Declínio da Europa, por Paulo Nogueira Batista Jr.

As dificuldades do euro jogaram lenha nas divergências dentro do bloco. O pós-crise de 2008 foi traumático para a integração europeia, ao contrapor a Alemanha à periferia vulnerável do euro.

Declínio da Europa

por Paulo Nogueira Batista Jr.

A União Europeia voltou às primeiras páginas com as recentes eleições para o Parlamento Europeu. Mas não é o que se vê normalmente. A UE não tem o destaque que recebem, por exemplo, os Estados Unidos e a China. E, no entanto, do ponto de vista econômico, a UE está em pé de igualdade com esses dois outros polos. As economias dos EUA e da UE têm aproximadamente a mesma dimensão, com participações no PIB mundial em torno de 15% a 16%; a da China, responde por 19%.

O que explica o fato de os europeus ficarem, em geral, em segundo plano? São várias as razões, nem sempre devidamente consideradas. Para começo de conversa, leitor, a China vem crescendo rapidamente em termos de participação relativa. Já a UE tende a perder peso. Isso vem ocorrendo há décadas e deve continuar no futuro visível.

Mas a questão, claro, envolve muito mais do que apenas tamanho econômico. O poder de atuação internacional de um país ou de um bloco regional depende, em larga medida, da sua coesão interna. E isso sempre fez falta à Europa, região historicamente propensa a conflitos fratricidas. As chamadas Guerras Mundiais do século XX foram, em primeira instância, guerras civis europeias, que se espalharam na sequência para o resto do mundo, ou partes do resto do mundo. A ninguém escapa que os europeus fizeram, desde a Segunda Guerra, enormes avanços na superação de suas desavenças internas – algo que não ocorreu, diga-se de passagem, entre o Japão, a China e outros vizinhos. Ainda assim, fissuras persistem dentro do bloco europeu, o que afeta inter alia a sua capacidade de projetar-se internacionalmente. Já os EUA e a China, são Estados nacionais. E a China, em especial, se notabiliza por sua coesão interna, atribuível à mão forte do partido comunista e, também, ao sucesso econômico das últimas quatro décadas.

Leia também:  Previsão do Passado para contar a História do Futuro, por Fernando Nogueira da Costa

As dificuldades do euro jogaram lenha nas divergências dentro do bloco. O pós-crise de 2008 foi traumático para a integração europeia, ao contrapor a Alemanha à periferia vulnerável do euro. A Grécia foi o caso mais difícil. Mas, a duras penas, o euro foi mantido e nem a Grécia abandonou a moeda comum. Novas crises podem surgir, mas foi possível botar certa ordem na casa.

Quando os europeus pareciam ter equacionado a crise monetária, eis que são surpreendidos pelo Brexit. Os ingleses, sempre pouco confiáveis, como bem sabia de Gaulle, aprontaram mais uma contra a Europa (e, dessa vez, contra si mesmo …). Os americanos, já lançados na aventura Trump, comemoraram discretamente o enfraquecimento da UE.

Brexit e outros acontecimentos mostram que, além das tradicionais tensões entre as nações do bloco, os europeus enfrentam os mesmos tipos de fenômenos desagregadores que aparecem do outro lado do Atlântico Norte. As elites europeias e americanas, desenraizadas e “globalizadas”, perderam o contato com os seus países de origem. Com a grande concentração de renda e riqueza nas décadas recentes, o que representou certa “latino-americanização” dos países avançados, cresceu a percepção de que as democracias são, na realidade, plutocracias, com pouco ou nenhum espaço para as maiorias. Ao mesmo tempo, as ondas de imigrantes pobres despertaram reações nacionalistas e preocupações com o risco de perda de identidade cultural.

De novo, na Europa esses novos fatores de ruptura política e social se somam à tradicional dificuldade de unir nações muito diferentes em um projeto de integração profunda. Isso gera uma certa paralisia ou, pelo menos, perda de relevância da UE como ator global.

Leia também:  A Revolta Latina, a crise americana e o desafio progressista, por José Luís Fiori

A Europa, porém, é uma região hiperdesenvolvida e sofisticada, e não vai perder essa condição. Padrões de vida e educação elevados se associam ao domínio de tecnologias avançadas em muitas áreas para dar aos europeus vantagens ainda extraordinárias. Tudo considerado, a UE continuará a representar um dos principais polos de poder no mundo nas décadas futuras. Não terá a mesma influência que os EUA e a China, mas o declínio relativo da Europa será gradual, e o seu peso se fará sentir por muito tempo.

Ao Brasil, superadas as barbaridades e vassalagens que marcaram o governo Temer e marcam, mais ainda, o (des)governo Bolsonaro, caberia ampliar as relações com a Europa e, em especial, explorar para nosso proveito as tensões e disputas entre europeus, americanos e chineses.

Paulo Nogueira Batista Jr. é economista, foi vice-presidente do Novo Banco de Desenvolvimento, estabelecido pelos BRICS em Xangai, e diretor executivo no FMI pelo Brasil e mais dez países.

E-mail: paulonbjr@hotmail.com

Twitter: @paulonbjr

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Caro sr., mas se a Europa em claro declínio, como atestado inclusive na sua matéria, porque damos tanta importância à uma região em fracasso? Coincidência ONG’s e Apelos Ambientalistas soarem alto de Economias altamente subsidiadas, em especial na Agropecuária? A Bipolaridade Tupiniquim se explica em seus Especialistas. Pobre país rico.

  2. Concordo com o Paulo, seria uma grande oportunidade de fazer acordos com a Europa, sem subserviência e em posição “de força”, dado os imensos recursos naturais do Brasil…………….parcerias de transferência de tecnologia seriam muito mais fácil de negociar com os europeus que com os americanos…..mas infelizmente, temos um orangotango “America First” como presidente…….e corremos o risco de entrar em “decadência” sem nunca ter sido………

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome