dos números brutos que compartilhamos aqui, a mensagem é clara #QuedateEnCasa.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  São Paulo multará cidadão sem máscara em R$ 500, em todo o Estado

2 comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome