Chile: o show neoliberal e seus rostos violentos, por Mario Olguín Kemp

Mas, independentemente da guerra de números que virá, deve-se ter em mente que a sociedade chilena foi novamente estuprada e indignada pelas forças armadas e de segurança.

Chile: o show neoliberal e seus rostos violentos

por Mario Olguín Kemp

Memória.

O Chile (1973-1990), como o Estado espanhol (1939-1975), é o tipo de sociedade que sofre de trauma violento causado por ditaduras ferozes e mortais, que cobriam suas costas com sólidas âncoras institucionais e geravam uma pegada traumática na memória para a grande maioria das pessoas. Os franquistas da Espanha se gabavam de que o ditador deixasse tudo “empatado e bem empatado”: a unidade da Espanha, a ordem social e a ordem econômica. No Chile, Pinochet e Pinochetismo foram responsáveis ​​por fazer algo muito semelhante à Constituição de 1980: impunidade sobre forças militares, privilégios e ordem social capitalista.

Agora a direita governante não sabe como silenciar a memória de brigas de rua, lutas sociais, protestos e panelaços expressados ​​nos dias de hoje, que foi o que reviveu nos filhos e netos daqueles que a ditadura não conseguiu matar ou silenciar. As imagens de violência policial, primeiro e depois as do Exército e da Marinha atravessando praças com brincadeiras de crianças e as ruas revogam, no Chile, os anos passados ​​pela ditadura, quando as forças armadas e seus agentes estavam andando pelos bairros sob arma de fogo, jovens, mães e trabalhadores com seus filhos. Algumas imagens que nunca pensamos em ver novamente. E infelizmente eles estão aqui novamente. Quem diria?

Um modelo econômico violento.

O modelo neoliberal apresentou o Chile como um espetáculo alegre, mas cujo fim é triste e doloroso. O Chile, esse “modelo de sucesso” percorreu essa oligarquia nacional pelos quatro cantos do mundo, mas que, na verdade, é um circo triste, falso, desonesto e irreal, no qual a sociedade chilena foi o leão que recebeu o chicote do mestre domador para a surpresa do público mundial. E este leão, quando ele deu um golpe, o domador ofereceu um chicote mais curto e menos robusto, para continuar com o show. Refiro-me ao plano social de Piñera no início da semana: mais um engano. O que o dono do circo ia fazer? Arruinar o negócio?

Tímidas ações constitucionais e legais desde a década de 1990 nos convidaram a acreditar que a violência ditatorial seria julgada seriamente e que o direito crioulo havia sido democratizado. Os tempos de horror estavam no passado, pensamos. No entanto, a violência que supostamente deixou de existir foi continuada pelo povo mapuche, a juventude mais humilde das cidades (bairros periféricos) e trabalhadores em luta. E por alguns anos, Mapuches e agora estudantes e jovens precários explodiram, para os quais o restante dos setores de trabalhadores e aposentados se juntou aos protestos. De repente, percebemos que o protesto pacífico foi desconsiderado e que a militarização policial do Muro Mapu mudou-se para grandes centros como Santiago, Concepción ou Valparaíso.

E há também a violência econômica desse sistema neoliberal. O historiador Mario Garcés apontou bem quando disse que era necessário entender que esse surto social agia sobre símbolos concretos: o metrô, que representava o orgulho do poder estatal, o melhor metrô da América Latina, também era o mais caro. E as cadeias de farmácias, shopping centers e supermercados que representam, na rua, o poder econômico. Estabelecimentos saturados de produtos e acesso ao crédito, mas que os setores mais humildes e de classe média não podiam acessar com normalidade e satisfação, mas apenas por preços e interesses abusivos.

Um ultraje para o povo do Chile, novamente.

Estamos agora em um ponto de descrença, de semi-choque, mas não de inação. Enquanto o povo desafia os toques de recolher militares (sexto dia) e se junta às mobilizações, acrescenta-se o fenômeno da auto-organização de conselhos em bairros, ruas e centros de trabalho e estudo cujo horizonte de demanda pode ser pensado em três vezes. O mais imediato: o fim da militarização e a recuperação das liberdades dos cidadãos. A médio prazo: a renúncia de Piñera e, a mais distante e ambiciosa: a convocação de uma Assembleia Constituinte para uma nova Constituição.

Enquanto pensamos nas soluções organizadas pelo povo, em paralelo também queremos acreditar que a repressão cessará, que a violência do Estado não causará mais mortes, que os detidos não são tantos e que as violações de mulheres são poucas. Infelizmente, as estimativas da violência política do estado estão em alta. Há relatos de centros de detenção ilegais, como o metrô Baquedano, próximo à Plaza Italia, o centro das manifestações. Há um número considerável de pessoas presas e desaparecidas. Até casos de centenas de notícias como a de uma menina de 12 anos que recebeu um tiro da polícia ou invasões em prédios particulares sobre líderes estudantis.

Mas, independentemente da guerra de números que virá, deve-se ter em mente que a sociedade chilena foi novamente estuprada e indignada pelas forças armadas e de segurança. E por muitos anos, o ultraje veio do poder econômico dos grupos Luksic, Piñera, Matte, Paulmann. Poderosos grupos da capital que a exploravam incessantemente, acreditando que isso sempre “um pouco mais” nunca terminava. Assim, podemos dizer que o ultraje social e econômico já está feito. Para silenciar a demanda por justiça social, o governo se limitou a oferecer um pacote escasso de medidas e pediu a seus ministros que pedissem desculpas pela má visão e contato com a realidade do povo. Em suma, é o perdão da vítima quando o dano é causado. Foi um erro ridículo e falso. O programa de democracia neoliberal terminou da pior maneira possível.

Mario Olguín Kemp, sociólogo, PhD em História Contemporânea U. de Zaragoza.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora