As mãos de Lula, que seguram a mão do povo que segura as mãos de Lula, por Fernando Morais

Ricardo Stuckert congelou o perpetuum mobile cuja energia renasce indefinidamente, gerada por seu próprio movimento

Foto: Ricardo Stuckert

As mãos de Lula, que seguram a mão do povo que segura as mãos de Lula

por Fernando Morais, biógrafo do ex-presidente Lula

da página Lula do Facebook

As mãos de Lula, que seguram a mão do povo que segura as mãos de Lula… Ricardo Stuckert congelou o perpetuum mobile cuja energia renasce indefinidamente, gerada por seu próprio movimento. Este ensaio comovente faz lembrar um trecho de “O outro Brasil que vem aí”, de Gilberto Freyre. Escrito em 1926, o poema é premonitório do novo Brasil que surgiria da Revolução de 30. Se é verdade que a arte vê antes, que esteja nascendo um outro Brasil dessas mãos que seguram as mãos de Lula.

“(…) Qualquer brasileiro poderá governar esse Brasil
lenhador
lavrador
pescador
vaqueiro
marinheiro
funileiro
carpinteiro
contanto que seja digno do governo do Brasil
que tenha olhos para ver pelo Brasil,
ouvidos para ouvir pelo Brasil
coragem de morrer pelo Brasil
ânimo de viver pelo Brasil
mãos para agir pelo Brasil
mãos de escultor que saibam lidar com o barro forte e novo dos Brasis
mãos de engenheiro que lidem com ingresias e tratores europeus e norte-americanos a serviço do Brasil
mãos sem anéis (que os anéis não deixam o homem criar nem trabalhar).
mãos livres
mãos criadoras
mãos fraternais de todas as cores
mãos desiguais que trabalham por um Brasil sem Azeredos,
sem Irineus
sem Maurícios de Lacerda.
Sem mãos de jogadores
nem de especuladores nem de mistificadores.
Mãos todas de trabalhadores,
pretas, brancas, pardas, roxas, morenas,
de artistas
de escritores
de operários
de lavradores
de pastores
de mães criando filhos
de pais ensinando meninos
de padres benzendo afilhados
de mestres guiando aprendizes
de irmãos ajudando irmãos mais moços
de lavadeiras lavando
de pedreiros edificando
de doutores curando
de cozinheiras cozinhando
de vaqueiros tirando leite de vacas chamadas comadres dos homens.
Mãos brasileiras
brancas, morenas, pretas, pardas, roxas
tropicais
sindicais
fraternais.
Eu ouço as vozes
eu vejo as cores
eu sinto os passos
desse Brasil que vem aí.”

Leia também:  O adereço de Guedes e o sentido do governo

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Seu Nassif,seu Nassif,olho no Hospital Sírio Libanês.As próximas horas poderão mudar o quadro “Geo Politico Brasileiro”(expressão pomposa pra cacete),se de lá sair uma informação já esperada.Prepare seu Xadrez por que Barroso,Fux e Fachin vão se borrar todos.Como você sabe do que estou falando,eles se fiavam nele.

  2. Bela imagem real mostrando Lula e o povo de mãos dadas, isso mostra a diferença entre Lula e Bolsonaro, que me lembra uma velha frase política que diz: “O campo da derrota não está povoado de fracassos, mas de homens que tombaram antes de vencer”, ou seja, politicamente Lula ainda não está vencido já o mesmo não posso dizer sobre Bolsonaro.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome