Política por outros meios – Chicana Judicial e Circo Midiático, por Reginaldo Moraes

Do Jornal da Unicamp, 05/07/2018

Política por outros meios – Chicana Judicial e Circo Midiático

por Reginaldo Moraes

Lá na primeira metade dos anos 1970, um estudo da Comissão Trilateral, coordenado por Samuel Huntington, diagnosticava o que achava ser o grande mal dos tempos contemporaneos: a democracia atrapalhava o capital. As crescentes demandas sociais dificultavam o dinamismo econômico e sobrecarregavam o estado, tornando as democracias ingovernáveis. O diagnóstico era seguido de algumas terapeuticas, todas elas tentando reduzir o impacto da participação política, incluindo, claro o voto, sobre as grandes decisões. Algumas delas receitavam esterlizar o poder das eleições – reduzindo as atribuições dos eleitos (como, por exemplo, a indicação dos dirigentes da política econômica e monetária). Como seria difícil simplesmente abolir o voto, o sonho da governabilidade era uma participação limitada a uma fração seleta dos cidadãos, com a produção de uma apatia massiva. Uma renúncia ao voto, uma submissão consentida.

Isso me vem à lembrança folheando novamente um livro de Benjamin Ginsberg  & Martin Shefter  – Politics by Other Means: Politicians, Prosecutors, and the Press from Watergate to Whitewater –  Basic Books, N.York, 1990. O livro não é novo. Nem os fatos que explica, nem minhas anotações nas margens. Mas vale a pena ver de novo. Comento duas ou tres idéias do estudo, traduzindo livremente algumas passagens.

A idéia básica dos autores é esta: nos Estados Unidos, em fins do século XX, a ordem política baseada nas eleições estava sendo substituida por um novo regime. A definição de regime político, neste caso, é minimalista. Refere-se ao modo pelo qual são elaboradas as regras de convivência entre os cidadãos e ao modo pelo qual são escolhidos os que mandam na tribo.

Leia também:  Versão Mickey Mouse da macroeconomia fiscal, por Paulo Nogueira Batista Jr.

Ginsberg & Shefter sintetizam:

“Na medida em que a arena eleitoral declinou, aumentou a relevância de outras formas de combate político. Uma indicação deste deslocamento do conflito, para fora da arena eleitoral, é o crescente uso político de uma podereosa arma não eleitoral: o sistema de justiça criminal. Entre o começo dos anos 1970 e o fim dos 1980, ocorreu um crescimento de mais de dez vezes no numero de indiciamentos promovidos por promotores federais contra administradores públicos [inclui políticos eleitos] de nivel nacional, estadual e local. Muiitos deles são servidores de nivel mais baixo, mas grande número tem sido de proeminentes figuras politicas – entre eles mais de uma duzia de membros do Congresso, varios juízes federais e numerosos adminostradores estaduais e locais. Muitos desses indiciamentos tem sido deslanchados por administrações republicanas, e seus alvos prioritários tem sido os Democratas.”

Isto não quer dizer que as disputas estritamente partidarias e eleitorais desapareçam, ressalvam.  É claro que os partidos continuam a disputar eleições, mas ao invés de jogar todas suas cartadas em derrotar o adversário nas urnas, cada partido começa a fortalecer as instituicoes que comanda para usá-las na tentativa de enfraquecer a base politica e governamental do adversário.

Algumas instituições merecem especial atenção, dizem eles.

“O fortalecimento da midia de ambito nacional e do judiciário federal deu nascimento a uma primordial tecnica de combate politico – revelação, investigação e processo. O acrônico para isso, RIP, é um adequado epitáfio político para os servidores públcios que se tornaram os alvos.”

Leia também:  Um trilhão para o Guedes, por Paulo Kliass

O interessante, porém, é que não só desse lado vem o descrédito da política ou sua parcial substituição por outros modos de combate. Atenção para as variações do tema, mais complexas e ambíguas:

“Na ponta liberal do espectro politico, varios movimentos emergem defendendo causas como a defesa do consumidor, o ambientalismo e o feminismo. Estes movimentos têm sido frequemente chamados de “a nova política”, para distingui-los dos lideres sindicais, do bloco dos sulistas brancos e dos políticos da velha-guarda com os quais competem para influenciar por dentro o Partido Democrata. No outro lado do espectro ideológico, os politicos republicanos e ativistas conservadores buscam mobilizar contribuintes descontentes com impostos, a direita religiosa e membros da comunidade de negócios.”

Alguns resultados dessa mudança são instigantes. Selecionei e traduzi também alguns dos gráficos elaborados pelos autores, sempre com base em dados oficiais.

No primeiro, a indicação da interferência cada vez maior do judiciário no disciplinamento da administração pública.

No seguinte, um indicador do declínio da participação eleitoral e crescimento do absenteismo ou apatia.

No terceiro, uma indicação de que o alheiamento não é uniforme em todos os andares da ordem social. Uns desistem mais do que os outros. E talvez esse seja mesmo o objetivo da RIP – revela, investiga, processa.

São notas sobre um estudo de quase trinta anos atrás, sobre um país distante. Mas, talvez tenham interesse, também, para tempos e países mais próximos.

 

 

1 comentário

  1. Post perfeito, absolutamente

    Post perfeito, absolutamente relevante. O país distante utilizou algumas canetadas de juiz para dominar um Estado e saquear-lhe as riquezas. No Iraque, enviaram milhares de soldados e bilhões de dólares em armas para dominar um país e se apropriar de suas riquezas. Por aqui, nossos valorosos generais garantem que os togados trabalhem como linha auxiliar dos invasores.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome