Quadra de Vices, por Fábio de Oliveira Ribeiro

Quadra de Vices

por Fábio de Oliveira Ribeiro

João Goulart substituiu Janio Quadros, mas a posse dele foi contestada. Após um grande movimentação política (a rede da legalidade) Jango assumiu a presidência, sob um parlamentarismo de ocasião comandado por Tancredo Neves. Algum tempo depois os poderes presidenciais foram restaurados, mas João Goulart acabou sendo deposto sem qualquer resistência.

José Sarney tomou posse na presidência em virtude da morte de Tancredo Neves num contexto em que o homem mais poderoso do país era Ulysses Guimarães. Governante frágil capaz de reconhecer a própria fragilidade, Sarney abusou da distribuição de favores (especialmente das concessões de rádio e TV) para consolidar maioria no Senado e na Câmara dos Depurados. Ele fez algo realmente inédito: ele deu um calote na dívida brasileira. De plano em plano econômico, o governo Sarney se arrastou até um final sombrio que permitiu a criação de um salvador da pátria. 

A salvação nacional à moda Fernando Collor durou pouco. Submetido a um Impedimento motivado, Collor cedeu o lugar a Itamar Franco. Desgraçadamente, Itamar será sempre mais lembrado por causa de uma vagina fotografada ao lado dele no Carnaval do que pela paternidade do Plano Real. Com ajuda da imprensa, FHC se apropriou do plano econômico que não concebeu e entrará para a história como aquele que privou Itamar Franco da sua maior glória: a estabilização da moeda. Findo seu governo, Itamar foi rosetar na Itália ocupando o belo palacete em que funciona a Embaixada do Brasil.

Michel Temer chegou ao poder através de um golpe de estado que ele mesmo arquitetou e liderou com ajuda de Eduardo Cunha. Ao assumir a presidência Temer acreditou que havia se tornado o homem mais poderoso do país. Ledo engano. As condições para o livre exercício do poder estavam interditadas por três fenômenos irresistíveis: a Lava Jato, para onde quase todos seus ministros foram tragados; a capacidade de mobilização dos sindicatos, que organizaram uma bem sucedida greve geral e preparam outra e; a gravidade da crise econômica que o próprio Michel Temer ajudou a aprofundar ao fomentar o caos político que o levaria à presidência.

Apesar de seus defeitos, José Sarney e Itamar Franco foram suficiente competentes para seguir governando até uma eleição regular. Eles realizaram governos de transição relativamente estáveis. Tudo indica que, como João Goulart, Michel Temer cairá antes de cumprir integralmente o mandato tampão. Jango, contudo, não foi o verdadeiro artífice da ruína do país que abreviou seu mandato. Portanto, dos quatro vices Temer será o único que entrará no esgoto sem ter sequer entrado para a história do Brasil de maneira positiva.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora