O credo de Paulo Guedes e suas encíclicas ultrapassadas, por Albertino Ribeiro

Brasil está utilizando a receita errada e com uma dose exacerbada à espera de uma recuperação automática conforme o receituário ultraliberal.

O credo de Paulo Guedes e suas encíclicas ultrapassadas

por Albertino Ribeiro

Até quando entenderemos que o modelo teórico dos economistas não cabe na realidade concreta? Contudo, a paixão por um postulado tem levado pessoas e governos a terem uma visão limitada da complexidade econômica.

A economia é uma ciência que depende de diversas interações que ocorrem no mundo real. Não se resolve problemas econômicos, apenas, com a economia.

O mundo não é apenas complicado, mas complexo! Isso devido as  várias interações entre os elementos de causa e efeito. Boas soluções muitas vezes não são vislumbradas por causa de posições isoladas dos tomadores de decisão.

Foi-se o tempo em que a economia tomava emprestado o método da física de Isaac Nilton, hoje está mais para a teoria do caos, devido aos seus constantes desequilíbrios.

Se olharmos para alguns países europeus desenvolvidos,  enxergaremos um processo mais holístico. São países capitalistas que perceberam o grande fosso existente entre os modelos socioeconômicos e a complexidade do mundo. Vejam a Alemanha, a maior economia capitalista da Europa.

Em 2016 os gastos sociais do país comandado por Angela Merkel, foram  equivalentes a 30% do PIB. Além disso, o estado realiza investimentos no setor privado e trabalha em conjunto com as empresas , gerando sinergia com o mercado.

Acredito que políticas mais à direita podem ser adotadas de acordo com a conjuntura de cada país e devidamente calibradas. Contudo, no momento, o Brasil está utilizando a receita errada e com uma dose exacerbada à espera de uma recuperação automática conforme o receituário ultraliberal. Contudo, sabemos que a saída à moda “Laissez Faire ” tende, apenas, ao aprofundamento da crise.

Leia também:  Conselhos Tutelares e o fim da laicidade, por Rui Martins

Paulo Guedes precisa urgentemente cometer um “sacrilégio” e, nesse momento,  ignorar a “mão invisível” do mercado, promovendo políticas de gastos públicos em investimentos  que, além de gerar empregos, irão melhorar a nossa infra estrutura,  que tem sido também um outro gargalo da nossa economia.

O problema é que o Guedes prefere agir como um sacerdote das ideias ultraliberais e tem em Jair  Bolsonaro o seu principal Beato fundamentalista que, embora não entenda nada de economia,  aprendeu a reza de que o estado é a personificação do diabo.

Albertino Ribeiro é Economista, pós graduado em Psicologia Organizacional, Tecnologista em Informações Geográficas e Estatísticas. Também foi aluno do curso de Psicologia Econômica, ministrado pela Dra Vera Rita Ferreira.

O GGN prepara uma série de vídeos que explica a influência dos EUA na Lava Jato. Quer apoiar o projeto? Clique aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora