Feder, cotado para o MEC, foi denunciado por fraude em ICMS

O processo corre em sigilo na Justiça e segue em tramitação. O caso, de 2016, envolve Feder e o sócio, Alexandre Ostrowiecki, administradores da empresa de informática Multilaser Industrial S.A.

Foto Divulgação

Jornal GGN – O secretário da Educação do Paraná, Renato Feder, está sendo cotado para ocupar a vaga deixada por Abraham Weintraub no Ministério da Educação. O atual secretário do Paraná, no entanto, foi acusado, juntamente com o sócio, de sonegar R$ 3,2 milhões em ICMS e o processo ainda corre na Justiça de São Paulo. As informações são do portal Metrópoles.

O empresário vai ser reunir hoje com o presidente Jair Bolsonaro.

O processo corre em sigilo na Justiça e segue em tramitação. O caso, de 2016, envolve Feder e o sócio, Alexandre Ostrowiecki, administradores da empresa de informática Multilaser Industrial S.A. Os dois foram denunciados pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro por meio da Coordenadoria de Combate à Sonegação Fiscal, por fraude de R$ 3,2 milhões em imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços.

O empresário Renato Feder foi indicado ao presidente por Ratinho Junior, governador do Paraná.

O portal avisa que tentou contato com Feder, mas não obteve retorno.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Marinho contraria Guedes, e pede aumento de gastos

6 comentários

  1. No camelódromo, em Balneário Camboriú, Santa Catarina, nenhum quiosque de venda de informática aceita, pelo menos, falar na multilaser: dizem, quer problema, multilaser. Será?

  2. Do Esquerda Online:

    Renato Feder: Quem é e o que pensa sobre educação o secretário do Governo Ratinho Junior, no PR
    Vinicius Prado, do Paraná
    Publicado em: 10/11/2018 12h30
    (…)
    O futuro secretário da Educação junto a seu sócio na Multilaser Alexandre Ostrowiecki, escreveu um livro onde apresenta sua ideia de Estado “perfeito”. No livro “Carregando o Elefante: Como livrar-se das amarras que impedem os brasileiros de decolar”, baseado em dados os quais na maioria das vezes não cita as fontes, ele defende a ideia de Estado Mínimo, com pouco controle estatal sobre a economia, e onde a justiça social é garantida mais pelo esforço pessoal do que pela atuação do Estado.
    Então, analisamos como a questão da educação é abordada nesse projeto de estado idealizado pelo suntuoso CEO da Multilaser. Abaixo seguem algumas reflexões acerca de citações deste livro sobre a questão da educação.

    “Alunos das escolas públicas estudam com professores semianalfabetos, tirando as piores notas de Matemática do mundo.“ (pag. 14)

    “Ministério da Educação => comanda o programa nacional de vouchers (ver capítulo específico sobre educação) e os sistemas de testes e rankeamento das escolas e universidades. É responsável por garantir que toda família tenha um voucher adequado e que as crianças estejam na escola. Cuida também de tornar pública e transparente a qualidade dos cursos no Brasil “ (p. 51)

    “as melhores escolas são aquelas em que existe a figura de um diretor forte e profissional, metas claras de desempenho, medições regulares e incentivos para os professores que atingirem as metas. “ (pag. 110)

    “esses poucos alunos interessados no magistério são habitualmente oriundos dos 30% com as piores notas. Ou seja, escolhem pedagogia por acreditarem que essa carreira seria a única porta para o ensino superior. Após formados, os professores brasileiros têm um dos mais altos índices de faltas do mundo. Em média, os docentes da rede pública de ensino faltam 15% das aulas, ou seja 32 dias letivos por ano, segundo estudo conduzido pelo governo de São Paulo. Para se ter uma ideia comparativa, a média de faltas na Inglaterra, segundo a OCDE, é de 5 dias por ano e na Coréia do Sul é de apenas 1 falta. Assiduidade trinta vezes melhor do que a brasileira é um fator importante para explicar as diferenças de performance do coreanos. As regras aplicadas ao setor público brasileiro são tão lenientes que, em tese, um professor poderia comparecer apenas 27 dias por ano à escola e faltar os demais 183 dias, sem qualquer prejuízo à carreira ou ao salário, usando-se apenas das brechas previstas em lei. “ (pag. 110-111)

    “A melhoria da educação no Brasil passa por uma questão fundamental: é o Estado a entidade certa para operar dezenas de milhares de escolas? Será que o controle público é a melhor forma de gerir um colégio, escolher material didático, pagar professores e cuidar da manutenção? “ (pag. 111)

    “O voucher educacional é um sistema bastante simples de entender: o Estado paga, os pais escolhem, as escolas competem, o nível de ensino sobe e todos saem ganhando “(pag. 112)

    “Após uma fase de cobrança de mensalidades, deve-se partir para a completa privatização do ensino superior e, em seguida, fazer o mesmo com o ensino fundamental, com os cursos técnicos e com a pré-escola. Todos esses ciclos devem ser adaptados ao sistema de vouchers.” (pag. 116)

    “Propostas para a educação: Privatizar todas as escolas e universidades públicas, implantando o sistema de vouchers. Para cada aluno matriculado, o governo paga uma bolsa diretamente à escola. Cada escola pode optar se receberá apenas a verba do governo ou se cobrará uma taxa extra “ (pag. 116)

    https://esquerdaonline.com.br/2018/11/10/renato-feder-quem-e-e-o-que-pensa-sobre-educacao-o-futuro-secretario-do-governo-ratinho-junior-no-pr/

    Link para o livro citado no texto

  3. Fraude é sinônimo de governo federal, nestes tempos. O slogan deveria ser: Fraudes, fake news e fraquezas. Juntem-se a nós e vamos juntos feder o país

  4. Pelo menos este idiota sabe subtrair. Principalmente do erário publico.
    “Indicado por Ratinho Jr” um ratinho. Porra, querem o que?
    Cara, que esgoto emergiu das últimas eleições. Impressionante!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome