Anivaldo Padilha: o assassinato de reputação de uma figura referencial

Em determinado momento, para atacar Fernando Henrique Cardoso, críticos apontaram as armas da difamação contra dona Ruth Cardoso. Foi uma ignomínia, repudiada por todas as pessoas responsáveis da política.

Os ataques sofridos por Anivaldo Padilha, pelo fato de ser pai do Ministro Alexandre Padilha, são do mesmo nível. Mais ainda: Anivaldo tem uma história ainda mais rica que a de dona Ruth.

Clique aqui para um pouco da sua história na Igreja Metodista. Clique aqui para seu depoimento sobre o projeto “Brasil Nunca Mais”.

Nos anos 70, foi uma das figuras centrais da resistência contra a tortura, na condição de representante do Conselho Mundial das Igrejas (http://tinyurl.com/m99w3s5). Exilado, foi figura chave do inesquecível arco ecumênico que juntou a Igreja Católica de Dom Paulo, a comunidade judaica de Henry Sobel, a Igreja anglicana de James Wright e a esquecida Assembleia de Deus.

 Foi preso, torturado, exilado e sequer pode assistir ao nascimento do seu filho Alexandre Padilha.

Graças a ele foram preservados os principais documentos da tortura, englobados no projeto Brasil Nunca Mais.

De volta ao Brasil, em nenhum momento perdeu de vista a busca do bem comum

A ONG fundada por ele – e por outros grandes brasileiros, como Betinho e Rubens Alves – tem 20 anos de existência e faz um trabalho excepcional junto a comunidades negras, quilombolas, seja para questões de inclusão, saúde etc (http://www.koinonia.org.br/default.asp).

Tem reconhecimento internacional. Nesse período, a ONG firmou convênios, parcerias e contratos de cooperação com os principais organismos internacionais, como o Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime (UNODC), União Europeia, Ford Foundation (EUA), Christian Aid (Reino Unido), Church World Service (EUA), Conselho Mundial de Igrejas (Suiça), Igreja Unida do Canadá, Igreja Anglicana do Canadá, ACT Alliance, Igreja da Suécia, Canadian Foodgrains Bank, Norwegian Church Aid, entre outros.

Mais: em 2013, 89% de seu financiamento saíram de fontes internacionais ou privadas.

Todas essas informações foram ignoradas na matéria da Folha, assim como a informação de que Anivaldo deixou de ser executivo remunerado da ONG quando seu filho assumiu o cargo de Secretário de Relações Institucionais da Presidência da RepúblicaUma ONG de reputação internacional foi tratada como uma ONG qualquer, atrás de boquinhas das verbas públicas e um brasileiro histórico sendo alvo de assassinato de reputação:

A manchete da Folha foi assim:

Padilha faz convênio com ONG fundada por seu pai” – Pré-candidato do PT ao governo paulista, o ministro Alexandre Padilha (Saúde) assinou convênio de R$ 199,8 mil com ONG que tem seu pai como sócio e fundador.

Em pouco tempo, a matéria foi repercutida por diversos veículos, lançando a mancha da suspeita sobre uma figura inatacável:

Veja: Padilha assina convênio com ONG fundada pelo pai, diz jornal.

“Prestes a deixar o Ministério da Saúde para disputar o governo de São Paulo, Alexandre Padilha não apenas se utilizou da cadeia nacional da rádio e televisão para fazer campanha antecipada como assinou convênio no valor de 199.800 reais com uma entidade da qual seu pai, Anivaldo Pereira Padilha, é sócio e fundador.

Folha: oposição vai investigar ONG de pai de Padilha

Terra: Padilha faz convênio de R$ 199 mil com ONG fundada por seu pai.

A troca de emails

Para fazer a reportagem, o jornal consultou a ONG. E dela recebeu as seguintes informações:

Em 27.01.2014 12:30, Fernanda Odilla escreveu:

Prezado Rafael,

tudo bem?

Estamos fazendo matéria sobre os dois convênios que a Koinonia assinaram com o governo federal (Justiça e Saúde) no fim de 2013.

Assim, gostaria de saber:

– Em relação aos dois convênios: o que os projetos prevêem, eles já começaram e algum valor já foi liberado?

– O fato do sócio da Koinonia, Anivaldo Padilha, ser pai de Alexandre Padilha pesou, de alguma forma, na seleção dos projetos pelo governo federal? Como?

– Além desses dois convênios, a Koinonia tem alguma outra parceria com os ministérios da Justiça e da Saúde? Quais?

– Como sócio da Koinonia, quais são as atribuições de Anivaldo Padilha na instituição?

 Preciso dessas informações ainda hoje, segunda (27/01), até as 18h. Estou a disposição para qualquer dúvida.

Em 27 de janeiro de 2014 Rafael Soares de Oliveira escreveu:

Prezada Sra. Fernanda,

Com prazer responderemos as suas perguntas.

Todos os dados sobre os Convênios de KOINONIA estão disponíveis no Portal de Convênioswww.convenios.gov.br.

O Sr. Anivaldo é nosso associado e  tem por obrigação participar de nossas Assembleias.

Sempre participamos de editais públicos e submetidos às suas regras, com isenção e espírito público.

Se a Sra. necessita de maiores informações e detalhes poderemos fazê-lo a partir de quarta, 29 pela manhã, pois estamos em reunião interna de avaliação e planejamento até dia 29 e sem maior tempo para isso antes disso.

Atenciosamente,

Rafael Soares de Oliveira

Diretor Executivo
KOINONIA Presença Ecumênica e Serviço

Em 29 de janeiro, Fernanda Odilla escreveu

Prezado,

como combinamos, gostaria apenas de esclarecer essas dúvidas:

– qual é a participação dos associados nas assembleias anuais? eles decidem apenas linhas gerais ou participam da indicação e/ou sugestão de projetos?

– além do convênio firmado no ano passado e do repasse de R$ 60 mil para o seminário “Fortalecendo laços: Seminário Regional Inter-Religioso de incentivo ao diagnóstico precoce ao HIV” em 2011, quais são os outros repasses do Ministério da Saúde com a Koinonia?

– quem financia as principais atividades e projetos da Koinonia? São os convenios com o governo federal, com organismos internacionais, doações ou recursos próprios?

Em 29 de janeiro, Rafael Soares de Oliveira escreveu:

Prezada Fernanda,

Com Amor e pela Justiça!

A Organização Ecumênica KOINONIA é uma instituição sem fins lucrativos que completa – em 2014 – 20 anos de trabalho. Tem entre suas diversas fundadoras e fundadores o sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, o escritor Rubem Alves e o educador Carlos Brandão e atua nas áreas de saúde, combate ao racismo, direitos civis e humanos e liberdades religiosas.

Durante esses 20 anos, a entidade firmou convênios, parcerias e contratos de cooperação com organismos internacionais – Escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime (UNODC), União Europeia, Ford Foundation (EUA), Christian Aid (Reino Unido), Church World Service (EUA), Conselho Mundial de Igrejas (Suiça), Igreja Unida do Canadá, Igreja Anglicana do Canadá, ACT Alliance, Igreja da Suécia, Canadian Foodgrains Bank, Norwegian Church Aid, entre outros.

Cabe informar que grande parte da receita da entidade é obtida por meio do financiamento das entidades e organismos internacionais. Em 2013, por exemplo, do total do orçamento da KOINONIA, 85,96% foi composto por doações internacionais e nacionais não-governamentais. Os recursos governamentais compuseram 14,04% da receita.

KOINONIA conta com 45 associados e associadas que definem as linhas gerais de ação e elegem por meio da Assembleia Geral sua Diretoria e Conselho Fiscal para um mandato de três anos, sem qualquer tipo de remuneração – conforme Código Civil. A área executiva é remunerada e contratada pela Diretoria. Compunham até 2009 essa área executiva os cargos de Diretor Executivo e Secretário de Planejamento e Cooperação. Projetos, convênios, orçamentos são atribuição e mandato da Diretoria e são  fiscalizados pelo Conselho Fiscal. 

O senhor Anivaldo Padilha é associado da entidade e exerceu a função de Secretário de Planejamento e Cooperação, recentemente, de 01 de janeiro de 2007 a 25 de setembro de 2009. Nesta data, entregou à entidade carta pedindo afastamento das funções de Secretário de Planejamento e Cooperação(segue em anexo). Ocasião em que se extinguiu a ocupação do referido cargo.

A prestação de contas da KOINONIA é analisada pelo Conselho Fiscal, aprovada pela Assembleia Geral anualmente. A entidade tem como prática submeter as contas à auditoria externa, também anualmente.  

Atenciosa e fraternalmente,

Rafael Soares de Oliveira
Diretor Executivo

Em 29 de janeiro, Rafael Soares Oliveira escreveu

Prezada Fernanda,

Com Amor e pela Justiça!

Em resposta adicional à sua pergunta telefônica.

KOINONIA teve contratados recursos via Ministério da Saúde em 1999, pelo Contrato de Financiamento de Atividades para o Projeto “Mulheres e Aids: Ações Preventivas Através das Igrejas”, no valor de R$ 39.158,00.

Atenciosa e fraternalmente,

Rafael Soares de Oliveira

Diretor Executivo

As matérias publicadas

As matérias, como foram publicadas

Padilha assina convênio com ONG fundada pelo pai

Repasse de R$ 199,8 mil prevê ações de prevenção a doenças como Aids

Acordo foi firmado antes de o ministro deixar a pasta para assumir pré-campanha ao governo de São Paulo

FERNANDA ODILLA DE BRASÍLIA

Antes de deixar o comando do Ministério da Saúde para se dedicar à pré-campanha ao governo paulista pelo PT, Alexandre Padilha assinou convênio de R$ 199,8 mil com uma entidade da qual o seu pai, Anivaldo Pereira Padilha, é sócio e fundador.

No dia 28 de dezembro de 2013, a ONG Koinonia – Presença Ecumênica e Serviço e o Ministério da Saúde firmaram acordo para executar “ações de promoção e prevenção de vigilância em saúde”.

O convênio prevê, até dezembro, a capacitação de 60 jovens e a formação de outros 30. Por meio de palestras, aulas e jogos, eles serão treinados sobre como evitar e tratar doenças sexualmente transmissíveis, como a Aids.

Apesar de a entidade ter representação no Rio, em Salvador e em São Paulo, o projeto que conta com verba do Ministério da Saúde será executado somente na capital paulista, segundo funcionários da Koinonia.

O convênio assinado por Padilha autoriza o empenho da da verba, o que significa que o ministério já se comprometeu a pagar os R$ 199,8 mil à ONG, embora ainda não tenha feito o desembolso.

Anivaldo nega qualquer irregularidade ou favorecimento na escolha da entidade, assim como o ministério (leia texto nesta página). O pai do ministro diz ainda que, desde 2009, não exerce função na coordenação de projetos, nem das instâncias de decisão da entidade.

Admite, no entanto, que é convidado a participar de palestras e eventos em que relata as ações da organização. Como sócio da entidade, está previsto que ele participe das assembleias que, anualmente, definem as linhas gerais de atuação da ONG.

Desde 1998, a Koinonia fez pelo menos nove convênios com diferentes ministérios que, juntos, somam cerca de R$ 1,75 milhão. Na gestão de Padilha na Saúde, além do assinado em dezembro, a ONG também firmou um termo de compromisso de R$ 60 mil para promoção de um seminário em 2011.

No final de 2013, a entidade assinou convênio com o Ministério da Justiça no valor de R$ 262,1 mil para colher depoimentos e fazer documentários, site e livro sobre a participação protestante na luta contra a ditadura militar.

A Koinonia, presidida pelo bispo emérito da Igreja Metodista do Rio, Paulo Ayres Mattos, se autodefine como “um ator político do movimento ecumênico e que presta serviços ao movimento social”. A ONG participa de projetos ligados sobretudo à comunidade negra, trabalhadores rurais e jovens.

Padilha desembarcará definitivamente em São Paulo na próxima semana e, no dia 7, a ideia é que dê início a uma caravana pelo interior.

O ministro concentrou no Estado a participação em atos oficiais desde o fim do ano passado, quando sua situação de pré-candidato do PT já estava definida. O ministério afirmou à época que Padilha atendia a convites e que São Paulo “concentra o maior número de unidades de saúde, possui hospitais de excelência e entidades do setor”.

Ministério diz ter seguido as regras oficiais

DE BRASÍLIA

O Ministério da Saúde informou que o convênio com a entidade da qual o pai do ministro é sócio e fundador atendeu a critérios técnicos e que o processo de análise seguiu regras estabelecidas pela administração pública. Alexandre Padilha não se pronunciou sobre o caso.

A Koinonia e Anivaldo Padilha também negaram qualquer influência política na seleção da entidade. “O fato de ser pai de Alexandre Padilha não pesou e nem influenciou na seleção de projetos”, disse Anivaldo.

Ele afirmou ainda que, desde 2009, não participa da “supervisão ou coordenação de projetos, nem das instâncias de decisão da entidade”, apesar de seu nome constar como sócio no site da ONG.

Anivaldo explicou que se desligou da direção da Koinonia quando o filho assumiu o comando da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República, em 2009, para “cumprir o que determina a legislação e evitar qualquer tipo de conflito de interesse ou prejudicar a continuidade dos programas”.

Depois de análise nos sistemas de convênios e parcerias, o ministério disse que identificou na gestão de Padilha, entre 2011 e 2014, a participação da entidade em quatro seleções, sendo que ela foi desclassificada em duas “por não atender aos critérios técnicos exigidos”.

Além da parceria de R$ 199,8 mil com a Koinonia, a Saúde informou que, em dezembro de 2013, foram firmados outros 448 convênios com ONGs.

“Sempre participamos de editais públicos e submetidos às suas regras, com isenção e espírito público”, disse Rafael Soares de Oliveira, diretor-executivo da Koinonia.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

76 comentários

  1. Nassif
     
    Não entendo o stress

    Nassif

     

    Não entendo o stress quanto a esta reportagem.

    Me parece que todas as questoes levantadas pela reportagem sao verdadeiros.

    O Padilha assinou o contrato??

    Assinou

    A ONG foi fundada por seu Pai e o mesmo participa das assembleias??

    Verdade

    Sinceramente não vi nada que a reporter tenha levantado que estaria em desacordo com as respostas da ONG.

    • Ora, é evidente que a

      Ora, é evidente que a manchete insinua favorecimento ilícito por parentesco. Não há como negar essa obviedade, por mais que queiram recuar, justificando o fora no lugar do furo de reportagem.

    • O nome do jogo “delenda est Padilha”

      Por Márcio Falcão e Gabriela Guerreiro, na Folha Online:

      A oposição vai investigar a situação da ONG Koinonia-Presença Ecumênica e Serviço e, também, vai pedir que a Comissão de Ética Pública da Presidência avalie a conduta do ministro Alexandre Padilha (Saúde) que, na reta final de sua gestão,assinou um convênio com a entidade –que tem como sócio fundador seu pai Anivaldo Padilha. O contrato firmado pelo governo com a ONG foirevelado nesta quinta-feira (30) pela Folha. Segundo a reportagem, Padilha autorizou a parceria no dia 28 de dezembro de 2013, quando ele já negociava sua saída com o Planalto para se dedicar à pré-campanha do governo paulista pelo PT. Padilha deve deixar oficialmente o governo nos próximos dias.

      Para o líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR), a medida fere a conduta ética dos agentes públicos e levanta suspeita de que o convênio tenha finalidade eleitoral. O líder disse que encomendou um levantamento técnico sobre a legalidade da ONG e defendeu a anulação do convênio. ”Nós estamos vendo a situação legal da ONG. Se funciona, se tem as condições de prestar o serviço, se tem utilidade pública, por exemplo. Mas a situação é constrangedora. Ele está se afastando do cargo e assina esse convênio. O que gera essa indicação de que é mero intuito de propaganda eleitoral”, afirmou.

      O senador Álvaro Dias (PSDB-PR) disse que a Comissão de Ética da Presidência deve investigar o convênio por se tratar de um caso clássico de favorecimento de parentes por agentes públicos. “É uma questão ética, uma atitude amoral que depõe contra o próprio governo. Não dá para dizer se há ilegalidades no convênio, mas há visível improbidade administrativa por tráfico de influência”, afirmou.

      Presidente do DEM, o senador José Agripino Maia (RN) disse que Padilha deveria ter se declarado impedido de assinar o convênio com a ONG comandada pelo próprio pai. “O ministro não deveria ter assinado alegando suspeição. Isso o compromete porque a administração pública não admite relação de pai para filho”, afirmou. Como Padilha é pré-candidato ao governo de São Paulo pelo PT, os oposicionistas afirmam que o fato deve ser lembrado pelos eleitores no momento do voto. “Os paulistas deveriam ficar incomodados com esse exemplo de alguém que é candidato”, completou Álvaro Dias.

      • Esse “Se tem…

        … pé de porco, etc… e tal ”  se refere aos citados personagens da oposição ou é apenas uma pequena auto-biografia do Porém-Contudo-Todavia?

    • Mas eu também acho o veiculado pela folha

      totalmente coerente com o que se transformou a folha, que não leio desde 1992.

      Inclusive, se eu ainda tivesse dúvidas sobre quem receberá meu voto para governador de SP, essas dúvidas teriam sido sanadas com as manchetes das folhas e afins relatadas pelo blog do Nassif (longe de mim o mau gosto de entrar nos sites dessas “coisas”).

    • A reportagem fala que a ONG é

      A reportagem fala que a ONG é reconhecida por sua atuação? NÃO.

      A reportagem fala que o pai do Padilha saiu da ONG assim que o filho entrou no governo há cinco anos atrás? NÃO.

      A reportagem fala que a ONG faz contratos com o governo desde meados dos anos 90? NÃO.

      Ora Carlos Batista, a própria Folha afirmava em um comercial veiculados anos atrś que é possível falar a maior mentira apenas contando fatos reais. Isso é possível quando se conta apenas uma parte dos fatos, omitindo outros e selecionando com má-fé as partes que vão ser mostradas. Sinal que sabem muito bem que estão contando mentiras e agindo de forma insidiosa.

      O modus operandi da imprensa é formado por mentiras, insídia e má-fé. Bastou selecionar alguns fatos e esconder outros usando de insídia e má-fé para formar a mentira.

      Tenho certeza que você também sabe muito bem de tudo isso.

      Então não dê uma de desentendido tentando esconder a mentira que a Folha montou, porque isso é má-fé da sua parte.

      • “A reportagem fala que o pai

        “A reportagem fala que o pai do Padilha saiu da ONG assim que o filho entrou no governo há cinco anos atrás? NÃO.”

        Mas é claro que o pai dele “saiu” da ONG quando o filho entrou no governo, caso contrário não poderia negociar com o governo. Vc pensa que tudo mundo é bobo?

        É o mesmo do atual ministro que “saiu” da sociedade da consultoria que presta serviço ao governo e colocou a mulher como sócia… É UMA PIADA!!!

        • O troll Zanchetta açém de

          O troll Zanchetta açém de burro é um troll incompetente.

          Primeiro ele reclama que a ONG é do pai do ministro.

          Depois quando confrontado com a informação de que o pai do ministro não faz parte da ONG há 5 anos (meia década) ele diz que isso não quer dizer nada.

          Ou seja, primeiro o problema era a ONG ter o pai do ministro como membro, depois que se soube que isso é mentira então o asno do troll diz que isso não quer dizer nada, mas a acusação era justamente o que se PROVOU ser mentira!!!!

          É muita burrice. A má-fé ficou escancarada.

          Imagina o guarda te dando uma multa por passar o sinal vermelho em uma esquina, aí você mostra para ele que não tem sinal nenhum na esquina e mesmo assim ele te dá a multa dizendo que o fato de não existir sinal não indica que você não tenha passado no vermelho. Guarda SAFADO não é? Pois esse é o Zanchetta.

          Ele é SAFADO por insistir em uma acusação que se PROVOU ser falsa. E BURRO porque é esse o tipo da coisa que todo mundo percebe e gera desprezo pelo mentiroso que inisiste na patacoada.

          VAi ser BURRO assim na PQP…

           

    • MÍDIA DE OPOSIÇÃO É…

      Quem sabe ajude.

      Manchete da Folha em 02/08/13 para anunciar pela primeira vez o Trensalão, que ameaçava sair dos trilhos: “Governo paulista deu aval a cartel do metrô, diz Siemens”.

      Manchete da Folha em 08/11/13 sobre a Máfia do ISS denunciando Kassab: “Prefeito sabia de tudo, diz fiscal preso, em gravação”. 

      Manchete da Folha de hoje sobre convênio entre a Saúde e a ONG: “Padilha faz convênio com ONG fundada por seu pai”.

      Deu para ver que para a Folha e mídia auto declarada de oposição, uma coisa, é uma coisa e outra mesma coisa, é outra coisa?  

    • Ah, claro, assunto da maior

      Ah, claro, assunto da maior importância, obrigada pela informação. Comemoremos. Finalmente Helena Chagas será demitida, nem acredito. Antes tarde do que nunca. Agora falta ela se livrar do Paulo Bernardo.

  2. Também não vi nada  de mais.

    Também não vi nada  de mais.  A suspeição que  de os Frias e a  Folha de SP, foram co-autores  da tortura e morte  de  Herzog na dependência da do Doi-Codi, é superada pelas evidencia e depoimentos isentos.Portanto ,não passam   de maledicências com o objetivo de macular pessoa e instituições acima  de qualquer suspeita que mantiveram  atuação ilibada  no meio em  que operam.

    • A Folha só emprestava “os carro’

      Durval, nao me lembro de ter visto, no caso Herzog. alguém levantar suspeitas quanto à Folha. Os instigadores da sua prisão (e posterior assassinato)  foram um jornalista medíocre a serviço da repressão, um tal de Claudio Marques e alguns deputados apoiadores da ditadura, entre eles o Marin. Contra a Folha e os Frias existem acusações de emprestar viaturas para a repressão no final dos anos 1960 e início dos anos 1970, as quais nunca foram adequadamente desmentidas. 

  3. A jornalista foi desonesta.

    A jornalista foi desonesta. Se omitiu de identificar adequadamente a ONG e seu histórico, bem como, suas principais fontes de financiamento, e das instituições religiosas que a avalizam. Limitou-se, como sempre, a pinçar objetos e redigí-los como se a instituição estivesse a se defender, fazendo alegações discutíveis e não comprovadas.

    • Me esqueci de

      Me esqueci de nominar FERNANDA ODILLA foi desonesta. A Folha de São Paulo já bem sabemos a quem presta esses serviços, ficar criticando é chover no molhado, agora é melhor responsabilizar nominalmente cada jornalista.

       

      • Muito bem colocado e muito

        Muito bem colocado e muito oportuna essa idéia.

        Está mesmo na hora de dar nomes aos bois. Senão os SAFADOS que fazem essas barbaridades ficam se escondendo atrás da empresa. Os jornalistas CANALHAS que fazem essas baixarias tem que ser cobrados pelo que fizeram.

        Vou adotar a idéia.

  4. CALA A BOCA “BATISTA”

    Esse Batista deve trabalhar na Folha, pois só um idiota não ver o sentido dessa reportagem. Porque a reporter não vai levantar os dados das Privatizaçoes da era FHC. Nojenta.

  5. Recebeu ligação de algum

    Recebeu ligação de algum “jornalista” do milenium, entra logo com habeas corpus pois lá vem fofoca. Não vai adiantar muita coisa porque juizes e membros do mp acreditam nessas superstições que prosperam na imprensa brasileira desde os bancos escolares; mas deixaria mais claro como a banda toca.

  6. Ruth Cardoso morreu de

    Ruth Cardoso morreu de desgosto depois que foi atacada, e a gerenta impacienta Dilma chegou a temer não ser cumprimentada quando compareceu ao velório (dossiê de gastos da casa civil).

    • Pelo menos ela compareceu ao

      Pelo menos ela compareceu ao velório. Bem pior fez FHC, que não comparareceu ao velório de Florestan Fernandes, seu orientador e maior sociólogo do Brasil, a quem ele muito deve. O velório foi nas dependências da FFLCH/USP, e compareceram todos grandes intelectuais de lá. FHC mandou representante, o jornalista Alexandre Machado. Estava ocupado, parece que tinha ido assistir um evento esportivo, tipo formula 1, não me lembro bem, mas era um evento esportivo.

    • O Pessoa

      Se dona Ruth morreu de desgosto. Esse desgosto – maior que ela teve na vida – foi de um dia ter acreditado que se casara com um homem integro e nobre e descobriu ao longo dos anos o mediocre e desonesto que era seu companheiro.

  7. Um absurdo

    Matéria escrota feita por essa jornalista e publicada por esse jornaleco. Está mais do que evidente de que a idéia central da reportagem é difamar Padilha e taxá-lo de corrupto! Lá vem mais uma tapioca, aquela que derrubou o Orlando Silva.

    Preparem-se, corações e mentes! Nessa campanha para as proximas eleições até o capeta vai ficar envergonhado!

  8. Por essas e outras veremos o

    Por essas e outras veremos o Nível de rodapé da próxima campanha Eleitoral……..A Velha Mídia está a cada dia que passa, mais parecida com Veja………….

    • Esclarecendo um pouco mais. O

      Esclarecendo um pouco mais. O Reverendo se chamava Jaime Wright e era da Igreja Presbiteriana e, posteriormente, da Igreja Presbiteriana Unida. Irmão de Paulo Wright, a quem a ditadura fez sumir.

      • Aspectos adicionais: Jaime Wright, Anivaldo Padilha, Igrejas…

        Só para complementar, gostaria de frisar que Jaime Wright era representante da Igreja Presbiteriana dos EUA. Trabalhou durante anos junto a D. Arns, com o respaldo de sua igreja, através do Comitê de Defesa dos Direitos Humanos para os Países do Cone Sul (CLAMOR). Foi um dos coordenadores do projeto Brasil: Nunca Mais e o principal link com o Conselho Mundial de Igrejas, que financiou todo o projeto. A hierarquia da Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB) sempre rechaçou a postura ecumênica de Jaime Wright e, no mínimo, não apoiou a luta contra ditadura. Foi citada a igreja Assembleia de Deus como participante do arco ecumênico antiditadura, mas acredito que o autor esteja se referindo à Igreja Evangélica Pentecostal “O Brasil para Cristo”, na pessoal do pastor Manoel de Mello. Este sim, um ativo militante dos direitos humanos e participante das prinicpais iniciativas do ecumenísmo em favor das vítimas da ditadura brasileira. Ele também esteve no “culto ecumênico”, em 1975, na catedral da Sé, em homenagem a Herog e trabalhou durante anos no Conselho Mundial de Igrejas.

        Para a história do CLAMOR ver:  

        LIMA, Samarone. Clamor: A vitória de uma conspiração brasileira. Rio de Janeiro: Objetiva, 2003.

        Para outros aspectos do ativismo antiditadura de Anivaldo Padilha no Brasil e no exterior ver:

         GREEN, James N. Apesar de vocês: oposição à ditadura brasileira nos Estados Unidos, 1964-1985. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

        Para a importância do movimento ecumênico no aposição antiditadura ver:

        BRITO, André Souza. Fermento da Massa: ecumenismo em tempos de ditadura militar no Brasil, 1962-1982. 207f. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica (RJ), 2010. e ______________________. “Cultos ecumênicos em memória de comunistas e terroristas”: estratégias de luta de cristãos progressistas contra a ditadura militar do Brasil. Oficina do Historiador. Porto Alegre: EDIPUCRS, v. 6, n. 1, jan./jun. 2013, pp. 23-43.

  9. A mesma coisa de sempre e os

    A mesma coisa de sempre e os mesmos “bunda-moles ” de sempre forçando

    e defendendo a “folha”. Mas prá eles querer é perder..segue o bonde.

  10. Talvez o ataque a Anivaldo

    Talvez o ataque a Anivaldo padilha seja ainda mais covarde que o ignominioso feito a D. Ruth, Nassif! É que, ao menos, D. Ruth era então primeira-dama; era uma figura que vinha de forte visibilidade desde que FHC passou a disputar cargos públicos eleitoralmente… mas no caso de Anivaldo, talvez eu seja um dos poucos ignorantes aqui, mas com certeza não serei o único; nem esteja tão sozinho quando se tratar do grande público… eu simplesmente desconhecia a luta de Anivaldo, mesmo tendo acompanhado, de leve, claro, o trabalho da comissão, na época; mas, simplesmente não lembrava dele. Daí porque a covardia de quem o ataca ser maior: o faz no grau de virulência que faz, justo por saber-se coberto pelo desconhecimento da importância do personagem na História do Brasil… talvez até os próprios jornalistas de aluguel nem conheça a figura, e, neste caso, a covardia é dos chefes de redação e especificamente, dos donos de jornais e mídias envolvidas em mais esse assassinato de reputações.

    Como dizem as velhinhas religiosas, mas não bobas da minha terra: “que Deus me perdoe, mas acho que tem o dedo de… nessa história!”

  11. Sinto-me envergonhado pela

    Sinto-me envergonhado pela “qualidade” de certa imprensa no meu país. Também triste porque não há democracia sem uma imprensa livre, descompromissada com qualquer instância de Poder, e principalmente, É T I C A.

    E não pode atender o preconizado por Cláudio Abramo, no caso o exercício diário da Ética(8), se não se despe do que o pensador Theodore Peterson resume em 7(sete) pontos, definidos  como “deficiências mais evidentes da imprensa” (*):: 

     1. tem concentrado um enorme poder para os seus próprios fins. Seus donos têm divulgado apenas suas opiniões, especialmente em    assuntos econômicos e políticos, em detrimento de opiniões contrárias;

       2. tem sido subserviente às grandes empresas e, às vezes, tem permitido que os anunciantes controlem a linha editorial;

       3. tem sido resistente à mudança social;

       4. tem dado mais atenção ao superficial e ao sensacionalista do que ao realmente significativo na sua cobertura dos acontecimentos;

       5. tem colocado em perigo a moral pública;

       6. tem invadido a privacidade das pessoas;

       7. está controlada por uma classe sócio-econômica vagamente definida como “classe empresarial”, que dificulta o ingresso de novas    pessoas no negócio, colocando assim em perigo o livre e aberto mercado das idéias.

    Escrito em 1956, poderia muito bem ter sido no dias de hoje pois reflete exatamente a atuação de parte da chamada grande imprensa brasileira. 

    (*) ABRAMO, Cláudio. Regra do Jogo: o jornalismo e a ética do marceneiro. 4ª reimp. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

    (**)  Theodoro Peterson, Wilbur Schramm e Fred S. Siebert, Four Theories of the Press, (Ed. da Universidade de lilinois, 1956).

     

     

  12. Jornais ou jornalistas

    Ás vezes fico sem saber, nem entender, que é pior, os donos destes jornais criminosos ou os puxa-sacos que se entregam ao patrão em troca de nada.

    A revistinha do esgoto, a folha, o em, o globo, o esp, e outros estão cheios destes pequenos, melhor, baixos bandidos. Contra o país e contra o povo e a poder da mentira e da chantagem. É de se admirar como abandonaram o verdadeiro jornalismo, deve dar trabalho, de oposição, que tem muito a apontar, sempre há, e se entregam com um sorrizinho nos lábios. Não vou citar a prostituição porque ela está em um nível bem acima.

    Que turma!

  13. Por que a Folha não vai atras

    Por que a Folha não vai atras de ONG’s que estão sugando,ou melhor, mamando há anos milhões de reais dos cofres públicos espalhados pelo imenso Brasil? A começar, por exemplo, aquela ONG que tem dezenas de contratos firmados com o Ministério do Trabalho e Emprego, a Fundação Pró Cerrado, a aquela que emprestou seus jatinhos para servir o ministro Lupi. 

     

    • Ora bolas, porque…

      Porque em 31 de março de 2010 (pois é!), Dona Judith Brito, confirmou que “esses meios de comunicação estão fazendo de fato a posição oposicionista deste país, já que a oposição está profundamente fragilizada”. O que espanta é ate hoje cobrar-se, de quem declarou-se opositor ao governo (na realidade inimigo, considerado o grau de terrorismo empregado nessa oposição), equilíbrio, não seletividade e o agir democrático, na divulgação de informações ao povo brasileiro.

      Desde 01/04/2010 deveríamos todos, em especial o governo, da Secom da Helena Chagas (incrível, finalmente irão defenestrá-la) e do controle remoto da presidenta, combate-los sem trégua.

  14. a velha midia ainda não morreu?

    Aqui já foi dito que a imprensa tradicional(PIG, velha mídia, imprensa da direita reacionária, etc, etc) está recebendo a sua última pá de cal.Vemos que, apesar do seu fim sacramentado e juramentado, a suposta maléfica defunta ainda faz o seus estragos.

  15. Tiro no pé

     A maioria das pessoas da minha geração conhecem Betinho, sua luta contra a fome . Das  coisas mais   celebres de Betinho é a  frase

    QUEM TEM FOME TEM PRESSA

    Essa expressão caiu na boca do povo com canção. Eu uso e abuso dela

    Se a folha insistir nessa besteira vai estar fazendo campanha de graça para o  Alexandre  Padilha  

    Gente burra, eu nunca vi

    Basta o marqueiteiro botar o Betinho junto ao pai do Alexandre que vai ser uma coisa de doido.

    Taí, eu acho que o Padilha nem tinha pensado nisso, agora graças a essa imprensa BURRA pode botar  o pai  e correr pro abraço.

    Vamos a outro factoide esse de tão idiota que não vale nem 15 minutos de critica, foi tiro no pé.

     

  16. Via Tijolaço

    Via TIJOLAÇO (http://tijolaco.com.br/blog/?p=13191

    Quer dizer que a contratação da ONG  Koinonia pelo Ministério da Saúde foi “apadrinhamento político”, porque o Ministro Alexandre Padilha é filho de um fundador e ex-diretor da entidade?

    E que a oposição – ao menos o trio Vavá Dias, Jajá Rabo de Palha e alguém do PPS – o PPS, como se sabe é de Roberto Freire, o deputado pernambucano dos Jardins – vai investigar as “relações promíscuas” da instituição com a administração pública?

    Pois então vamos ajudar: convoquem logo o governador Geraldo Alckmin, pois a entidade tem convênios também com a Secretaria de Saúde de São Paulo para desenvolver os mesmos programas de prevenção da Aids que firmou com o Ministério e que escandalizaram a trinca tucana.

    Tem os convênios e não tem nenhuma pendência financeira ou operacional, segundo atestou, no ano passado, a Dra. Maria Clara Ribeiro, coordenadora dos programas de DST/Aids da Secretaria Estadual paulista. Numa declaração de idoneidade dada à Koinonia, ela afirma que a ONG “desenvolveu trabalhos de prevenção em DST/aids em parceria com o Programa Estadual de DST/AIDS nos anos de 2010, 2011, 2012 e 2013.”

    Ou seja, também o governo Serra a contratou. leia mais http://tijolaco.com.br/blog/?p=13191

  17. pois é…

    O duro é ver que pouquíssimas vozes de peso se levantam pra reagir contra esse tipo de massacre midiático.

    Nassif é quase que o único que ainda faz isso. Uma pena…

    Cadê os intelectuais de esquerda, os democratas, os petistas, os religiosos etc. para denunciarem isso?

    Que tempo triste esse, em que quase totalidade das personalidades que sempre serviram de referência pra mim sumiram do mapa.

  18. É tudo uma questão de caráter.

    É tudo uma questão de caráter Nassif.

    Caráter que faltou a sra Fernanda Odilla.

    É assustador ver como o jornalismo no Brasil conseguiu chegar esse descalabro, a essa vergonha!

  19. Padilha foi um ministro da

    Padilha foi um ministro da saude burrocratico para não dizer incompetente. Nada acrescentou.

    Projeto de saude foi importar medicos de Cuba ao inves de importar o modelo cubano

    Mas dai a acusar seu pai e o proprio Padilha de desonestidade vai uma grande distancia, nunca na historia de seu pai( e de sua mãe, medica em atividade até hoje no serviço publico estadual de São Paulo) houve acusação de picaretagem.

     

    • Vá falar em modelo cubano na

      Vá falar em modelo cubano na UPA de Sumaré, onde os médicos chegam para o plantão em seus carrões, mas quando veem o plantão lotado dão meia-volta e vão embora. E ainda xingam a presidenta com sua “ideia de jerico” de trazer médicos de Cuba pra tomar o lugar deles.

  20. arma secreta

    calma!!!!!!!!!!!!!!!!!

    dona Dilma e o PT tem uma arma poderosa contra essas manipulações:

    CONTROLE REMOTO

    é eficiente.

    tal e qual o mítico avestruz que se proteje enfiando a cabeça na areia!

  21. Desculpe comentar isto aqui,

    Desculpe comentar isto aqui, mas vejam só:

    “O site criado para arrecadar doações e ajudar Delúbio Soares pagar a multa do mensalão arrecadou mais de R$ 1 milhão até esta quinta-feira (30). Somente nesta quinta, quase R$ 600 mil caíram na conta destinada às doações.

    Os R$ 1.013.657,26 arrecadados equivalem a mais do dobro do que Delúbio precisava. Ele foi condenado a pagar multa de R$ 466.888,90. O prazo para que ele faça o depósito no Fundo Penitenciário Nacional se encerra amanhã”.

    Pode ser visto em http://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/01/1405311-site-para-ajudar-delubio-soares-arrecada-r-1-milhao.shtml, para não dizer que a referência é viciada pela esquerda….

    • Causou que Padilha pediu

      Causou que Padilha pediu suspensão do convênio. Creio que para proteger seus pais, já idosos, da saga tucana. Entram como um trator na vida particular de todo mundo. Abrem gavetas, vascuham objetos sagrados com suas mãos imundas, inventam, infernizam a vida das pessoas. Certamente Padilha quis poupá-los, calculando que seu pai, principalmente, que já passou por tanta perseguição política, pudesse não resistir a mais essa.

  22. A turma da oposição no

    A turma da oposição no congresso não deverá mais dormir, comer, talvez dê uma corridinha até o banheiro. Vão permanecer na fila da comissão de ética para fazer a próxima denúncia, Tudo em edição extraordinária. O último da fila passa a nova denúncia até chegar ao primeiro. Esse entrega, corre no banheiro,dá uma asseadinha,  come alguma coisa  e volta para o final da fila. É a linha da produção em série dos factóides. Os jornalixos mandam seus reporcos entregarem as newtícias.  Haja paciência para esses ridículos.

  23. JORNALISMO DE ESGOTO

     

     

    Nassif,

     

    como jornalista, ex-presidente do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo e ex-preso político acompanho há mais de 40 anos tanto a história do Anivaldo Padilha quanto da Folha. Nesses mais de 40 anos, nunca ouvi sequer uma insinuação contra a correção e a honestidade do Padilha, de quem eu tenho orgulho de ser amigo e companheiro no Comitê Paulista pela Memória, Verdade e Justiça. Quanto à Folha e seus proprietário, todo mundo conhece seus malfeitos, sua falta de compromisso com a verdade, falcatruas – como a ocupação de uma praça pública durante anos se locupletando com a cobrançade pedágio dos ônibus que chegavam à cidade de São Paulo – e cumplicidade com os órgãos de repressão da ditadura, até emprestando carro para o assassinato de pessoas.

    Essa infâmia contra o Anivaldo Padilha é uma prévia do esgoto a que as grandes empresas de comunicação pretendem levar a campanha eleitoral desse ano. A Folha e seus congêneres não servem nem como papel higiênico porque, como dizia o Millor Fernandes a respeito de O Cruzeiro, são impressas em cocô.

     

     

  24. Devo ser muito otimista. Esta

    Devo ser muito otimista. Esta onda toda me fez conhecer o grande Padilha. Com certeza a oposição vai se arrenpender disto. 

    • Anivaldo Padilha e Koinonia.

      Prezados Senhores (as)

       

      A crítica a matéria da Folha de S. Paulo tem recaído na jornalista ou no jornal. Em parte concordo em criticá-los por mais esta falha que denigre o comportamento da F(a)olha. Mas, não devemos nos esquecer que esse jornal está no momento (como todos os jornais em todas as épocas) envolvido em uma luta política (e este é um ano de eleições). É preciso entende-lo de uma perspectiva do jogo político e das alianças que todo jornal tem com o capital de onde provém a sua manutenção. Quem paga (e não somos nós os assinantes ou leitores da Folha de S.Paulo) são os que oferecem o script político a ser seguido pelos atores. Me lembro do slogan usado pela própria Folha há alguns anos: “De rabo preso com o leitor”. Será??? O resto é retórica e ideologia (no sentido marxista da expressão). Com que candidatura está presa a Folha nesta próxima eleição? Certamente não é com Alexandre Padilha.

      Por outro lado, a crítica a matéria do jornal deve ser rebatida a partir de algumas realidades como:

      1) Koinonia é uma das ongs formadas a partir da divisão de CEDI (Centro Ecumenico de Documentação e Informação) que desde a implantação da ditadura civil-militar no Brasil fez oposição, a partir do Rio de Janeiro, sempre ligado aos organismos ecumênicos internacionais. Assim, tanto o velho CEDI como as Ongs surgidas a partir dele trabalham com temas e realidades sociais que poucos, ainda no Brasil de hoje, querem mexer, temas ligados aos afro-descendentes, prostitutas, pobres injustiçados, indígenas, e tantas outras minorias discriminadas neste País. Em outras palavras, os temas e projetos de Koinonia mexem com interesses econômicos e privilégios de muitas pessoas. Pois bem, Anivaldo Padilha participa de tudo isso.

      2) De Koinonia e do antigo CEDI fazem parte mais de 40 sócios, todos eles perseguidos no decorrer da ditadura, como o bispo Paulo Ayres (Metodista), Jether Pereira Ramalho, Zwinglio Mota Dias, e dezenas de outros, vivos e atuantes, e outros que faleceram. Nesse sentido a matéria da Folha estabelece uma equação que usa 1/40 avos para julgar o todo.

      3) Esse convenio não foi o primeiro de Koinonia e nem o único com este Governo, sem contar os convênios com governos anteriores. O financiamento de Koinonia vem de inúmeras outras fontes como foi demonstrado e é do conhecimento de todos. Também, os convenios do Ministério da Saúde com Ongs foram centenas e o único aprovado recentemente não é, certamente, um dos maiores. Há, também convenios de Koinonia com outros ministérios, todos passíveis de investigações jornalisticas.

      Por esses e outros motivos fico com a versão da matéria de Nassif, com a estatura moral de Anivaldo Padilha, com a história de Koinonia, repudiando sempre as meias verdades e as mentiras inteiras, venham de onde vierem. Não podemos, num Brasil que se pretende democrático cada vez mais, usar metodologias e práticas que condenamos nos nossos adversários que se aninharam ao longo de 21 anos de ditadura onde se misturaram civis oportunistas, honestos e afinados com a lógica totalitária, com os militares doutrinados pela ideologia de segurança nacional.

      Prof. Leonildo Silveira Campos

      Universidade Metodista de São Paulo.

  25. Enquanto isso…

    Enquanto isso, a mulher do senhor gilmar trabalha para  o advogado do senhor daniel dantas e o PIG não vê nada de anormal nisso.

    Enquanto isso, o filho do senhor capitão do mato trabalha na globo e ela e o resto do PIG não vê nada de anormal nisso.

    Enquanto isso o PT covarde assiste passivamente e até corrobora as mentiras propaladas pelo PIG.

     

     

    • Correção adequada.

      Agrdeço a coreção com a devida fonte que a embasa. Ao ler pensei: minha presbiteriana de carteirinha de onde estiver não aprovar……

  26. para muitos que ja

    para muitos que ja acreditaram na FOLHA ou na VEJA

    parece um absurdo, mas pratica comum a muito tempo, é  MA FÉ pura

    apesar de ser contrario a suas posicoes, de direita ou conservador, etc,,, o estadao muito menos, mais consistente, mesmo sendo contra o que ele defende.

  27. Mais um jogado às feras

    Esse governo é formado por um bando de bunda-moles. Já acusaram o golpe e avisaram que vão cancelar o convênio, o que vai ser vendido pela mídia como admissão de culpa. Querem apostar?

    O Nassif só deu a indireta, mas o governo FHC contratou durante anos a fio os serviços de ao menos duas ONGs fundadas pela mulher do presidente:

    – A Alfabetização Solidária (AlfaSol), uma entidade da sociedade civil criada em 1996
    – O Programa Universidade Solidária (Unisol), criado em 1995

    Ambas recebiam grana de projetos bancados do governo federal e, indiretamente, recebiam verbas da Unicef que é sustentada, entre outros, pelo governo brasileiro. Passar grana via Unicef também é uma maneira de escapar da burocracia da fiscalização do TCU. O PSDB ou a grande mídia alguma vez achou isso anti-ético? Acusaram a Alfasol de ser “eleitoreira”?

    Eram duas organizações que faziam um trabalho bom e sério. Mas houve sim muito desperdício de recursos e alguma malversação nas ONGs da Dona Ruth. Não resistiriam a uma auditoria séria e competente, que o PT nunca fez por conta dessa suposta “elegância” de não mexer com a Dona Ruth.

    Agora o governo petista, em vez de defender o trabalho da ONG Koinonia, mostrar o seu histórico e citar o precedente das duas ONGs da Dona Ruth como exemplo de que essa acusação não procede, prefere atirar a entidade aos leões do coliseu da mídia para tentar salvar a pele do ministro de uma acusação que não tem cabimento. Vai dar merda.

    Fizeram exatamente o mesmo no caso dos acusados do tal “Mensalão”. Foram jogados um atrás do outro às feras. Deu nisso que está aí.

    É triste, mas esse neo-PT só tem espinha dorsal quando se trata de defender os Sarneys.
     

  28. TOMA VERGONHA PSEUDO-JORNALISTA

    Além de não respeitar o Sr. Anivaldo Padilha, pessoa que tantos serviços prestou e continua prestando ao Brasil e ao mundo, essa tal Fernanda Odilla é maldosa, desumana e enganadora.

    Toma vergonha, Fernanda Odilla.

  29. Parabéns Nassif!!!
    Mais uma

    Parabéns Nassif!!!

    Mais uma matéria MAGISTRAL!!!!

    Achei errado o A. Padilha ter cancelado o contrato de convenio.

    Ele talvez tenha suas razões. Mas não deveria!

    Bem… o resto?

    É a FALHA de S. Paulo… do jeito que o Partido da Imprensa Golpisa é!

    Natureza de escorpião… golpista.. canalha!

  30. Hahahá! Tinha que ser! A “jornalista” da Folha, Fernanda Odilla,

    Hehehe! Tinha que ser! A “jornalista” da Folha, Fernanda Odilla, que fez esta matéria infame sem qualquer fundamento contra uma instituição que ajuda crianças aidéticas, foi a mesma “irresponsável” por aquela “reporcagem” sobre a “Ficha Falsa da Dilma”. Tucaninha? Segue um link! http://profdiafonso.blogspot.com.br/2009/04/fernanda-odilla-folha-de-sao-paulo.html . Tem problema não! Padilha vem aí! E de jaleco branco!

  31. “Tem reconhecimento

    “Tem reconhecimento internacional” – menos aqui no Brasil, aqui não se conhece nem se reconhece o Anivaldo. Sabe Nassif, aquele veeeeelho ditado de que “há males que vem para bem”, pois é, acho que esse veneno todo que a Folha jogou para cima do Anivaldo até que serviu para alguma coisa, para que nós brasileiros passassemos a conhecer e a reconhecer o Anivaldo, essa figura sensacional. Já pensou se ele se vai dessa vida sem que a gente soubesse de tudo que de bom que esse homem já fez na vida, de tudo que ele e sua família já passou e muito do que passou na ditadura foi com a conivência da Folha. Portanto, se não fosse a peçonha da sibilina  Fernanda Odilla pau mandada do Frias, talvez nunca teríamos o prazer de saber e prestar homenagens ao Anivaldo. Concordo com a Nilccemar, acho também que ele quis proteger o pai, pois ele já cansou de ver do que essa imprensa bandida é capaz. Penso que o mal pode ser reparado e o contrato restaurado.

    • Na mosca

      Metodista de formação e hoje afastada  de qquer culto religioso,  acabo de ser apresentada ao Anivaldo, cujo nome quer dizer entre outros ousadia,  indepêndencia, força de vontade e originalidade. Para os fenícios “aquele que tem a dádiva de Deus”. Portanto, concordo inteiramente com você, pois além da alegria de conhecer as excelentes biografia e   trajetória desse “bom homem brasileiro”, passarei a divulgá-la como símbolo da perseguição preconceituosa que esta imprensa desonesta comete contra brasileiros honrados o que é óbvio, amplia o suporte à campanha de 2014.  

  32. A Fernanda Odilla apronta outra vez!

    A Fernanda Odilla apronta outra vez!

    Sugiro estabelecermos aqui uma lista dos “Jornalistas que Amamos”, com as suas respectivas “folhas corridas” ou “meros apelidos” que nos ajudem a lembrar que atuam em nome do mal jornalismo. Que tal? Primeiramente vou enumerar apenas os “meus prediletos”, mas fiquem a vontade para incluir quantos julgarem necessários… bem sei que “lista” ainda pode crescer muuuito! Hehehe!

    1 – Reinaldo Azevedo – O Pitbull da Folha

    2 – Diego Escosteguy – O Garoto do Milenium

    3 – Merval Pereira – Ataulfo Merval de Paiva

    4 – Fernanda Odilla – Biografia vazia “ainda”!

    5 – ….

    http://profdiafonso.blogspot.com.br/2009/04/fernanda-odilla-folha-de-sao-paulo.html

    QUINTA-FEIRA, 30 DE ABRIL DE 2009

    FERNANDA ODILLA (Folha de São Paulo): A Pulha da Vez

     

    ficha de Dilma Rousseff
    (falseada e manipulada pela Folha de São Paulo)

    À Jornalista Fernanda Odilla,

     

    Os picaretas, ainda que o sejam por opção ou aprendizado na faina diuturna que os move, têm um código de ética (por mais torpe que seja!). 

     

    Você, jornalista (?!?!) Fernanda Odilla, demonstrou com sua infame e maliciosa reportagem (Folha de São Paulo, 05/04/2009) que joga o jogo do antijornalismo, da desinformação e parece-me que o fez com intenções obscuras.

     

     

    Claro está que você, jornalista (?!?!) Fernanda Odilla, serve a um jornal cuja linha editorial, ideológica e pró-PSDEMB é pública, diária e notória. Entretanto algo me diz que o seu irresponsável e sujo trabalho vai além de uma pauta jornalística encomendada e aponta para a garantia de um quinhão no suposto governo tucano (Será abençoada pelo Governador José Serra com uma função pré-definida e acordada para depois de 2010? Não me surpreenderei se encontrar o seu nome na lista de “prestadores” de serviço do tucanato!).

     

     

    Por qual conduta você, jornalista (?!?!) Fernanda Odilla, deixou-se nortear: a vil delação sem provas ou com “provas forjadas”?!? O estelionato informativo?!? O mórbido e gratuito prazer em destruir reputações?!?

     

    A simples aposição de uma rubrica, assumindo total responsabilidade – civil, criminal e profissional (?!?) – pelo que faria com documentos públicos examinados sobre terceiros (no caso a Ministra Dilma Rousseff) – e não cumprida – já dá o indício e a dimensão de um perverso modus operandi.

     

    Acredito que, nas suas próximas empreitadas, não mais se arriscará a produzir tais peças com ares de fidedignas notícias, mas, propositalmente, falseadas na sua gênese. Se incorrer em novas ações desse tipo, você, jornalista (?!?) Fernanda Odilla, será configurada como um caso típico de pessoas que, de modo inescrupuloso e leviano, tornam enferma a sociedade da qual faz parte. Se, novamente, agir como no caso Dilma, você, jornalista (?!?) Fernanda Odilla, deverá ser submetida a urgente e sério tratamento, pois é um ser doente!

     

     

     

  33. Eh possivel contar um monte de mentiras

    Escondendo a verdade.

    Esse comercial da W/Brasil para Folha é atualissimo. Eh exatamente o que penso desse jornal: tem que se ter muito cuidado com a informação que se recebe dele.  Sem enviesando para chegar ao seu fim.

  34. Mas o que esperavam?

    Mas o que esperavam da Folha de São Paulo?

    Jornalismo? Acabou faz muito tempo.

    É preciso garantir o milhãozinho de cada ano, e quem paga exige tais coisas.

    Acabam prejudicando todas as empresas do grupo, assim como Veja faz com tudo que é da Abril.

    Coitado do UOL. Vai colher também.

     

  35. Segundo Ana Helena Ribeiro
    Segundo Ana Helena Ribeiro Tavares, via FacebookAí você descobre que a repórter da Folha (Fernanda Odilla) responsável pelo recente atentado à reputação de um homem como Anivaldo Padilha foi a mesma que, em 2009, assinou a matéria da ficha falsa de Dilma. Quer dizer que não foi demitida e ainda continua por lá aprontando das suas? Assim, fica difícil defender o diploma de jornalismo. Canalhice não precisa de canudo.

     

  36. os alhos e os

    os alhos e os bugalhos

    colocar a ONG do betinho e do pai do padilha no mesmo patamar das redes de ONG da ‘DONA’ ruth cardozo é misturar alhos com bugalhos, nem entrando no merito moral ou corrupcao, objetivos e funcoes diferentes, a primeira foi criada ha 20 anos independente do governo, ja as da dona ruth, foram criadas ja quando ela era primeira dama,, a ruth como governante poderia criar programas de governo, ao inves disso, usou ONGs como programa do governo da qual fazia parte, na verdade nem deveria ser “nao governamental” e mudou com fim do seu governo, evidenciando substituicao programa de governo.

    “Inicialmente idealizado como projeto de combate à pobreza em regiões castigadas pela seca, o ArteSol/Artesanato Solidário foi concebido em 1998 como um programa social, e a partir de 2002, tornou-se uma Oscip (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público).”

  37. Cabe uma ação judicial

    Quando casos como este se repetem, a única forma de acabar com isso é através de uma ação pesada por calúnia, difamação e indenização por danos morais. Esse tipo de reportagem não tem nada a ver com Liberdade de Expressão. Se esse tipo de “jornalista” forem obrigados a pagar vultosas indenizações SEMPRE que agirem de má fé  pensariam duas vezes antes de escrever inverdades.  Infelizmente a única forma de coibir certas atitudes é através do “bolso”,  já que não adianta falar em moral e ética com pessoas não as têm.

  38. Imprensa escrota!
    Não

    Imprensa escrota!

    Não conseguirão assassinar a reputação desse homem, pelo contrário, tornarão mais públicas suas virtudes!!!!

    Sugiro a reformulação da manchete: “tentativa de assassinato…”, ao invés de assassinato.

  39. Calma gente.
    E Folha de São

    Calma gente.

    E Folha de São Paulo em breve fecha as portas.

    Falta pouco para isso.

    Ainda não caiu a ficha deles que na internet existe contraponto para todas as “matérias” e REPORCAGENS falaciosas que eles publicam.

    Esse jornaleco só serve de mictório para cãezinhos de apartamento.

    Os que continuam lendo, continuam por osmose ou por se recusara a enxergar a verdade dos fatos e da vida real.

    Quanto a essa pseudo jornalista, em breve estará mendigando um emprego numa emissora falida qualquer, na condição de fofoqueira de celebridade.

    Quem viver, verá….

  40. CBN

    Quem ouviu o comentario do Milton Jung hoje cedo na CBN, percebeu a má intenção. Ele fez um “joguinho” com a palavra kOYNONIA.

    Coisa mais infeliz, para dizer o mínimo

  41. Anivaldo Padilha e Koinonia.

    Foi mais uma tentativa de acertar o candidato ao governo de São Paulo, Alexandre Padilha, jogando lama em figuras respeitáveis como Anivaldo Padilha e numa entidade com uma respeitavel folha de serviços prestados à democratização do País (Koinonia).

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome