Fracasso bolsonarista no leilão do pré-sal, por William Nozaki

O problema não estava no "produto" e nem nas contas dos economistas, mas sim no "processo" e em como o governo conduziu a construção do certame.

Fracasso bolsonarista no leilão do pré-sal

por William Nozaki

O leilão era um ótimo negócio, como dissemos tantas vezes, prova disso é que as 14 maiores empresas estavam inscritas para participar do certame. Se o resultado não foi o esperado pelo governo foi por problemas de negociação durante o processo.

A prioridade de atrelar os recursos do pré-sal ao ajuste fiscal, ainda esse ano, fizeram o governo negligenciar uma definição do CNPE que determinou que a Petrobras deveria ser indenizada pelos investimentos já realizados na área, mas não definiu o valor, o que abriu incertezas.

Além disso, para conseguir apoio parlamentar para aprovar outras reformas, o governo fatiou os ganhos com bônus de assinatura entre os entes federados, isso encurtou prazos e aumentou os valores do bônus de assinatura, tornando arriscado correr o risco de arrematar parte do óleo deixando a Petrobras como operadora.

Mais ainda, premido pelo curto-prazismo austericida, o governo negligenciou alertas do TCU sobre questões incertas dado o ineditismo desse tipo de leilão, que não é nem de partilha e nem de concessão, mas de cessão em área onde já havia direito exploratório e investimentos da Petrobras.

Por fim, a insegurança política, jurídica e ambiental provocada por Bolsonaro deve também ter entrado na conta. O problema não estava no “produto” e nem nas contas dos economistas, mas sim no “processo” e em como o governo conduziu a construção do certame. O curto-prazismo serve para apertar rentistas e políticos, não serviu para negociar com a grande indústria petrolífera.

Leia também:  Crônica, uma ligação telefônica de Harmônica, por Rui Daher

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. A venda do pré-sal é burrice até no ponto de vista neoliberal. Hoje no mundo. Só três empresas no mundo, todas estatais, entre ela a Petrobras, desenvolvem tecnologia e exploram petróleo em alto mar. A outra é uma norueguesa e russa.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome