Eleições 2018 e 2020: Bolsonaro foi um ‘candidato manchuriano’?, por Wilson Ferreira

Bolsonaro foi programado para rodar três programas que se tornaram mais visíveis nesse ano eleitoral: (a) “Manchuriano Entertainer”; (b) “Guerra Cultural Despolitizadora”; (c) “Aloprar o Cenário Político”

Eleições 2018 e 2020: Bolsonaro foi um ‘candidato manchuriano’?

por Wilson Ferreira

O termo “Candidato Manchuriano” (superespião com Desordem Dissociativa de Identidade artificialmente criado pela CIA e Inteligência militar na Guerra Fria; programado para matar, ativado mediante um sinal aparentemente prosaico, sem conservar alguma recordação disso) foi popularizado no cinema pelo filme “Sob o domínio do Mal”, nas duas versões de 1962 e 2004. Candidato cuidadosamente criado da Inteligência militar brasileira, Bolsonaro não chega à dramaticidade das manipulações neurocientíficas da Guerra Fria: sua Desordem Dissociativa está ao nível discursivo como bomba semiótica de guerra criptografada – Bolsonaro foi programado para rodar três programas que se tornaram mais visíveis nesse ano eleitoral: (a) “Manchuriano Entertainer”; (b) “Guerra Cultural Despolitizadora”; (c) “Aloprar o Cenário Político”: criar o medo antes de vender a bomba.

Em meio a expectativa do encerramento da votação e início das apurações das eleições na tarde desse domingo, a analista de economia Miriam Leitão estava com a cara meio amarrada entre o “time de analistas” do canal Globo News. A eufórica Maria Beltrão mediava as análises sobre projeções de resultados, até que direcionou uma pergunta para Leitão sobre os desafios que aguardariam os prefeitos eleitos ou reeleitos em tempos de pandemia, desemprego e crise econômica.

“Finalmente economia! Já estava com síndrome de abstinência por não discutir temas econômicos…”, desabafou a analista especializada em economia.

O chiste de Miriam Leitão foi sintomático. Afinal, o Jornalismo Econômico deve estar mesmo sendo decepcionante para ela. A atual estratégia semiótica da grande mídia é a desidratação de qualquer sentido macro político ou macro econômico na pauta noticiosa.

Como discutíamos em postagem anterior, os chamados fait divers (“fatos diversos”, antigo gênero noticioso que tratava de pequenos escândalos, fatos pitorescos, pequenas controvérsias etc.) contentavam-se a ser um pano de fundo para questões mais importantes que se destacavam nas primeiras páginas. No máximo, ocupavam colunas como os “drops da política” – clique aqui.

Leia também:  Aumentarão as pressões pela saída de Bolsonaro e Guedes, por Luis Nassif

Porém, desde que o atual governo de extrema-direita assumiu o poder com sua guerra criptografada de informações (a manipulação de um conjunto de informações dissonantes como, p. ex., as “caneladas” entre presidente e vice – a “tecla SAP” de Bolsonaro), a grande mídia transformou a usina de produção de fatos diversos em “hard news”, relegando a pauta macro política e econômica ao esquecimento.

Faz parte do jogo duplo da mídia corporativa: morder e soprar, atacar os “arroubos antidemocráticos” do presidente e, ao mesmo tempo, ligar o piloto automático e participar do jogo de contrainformação dos militares.

E em termos de mercado, outro piloto automático é acionado: o das ondas especulativas. Cria-se um episódio irrelevante (que tal, a bravata de Bolsonaro “quando acabar a saliva, tem que ter pólvora”?), os profissionais do mercado financeiro criam a onda especulativa que é promovida pelos jornalistas econômicos que, como zumbis, replicam as informações. Passa-se então a desovar papéis, bolsa cai, dólar dispara… para depois tudo ser desmentido (principalmente pela “tecla SAP” do vice Mourão) e os movimentos de compra retornarem e a bolsa voltar a um refluxo virtuoso. Logicamente, comemorado pelos analistas como “sinais da retomada pós-pandemia”.

A guerra criptografada produz essa dupla mais-valia: os fatos principais são embaralhados pelos fatos diversos – como, p. exe., a nota conjunta das Forças Armadas afirmando que os militares são “apartidários”, como suposta resposta ao elogio à pólvora feito pelo presidente.  E esconder uma das feridas abertas da história brasileira: os militares promovem golpes de Estado desde 1889 (desde a quartelada da proclamação da República), e a participação de Temer na consulta aos militares que iniciou a queda de Dilma Rousseff foi mais uma delas. Temer e Bolsonaro mais que dobraram o número de militares em cargos civis no governo – mais de seis militares da ativa e reserva. O golpe militar já foi dado sob a mise-en-scène semanal de simulação de uma suposta insatisfação da cúpula militar com Bolsonaro.

Leia também:  Movimento Sindical: uma grande pauta e 6 diretrizes, por Marcos Verlaine

Simulação que encobre a participação do Exército brasileiro na disseminação de informações falsas dos sites bolsonaristas, como destacou a Agência Pública na matéria “Página do Exército e sites governamentais ajudam desempenho de portais bolsonaristas no Google” – o site do Exército é o que mais faz backlinks para endereços bolsonaristas, com 723 links – clique aqui.

O candidato manchuriano

Filmes como Sob o Domínio do Mal (The Manchurian Candidate, 1962) de John Frankenheimer, e a sua refilmagem em 2004 de Jonathan Demme, popularizaram a teoria conspiratória (porém, documentados) de programas de controle mental da CIA e da Inteligência Militar dos EUA criados na década de 1950 sob codinomes como Bluebird e Artichoke – que mais tarde se desdobrou em outros programas como MKUltra.

Candidato Manchuriano é uma personalidade múltipla artificialmente criada experimentalmente, agora classificada na Associação Americana de Psiquiatria (1994) como Desordem Dissociativa da Identidade – superespiões programados para matar, ativados mediante um sinal aparentemente prosaico, sem conservar alguma recordação disso.

Poderíamos considerar Bolsonaro um candidato manchuriano, dessa vez produto da inteligência militar tupiniquim? Claro que não com os toques sinistros da manipulação neurocientífica da Guerra Fria. Mas temos que admitir que a persona representada por Bolsonaro tem o physique du rôle perfeito para as engrenagens dessa guerra semiótica criptografada.

Shannon Ebrahim, editor do site de notícias sul-africano IOL, observava em 2018 que “Bolsonaro parece um candidato manchuriano, e com isso quero dizer um político sendo usado como fantoche por outro poder…” – clique aqui.

Leia também:  Governo Bolsonaro cancela compra de Boeing que poderia ajudar Manaus

Talvez ele não tenha a Desordem Dissociativa de Identidade, mas é impressionante como toca a flauta de Hamelin – por meio da intensa estratégia de avanços e recuos, afirmações e desmentidos é capaz de manter a pantomima de um conflito com a cúpula das forças armadas e com o seu próprio vice – a sua tecla SAP que só ajuda no embaralhamento de informações. Hipnotiza esquerda e os jornalistas da grande mídia que, no piloto automático, reagem às boçalidades num julgamento antes moral do que político.

É indiscutível como o candidato Bolsonaro foi muito bem engendrado e cuidadosamente preparado: enquanto em programas de humor na TV como CQC e Pânico merecia a alcunha irônica e humorista de “mito” (numa estratégia semiótica de normalização de um personagem grotesco), nos quartéis era recebido aos gritos de “líder!” – como quando foi recebido por aspirantes a oficiais da Academia Militar de Agulhas Negras em 2017 – clique aqui.

Antes da sua vitória em 2018, Bolsonaro passou a ser saudado com continências e a ocupar lugar especial nas tribunas, ao lado de militares de alta patente.

Continue lendo no Cinegnose.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome