Argentina prepara sistema público e privado para lidar com coronavírus

O país, que já vinha sofrendo uma das piores crises econômicas dos últimos tempos, busca alternativas em parcerias público-privadas

Jornal GGN – A Argentina, que foi o primeiro país da América Latina a divulgar o registro de uma morte por consequência do coronavírus, agora também tenta estabelecer medidas de proteção aos habitantes. O país, que já vinha sofrendo uma das piores crises econômicas dos últimos tempos, busca alternativas em parcerias público-privadas para garantir que as famílias sejam menos afetadas com o desemprego em massa.

No campo público, as medidas econômicas anunciadas pelo presidente Alberto Fernández, na última semana, de proteção do mercado interno incluem isenções fiscais e maiores investimentos estatais em infraestrutura, injetando uma verba adicional de 1,58 bilhões de dólares em obras públicas. O governo argentino também prepara um pacote de estratégias a pequenas e médias empresas, incluindo um aporte ao pagamento dos salários e o adiamento de impostos.

Já no privado, as empresas também vêm tentando reduzir os danos nos orçamentos familiares, como o anúncio recente das empresas de medicamentos pré-pagos, um tipo de plano de saúde destinando aos fármacos no país, que decidiram não cortar as prestações de serviços se o cliente deixar de pagar.

América Latina: a proteção econômica da Venezuela, Argentina e Cuba no coronavírus

Estas empresas, que serão responsáveis por tratamentos médicos do Covid-19, também anunciaram que não irão readequar os valores de cobrança. Nos últimos anos, os aumentos registrados foram acima da inflação, sendo autorizados a aumentar 62,8% no ano passado. Mas no cenário atual, se comprometeram a não modificar os valores.

Leia também:  Sonhos que se apagaram - A tirania da minúscula coroa: Covid-19

O presidente Alberto Fernández afirmou que tanto o sistema público de saúde, quanto o privado, já se estão preparando para enfrentar o cenário da pandemia com uma curva de 250 mil infectados. Pelas estatísticas, entre 12.500 e 15 mil pessoas precisariam de terapias intensivas, e Fernandez disse que o país será capaz de atender estes pacientes.

Com informações da Página12.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome