O Governo não é fascista, por Andre Motta Araujo

Trata-se de um governo evangélico-obscurantista-autoritário, completamente fora do arco estratégico do fascismo clássico.

O Governo não é fascista

por Andre Motta Araujo

Alguns comentaristas da mídia tradicional ensaiam uma classificação de fascista no atual governo. Nada mais longe da realidade. O fascismo tinha elementos muito diferentes do atual governo brasileiro, para o mal ou para o bem tinha elementos constitutivos muito mais profundos, a saber:

1.O FASCISMO ERA ADMINISTRATIVAMENTE EFICIENTE – O fascismo pioneiro, o italiano de Mussolini, reorganizou a economia e os serviços públicos na Itália de forma razoavelmente eficiente, todo o sistema ferroviário foi ampliado, tornando-se dos mais modernos da Europa, Mussolini se orgulhava de sua pontualidade. O fascismo fortaleceu notavelmente a indústria italiana através do IRI-Istitutto per la Reconstruzione Industriale, que existe até hoje, holding de 500 empresas industriais; criou a Cassa per il Mezzogiorno, um banco regional para o Sul da Itália, que existe até hoje; fortaleceu o sistema bancário em torno dos grandes bancos estatais, a Banca di Roma, a Banca di Napoli, a Banca Commerciale Italiana, o Monte dei Pachi di Siena e mais outros bancos regionais; ampliou muito a navegação transatlântica com a fusão de quatro linhas na Italia Societá di Navegazione e seus esplendidos navios.

2.O FASCISMO DEFENDIA OS TRABALHADORES – Ponto alto do fascismo foi a Carta del Lavoro, de 1927, um código de proteção aos trabalhadores que serviu de base a inúmeras legislações trabalhistas, inclusive a do Brasil (CLT). Ao mesmo tempo, o Estado fascista criou colônias de férias, escolas para preparação de operários, assistência médica aos trabalhadores; a previdência social moderna com fundos das empresas e do Estado, base da nossa com os institutos.

3.O FASCISMO IMPLANTOU GRANDES OBRAS PÚBLICAS – Auto estradas modernas, drenagem de pântanos, ampliação e modernização de portos, pontes, hospitais, os primeiros aeroportos, ampliação de terras agricultáveis, particularmente forte foi o investimento em energia elétrica, área onde a Itália estava atrasada na década de 20, com a construção de represas aproveitando a complexa topografia da península e o degelo dos Alpes e dos Apeninos.

4.O FASCISMO TINHA GRANDE INTERESSE NA CULTURA – O vasto patrimônio cultural da Itália estava em estado de abandono quando se inaugurou o fascismo em 1923, Mussolini tinha grande orgulho da herança cultural da Itália, palácios, monumentos, termas, vias romanas, tudo foi recuperado e novas iniciativas foram promovidas como a Cidade do Cinema, a Cinecittá, a ópera foi subsidiada e promovida com entradas gratuitas para operários. Mussolini era pessoalmente culto, falava francês e alemão, gostava de história e literatura, compunha poemas, tinha grande admiração por escritores como D´Ánnunzio.

5.O FASCISMO TINHA O ESTADO COMO CENTRO DA ECONOMIA – A economia italiana do fascismo era basicamente estatal, o Estado dirigia a economia. O projeto fascista tinha no revigoramento da economia através de grandes obras públicas e da criação de holdings estatais poderosas como a Finmeccanica, a Fincantieri. Na realidade, o fascismo inventou a empresa estatal tal como a conhecemos hoje, a economia estatal é uma invenção do fascismo.

6.O FASCISMO PROTEGIA OS IMIGRANTES ITALIANOS EM TODO O MUNDO – Mussolini tinha especial interesse na sorte dos imigrantes italianos que se espalharam pelo mundo entre 1870 e a Grande Guerra. Promoveu centros de apoio aos imigrantes em todos os países onde estes se localizaram. No Brasil, grande colônia italiana, enviou em 1937, sua filha dileta, a Condessa Edda Ciano, para uma viagem de três meses. Edda visitou todas as áreas de colonização italiana do Rio Grande do Sul a Minas Gerais, foi um grande evento no Brasil daqueles tempos, com vasta cobertura de imprensa.

7.O FASCISMO COMBATIA O CRIME ORGANIZADO – Mussolini acabou com as máfias do Sul da Itália, com uma política duríssima. Curiosamente, as máfias voltaram com as tropas americanas que desembarcaram na Sicília em 1943. A Itália do fascismo era especialmente segura e livre de banditismo.

8.O FASCSIMO PROMOVEU ALIANÇA COM A IGREJA CATÓLICA – O fascismo criou o Estado do Vaticano com o Tratado de Latrão de 1929. Mussolini de casaca e cartola foi recebido pelo Papa e estabeleceu com o Papado uma forte aliança política com base no tradicionalismo conservador da Igreja.

O atual governo brasileiro não pratica nenhuma das políticas centrais do fascismo, portanto chamá-lo de fascista é um erro. Trata-se de um governo evangélico-obscurantista-autoritário, completamente fora do arco estratégico do fascismo clássico. Os comentaristas que propõem uma assemelhação do atual governo com o fascismo precisam rever sua construção teórica, não é porque é autoritário que é fascista. O fascismo era uma CONCEPÇÃO DE ESTADO não era apenas autoritário, governos autoritários podem ser ditaduras primitivas, como as centenas que se implantaram desde o fim da Primeira Guerra.

NÃO CONFUNDIR O FASCISMO ITALIANO COM O NAZISMO, são duas concepções de Estado distintas, embora o nazismo parta do fascismo, este tem características específicas que não são as mesmas do nazismo. EMBORA se possa atribuir ao nazismo também grande eficiência administrativa, economia de Estado (Volkswagen), grandes obras públicas (as Autobahns), o que também afasta o nazismo de  qualquer semelhança com o atual governo brasileiro.

Esta análise é uma tentativa dentro da realidade da ciência política SEM tomar partido algum, trata-se apenas de uma análise neutra de teorização.

AMA

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora