Superficialidade e ignorância nas análises sobre Trump, por J. Carlos de Assis

Por J. Carlos de Assis

Lendo o artigo de ontem de Marcelo Zero na internet, fico imaginando como mesmo pessoas inteligentes e razoavelmente informadas não conseguem entender o que Donald Trump representa para os Estados Unidos e para o mundo em termos de mudança de paradigmas.  São os velhos parâmetros que continuam no controle mental de muitos dos comentaristas sobre o assunto. Não conseguem ver que Trump não é um acidente, mas um fenômeno necessário da trajetória política americana e mundial.

É irrelevante que Trump tenha rejeitado um tratado que nunca existiu e que nunca provavelmente existiria na prática. Sua rejeição está no campo estritamente simbólico, que vale para dentro e, contraditoriamente, também para fora. O que se coloca em questão não é o tratado em si mas a simbologia que representa para o resto do mundo, em particular para os países em desenvolvimento e os emergentes. Nas mãos dos neoliberais democratas, mesmo não ratificado, serviria de pressão permanente para a abertura comercial destes últimos.

Para nós, brasileiros, a rejeição é extremamente significativa. Muitos se esquecem de que é um diplomata brasileiro que está à frente da Organização Mundial do Comércio. Sua tarefa, contra os interesses reais do Brasil, é promover o livre comércio no mundo, a começar do nosso. Quanto foi indicado para a OMC, escrevi um artigo inflamado perguntando que diabos um brasileiro iria fazer nesse posto na medida em que os interesses nacionais do país colidem com as prédicas ideológicas do livre comércio.

Leia também:  Bolsonaro joga seu povo aos leões, por Simone Castro

Agora, acredito eu, com base apenas na retórica de Trump – independentemente do que vier a fazer na prática, diga-se de passagem – países como o Brasil poderão criar coragem e defender seus próprios interesses e não os interesses de Washington na questão do comércio.  É claro que gente como José Serra e Michel Temer devem estar tontos com a situação pois seria para eles mais confortável defender os interesses dos Estados Unidos na condição de cabeça de império do que como uma nação voltada para seus próprios interesses.

A tentativa de minimização do gesto de Trump ignora a natureza das leis dialéticas pelas quais situações extremas geram contraditoriamente o seu oposto para criar uma nova síntese. Os Estados Unidos estão super-estendidos no mundo. São mais de 700 bases militares, são sete guerras em andamento em que estão envolvidos, são agentes globais do intervencionismo militar e político.  Seu povo parece cansado disso. Trump ganhou porque soube interpretá-lo. É o oposto disso. Uma figura contraditória,  capaz de gerar uma síntese.

O Papa Francisco fez uma importante advertência a respeito dele. Vamos esperar para ver o que vai fazer, recomendou. Nada de julgamentos precipitados. Ao contrário do que pensam, seu nacionalismo vai muito além da retórica. Ele não quer se meter nos problemas do mundo em todo o planeta. Num dos temas mais sensíveis, Israel, ele fez um comentário absolutamente pertinente. Só Israel e os palestinos poderão resolver os seus problemas, disse ele. A pretensão de que tudo se resolve em Washington mais do que fracassou.

101 comentários

  1. Concordo

    Concordo parcialmente.

    Realmente é muito superficial dizer que Trump levantará um muro na fronteira do México para conter a entrada de imigrantes.

    Há outros interesses que serão satisfeitos dos dois lados da fronteira.

  2. talvez no bom caminho, contrariando os dois neurônios plin plin

    Diferentemente da Clinton e sua continuidade na supremacia da finança o Trump olha aquilo que constrói “coisas”, carros aço pontes estradas etc etc.

    A finança e Wall Street se algumas vezes criaram algo foi a monumental desigualdade e muito papel colorido com nomenclatura fantasiosa e consistências do pum.

  3. Quem é que está sendo ignorante?

     

    Netanyahu amplia assentamentos na Cisjordânia com a posse de Trump

    Dezenas de casas novas serão erguidas em Beit El — enclave vizinho de Ramallah, a capital administrativa da Autoridade Palestina —, que recebeu financiamento da família do genro e assessor do presidente Trump, o judeu ortodoxo Jared Kushner, segundo o jornal israelense Haaretz.

     

     

    Governo israelense aprova construção de 2.500 casas no território palestino ocupado

    ”As regras do jogo mudaram com a chegada de Trump na presidência”, afirma vice-prefeito da cidade

    Por 

     

    Depois de autorizar a expansão dos assentamentos em Jerusalém Oriental domingo passado, Israel aprovou nesta terça-feira a construção de 2.500 casas na Cisjordânia durante os primeiros dias do mandato de Donald Trump nos Estados Unidos. Trata-se de obras em territórios palestinos ocupados pelo Exército israelense em 1967 e considerados ilegais pela comunidade internacional. Há cerca de um mês, na etapa final da Administração do democrata Barack Obama, o Conselho de Segurança da ONU adotou uma resolução que condena as colônias judaicas sem que Washington exercesse seu tradicional poder de veto em defesa dos interesses de Israel.

     

    “Estamos construindo e continuaremos construindo”, disse no Twitter o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, pouco depois do anúncio do Ministério da Defesa sobre a ampliação dos assentamentos para “manter uma vida cotidiana normal” na zona. Mais de 400.000 colonos judeus moram em centenas de assentamentos na Cisjordânia e outros 200.000 em Jerusalém Oriental.

    Dezenas de casas novas serão erguidas em Beit El — enclave vizinho de Ramallah, a capital administrativa da Autoridade Palestina —, que recebeu financiamento da família do genro e assessor do presidente Trump, o judeu ortodoxo Jared Kushner, segundo o jornal israelense Haaretz. Outras casas serão erguidas em Ariel (900), Maale Adumim (90) e Givat Zeev (100), entre uma dezena dos chamados “blocos de assentamentos”, urbanizações que Israel pretende incorporar ao seu território após um eventual acordo com os dirigentes palestinos.

     

    Netanyahu comunicou aos principais ministros de seu Governo que ordenou suspender as restrições à construção em colônias judaicas em Jerusalém Oriental, o que até agora havia sido limitado antes as pressões internacionais contra a expansão dos assentamentos. Domingo passado, a Prefeitura de Jerusalém aprovou a construção de 566 moradias na parte leste da cidade, anexada por Israel após a guerra de 1967.

    O anúncio da ampliação de três assentamentos judaicos — Pisgat Zeev, Ramot e Ramat Shlomo – ocorre apenas 48 horas depois da chegada de Trump à Casa Branca. A Prefeitura de Jerusalém já havia tentado autorizar as novas urbanizações no final de dezembro, mas Netanyahu pediu, na época, que a decisão fosse adiada até a finalização do mandato de Obama, cuja Administração se mostrou abertamente contrária à ampliação de colônias em territórios palestinos ocupados.

    “As regras do jogo mudaram com Trump na presidência”, declarou o vice-prefeito de Jerusalém, Meir Turjeman, adiantando que os serviços de urbanismo estudam projetos para erguer outros 11.000 alojamentos em Jerusalém Oriental. Em 2014, foram autorizadas 775 moradias em assentamentos na parte oriental da cidade. Em 2015, houve outras 395. Em 2016, foram aprovadas cerca de 500 casas até a eleição de Trump em 8 de novembro e, dessa data até o final do ano, mais de mil receberam autorizações municipais.

    “Israel deve receber como resposta uma clara ação internacional após a última expansão dos assentamentos, adotada depois da posse do presidente Donald Trump”, advertiu nesta terça o secretário-geral da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), Saeb Erekat. “A decisão israelense [de construir e Jerusalém Oriental] é uma afronta ao Conselho de Segurança da ONU, especialmente depois da resolução 2334 [aprovada em 23 de dezembro passado com a abstenção dos EUA e o voto favorável dos demais Estados membros], que declara a ilegalidade dos assentamentos”, disse no domingo um porta-voz do presidente palestino, Mahmoud Abbas.

     

     

    • Desculpe-me companheira
      Desculpe-me companheira Vânia,por que não optou por fazer apenas 1 comentário?Fez 4 e se enrolou toda.

      • Cupanheiro Junior

        Tens razão, fiz muitos comentários nesse post hoje, talvez influenciada inconscientemente pelo seu estilo (cupanheiro) sempre preponderante aqui no blog… Por outro lado, os meus comentários foram todos muito claros e complementares.

        Sacou a diferença?

          • A de cima ja respondi,falta

            A de cima ja respondi,falta voce.Geralmente as pessoas que se entrometem nas minhas conversas sem serem devidamente convidadas,pegam embaixo comigo.Sacou?Sem trocadilhos.

          • Epa epa eps.Onde foi parar

            Epa epa eps.Onde foi parar meu sagrado direito de resposta.Nao vivo sem ele.Nao e primazia do Blog cousa alguma.Direito sagrado e divino,vice versa,de qualquer um que aqui participe.Nao e favor nenhum,e obrigacao.Simples assim.

        • Encareceria se sua educacao

          Encareceria se sua educacao permitir,complementar meu comentario.Tenho ojeriza a radicais de esquerda,direita o que for.No caso em tela,parece-me que se manifesta uma adepta do PCO,PSTU ou algum femenismo demode.Quanto a senhora nao apreciar os “cunpahero”,ja nao e problema meu.Se dirija a Lula,sou seguidor incondicional dele.

  4. O presidente firmará medidas que vetam temporariamente a entrada

    Se o Temer faz isso aqui no Brasil é chamado de fascista (com razão), mas sendo o Trmp é lindo!

    http://brasil.elpais.com/brasil/2017/01/25/internacional/1485306667_055915.html

    Veto aos refugiados e trava à imigração

    O republicano também prevê assinar nesta quarta-feira várias ordens executivas que restringirão a imigração procedente da Síria e outros seis países do Oriente Médio e da África, de acordo com informação publicada nesta terça-feira pela agência Reuters, que citou especialistas na matéria que foram informados da iniciativa. Tal como o republicano prometeu na campanha eleitoral, o novo Governo também freará de pronto a chegada de refugiados. Em concreto, firmará um decreto para evitar temporariamente a chegada de refugiados e um outro para negar vistos a cidadãos do Iraque, Irã, Líbia, Somália, Sudão e Iêmen, segundo informaram as mesmas fontes sob condição de anonimato.

    A mão de ferro com a imigração foi um dos grandes lemas da campanha trumpista, tanto no referente aos estrangeiros que chegam aos Estados Unidos buscando melhores oportunidades de trabalho na economia mais rica do planeta como em relação aos que estão fugindo de guerras.

    Se em sua primeira declaração como candidato ele acusou os mexicanos que cruzaram a fronteira de serem “estupradores”, mais adiante propôs a possibilidade de proibir a entrada de muçulmanos como medida de proteção ante o terrorismo islâmico. O veto a uma religião é contrário à Constituição norte-americana, mas a Administração Trump se esquiva deste problema assinalando que a regra valerá para países concretos que considerem uma ameaça.

    As restrições a respeito de refugiados que estão agora sobre a mesa incluirão, provavelmente, a proibição da entrada de refugiados durante vários meses, até que o departamento de Segurança Interior possa levar a cabo um processo de veto mais rigoroso, segundo a Reuters.

    O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, afirmou que o departamento de Segurança Interior começará a trabalhar no processo de veto uma vez que o secretário de Estado, Rex Tillerson, já esteja instalado no cargo. Outras medidas podem incluir instar às agências implicadas a aperfeiçoar seus  sistemas de identificação biométrica para os estrangeiros sem cidadania americana e que entrem ou saiam do país, além de estabelecer castigos severos para os imigrantes que usarem as ajudas públicas.

  5. FATO: Os (reaças, magnatas e bilionários) escolhidos por Trump
     A esquerda trumpista não se convence nem com os fatos…  Vamos lá, esse é o perfil do governo que vai salvar o mundo do neoliberalismo e tornar a Terra um lugar mais justo e pacífico, segundo a esquerda trumpista.

    Os escolhidos do governo Trump (DW)

    Chefe de gabinete

    Reince Priebus, líder do Partido Republicano, vai chefiar o gabinete da Casa Branca. Ele, que atualmente preside o Comitê Nacional Republicano, foi o principal aliado de Trump durante a corrida presidencial. Ao nomear Priebus, o magnata volta-se para um veterano de Washington, muito próximo dos caciques republicanos.

    Estrategista
    Stephen Bannon, ex-diretor do portal de notícias da extrema direita “Breitbart News”, será o chefe estrategista do governo Trump. Ele também trabalhou na campanha presidencial. A nomeação de Bannon foi denunciada por grupos de defesa e democratas, que o acusam de opiniões racistas, antissemitas e misóginas.

    Segurança Nacional
    O general reformado Mike Flynn foi apontado como assessor de segurança nacional da Casa Branca. Flynn tem em seu registro uma série de declarações polêmicas sobre muçulmanos. Segundo a imprensa americana, a escolha é uma mescla de experiência e controvérsia. Como vice, Trump nomeou Kathleen Troia McFarland, conhecida como K.T. McFarland, analista da Fox News sobre segurança nacional.

    Secretário de Justiça
    Jeff Sessions, senador conservador do estado do Alabama, será o secretário de Justiça e procurador-geral dos Estados Unidos. Sessions tem discurso linha-dura e muitas vezes inflamatório sobre imigração. Em 1986, ele foi indicado para juiz federal pelo então presidente Ronald Regan, mas teve nomeação suspensa por comitê do Senado, sob acusação de racismo.

    Secretária de Educação
    Betsy DeVos será secretária de Educação. A bilionária foi presidente do Partido Republicano no Michigan e preside a organização American Federation for Children, que propõe que os pais possam recorrer a fundos públicos para escolher a escola que seus filhos vão frequentar, seja particular ou religiosa. É também opositora declarada dos sindicatos de professores, chegando a chamá-los de “inimigos”.

    Secretário do Tesouro
    Steven Mnuchin foi indicado para ser secretário do Tesouro. Chefe financeiro da campanha do magnata, ele já trabalhou para o grupo bancário Goldman Sachs e foi presidente da empresa Dune Capital Managment, que financiou filmes como “Avatar”. Em entrevista à imprensa americana, afirmou que sua prioridade será diminuir os impostos de empresas, como Trump havia prometido durante a campanha eleitoral.

    Secretário de Comércio
    O bilionário Wilbur Ross, conhecido por investir e retomar o lucro de empresas falidas, é a escolha de Donald Trump para chefiar o Departamento do Comércio no seu governo. O empresário ajudou a moldar as propostas econômicas da campanha do presidente eleito dos Estados Unidos.

    Secretário de Defesa
    O general reformado da Marinha, James Mattis, deverá comandar o Departamento de Defesa americano. Considerado um militar “linha-dura”, Mattis liderou operações em todo o Oriente Médio, como a que invadiu o Iraque em 2003. Ele é conhecido pelo apelido “Cachorro Louco” (Mad Dog).

    Pequenas Empresas
    A magnata Linda McMahon foi a escolha de Trump para o posto de secretária de Pequenas Empresas. McMahon entrou para o mundo da política ao se candidatar para o Senado pelo estado de Connecticut, sem sucesso, em 2010. Desde o início ela apoiou a campanha presidencial de Trump.

    Proteção Ambiental
    O procurador-geral do estado de Oklahoma, Scott Pruitt, será o chefe da Agência de Proteção Ambiental (EPA). Pruitt é criticado por negar a mudança climática e por ser um defensor dos combustíveis fósseis. O procurador interpôs várias ações judiciais contra a regulamentação da administração Obama, implementada pela EPA, para reduzir as emissões pela indústria do carvão.

    Ministério do Trabalho
    Andrew Puzder, chefe da rede de fast foods CKE, foi apontado como o próximo ministro do Trabalho. Segundo Trump, o empresário de 66 anos é ideal para o cargo por ter criado milhares de postos de trabalho. Puzder, contudo, também ficou conhecido por ser contra a fixação de um salário mínimo de nove dólares a hora. Ele alega que isso prejudica os lucros.

    Secretário de Estado
    O CEO da multinacional de gás e petróleo ExxonMobil, Rex Tillerson, foi escolhido para o cargo de secretário de estado. Tillerson, de 64 anos, não tem experiência no setor público. Ele começou na ExxonMobil em 1975 e, em 2006, tornou-se o CEO da companhia. A relação estreita que o novo secretário de Estado mantém com o presidente russo, Vladimir Putin, foi apontada como motivo de preocupação.

    Energia
    O ex-governador do Texas Rick Perry foi escolhido como secretário de Energia. Segundo analistas, é provável que ele adote uma política distante das energias renováveis e favorável aos combustíveis fósseis, cuja produção ele defendeu como governador por 14 anos. Nas duas últimas eleições presidenciais, Perry foi pré-candidato pelo Partido Republicano, sem sucesso.

    Exército
    O bilionário Vincent Viola foi escolhido para o cargo de secretário do Exército. Aos 60 anos e filho de imigrantes italianos, ele é dono de um time de hóquei e da Virtu Financial. Seu único vínculo com a carreira militar vem de quando era jovem: Viola se graduou na prestigiada academia militar de West Point.

    Conselho Nacional de Comércio
    O economista linha-dura em relação à China, Peter Navarro chefiará o recém-formado Conselho Nacional de Comércio da Casa Branca. Navarro é autor de livros incluindo “Death by China: How America Lost its Manufacturing Base” (Morte pela China: como os EUA perderam a sua base industrial, em tradução livre). Professor da Universidade da Califórnia, ele tem sugerido intensificar as relações com Taiwan.

    Interior
    Ryan Zinke, 55, republicano de Montana e membro do subcomitê da Casa Branca para recursos naturais, votou a favor de leis que enfraqueceriam as salvaguardas ambientais em terras públicas. Ele tomou posições favoráveis à indústria do carvão, a qual foi prejudicada durante o governo Obama.

    Comércio
    Robert Lighthizer, 69, serviu como vice-representante comercial dos EUA durante o governo Reagan nos anos 80 e, desde então, atuou por quase três décadas como advogado na defesa de empresas americanas em processos anti-dumping e anti-subvenções. Crítico ferrenho da política comercial chinesa, Lighthizer defende medidas mais agressivas ao lidar com o país asiático.

    Agricultura
    O ex-governador da Geórgia Sonny Perdue, de 70 anos, serviu no comitê consultivo agrícola da campanha de Trump. Republicano, ele serviu no Senado estadual e cumpriu dois mandatos como governador, de 2003 a 2011. Posteriormente, fundou a Perdue Partners, uma empresa global de comércio que presta consultoria e serviços para empresas interessadas em exportar produtos.

    UFA! Agora vai!

     

  6. Agrega muito.

    Espero que os desdobramentos sejam aqueles apontados pelo analista, favorecendo os países emergentes, mas como consta do texto, é cedo para julgar. Seria oportuno, por outro lado,  uma análise a propósito da aparente insatisfação de nossas elites com a eleição de Trump.  Poderia estar implícita uma avaliação de que não haverá mais um alinhamento automático da elite norte americana com a brasileira, em função das novas estratégias representadas pelo governo Trump ?

  7. Não há como discordar da

    Não há como discordar da Vânia. Trump é um bilionário racista, fascista de corpo e alma, no comando de um império com o poder de destruir o mundo. Vai reduzir os impostos sobre os ganhos de seus pares, aumentando ainda mais a desigualdade social em seu próprio país. Imagine, então o que pode fazer com os povos de países indefesos. Quando Trump coloca os EUA fora do conflito ISRAEL/PALESTINA, está abrindo caminho para a direita de Israel agir como bem entender.  Mas como informa o articulista, é uma nova estratégia de poder, gerando novas contradições e abrindo outras  possibilidades de enfrentamento 

  8. Taí! Esse texto do JCA demonstra bem as contradições da eXquerda

    Depois a esquerda não entende pq só se fode e e extrema direita avança a passos largos, com uma ajudinha providencial de sua (exquerda) própria ignorância e contradições sem fim.

    A mais recente novidade da exquerda é a sua perseguição aos progressistas e minorias que lutam por seus direitos. 

    Aliás, já que é para desapegar de qualquer lógica ou idealismo, poderiam se intitular: “Esquerda tradicional conservadora em defesa da propriedade e da família” –  ou simplesmente “esquerda reacionária” – em contraponto ao que vocês próprios estão alucinadamente chamando de “neoliberalismo progressista”. 

    • Vejo que as pessoas tem

      Vejo que as pessoas tem dificuldades em aceitar as diferenças que elas próprias tentam defender.

  9.  Bom esforço de apresentar

     Bom esforço de apresentar uma explicação para o fenômeno Trump. Mas as dificuldades dos analistas que reivindicam uma posição de esquerda ou meramente nacionalista é grande – e por boas razões.

    Como pensar um discurso e atitudes que englobam nacionalismo, protecionismo, ataques à agenda liberal (no sentido americano do termo) e criticas à ordem mundial construída no período Clinton-Obama? Conforme for o acento que se coloque nesses diversos aspectos, diferentes serão as avaliações. Em particular, são nítidas as dificuldades daqueles que privilegiam as políticas identitárias, ambiental, etc. A análise de Nancy Fraser, já reproduzida duas vezes no GGN, sobre o neoliberalismo progressista ajuda a entender o problema. As reações furiosas nos EUA a essa tese também.

    A direita neoconservadora parece ter mais clareza onde lhe doí. Na nova ordem mundial, é claro. Uma ordem que afronta a ideia de soberania dos estados (tratado de Westfália), antidemocrata, intervencionista e belicista. A leitura dos colunistas  dos nossos jornais neoconservadores, golpistas e globalistas é esclarecedora (vejam, por exemplo, a coluna de hoje do Vinícios Torres Freire, que critica a mal denominada esquerda trumpista… espertinho o Vinícios).

  10. Se a Globo é contra o Trump,

    Se a Globo é contra o Trump, eu sou a favor.

    Coincidência ou não, o movimento iniciado por Reagan e Tatcher dá sinais de que pode ter chegado ao fim, com o Trump nos EUA e com o BREXIT nas terras da rainha.

     

    • Aí é que há engano

      Eles, Trump e Nay querem frear o neoliberalismo só de fora para dentro dos psíses deles. De dentro para fora não há restrições. Eles querem conseguir o melhor para eles, sem desvantagens e o pior para os outros. É a exigência de May para a UE: saímos pirque não queremos as desvantagens da UE, queremos os acirdos mais lucrativos. Como unilateralismo comercial pode funcionar ?

      • O unilateralismo vem, hoje,

        O unilateralismo vem, hoje, da subserviência de quem é oprimido mais do que da força do opressor.

        O artigo fala claramente que no dia que o Brasil quiser ser soberano ele o será. Hoje gostamos de ser vassalos – veja apatia diante de um golpe de estado.

        A mensagem de Trump afeta sim o neoliberalismo na medida que impõe restrições, mesmo que teóricas, às grandes corporações. Se haverá prioridade pelo emprego lá, e menos fábricas da Ford aqui, Ok. teremos mais vagas na Embraer, na construção civil, mudaremos nossos valores … mudaremos o nosso foco .. somos grande … temos mercado.

        Vejo as ideas de mudança de paradigma de Trump com muito otimismo.

        Isso forçará a mudança da ONU, enterrará essa desgraça que é “mudanças climáticas” como instrumento de opressão geopolítica, além de forçar o México, esse sim um vassalo ridículo, a tomar um rumo como Nação.

  11. Não fracassou, mas tem se

    Não fracassou, mas tem se mostrada ineficiente a resolução de conflitos via Nações Unidas. Trumpo é uma resposta às derrotas do capitalismo na sua versão ultraliberal? Sim. Se olharmos pela via do voto.

  12. Perfeito só uma vez Assis,se
    Perfeito só uma vez Assis,se se colocar mais de um perfeito o Blog corta.Exergam chifres na cabeça de cavalo,ou a Síndrome de Jean Wyllis.De parabéns pelo artigo.

  13. Superficialidade e Ignorância

    Os que no Brasil reagem às novas políticas de Trump, são aqueles que vivem de oferecer seus serviços ao Establishment americano e a quem pagar pelos seus serviços. Acontece que Trump está tirando a serventia dos mercenários brasileiros que vendem seus serviços aos americanos. É a criação de legislação que permite entregar o nosso petróleo, são aqueles que se prestam a destruir as nossas empresas de engenharia em prol das empresas americanas e européias, é aquele que usa seu cargo de ministro para vender Alcântara para os empresários da industria aeroespacial, e por aí vai.

    Não creio que Serra e assemelhados, sejam “agentes” do governo americano. Creio que ele vende seus serviços de político àquele que lhe pagar pelos serviços que prestar. Sejam americanos, europeus, asiáticos. Ele e assemelhados fazem negócios. Não existe esta de patriotismo. Para eles não existe Brasil. São do tipo “fazemos qualquer negócio”.

  14. Não há como discordar da

    Não há como discordar da Vânia. Trump é um bilionário racista, fascista de corpo e alma, no comando de um império com o poder de destruir o mundo. Vai reduzir os impostos sobre os ganhos de seus pares, aumentando ainda mais a desigualdade social em seu próprio país. Imagine, então o que pode fazer com os povos de países indefesos. Quando Trump coloca os EUA fora do conflito ISRAEL/PALESTINA, está abrindo caminho para a direita de Israel agir como bem entender.  Mas como informa o articulista, é uma nova estratégia de poder, gerando novas contradições e abrindo outras  possibilidades de enfrentamento 

  15. Assis, ignoraância ou cinismo ?
    Onde, por favor, você ouviu esse comentário de Trump “absolutamente pertinente” sobre Israel ? Aqui o link para o video no qual Trump afirma, em campanha, que vai transferir a capital de Israel para Jerusalem, largamente noticiado em todo o mundo. Como vc diz a respeito do acordo TPP que nunca existiu, a decisão de Trump é simbólica.https://m.youtube.com/watch?v=9cE1pCKaGlg Como essa afirmação também é mais fo que simbólica. Trump enviou em campanha um advogado desconhecido que foi fazer campanha para ele em Israel. Não longe do Muro, o advogado fez um discurso  inflamado anunciando o desejo de Trump sobre a capital em Jerusalem. O advogado é David Friedman, que vai ser o embaixador dos EUA em Israel. Ele tem uma organização que coleta bilhões de dólares em doações para assentamentos ilegais:  “American Friends of Beit El”  e Jared Kushner,  genro de Trump é um fos maiores doadores.
     

    • Ana Torres, isso é a “esquerda reacionária” e alucinada…

      Se desprendeu de todas as lógicas, de todos os ideais e, agora, até dos fatos. Triste ver isso… Veja o nível dos comentários aqui e acolá nesse blog, está parecendo um G1 às avessas. Talvez seja mellhor deixar eles falando sozinhos, morrendo abraçados e afogados.

      Estamos f… com uma exquerda dessa.

      • O autor do artigo nos

        O autor do artigo nos convidou ao óbvio : analisar Trump para além dos estereótipos.

        Mas reconheço que em tempos de midiotização, inclusive das esquerdas sem conhecimento de geopolítica, fica difícil as pessoas, principalmente as mulheres convocadas e obedientes ao george Soros entenderem algo que não seja vociferar qq coisa contra o abominável homem-branco.

        • UAU! Esse comentário “além dos esteriótipos” merece destaque!

          …em tempos de midiotização, inclusive das esquerdas sem conhecimento de geopolítica, fica difícil as pessoas, principalmente as mulheres convocadas e obedientes ao george Soros entenderem algo que não seja vociferar qq coisa contra o abominável homem-branco.

          Viva a esquerda trumpista! Viva a geopolítica! Viva a geoeconomia! Viva a “nova ordem mundial”!

          Fodam-se mulheres, negros, refugiados, gays, etc. Sobretudo as mulheres obedientes ao GS que não entendem lhufas de geocaralho. 

        • Victor

          “Principalmente as MULHERES” ! Que maravilha de clmentário machista e sexista, tão adequado ao estilo Trump ! Perfeito ! Será wue essas mulheres a quem vc se refere são as nesmas que  Trump  “adora  tocar sem o consentimento delas” (sic) ?

      •  Sim, Vania, estou estupefata
         
        Sim, Vania, estou estupefata com a ignorância dessa esquerda. Eles elogiam o “nacionalismo” trumpista  e ignoram que ocara é um capitalista extremista, nazifascista, racista, xenófobo, ataca todas as minorias. Trump é o ídolo dos partidos nacionalistas populistas de extrema fireita na Europa. Marie le Oen& Co.  Como pode alguém de esquerda enfissar essa ideologia marron ? 

      • Lógica terrorista. Quem

        Lógica terrorista. Quem apoiou Obama apoia cada casa, hospital e criança mortos por cada uma das 26.000 Obombas despejadas por dia em locais que ficam milhares de kilometros de distancia de qualquer solo americano.

        • Deixa de ser bobo!

          “Quem apoiou Obama apoia cada casa, hospital e criança mortos por cada uma das 26.000 Obombas despejadas por dia em locais que ficam milhares de kilometros de distancia de qualquer solo americano.”

          Quem aqui apoiou Obama nesses crimes? aliás, é relevante observar que mesmo imediatamente após ser eleito, antes dele fazer todas essas merdas, nunca teve apoio tão grande quanto o que o Trump encontra por aqui. Procurem nos arquivos do GGN. 

          É estarrecedor!

          • Ah sim, era justamente do

            Ah sim, era justamente do apoio dos leitores do jornalggn que o Tump estava precisando kkkkk. Minha cara, o fato é que o Trump está segurando um grande pepino lá nos EUA, nao tem base. Uma grande parte da direita apoiou e ainda apóia a Hillary Clinton, nem que pra isso tenha que derrubar o cara. Na esquerda, obviamente que ele nao tem apoio. Em resumo, é um governo fraco, muito mais fraco do que seria um governo da Hillary. Do ponto de vista da política internacional e do Brasil, me parece óbvio que isso é bom pra nós, né? Quais sao as suas avaliaçoes da conjuntura política internacional? Por favor me explique. Pq o que o Trump fez ao assinar o decreto onde retira os EUA do acordo com os países do pacífico é algo positivo pra gente, ou nao?

             

          • Ninguém apoiou Obama nesses

            Ninguém apoiou Obama nesses crimes, espero, apesar de alguns talvez considerarem positivo o governo Obama em outras areas. Incrivel! Ah, a não ser a Hillary que participou desses crimes sendo Secretaria de Estado do Obama, ela deve ter defendido sua politica de guerra diversas vezes durante a campanha, que pelo menos não ser tachada sexista, deve ter matado tantas mulheres sirias quanto homens.

          • Mas por que diabos quem

            Mas por que diabos quem levanta as questões corretas – Trump é misógino, racista, conservador, belicista, pró-Israel, e um plutocrata comprovado – precisa ignorar que Obama e Hillary são eles também arqui-imperialistas e criminosos de guerra? Porque quem é crítico de Obama e “Killary” tem de ser ingênuo em relação ao Trump?

          • Não precisa. Também não é

            Não precisa. Também não é “Trumpista” quem aponta uma mudança possivelmente positiva nos rumos do império.

  16. O Brasil precisa exportar (há

    O Brasil precisa exportar (há anos o Nassif defende câmbio mais desvalorizado, e o professor Assis também). Se o Trump impõe taxas e fecha os EUA para o comércio exterior, como fica a economia brasileira? Não precisa nem mais pensar em câmbio. O professor não toca nesse ponto em todo o artigo, ponto fundamental.

    • O Brasil não tem tratado

      O Brasil não tem tratado comercial com os EUA portanto dificilmente sera afetado pelo projeto Trump, a tarifa comum deve continuar a mesma, o que ele quer atingir são as tarifas rebaixadas por acordos.

      • Caro André Araújo, parece me

        Caro André Araújo, parece me que o Trump quer proteger a indústria americana como um todo. A questão agrícola poderá ser um problema, a industrial terá pouca relevância no caso brasileiro. Acompanho os seus escritos há vários anos, e sempre que posso tento jogar dados a sua compreensão de fatos econômicos (por exemplo, já trabalhei no Tesouro e sei da dificuldade que é em determinar as taxas corretas para que os títulos não encalhem). Forte abraço.

  17. Trump surpreende porque

    Trump surpreende porque cumpre o que prometeu.

    Para quem acompanha a mais tempo a equipe dele na área de relações internacionais tende a ser mais inteligente e menos ideológica que a de Obama. As sucessivas mudanças de regime, a construção do Estado Islâmico, as parcerias com os Sauditas tendem a acabar.

    O que se coloca é se ele mudará todo o deep state ou arriscará mudar o paradigma sem profundas mudanças no staff.

    Algumas bandeiras dele são coincidentes com a da turma nacionalista e patriótica do Brasil, principalmente quanto ao tema mudanças climáticas. Quase religião mesmo nos meios científicos.

    Privilegiar o emprego é a novidade, assim como homenagear o eleitor na posse e não citar nenhum dos dois partidos. Ele também não citou nenhum país da Europa, nem o velho parceiro UK que já abandonou o barco furado da UE e se dirige em direção ao Oriente, mais rico e populoso.

    Ele desafia George Soros e sua gangue de tolos manifestantes sem conteúdo e levadas pela emoção tola sobre temas “emotivos” mas sem nenhuma importância substancial no mundo de hoje. O que realmente queriam as milhares de mulheres pós posse ? E os LGBTs ? Eles não querem trabalho? Pois foi esse o tema da campanha de Trump.

    Essa esquerda de Soros é a mesma que derrubou Dilma.

     

  18. Quem expulsa mais imigrantes ilegais, USA ou México?

    Pois bem, esta foi o assunto de Trump com uma jornalista da CNN, e o mais supreendente que apesar do México receber menos imigrantes ilegais do que os USA, as leis contra a imigração mexicanas são mais duras e ainda mais rascistas que as norte-americanas.

    O México e os USA em 2015 expulsaram respectivamente 100.000 e 300.000, como o México tem 1/3 da população norte-americana e recebe um número muito menor de imigrantes quer dizer que eles são mais duros do que os Norte-americanos.

    Há uma série de dados incríveis sobre a imigração legal no México, quem não for rico, branco ou vindo de um país desenvolvido dificilmente entrará no México.

    Enquanto a população de estrangeiros nos USA é significativa no México não passa de 1%, e pior os Mexicanos queriam construir um muro no sul do México!

  19. Valeu esquerdomachos!

    Fiquem em paz e em boa companhia. Isto é, entre vocês mesmos. Aplaudindo uns aos outros e se reafirmando nas suas ‘esquerdices excludentes” . Protejam a família e a propriedade (sobretudo dos americanos)! 

    Enquanto isso, a caravana continua passando. Ao largo desse reduto de machos da esquerda reacionária. 

    Beijos!

    • espelho

      O cidadão estadunidense acordou no dia da votação, olhou-se bem no espelho e disse: Vou votar nesse cara!

      Passados uns dias, ele se olha novamente e diz: Eu sou isso? Que merda eu sou e nem disconfiava!

      Por isso, e só por isso: Viva TRUMP!

    • Oi Vânia, nao sei se o seu

      Oi Vânia, nao sei se o seu comentário foi irônico, mas eu nao tenho visto ninguém da esquerda comemorar a vitória do Trump, muito menos as merdas que ele fala e defende, mas sim comemorando a derrota da Hillary Clinton. Uma pergunta: você faz parte da esquerda que está chorando as pitangas pela derrota da Hillary? Esses dias vi a Gleisi Hofman e o Jean Wyllys homenageando a gestao Obama. Cair nessa conversa fiada de que eles lutam pelas minorias é se deixar enganar completamente pelas aparências.

      • eu nem deveria perder meu tempo, mas vamos lá..

        Procure um, unzinho só, post aqui do blog no qual alguém esteja defendendo a Hillary. Não vai achar, e, se por acaso eu comi mosca e existe um post desse tipo, deve ser um apenas e sem repertussão. Agora, procure posts defendendo direta ou indiretamente o Trump. Porvável que você encontrorá vários. Como já disse aí embaixo (as pessoas têm preguica de ler, e quando leem têm mais preguiça ainda de tentar entender) nem quando o Obama foi eleito pela primeira vez e se configurava uma promessa de avanços de direitos etc, foi tão comemorado como o Trump tem sido por aqui.

        MAs… é isso aí. Continuem descendo a lenha no PSoL, nos gays, nas mulheres que não entendem nada de geopolítica e muito menos de geoeconomia, ao tempo em que celebram tipos como o Trump. 

        Talvez ainda neste ano vocês estejam celebrando a vitória de Le Pen na França ou algum “antineoliberal regressista” na Alemanha.

        Como eu disse em outro post :

        A nova ”esquerda reacionária” não quer mais saber de sustentabilidade, nem do racismo, nem da misoginia, nem da xenofobia, nem dos palestinos, nem da homofobia, nem da liberdade religiosa ou do estado laico …  Tudo isso agora virou coisa de “neoliberalista progressista”‘.

        Nada mais importa! O importante agora é apoiar o Trump incondicionalmente. Tendo fé cega nesse senhor com ideias tão nobres, rejuvenecedoras e revolucionárias… Marx tá vendo!

        Deixando a ironia de lado, agora eu começo a compreender profundamente Hannah Arendt.

          • Vocês entenderam, leitores do

            Vocês entenderam, leitores do blog? A prezada Vânia aparece de repente, assim do nada, nos trazendo a verdade. Depois de confrontada, ela xinga todo mundo e sai cantando vitória. Sabe o que me lembra? A famosa síndrome do pombo enxadrista

          • Como assim apareci do nada, querido?

            “Vocês entenderam, leitores do blog? A prezada Vânia aparece de repente, assim do nada”

            Pergunte ao Nassif e a tantos outros membros do blog quantas vezes confraternizei com os mesmos nos saraus do Nassif. Inclusive,alguns se tornaram meus amigos e nos encontramos rotineiramente desde quase 10 anos.

            Nem precisa disso, sem stalkear pois estou dando a permissão, você pode passar na minha página aqui e ver a enorme quantidade de posts que já foram publicados indicados por mim, além de milhares de comentários que fiz. Sem nunca me esconder atrás da opinião da maioria. Ao contrário, odeio maiorias e unanimidades.

            Agora, esse seu comportamento é não só lamentável como covarde. Você age assim pq percebe que sua opinião nesse caso condiz com a da maioria dos comentaristas aqui.

            Isso não é só má-fé. ´É covardia e abuso de sua suposta posição de “poder”.

            VÁ SE FUDER BABACA COVARDE.

          • Bom, eu estava me referindo a

            Bom, eu estava me referindo a essa postagem aqui, nao fui e nao quero te stalkear minha cara, mesmo com a sua permissao. Até pq pelo pouco que eu sei daqui do ggn, nao é necessária a permissao da pessoa para que você possa visualizar o seu perfil. Eu, mais uma vez, declino a oferta. Nao tenho que perguntar nada ao Nassif sobre você, até pq, por que eu faria isso?

             

            Eu coloquei o pombo enxadrista pq essa é a primeira vez que eu te vejo aqui no blog. E eu vi uma pessoa que se exalta rapidamente e sai ofendendo os outros quando contrariada. Nao sou covarde, ser chamado de covarde nao me deixa injuriado. Pelo contrário, sou conhecido entre os meus amigos por ser até iconoclasta. Longe de mim só postar aqui no Nassif apenas quando percebo que sou maioria, essa suposiçao é uma grande desonestidade da sua parte. E ainda termina me mandando se fuder. kkkkk tadinha, to com dó. 

          • kkkkk teve que se agarrar a

            kkkkk teve que se agarrar a uma frase isolada da minha postagem. Desculpe, Vânia, a Magnânima, por nao ter tido o prazer inenarrável de ler os seus comentários e artigos incríveis. Da próxima vez vou combinar de passar longe rsrs

          • Nem precisa nem pedir! Eu

            Nem precisa nem pedir! Eu passo longe dxs empoderadxs, esse pessoal se diz de esquerda mas nao quer nem saber de luta de classes. O PCO está certíssimo, é uma esquerda pequeno burguesa, totalmente descolada da realidade, só existe nos centros academicos das universidades. O processo do golpe da Dilma mostrou muito bem isso. Lutam muito! A favor da direita… 

          • Vixe o bicho pegou.Ainda nao

            Vixe o bicho pegou.Ainda nao li os post de uma e de outro.Mas quando a coisa caminha para papos,vamos por assim dizer,de botequins da esquina,a bola passa para Da.Lourdes,a que pratica a Justiça mais justa.A minha area de atuacao so me permite ir ate o local onde funcionava o antigo Bar Antonio’s.

          • Nao seja desonesta. Nao foi

            Nao seja desonesta. Nao foi por causa disso que eu digo que o PSTU e o Psol apoiaram o golpe. É por causa do apoio a Lava Jato, às 10 medidas contra a corrupçao, sao muitos os artigos do PSTU defendendo o golpe, dizendo que nao tinha golpe coisa nenhuma. Até hoje eles continuam nessa política. Sao muitos os artigos da Luciana Genro nessa direçao, e nao é só dela, pq ela fala essas coisas e o resto do Psol nao fala nada. Nao tem moçao de repúdio, crítica pública, nem nada. Enfim, nao venha com essa lógica estapafúrdia onde você tenta encaixar os meus argumentos, eu nao falei nem insinuei isso aí.

          • meu jezuis cristinhuuu!

            Quem está sendo desonesto aqui? Quem está tergiversando?

            Até o momento que o senhor vitorlara31 começou a comentar, o tema era notadamente, exclusivamente, o gov. Trump. 

            Aí o cara desemboca a meter o PSoL, PSTU e o carallho^4 no meio. Totalmente fora do contexto. (Tenho que fazer uma observação que deveria ser desnecessária: não sou psolista, muito menos pstu, mas pra essa gente que usa retórica simplista, sempre é bom ressaltar essas obviedades)

            Não satisfeito, acusa sua interlocutora (a contra gosto) de desonesta.

            Ai ai… Poxa. Tem hora que eu até entendo quem tem raiva da esquerda. Uma esquerda mesquinha, tolinha, cheia de má-fe e que usa argumentos fraquíssimos e facilmente desmascarados… Tá cada vez mais difícil ser de esquerda e ter que se não só se defender e contrapor os direitistas malucos, mas agora também essa esquerda stalinista alucinada.

            Tá osso!

          • Prezada, aqui neste mesmo

            Prezada, aqui neste mesmo tópico, você primeiro mandou eu me fuder, e me chamou de desonesto sem razao. Eu fico imaginando, se fosse eu que tivesse mandado a nobre Vânia ir se fuder? Acredito que ela iria ficar sambando em cima disso sem parar por todo o tópico. Depois, é comprovadamente desonesta, como todos podem ler aqui, e quando acusada, ao invés de tentar argumentar, fica tentando virar o jogo. Você é uma troll, a regra geral na verdade é nao alimentar. Nassif e outros, por favor analisem se a Vânia nao está trollando aqui nesse tópico? Você tenta conversar e só recebe ofensa e acusaçao, argumentaçao que é bom, nada.

          • Mandei sim! Foi mais do que merecido.

            Agora, nem vou te cobrar lógica. Espero apenas que saiba ler e, quiçá, interpretar textos minimamente. 

            Volte à primeira casa e veja quem está trollando aqui. 

            De todo modo, eu mesma me denunciarei:

            Lourdes Nassif! Luis Nassif! Moderem meus comentários que estão desagradando e ofendendo o senhor vitorlara31. às vezes violento, às vezes mimimimimi….

          • Agora eu fui violento! Chama

            Agora eu fui violento! Chama sim! Impossível conversar contigo, você só trolla! Me submeto a qualquer tipo de julgamento, se nao cair nas maos de um sérgio moro e for um julgamento imparcial, nao tenho nada a temer. Dá pra ver o seu modus operanti totalmente falacioso, que chega atacando todo mundo, fugindo das perguntas e xingando. Luta muito!

          • Ok. O Dr Lara. Qual seria a melhor assinatura para o depoimento:

            “Eu sou um troll.

            Não postei nada que acrescentasse algo de novo nesse tópico.

            Fiquei só falando de PSoL e PSTU etc, apesar de o post ser sobre um assunto totalmente diverso.

            Usei de má-fé contra quem ousa expor pensamentos divergentes

            Tergiversei e coloquei outras coisas que não tinham nada a ver no meio da conversa.

            Não falei uma palavra a respeito do tema em tela: Trump.

            Chamei a atenção dos leitores para um comentário que não ia ao encontro do meu, e desqualifiquei-o, bem como sua autora.

            Tô até agora de birrinha brigando com a mulher que não sabe o seu lugar…

            Ah… Tinha até me esquecido que o assunto era o Trump e não a Vania.”

             

          • Começa a postagem pegando um

            Começa a postagem pegando um elemento do meu perfil, que nao tem absolutamente nada a ver com o que estamos discutindo, e trazendo pra discussao. Depois me acusa de fazer a mesma coisa. Olha como é troll. Se recusa a se aprofundar o mínimo sobre geopolítica internacional supostamente por que luta pelos direitos das minorias, como se fossem coisas antagônicas. Enfim, tem uma política sem pé nem cabeça, nao responde nada, fica tentando se agarrar a qualquer possibilidade de acusar o outro de machismo e ‘lacrar’ em cima disso.

          • Já te falei pra voltar à primeira casa, né?

            Mas, você, “esquece”o contexo e o histórico da conversa e foca sempre no último comentário. Se você voltar, verá que é você que está fazendo tudo o que me acusa de fazer. Cansei, querido. Fique com sua “razão”. Tenho mais o que fazer e gente muito mais itneressante e honesta com quem conversar.

          • Vou deixar a lacradora

            Vou deixar a lacradora dominar tudo isso aqui. Se a moderaçao nao quiser fazer nada, ok. Respeito a política da página. Mas eu tô fora, tenho mais o que fazer. Parabéns trolladora, só deu close certo rsrsrs

          • Nao posso acreditar nesse

            Nao posso acreditar nesse espetaculo deprimente,indigno e amolecado patrocinado por esses dois comentaristas.Pior,o blog publicar essas ofensas,nao aos dois,que nao se dao ao respeito,e estarrecedor.Leio o blog e dele participo,nos quase dez anos de sua existencia.Nunca presenciei nada nem parecido.Quase a metade dos meus comentarios,sao levados a tesoura,provavelmente por nao me permitir ser cadastrado,nunca,jamais usei palavras de baixo calao que acabo tristemente de ler.Esse espetaculo dantesco patrocinado por esses dois cretinos,com a aquiescencia da editoria do blog,o afasta da linha protocolar da decencia,e o empurra a passos largos para o despenhadeiro da baixaria.O que seria de nosoutros,se nao houvesse amanha,me dizia Papai.As estrelas,a brindar capadocagens,voces podem ficar com elas.Tenham certeza,meu nivel e outro.

          • Prezado Junior

            Prezado Junior Sertanejo, 

            todo respeito à sua maneira de agir aqui no blog. Posso te garantir que a minha maneira de conversar com os outros é respeitosa. Quando você iguala os dois lados da confusao da forma que fez nessa sua postagem, ignora algumas coisas. Por exemplo, no uso de palavras de baixo calao. Quando eu usei qualquer uma aqui, nessa discussao? É o contrário meu amigo, eu fui xingado e ofendido. O meu ‘erro’ foi nao abaixar a cabeça e aceitar os insultos da tal da Vânia. Eu acho engraçado pq pelo que pude ver, você também teve alguns atritos com a moça. Gostaria de saber os motivos pelos quais me chama de cretino. Achei essa ofensa totalmente gratuita. Respeito a sua maneira de agir, mas eu nao sou de levar desaforo pra casa. Repare que fui chamado de cretino por você e nao estou respondendo na mesma moeda. Uma sugestao, quando for dar um banho em um bebê, cuidado pra nao jogar fora o bebê junto com a água suja e a bacia.

             

            Abraços

        • Minha cara, eu te fiz uma

          Minha cara, eu te fiz uma pergunta, nao entrei e nem quero entrar no seu perfil pra te stalkear ou ver as suas publicaçoes. Você poderia simplesmente ter respondido. O Psol e o PSTU tem mesmo que apanhar, preferem lutar pelo fora Trump mas na hora de encarar o golpe e os golpistas, se enfiam debaixo da cama. Ficaram o tempo todo falando que nao tinha golpe, enfim, fizeram um ótimo trabalho para a direita. Pra finalizar, acho muito irônico você falar em Marx, pq isso é tudo que nao existe no Psol, o partido, além de ser anárquico, só fala em lugar de fala, vivência etc., e abandonou totalmente a luta de classes e o marxismo. E ambos, tanto o PSTU quanto o Psol, tem o costume de apoiar a política do imperialismo norte americano, Lu Genro e PSTU apoiaram o golpe no Egito, na Turquia e até mesmo no Brasil. Tem muitos outros exemplos. Deixe a ironia de lado e argumente minha cara. Eu nao posso fazer nada se você já está cansada de debater com os outros aqui no site, mas nao foi comigo.

          • meu caro

            nem precisamos voltar ao passado, mas continua valendo o que eu disse. Desafio você a encontrar aqui no blog, não necessariamente no meu perfil, posts tão efusivos com a vitória do Obama láááá atra´s.

            No mais, mostre uma coisa boa que “o cara” fez até agora. A menos que você(s) considere(m) coisas boas, condenar a preservação ambiental, aumentar a ocupação de Israel, cortar impostos das grandes empresas, cortar direitos trabalhistas, etc.

            Chega de retórica vazia. Eu já coloquei vários posts sobre atos do Trump nesses poucos dias que está no governo, inclusive os nomes de seu ministério e o histórico de cada um que nao deixa dúvidas sobre os rumos de seu governo.

            Agora… se vocês pretendem ficar “lutando bravamente” contra as mulheres e as minorias em geral que criticam o bem aventurado Trump – difamando-as nos blogs da vida – isso que é luita!!! ;  fiquem falando entre si e se trumpando. Vai dar tudo certo! Assim que se munda o mundo.

             

          • Quem está com retorica vazia?

            Quem está com retorica vazia? Estou falando de coisas concretas, falei do golpe no Brasil, falei dos golpes no Egito e na Turquia, onde houve um grande derramamento de sangue. ISSO é concreto. E o PSTU e o Psol, principalmente o PSTU, sao dois partidos que apoiaram o golpe no Brasil.

             

            Eu nao quero que o governo do Trump seja positivo em nada, eu torço para que ele afunde de vez os EUA, nunca fui e nao pretendo ir pra lá. Principalmente pq uma crise nos EUA enfraquece e muito os golpistas aqui no Brasil, e no mundo todo. Eu nao fui no seu perfil ver as suas postagens, desculpe, e nao pretendo ir lá pra ver, estamos conversando aqui. A luta nao é contra as mulheres e as minorias, é contra o imperialismo norte americano, principalmente. Inclusive uma pergunta que eu gostaria de fazer para as feministas do Psol, onde está e estava a sororidade com a Dilma? Nem mesmo quando era moda aqueles famosos adesivos onde a gente podia ver a presidenta Dilma de pernas abertas eu vi esse pessoal dar um pio.

    • Esquerdomachos?

      Boa noite Vânia, tudo bem contigo?

      Não entendi o título de seu comentário. Por que “esquerdomacho”? Alguém neste espaço foi machista contigo? Quem?

      Estou te perguntando porque realmente não entendi sua provocação.

      E francamente, sendo Trump ou se fosse Hillary, os EUA já perderam quando abriram mão de Sandres. Concorda?

      Abraços fraternos e até mais!

    • EM TEMPO

      Não se trata de te provocar, é só pra saber mesmo, porque me pareceu que você foi atacada por algum machista aqui nos comentários e tenho certeza de que Nassif tá de olho nessa galera…
      Até lá!

      • Eu sei que dá um certo trabalho, Antonio

        mas recomendo que você leia os comentários na ordem inversa a da publicação. Já estou exausta de ficar aqui discutindo com os esquerdomachos. 

        Que me desculpme os que não merecem esse rótulo, mas, infelizmente, é a maioria.

        Aliás, quando eu perco esse tempo todo nesse blog, como foi o caso hoje, sinto raiva de mim mesma. Burra! Perdendo tempo jogando périolas aos porcos.

        Ai que raiva de mim!

    • Por que não Esquerdomachos e

      Por que não Esquerdomachos e não Esquerdxs ??? Você tem a pretensão de saber qual gênero que eles acordaram se sentido hoje ???

  20. É pegar ou largar

    Ao contrário da maioria esquerdista, acho que em Trump, com aquele jeitão de branquelo fudidão e estourado, está a grande chance de redenção do Brasil. É só o Temer declarar guerra aos EUA que eles nos detonarão em 3 dias. Depois, movidos pelo remorso, reconstruirão o país. Será bom pra nós e Temer será lembrado para sempre como o Presidente que nos salvou. Espero que não errem as coordenadas para não acabar beneficiando a Bolivia, Paraguai ou, meu deus!, a Argentina.

  21. Nem acordinho, nem acordão: previsão neoliberal segura na brocha

    “Muitos se esquecem de que é um diplomata brasileiro que está à frente da Organização Mundial do Comércio”. ─ J. Carlos de Assis

    Bem lembrado. Está criada uma situação interessante. No polo oposto do comentarista, há um ano e meses atrás, um conhecido papagaio neoliberal também fazia críticas à indicação do embaixador, claro, por outro motivo: pela falta de importância que a OMC, segundo ele, iria adquirir pelo abandono dos principais países e de suas adesões aos  “acordinhos”.

    A escada da previsão derreteu. Ao que parece a diplomacia brasileira colheu um belo troféu na aposta. O programa empossado na sexta feira passada, no trono da mais central das economias, diz no capítulo sobre Comércio Internacional, no sexto item, que a OMC será acionada,  como palco de sua guerra protecionista particular contra a China. Se o programa for cumprido na risca, o que já começou com a implosão do “acordinho” TPP, aguarda-se o Nafta, haverá uma tarefa diplomática intensa na OMC. Vai valer o que ali for pactuado, no Acordão.

    Transcrevo para alegrar o texto com o contraste da previsão:

    “No começo do primeiro governo Lula, quando começavam a decolar os acordos de comércio entre grupos de países, negociados por fora da Organização Mundial de Comércio, o então chanceler brasileiro Celso Amorim saiu-se com esta: o Brasil não está interessado nesses acordinhos.

    Na diplomacia lulista, só o acordão interessava  – um tratado global negociado há décadas no âmbito da OMC. Por isso, aliás, havia paralelamente o empenho brasileiro em conseguir o posto de diretor-geral da Organização, uma vitória alcançada em 2013, com o diplomata Roberto Azevedo.

    Mas o posto já não tinha importância. A maior parte dos países ─ todos os mais importantes ─ havia simplesmente abandonado a OMC e concentrado todos os esforços nos tais “acordinhos”, que, bem vista a situação, davam não em um mas em vários acordões”. ─ Fonte: http://oglobo.globo.com/opiniao/nem-acordinho-nem-acordao-17718521

    “6. Instruct the U.S. Trade Representative to bring trade cases against China, both in this country and at the WTO. China’s unfair subsidy behavior is prohibited by the terms of its entrance to the WTO”. ─ Fonte: https://www.donaldjtrump.com/policies/trade/

    • Diplomatas funcionarios de

      Diplomatas funcionarios de organizações multilaterais nem podem operar para seus paises de origem, nem é da praxe das relações internacionais que o façam, portanto o fato do diretor geral da OMC ser brasileiro é irrelevante na questão.

      • É isso, não é difícil de
        É isso, não é difícil de entender, ou é?
        Dificil de entender é como o autor do post pode se espantar porque um brasileiro, diretor geral da OMC, uma instituição Internacional, não usa seu cargo para favorecer o Brasil, e o critica por isso. Depois quer ser levado a sério.
        E o pior é a covardia que comete contra os palestinos. Eles têm tantas condições de resolver a “questão palestina” sozinhos com Israel quanto uma mulher que é abusada cotidianamente pelo marido terá de conseguir resolver sua questão “matrimonial” apenas negociando com o marido face a face sem “interferências externas”. Ademais Israel não estará só. Trump está 150% do seu lado. A frase de Trump pinçada pelo autor a respeito do assunto transborda ironia Trumpiana por todos os lados. O que ele quis dizer foi que os judeus tem direito histórico e divino à toda a Palestina e ninguém deve interferir.

  22. Veremos Assis, mas me parece uma ingenuidade da sua parte.

    Até o momento, o que vimos são assessores  que devem, com certeza, defender interesses muito próprios. O povo americano está com problemas, mas as empresas globalizadas ( ligadas a muitos dos seus amigos e assessores)  nadam de braçada, acumulando mais e mais dinheiro e excluindo mais e mais gente. O discurso que os países do mundo estao explorando os Estados Unidos, parece indicar que  o problema de Trump  não é com as multinacionais, mas com os paises.  O povo americano pode estar cansado das guerras, mas a indústria bélica nada de braçada. Wall sttreet  que eu saiba não é o muro do Mexico, e continua nadando de braçada. Abrir subsídios para o Shale Oil  e outras indústrias sujas, não é exatamente nacionalismo nem defesa dos empregos americanos. Não sabemos ainda o que é tudo isto. Diminuir os impostos e dizer que vai sobretaxar indústris americanas é contraditório.  Os neliberais de plantão no Brasil talvez estejam um pouco perdidos, sem saber muito bem o que fazer. Afinal deram um golpe para tirar , como diz Parente, o conteúdo nacional, doar o pre-sal , comprometer nossas empreiteiras , e de quebra ceder  a tecnologia da Petrobrás  e quebrar com os BRICS. Me desculpe Assis mas eu acho que Trump em nome do nacionalismo vai apoiar tudo isto.    Não é Trump que nos deu a idéia de defender o conteúdo nacional, no momento estamos diante de um golpe contra isto.  Portanto acho que é ingenuidade pensar que Trump  é úma oportunidade dialética.  Talvez tenha apenas um discurso saudosista, do capitalismo dos anos 50, que serviu bem eleitoralmente, Se vai caminhar para este retrocesso quem vai dizer  são seus apoiadores, do qual seu staff é um retrato, mas isto  ainda não é o filme.  Um avanço dialético estaria talvez em Bernie Sanders,  mas que poderia Sanders contra Wall Street.  Mas atenção pois seus discursos também esgarçaram o povo americano.  

  23. A César o que é de Cesar

    Gostei da ideia deste tal de Trump e penso que o mundo poderia dar uma ajuda ao Zé Topete. Esse negócio de somente impedir os mexicanos ao acesso aos Estados Unidos é puro remendo. Nós todos deveríamos ajudá-lo a estender este futuro muro aos quatro cantos da Terra. Em outras palavras, Trump quer a América para os americanos, pois então que a América fique só para eles. Não precisaríamos de tijolos, é então somente o mundo tratar os EUA assim como os EUA querem tratar o mundo. Bastaria o mundo construir um muro econômico ao redor dos Estados Unidos tal qual aquele contruído pelos americanos em torno de Cuba. Pronto! Ninguém. Nenhum país negociária com os EUA. da mesma forma, nenhum americano fora da América e nenhum estrangueiro nos Estados Unidos. Lindo! Nosso Destino Manifesto seria a reciprocidade. Nenhum produto americano fora da América e nenhum produto do mundo dentro dos Estados Unidos. São eles auto suficientes? Se acham eles que sim, então por que não dar a César o que é de Cesar?  

  24. Assis, o que vc diz sobre isso ?

    Mr. Trump assinou decreto hoje ordenando a construção do Muro na fronteira com o México. Provavelmente somente americanos brancos serão admitidos para trabalharem na obra. Dessa forma o México não cai mandar mais ” pessoas como eu ou vicê. O México manda somente criminosos, drogados, estupradores. Assistam Mr. Trump:
    https://m.youtube.com/watch?v=37zvOZ17eSE&itct=CAwQpDAYBSITCK7x54P-tdECFcFlvgod_sgKSTIHcmVsYXRlZEjAusLuju_avz0%3D

  25. O Fim dos pensadores de facebook!

    A saga começou na Russia, parece que chegará ao Brasil….

    Num mundo cheio de conversas chatas, repletas de voltas, conceitos vazios e repetitivos que lembram um penico esmaltado novo, assistimos o crescimento de quem fala grosso, vai e faz!

    O perfeito idiota está direcionando pra quem tem condições e força de trolar o que tiver pela frente…e não enxergam! Parabens!

    O nível de ‘mi mi mi’ e ‘ai ai ai’ em tudo chegou as raias do insuportável!

    Abram o olho! A onda está mudando!

  26. E o que o governo golpista,

    E o que o governo golpista, incompetente, composto por salafrários, sujos e corruptos vai fazer? a candidata deles no EUA perdeu as eleições e eles agora estão como urubus quando as hienas chegam à carniça, voando perdidos no seu labirinto golpista, medíocres, traidores, oportunistas, o Trump não os reconhece sequer para limpar suas botas ou apertar o cinto de seu avantajado abdome.

     

    Eles apostavam numa relação privilegiada com o império do norte, depois de todo apoio ao golpe, mas agora serão tratados como limpadores de fossa pelo Ianque, vão exportar sandálias avaianas para quem agora?

     

    Trump provavelmente está se lixando para a legitimidade ou não de governos que transformaram os seus países em típicas repúblicas de bananas, caso dos abutres que tomaram o poder no Brasil, mas vai impor de forma acachapante suas políticas protecionistas, racistas, xenófobas, e os bobalhões do PMDB/PSDB com o seu liberalismo para lascar com o povo e enriquecer ainda mais a elite , os bancos e os rentistas se comportarão como verdadeiros capachos do império, provavelmente os juros dos EUA começarão a subir com grande impacto sobre a política monetária brasileira e reflexos nas contas públicas, pois mais uma vez recorrerão ao único modelo que conhecem: elevar os juros domésticos.

     

    O governo dos golpistas está calado, não move um músculo sequer quanto ao que está em andamento nos EUA, são agora poetas do silêncio.

     

     

    • Calma lá

      O Índice Dow Jones se valorizou 140% nos oito anos de governo do Barack Obama (entre 20 de janeiro de 2009 e 20 de janeiro de 2017). Desde a eleição do Donald Trump o índice se valorizou 9% e no governo Trump a valorização não chega a 1%.

  27. Até agora o melhor post do

    Até agora o melhor post do ano…Várias correntes de esquerda em franco confronto é lindo….Arte! ….

  28. Repeat it to me

    “Ao contrário do que pensam, seu nacionalismo vai muito além da retórica. Ele não quer se meter nos problemas do mundo em todo o planeta. Num dos temas mais sensíveis, Israel, ele fez um comentário absolutamente pertinente. Só Israel e os palestinos poderão resolver os seus problemas, disse ele. A pretensão de que tudo se resolve em Washington mais do que fracassou.”

    *** 

    Ué?

    ***

    Dezenas de casas novas serão erguidas em Beit El — enclave vizinho de Ramallah, a capital administrativa da Autoridade Palestina —, que recebeu financiamento da família do genro e assessor do presidente Trump, o judeu ortodoxo Jared Kushner, segundo o jornal israelense Haaretz.

     

    Governo israelense aprova construção de 2.500 casas no território palestino ocupado

    ”As regras do jogo mudaram com a chegada de Trump na presidência”, afirma vice-prefeito da cidade

    Por 

     

    Depois de autorizar a expansão dos assentamentos em Jerusalém Oriental domingo passado, Israel aprovou nesta terça-feira a construção de 2.500 casas na Cisjordânia durante os primeiros dias do mandato de Donald Trump nos Estados Unidos. Trata-se de obras em territórios palestinos ocupados pelo Exército israelense em 1967 e considerados ilegais pela comunidade internacional. Há cerca de um mês, na etapa final da Administração do democrata Barack Obama, o Conselho de Segurança da ONU adotou uma resolução que condena as colônias judaicas sem que Washington exercesse seu tradicional poder de veto em defesa dos interesses de Israel.

     

    “Estamos construindo e continuaremos construindo”, disse no Twitter o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, pouco depois do anúncio do Ministério da Defesa sobre a ampliação dos assentamentos para “manter uma vida cotidiana normal” na zona. Mais de 400.000 colonos judeus moram em centenas de assentamentos na Cisjordânia e outros 200.000 em Jerusalém Oriental.

    Dezenas de casas novas serão erguidas em Beit El — enclave vizinho de Ramallah, a capital administrativa da Autoridade Palestina —, que recebeu financiamento da família do genro e assessor do presidente Trump, o judeu ortodoxo Jared Kushner, segundo o jornal israelense Haaretz. Outras casas serão erguidas em Ariel (900), Maale Adumim (90) e Givat Zeev (100), entre uma dezena dos chamados “blocos de assentamentos”, urbanizações que Israel pretende incorporar ao seu território após um eventual acordo com os dirigentes palestinos.

     

    Netanyahu comunicou aos principais ministros de seu Governo que ordenou suspender as restrições à construção em colônias judaicas em Jerusalém Oriental, o que até agora havia sido limitado antes as pressões internacionais contra a expansão dos assentamentos. Domingo passado, a Prefeitura de Jerusalém aprovou a construção de 566 moradias na parte leste da cidade, anexada por Israel após a guerra de 1967.

    O anúncio da ampliação de três assentamentos judaicos — Pisgat Zeev, Ramot e Ramat Shlomo – ocorre apenas 48 horas depois da chegada de Trump à Casa Branca. A Prefeitura de Jerusalém já havia tentado autorizar as novas urbanizações no final de dezembro, mas Netanyahu pediu, na época, que a decisão fosse adiada até a finalização do mandato de Obama, cuja Administração se mostrou abertamente contrária à ampliação de colônias em territórios palestinos ocupados.

    “As regras do jogo mudaram com Trump na presidência”, declarou o vice-prefeito de Jerusalém, Meir Turjeman, adiantando que os serviços de urbanismo estudam projetos para erguer outros 11.000 alojamentos em Jerusalém Oriental. Em 2014, foram autorizadas 775 moradias em assentamentos na parte oriental da cidade. Em 2015, houve outras 395. Em 2016, foram aprovadas cerca de 500 casas até a eleição de Trump em 8 de novembro e, dessa data até o final do ano, mais de mil receberam autorizações municipais.

    “Israel deve receber como resposta uma clara ação internacional após a última expansão dos assentamentos, adotada depois da posse do presidente Donald Trump”, advertiu nesta terça o secretário-geral da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), Saeb Erekat. “A decisão israelense [de construir e Jerusalém Oriental] é uma afronta ao Conselho de Segurança da ONU, especialmente depois da resolução 2334 [aprovada em 23 de dezembro passado com a abstenção dos EUA e o voto favorável dos demais Estados membros], que declara a ilegalidade dos assentamentos”, disse no domingo um porta-voz do presidente palestino, Mahmoud Abbas.

  29. Repeat it to me

    “fico imaginando como mesmo pessoas inteligentes e razoavelmente informadas não conseguem entender o que Donald Trump representa para os Estados Unidos e para o mundo em termos de mudança de paradigmas.”

    ***

    Ué?

    ***

     

    Dow Jones alcança 20.000 pontos pela primeira vez na história

     

    Índice de referência de Wall Street teve alta de 9% desde as eleições presidenciais dos Estados Unidos

    O Dow Jones, o índice mais acompanhado no mercado de ações de Wall Street, alcançou 20.000 pontos pela primeira vez desde sua criação há 120 anos, tão logo se iniciaram as operações nesta quarta-feira. O indicador nova-iorquino, que havia um mês tentava superar a marca histórica, já se apreciou 9% desde a divulgação do resultado das eleições presidenciais nos Estados Unidos, em novembro, quando Donald Trump venceu. O impulso definitivo chegou com a publicação dos resultados trimestrais por parte das grandes corporações. O S&P 500 e o Nasdaq também se movimentam em níveis recordes graças aos papéis dos setores financeiro, energético e industrial.

     Ampliar fotoFuncionários da Bolsa de Nova York na sexta-feira. SPENCER PLATT AFP

    Em 6 de janeiro o índice seletivo norte-americano esteve a ponto de superar os 20.000 pontos. Ficou a menos de quatro décimos da marca. A partir desse momento, os investidores começaram a levar as coisas com mais calma, à espera de que as grandes empresas publicassem seus balanços. E esse foi o estímulo que fez com que nesta quarta-feira, assim que começaram as operações, superasse a marca histórica. Subiu mais de 100 pontos na abertura, e bastavam 88 para o recorde.

    MAIS INFORMAÇÕES

    Trump assina nesta quarta decreto para construir muro com o MéxicoTrump ressuscita dois polêmicos oleodutos barrados por ObamaTrump reinstaura proibição a verbas para o aborto no exterior

    O índice do mercado de ações mais conhecido do mundo nasceu em 26 de maio de 1896, e na época se baseava nos dados das duas empresas que o compunham. Atualmente indica a evolução de 30 grandes multinacionais norte-americanas, entre as quais a Apple, Microsoft, Wal-Mart, Coca Cola e Disney. Levou 76 anos para superar os 1.000 pontos, o que aconteceu em novembro de 1972. Durante essas décadas, seus movimentos eram relativamente estáveis.

    Pouco a pouco as coisas mudaram e, 11 anos depois, em 1987, superou os 2.000 pontos. Então começou a ganhar velocidade. Com o crash de 1987 perdeu parte do terreno conquistado (a chamada segunda-feira negra), mas em 1999, menos de uma década depois, já superava os 10.000 pontos. Em maio de 2013 ultrapassou o marco dos 15.000 pontos e em 2017 já ultrapassava a barreira dos 20.000 redondos.

    A alta nos últimos 12 meses foi importante. Em fevereiro de 2016 registrou o mínimo deste período: 15.451 pontos. Depois disso o aumento foi de 30%.

    O Dow Jones já havia chegado perto do nível psicológico dos 20.000 há cinco semanas, quando ficou a menos de 25 pontos no fechamento das operações, em 20 de dezembro. Poucos dias depois, em 6 de janeiro, quase conseguiu. Até chegar esta quarta-feira. A única coisa que poderia ter detido a escalada seria uma mudança repentina de percepção. Tudo se fundamenta na esperança de que Donald Trump levará adiante as suas propostas econômicas. Os dados sustentam o otimismo pós-eleitoral.

    ampliar foto

     

    O Dow Jones fechou acima dos 19.000 pontos em 22 de novembro. Bastaram, portanto, somente 42 dias, o segundo incremento mais rápido de 1.000 pontos na história do pregão. Mas estes números redondos, na realidade, são uma amostra da tendência em que se fixam os operadores do pregão. O que está para se ver agora é quanto tempo poderá se manter nesse nível. O Dow Jones cruzou pela primeira vez os 10.000 pontos quando se formava a bolha tecnológica. Mas levou uma década para voltar a alcançar esse nível e sentar as bases para começar a crescer.

    O último salto, na realidade, se apoia nos papéis mais beneficiados pelo entusiasmo surgido com a vitória de Trump em 8 de novembro. Esta semana ele prometeu incentivos às empresas, com um corte “maciço” de impostos e em “regulamentação”. O Dow Jones ganhou 1.600 pontos em praticamente dez semanas. A Goldman Sachs contribuiu com uma quinta parte da escalada, em uma rotatividade de carteiras que foi seguida pela seguradora UnitedHealth, Caterpillar, IBM, 3M e Chevron.

    Os pontos vulneráveis

    Os mais críticos desses indicadores lembram, porém, que o Dow Jones representa uma proporção muito pequena dos milhares de empresas cotados em bolsa. Além disso, ao contrário do S&P e do Nasdaq, os outros índices representativos de Wall Street, o cálculo que adota faz com que as companhias com o preço mais alto tenham uma influência maior. A Goldman teve apreciação de 45% desde setembro.

    Se forem adotados como referência os 10.000 pontos de outubro de 2009, o componente do índice que mais se apreciou foi a UnitedHealth, com um aumento de 520%. Seguem-se Home Depot, com alta de 450%, Visa, de 340%, e Apple, de 345%. Os mais tímidos são IBM, ExxonMobil, Cisco e Goldman Sachs, com um retorno inferior a 30% A At&T, Alcoa, HP e Kraft saíram do índice.

    Os analistas mais cautelosos consideram, precisamente, que é preciso de um esforço mais amplo para que o Dow Jones possa sustentar essa escalada após superar a marca dos 20.000 pontos. Para isso Donald Trump terá de demonstrar, por um lado, que pode cumprir suas promessas como presidente e, por outro, que o Federal Reserve não se vê forçado a acelerar o processo de elevação das taxas de juros.

    Mas os investidores podem, com estes índices, se sentir tentados a colher os lucros, à espera de que as promessas de Trump se transformem em ações. A alta se estancou em dezembro e nas últimas semanas os investidores já demonstraram dúvidas, ao ponto de o Dow Jones perder na quinta-feira o nível dos 19.700 pontos, pelo temor das ameaças protecionistas.

     

  30. Ninguém pensa. O que ocorreria que Hillary ganhasse?

    Talvez o mais importante da vitória de Trump não é a sua vitória, mas sim a derrota de Hillary, pois a sua derrota representa um tipo de política interessada em criar guetos e individualmente negociar pequenos favores com os principais e inclusive lançando um gueto contra o outro.

    Como se pode ver claramente nos comentários deste post é que há neste momento acalorados debates de algumas pessoas contra Trump de forma enfática e outros de forma mais morna não defendendo Trump, mas relativizando a sua vitória. Ninguém em sã consciência dos debatedores estão apoiando Trump pelo que ele representa em termos de políticas sociais e políticas economicas que possam favorecer a população mais pobre norte-americana, porém há um aspecto que fica claro nesta discução, a possibilidade de com a eleição de Trump esteja se terminando um fase que parece para alguns, que estão atacando-o com todo o vigor, um começo do fim de um discurso de guetarização da política de pessoas que teoricamente são de esquerda.

    Nos últimos anos muitas pessoas aderiram a um discurso de guetarização dos problemas, estas pessoas abandonaram ou desviaram do discurso de esquerda tradicional do problema básico do problema de classes para problemas como problemas ambientais, feminismo, LGTB e outros setores da sociedade que se sentem e são discriminados.

    A base de toda a “esquerda” norte-americana era baseada nestes problemas reais, mas se discutidos isoladamente só criam divisões para a solução de um problema maior. E diria pior, estas pessoas que dividem a sociedade em pequenos grupos SE ACHAM DE ESQUERDA, e na realidade estão fazendo o jogo do grande capital que dividindo conseguem chegar onde chegaram.

    O problema do mundo não é Trump, mas sim que poucas pessoas tem o mesmo rendimento que metade da população do mundo, porém no lugar de se discutir isto se fica discutindo as piadas sexistas de alguém. Ou seja, o individualismo e o senso de solidariedade das pessoas chegou a tal ponto que se um quinto da população do mundo estiver morrendo de fome porém piadas sexistas forem extintas da nossa sociedade, tudo bem.

    Pus bem claro acima que considero estas pessoas com visão focada nos seus problemas pessoais não são de ESQUERDA, pois mais que considerem seu discurso revolucionário a divisão da sociedade em guetos de interesses diversos, tiram o foco do principal, da exploração do homem (espécie humana) pelo homem, e esta levará a problemas ecológicos, discriminação e demais. Logo a luta tem e deve ser unitária, pois se não for assim estamos fadados à derrota.

    • Muito bom o comentário,
      Muito bom o comentário, Rogerio Maestri. Infelizmente prevejo que você também será enquadrado como esquerdomacho por essas pessoas, que como você disse muito bem, não são de esquerda. Só gostaria de aproveitar que você é um dos colunistas aqui do portal para denunciar a tal da Vânia. Além de estar trollando os ditos esquerdomachos, ou melhor, quem discorda dela, ela fica postando uma porção de mensagens, eu diria na expectativa de que a discussão vá parar nas paginas anteriores. Gostaria de saber se é possível conversar com a moderação, por que eu fui inclusive xingado aqui, e a nobre esquerdista ainda se orgulha do belo feito.
      Abraços

  31. O que é esquerda?

    Depois de assistir a um “duelo” entre colegas do blog, achei importante agregar alguns pontos ao debate:

    Um sujeito de esquerda na Coreia do Norte o que seria aqui no Brasil, um conservador direitista?

    Vejam o caso do Roberto Freire, que se achava esquerdista nos moldes globais da Europa, como se um Lech Walessa tupiniquim fosse. Hoje ficou sem rumo. Os tucanos eram definidos como uma nova esquerda moderna, socialdemocrata, e o único que tem feito é entregar a nação para o mundo globalizado.

    A percepção de esquerda ou direita é diferente no mundo mais desenvolvido do hemisfério Norte em relação aos países emergentes.

    Alguns tentam se autodefinir como esquerda, apenas pela sua atitude mais moderna perante a sociedade e, particularmente, em propor legislação especial para determinadas minorias. Outros enxergam a esquerda, prioritariamente, como a legitima posição de reivindicação das classes mais desfavorecidas, em prol da justiça social. Há ainda gente de esquerda que acredita, também, numa postura terceiro-mundista em relação â soberania nacional e autodeterminação.

    Estas diferenças, explicitadas muito bem nas discussões vistas neste post, apenas dividem o nosso desejo de recuperar a real independência da nação brasileira e a justiça social.

    Discute-se o terceiro banheiro em shopping, antes de sequer concluir o saneamento que a maior parte da população carece, para, no mínimo, ter sequer um banheiro decente em casa. Não podemos colocar o carro antes dos bois. Sem um Brasil soberano e sem justiça social, não faz sentido discutir o sexo dos anjos, pelo menos não agora, até salvar a nação, erradicar a miséria, dar emprego a todos, e criar o espaço e o nosso legítimo direito de discutir “relação” sobre a sociedade que queremos.

    Entendo a luta individual pelo que cada um entenda ser a “sua esquerda”, mas, isso não invalida o fato de que há gente pobre de ideais familiares ou religiosas conservadoras, mas que também está desempregada e sem futuro. Todos precisam do Brasil, e Brasil precisa de todos.

    A esquerda não é um conceito global, onde ser de esquerda signifique exatamente o mesmo. Já na América latina, esse conceito nos une.

    • ESQUERDOMACHO!!! Que papo é
      ESQUERDOMACHO!!! Que papo é esse de que discutir o terceiro banheiro em shopping é colocar o carro na frente dos bois?!? Aposto que é branco cis hetero!!! Respeite o lugar de fala!!! rsrsrsrs

      • Rs, rs, rs

        Já fui chamado de coisa pior.

        Não quero defender a minha esquerda, mas o direito de todos a termos uma nação autônoma com justiça social. 

        Na nova sociedade, justa e autônoma, haverá muito boteco para gente mais “intelectual” possa discutir aquele assunto do banheiro e outras prioridades pessoais. 

  32. O que esteve em jogo nas eleições dos EUA

    Leio diariamente análise de política internacional de vários órgãos da mídia internacional e tenho minha interpretação sobre o que esteve (e está) em jogo nas últimas eleições (indiretas, diga-se de passagem) estadunidenses.

    Havia um triunvirato governante nos EUA: Complexo industrial-militar com influência dominante no Pentágono, Wall Street (grandes especuladores como George Soros, irmãos Koch, etc.) e mídia-empresa, toda sob controle dos dois primeiros. Não sei precisar exatamente quando começou o governo desse triunvirato mas claramente deram um Golpe de Estado na sucessão de Clinton (depois de ameaçarem-no com impeachment do qual só escapou por ter aderido aos verdadeiros governantes) quando reverteram a vitória de seu vice Al Gore e empossaram George W. Bush, facilmente controlável pelo triunvirato. As ameaças à autodeclarada hegemonia pelos próprios norte-americanos resultou no 11/09, claramente um atentado de falsa-bandeira como está convencida a maioria do povo estadunidense. A partir daí o triunvirato assumiu descaradamente o poder e Bush ficou sendo apenas um presidente decorativo. Obama talvez tenha tentado se tornar independente deles, mas fizeram alguma proposta (ou ameaça) que ele não poderia recusar, como diria D.Corleone. Assim continuou o governo do trio golpista, claramente demonstrado nas tentativas de John Kerry em fazer algum acordo com a Rússia que foram todas desautorizadas pela junta golpista em várias ocasiões. Como prêmio pela adesão aos golpistas os Clinton’s começaram a enriquecer desvairadamente e tornaram-se radicalmente pró-triunvirato e tentaram o golpe de misericórdia colocando na presidência uma pró-golpista de confiança, Hillary Clinton. A esta altura o povo norte-americano já estava tão cansado de se verem a cada dia mais pobres a uma minoria cada vez mais minoritária no topo da pirâmide e decidiram que qualquer um que representasse uma oposição ao esquema golpista servia. Sonharam com Bernie Sanders, que ganharia facilmente as eleições, mas tiveram que se contentar com Trump que fez uma campanha claramente contrária aos interesses do trio dominante e se tornou objeto de uma radical demonização promovida pela mídia-empresa, um dos braços do triunvirato, mas a aversão ao esquema representado por Hillary era já tão poderoso que Trump venceu incontestavelmente, como pode-se ver pelo mapa do resultado eleitoral:

    http://brilliantmaps.com/2016-county-election-map/

    Só quem vem acompanhando esta realidade do domínio de um Estado Paralelo, ou Estado Profundo, ou Estado Invisível nos EUA é que conseguiu entender o discurso de posse de Trump. Foi todo ele de recados para os derrotados: Complexo Industrial-Militar, mídia-empresa e (menos) para Wall Street. Ele disse que não iria olhar para o passado (11/09), mas só para o futuro e quando ele disse que o povo norte-americano estava retomando o poder político contra uma poder de uma minoria encastelada em Washington ele estava se dirigindo aos golpistas que impediram que a vitória de Al Gore fosse reconhecida e deram o golpe mortal em 2001 através do 11/09. Mas é claro que Trump não fez nada disso sozinho, ele estava ancorado em cerca de 200 militares de alta patente dos EUA que se opunham aos golpistas, ao risco de uma guerra mundial, ao financiamento do Daesh, etc. A histeria ora dominante dentro e fora dos EUA tem o dedo das falsas ONG’s de Soros e cia. que atuam em todo o mundo e que investiram cerca de 1 bilhão de dólares na campanha de Hillary.

    Trump é imprevisível e também não se sabe se ele conta com o apoio necessário dentro do “establishment” norte-americano para desafiar abertamente a mídia-empresa e o complexo industrial-militar para evitar o retorno dos golpistas de antanho. É um dos piores candidatos a presidente que os EUA já teve, mas creiam, Hillary seria ainda pior pois levaria faltalmente o mundo a um confronto bélico.

  33. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome