A vida sem valor infinito, por Cristiane Alves

O idoso é aquele ente que de um momento para o outro deixa de ser ganho para ser gasto. No patriarcado todos temos preço, embora nem todos tenhamos valor.

A vida sem valor infinito

por Cristiane Alves

Na África a morte de um idoso tem o mesmo peso de um incêndio em uma biblioteca.

É difícil compreender tal correlação estando em um mundo onde idosos e bibliotecas não tenham valor algum. Mas como negar o conhecimento prático, chamado de sabedoria, adquirido com a vivência?

Na sociedade atual o idoso é um fardo, desses que oneram. Mesmo que durante toda a vida esse indivíduo tenha contribuído à manutenção da sua e de outras vidas.

O idoso é aquele ente que de um momento para o outro deixa de ser ganho para ser gasto. No patriarcado todos temos preço, embora nem todos tenhamos valor.

O liberalismo precifica tudo porque só reconhece números. Uma inteligência artificial que veio muito antes da computação.

É provável que sem os psicopatas nunca desenvolvêssemos muitas das tecnologias que temos hoje. Embora eu não esteja sugerindo que todo cientista de exatas seja psicopata, esclareço.

A pandemia do Coronavírus satisfará quantos Charles Cullen? Quantos dentre nós festejam a peste como resposta às suas preces (literais ou não)? Imputando a Deus, deuses, ou a Darwin uma seleção natural que a própria evolução científica desmente.

A Geografia física mostra o mundo como uma grande balança. Se em algum lugar surge uma cordilheira, necessariamente em outro lugar um relevo é rebaixado. Se existe um degelo na Antártida, uma orla deixa de existir. Uma floresta extinta muda o regime hidrológico. Não é difícil supor que ao catalizarmos efeitos naturais, aceleramos as repostas do planeta rumo ao equilíbrio.

Leia também:  A miragem de liberdade, por Heldo Siqueira

Somos nosso próprio predador, diria Hobbes: “Lupus est homo homini”.

Tenho ouvido que a peste “só” leva os velhos e os doentes num misto de resignação e alívio, como se o Cullen em cada um de nós aflorasse para brincar de divino. O interessante é ver que nessa “escolha” Caetana, fere a consciência somente o que nos atinge ou pode fazê-lo.

Há dois anos falávamos sobre o ódio às minorias como o parto a todo ódio possível. Então vem a peste e escancara que a humanidade se extinguiu faz tempo. Sobrou apenas o homem sem valor, o homem precificado.

O idoso e os doentes agora são o sobrepeso atirado ao mar. Evitamos que o barco vire, mas não desviamos do iceberg. E o comandante sabe que jogar fora os suprimentos, remédios e pessoas não evitará a tragédia. Apenas protelará o sofrimento dos que ficam, mas ele se diverte.

A síndrome do pequeno poder explica nossa condição atual.

Enquanto isso Gaia pulsa e revive.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. O neoliberalismo, um peso morto nas costas das nações, quer livrar-se do que, na sua ótica, constitui peso morto: idosos e doentes. Assim, eles podem desviar mais verbas da saúde e do INSS.

    “Mas como negar o conhecimento prático, chamado de sabedoria, adquirido com a vivência?”

    Um sujeito como o Bolsonaro, por mais que envelheça, não adquire sabedoria, pelo contrário, quanto mais vive, mais ele se idiotiza. O que fazer com ele quando ele envelhecer mais?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome