Pastor dos EUA quer contatar tribos da Amazônia em meio à pandemia

O missionário evangélico batista cristão dos EUA, Andrew Tonkin, da Frontier International, planeja entrar em contato e converter grupos indígenas isolados na Reserva Indígena Javari

Por Sam Cowie

No Mongabay

À medida que os casos de coronavírus aumentam para milhares nas cidades urbanas do Brasil, líderes indígenas de uma das fronteiras mais remotas da Amazônia denunciaram o que dizem serem os últimos planos de um notório missionário americano para entrar em contato e converter os grupos tribais isolados da região ao cristianismo – embora sabe-se que os povos indígenas remotos têm pouca resistência contra doenças infecciosas.

As queixas dos líderes indígenas Marubo e Mayoruna foram publicadas pela primeira vez em O Globo, na semana passada, informando que Andrew Tonkin, da Carolina do Norte, EUA, e líder do grupo missionário Batista Frontier International , está planejando uma viagem à vasta Reserva Indígena do Vale do Javari no Brasil. Estado do Amazonas perto da fronteira com o Peru.

“Ouvimos dizer que ele estava tendo reuniões, se preparando para tentar entrar novamente, que estava comprando suprimentos”, disse Lucas Marubo ao Mongabay; ele é chefe da Organização das Aldeias Marubo do Rio Ituí (OAMI) e membro dos Povos Indígenas da União do Vale do Javari (Univaja). “Eles estão armados, têm drones e GPS … um monte de equipamentos para fazer contato … esse é o nosso medo”, disse ele.

O Vale Javari é maior que o país da Áustria e protege o maior número de tribos isoladas do mundo. Dezesseis dos 26 grupos indígenas do vale do Javari são povos que optaram por permanecer isolados. No entanto, esta é a segunda ocasião nos últimos tempos em que um grupo evangélico foi acusado de planejar contato e conversão – o Ethnos360 (antiga Missão Novas Tribos) comprou um helicóptero com esse objetivo expresso em mente.

Grupos indígenas isolados têm sistemas imunológicos extremamente vulneráveis, o que significa que doenças respiratórias virais contagiosas como gripe e sarampo podem ser mortais. Atualmente, a entrada na reserva só é permitida com permissão especial da FUNAI, agência indígena do Brasil.

Nos últimos anos, no entanto, cortes profundos no orçamento da FUNAI ajudaram a resultar na Reserva Javari oficialmente demarcada, com um aumento acentuado de incursões ilegais por pescadores, caçadores ilegais, traficantes de drogas, madeireiros ilegais e garimpeiros, bem como tentativas de evangelização de grupos religiosos cristãos .

“É um desastre total. Esses caras não se importam menos com os indígenas, eles só querem suas almas ”, disse José Carlos Meirelles, pioneiro na política de“ não contato ”adotada pela Agência de Assuntos Indígenas do Brasil (FUNAI), uma política bem-sucedida no passado três décadas. “Eles literalmente os matam, e os poucos que sobreviverem, sua cultura serão destruídos … É genocídio.”

A violência também cresceu ultimamente na região de Javari, com um empreiteiro da Funai executado por pistoleiros em Tabatinga no ano passado e uma série de ataques armados à base do rio Ituí-Itacoaí, principal posto de segurança da região, forçando os funcionários a abandoná-la. Em 2018, histórias do suposto assassinato de indígenas isolados por mineiros foram filtradas para fora do vale remoto.

O Ministério Público Federal independente (MPF) pediu à polícia federal que investigasse o possível plano de Tonkin de uma expedição ilegal para uma área conhecida como Igarapé Lambança, povoada por pessoas isoladas de tribos Korubo. No entanto, ainda não se sabe que medidas a polícia federal tomará.

Em uma carta a Tonkin, o procurador Antônio Bigonha reiterou a “extrema vulnerabilidade” de povos indígenas isolados a doenças externas, especialmente durante a crise do coronavírus, e deu ao americano 24 horas para responder a perguntas sobre a suposta expedição.

Tonkin, um missionário da Igreja Batista Mount Hebron da Carolina do Norte, já é alvo de duas investigações das autoridades brasileiras por entrar ilegalmente na Reserva Javari.

O evangélico Andrew Tonkin e o missionário cristão Wilson Kannenberg da “Rescue Wings”, uma organização missionária da aviação, retratada aqui com um homem indígena sem nome. Imagem encontrada no facebook.

Em 2014, ele desembarcou em um hidroavião pertencente ao líder evangélico cristão nascido no Brasil Wilson Kannenberg de uma organização missionária da aviação conhecida como Rescue Wings.

Quando a polícia federal, o exército e os representantes da Funai foram buscá-lo, ele usou um telefone via satélite para ligar para um avião e escapar, disse uma fonte familiarizada com o caso à Mongabay.

No ano passado, líderes indígenas reclamaram com a Funai que Tonkin havia retornado à sua reserva. Em nota, a FUNAI confirmou ao Mongabay que Tonkin havia sido chamado ao seu escritório em Brasília para se explicar.

Lucas Marubo disse ao Mongabay que ele e outros líderes foram informados do potencial retorno de Tonkin este ano pelos líderes do Mayoruna por meio do grupo Whatsapp da comunidade.

Capturas de tela de uma conversa do WhatsApp publicada por O Globo parecem mostrar líderes indígenas denunciando a reunião de Tonkin com outro pastor evangélico americano, Josiash Mcintyre, em Atalaia do Norte, cidade considerada a porta de entrada da Reserva Indígena Javari.

“Você sabe o que eles estão fazendo?” uma captura de tela é exibida. “Estou convencido de que eles estão planejando entrar novamente”, diz outro.

Em um e-mail para Mongabay, Tonkin refutou as acusações. “Deixe-me esclarecer e diga que não estou tentando entrar em contato com ninguém. Também não vou a nenhuma expedição ”, disse ele.

O americano explicou que ele está atualmente no Iraque, onde esteve por um mês, e compartilhou um vídeo datado de 26 de março com Mongabay que ele havia enviado ao escritório do promotor em que ele pode ser visto nas ruas de um país do Oriente Médio .

Tonkin também convidou Mongabay para ficar com seu grupo missionário na cidade de Atalaia do Norte e no município de Benjamnin Constant, perto da reserva. “Você pode realmente conhecer os missionários sobre os quais denuncia. Você pode seguir nossos passos ”, escreveu ele.

Lucas Marubo disse a Mongaby que acreditava que Tonkin provavelmente havia deixado o Brasil para o Iraque, depois de saber das denúncias feitas ao Ministério Público. Mas Lucas Marubo acrescentou que o pastor evangélico de Tonkin, Josiash Mcintyre, veio recentemente ao escritório dos Povos Indígenas da União do Javari Valley (Univaja) e assediou as pessoas de lá.

“Ele foi muito agressivo; ele queria lutar fisicamente conosco ”, disse Lucas Marubu. Mcintyre não respondeu às tentativas de Mongabay de contatá-lo através da mídia social.

Em sua declaração de missão on-line, a organização de Tonkin, Frontier International Missions, lista “o trabalho missionário entre povos indígenas não alcançados em todo o mundo” e descreve seu trabalho de onze anos na bacia amazônica como “trabalho de missão de plantação de igrejas e crescimento de igrejas indígenas”.

A denúncia contra Tonkin é o mais recente episódio de uma série de desenvolvimentos controversos envolvendo grupos religiosos cristãos estrangeiros com o objetivo de evangelizar as tribos indígenas isoladas do Brasil.

Os supostos planos de contato e conversão da Tonkin’s Frontier International e da Ethnos360 ocorrem quando as comunidades indígenas do Brasil se preparam para enfrentar a iminente crise COVID-19 do país, em meio a crescentes ataques violentos e invasões de terras por madeireiros, grileiros e mineiros ilegais, durante a administração do Presidente Jair Bolsonaro, que está se movendo para abrir reservas indígenas para mineração e agronegócio.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  TJ’s não podem suspender o contrato de estagiários durante a pandemia, por Djefferson Amadeus

5 comentários

  1. Pastor de dizimo, uma ação mais merecedora perante o bom Deus, são as ruas do teu país com pencas de desastecidos.
    Cuida do quintalzinho do demente que lá manda.

  2. Acham mesmo que estes pulhad tem por objetivo “evangelizar as tribos indígenas isoladas do Brasil.”?
    A parada desta turma é GRANA. Então devem estar com ideia de usar os indios para extrair ou garimpar alguma coisa.

  3. É tão bonito e tocante o interesse abnegado destes tais “evangelizadores” estrangeiros com nossos (e outros todos da região amazônica em geral…) indígenas!!! Que belo!!! O mais curioso é, se a função de um “evangelizador” é pregar a tal “palavra” (seja esta qual for…) e, sobretudo, fazer o “bem” ao próximo (na maior quantidade possível…), então por que, eles não vão às comunidades carentes de São Paulo, Belo Horizonte, Salvador, Maceió, etc., onde com certeza, terão milhões de necessitados? Não é esta a função de um “evangelizador” de levar a “palavra” à todos? Então, quanto mais, melhor, e, neste caso, por que se incomodar com apenas uns poucos indígenas se podem atingir milhões de almas nos grandes centros??? Afinal, o que há por trás, de verdade, em todo este interesse??? Por que a região, coincidentemente, mais rica do país???

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome