E se a luta for por nossos filhos e netos?, por Eduardo Ramos

Tivessem mil vidas, jamais aprenderiam a mais óbvia e basilar lição da HISTÓRIA, que toda a nação é fruto, acima de qualquer coisa, do grau de Educação, civilidade e as ações de suas classes médias e elites, e isso, há dez mil anos.

E se a luta for por nossos filhos e netos?, por Eduardo Ramos

A essa altura da História, soa ingênuo dizer isso, eu sei! Mas sigo perplexo, acho que acima de qualquer coisa, com o fato de eu saber que milhões e milhões de pessoas morrerão sem jamais suspeitar, que um movimento imundo, fundado em ódios, mesquinharias e interesses hediondos, manipularam e cegaram a essas mesmas pessoas……

Viverão o resto de suas vidas achando-se “lúcidas”, “imparciais” (“Nem Lula, nem Bolsonaro”, o orgulho delas hoje em dia…. sic!…), “inteligentes”, “equilibradas”……

Orgulhosas de, “entre Haddad, do partido ladrão, e Bolsonaro, o doido, eu anulei o meu voto…”

Não saberão o que representa uma rede Globo em um país como o nosso, não saberão quem foi e quem é Sérgio Moro, não saberão quem é Steve Bannon, Irmãos Koch, o que foi a Lava Jato de fato, celebrarão a destruição da Odebrecht, “aquele antro de empresários corruptos”, odiarão Lula e o PT “por terem causado toda essa destruição…..”

Tivessem mil vidas, jamais aprenderiam a mais óbvia e basilar lição da HISTÓRIA, que toda a nação é fruto, acima de qualquer coisa, do grau de Educação, civilidade e as ações de suas classes médias e elites, e isso, há dez mil anos……

Não há esperança para uma sociedade com esse nível de deseducação, incivilidade, infantilismo intelectual em nível inacreditável, a alma banhada em preconceitos seculares e um narcisismo de classe incurável.

Há pessoas realmente de bem nesse meio, conheço várias….. Mas o grau de manipulação a que foram levadas as fez cegas, bloqueadas, não conseguem mais ter uma mínima cognição com a realidade.

Leia também:  A crueldade da “musa da reforma previdenciária” e a banalidade do mal, por Antonio Rodrigues do Nascimento

Um tempo em que a esperança a curto prazo é desautorizada.

E ainda assim, toda a luta que pudermos levar adiante é necessária, na verdade, o único caminho digno a trilhar.

Não importa mais, a essa altura, que sejam outras as gerações a desfrutarem do que pudermos salvar de toda a destruição cometida. Por elas devemos lutar! E deixar tudo o que pudermos de reflexões honestas, que evitam as insanidades perversas de se repetirem em nosso país.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora